Consumo conspícuo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Consumo conspícuo ou consumo ostentatório é um termo usado para descrever os gastos em bens e serviços adquiridos principalmente com o propósito de mostrar riqueza. Na mente do consumidor conspícuo, tal exibição serve como meio para ter ou manter um status social perante um grupo social, que determina socialmente objetos e bens, como uma classificação de um status mais elevado ou mais baixo por conta dessas respectivas aquisições, determinando assim uma classificação social com base em bens adquiridos e exibidos.[1]

O consumo conspícuo tem maior impacto ambiental e é antagonista da sustentabilidade, pois induz a desmedida exploração de recursos naturais para alimentar a produção de bens supérfluos. Com essa necessidade em obter objetos que utilizam o meio ambiente como fonte para sua produção, todo o mercado de produção intensificou-se para satisfazer tal modo de consumo, tendo implicações em diferentes atividades sociais, no surgimento de mais profissões especializadas para a contínua realização do consumo.[2]

Mesmo sendo prejudicial ao meio-ambiente, temos o ponto de que o consumo de certa maneira influencia também na economia, mas de maneira positiva, já que, a partir do momento em que as pessoas adquirem (compram), isso gera um crescimento financeiro.[3]

Referências

  1. Fernando Nogueira da Costa (6 de outubro de 2013). «Consumo Conspícuo». Blog Cidadania & Cultura. Consultado em 14 de maio de 2019 
  2. http://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/viewFile/152/116
  3. «Consumo: a força que move a economia». EXAME. 18 de fevereiro de 2011. Consultado em 14 de maio de 2019 

Ver também[editar | editar código-fonte]