Constantino de Menelau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Constantino Menelau)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde outubro de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Constantino de Menelau

Constantino de Menelau foi nomeado 10.º Governador do Rio de Janeiro.

Diz Vivaldo Coaracy à página 36 de sua obra «O Rio de Janeiro no século XVII» que «os desmandos de Afonso de Albuquerque», o governador anterior, «haviam atingido as proporções de verdadeiros desatinos. Arbitrário, invadia atribuições que não lhe pertenciam, assumindo poderes dos magistrados e da Câmara e, quando era contestada a sua competência ou autoridade, respondia com a violência.» Em 1613 era tal a amotinação da população, envolvendo o governador Afonso de Albuquerque, o desembargador Manuel Jácome Bravo (enviado da Bahia para averiguar), e o prelado da cidade, Mateus da Costa Aborim, que «os oficiais da Câmara do Rio representaram às três autoridades». Os fatos chegaram a Lisboa e «a isto se deve a imediata nomeação de Constantino de Menelau», que assumiu o governo a 21 de dezembro.

Menelau, segundo Coaracy, iniciou o seu governo por uma série de providências administrativas que desafogaram a população da opressão. Foi um ano de intensa atividade administrativa. Deve-se-lhe a introdução no Rio de Janeiro da prática de correr legalmente o açúcar por moeda, que vigorou durante muitos anos, sendo com o produto pagos também os impostos devidos à Fazenda Real. Não era uso incomum, pois no mesmo século na Virgínia, hoje nos Estados Unidos, o tabaco fazia as vezes de dinheiro e na Carolina do Sul o arroz.

Menelau promoveu a reinstalação do ouvidor Gonçalo Homem e fundou um forte (o de Santo Inácio) e uma povoação em Cabo Frio, colocada sob a invocação de Santa Helena, pois ali os franceses persistiam em manter comércio de pau-brasil e de outros produtos da terra com os indígenas. Como não eram suficientes os habitantes do Rio de Janeiro para povoar a terra, conseguiu Menelau para isso a vinda de índios do Espírito Santo e o nome do povoado foi trocado em 1616 para Assunção de Cabo Frio.

Em uma de suas idas a Cabo Frio, o governador Menelau ali aprisionou o capitão Toussaint Grugel que, trazido ao Rio, ficou residindo na cidade por permissão especial até morrer em 1631. De seu casamento com Dona Domingas do Amaral teve sete filhos, sendo o tronco das famílias cariocas Gurgel do Amaral e Amaral Gurgel, das quais muitos membros desempenhariam papel notável na história da cidade.

Durante a gestão de Constantino de Menelau foi feito o primeiro calçamento urbano no Rio de Janeiro, na Ladeira da Sé, já desaparecida, e no largo diante da matriz, no alto do Morro do Castelo.

Menelau foi substituído por Rui Vaz Pinto, nomeado por provisão de 13 de julho de 1616, o qual tomou posse em 1617. Seu governo, diz Coaracy, «em contraste flagrante com o do seu antecessor, se caracterizou pelas arbitrariedades que praticou e pela agitação que promoveu» («O Rio de Janeiro no século XVII», p. 44).