Consumo de cannabis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Um cachimbo pequeno, como o Sebsi (Marocco), permite "vaporizar" cannabis a uma baixa temperatura (200 C), conservando THC.

Há várias formas de consumo de cannabis, sendo as principais o aquecimento da substância seguido por inalação de fumaça, o consumo oral ou a introdução em alimentos. O tetrahidrocanabinol também pode ser consumido, em uma forma pouco benéfica, fumando a resina carbonizada coletada dentro do cachimbo.

Fumo[editar | editar código-fonte]

A cannabis pode ser fumada com implementos como cachimbos, bongs e chilums, ou da forma convencional, enrolando um cigarro.[1]

Existem diversos métodos locais para preparação da planta antes da utilização, incluindo as partes da planta da cannabis que são usadas, e o tratamento do fumo antes da inalação. Atualmente, em algumas regiões da África, uma grande quantidade de cannabis é simplesmente jogada em fogueiras e a fumaça inalada.[2]

Vaporizador[editar | editar código-fonte]

Um vaporizador Volcano.

Um vaporizador aquece a cânabis herbácea 365-410 °F (185-210 °C), o que faz com que os ingredientes ativos evaporem em um gás sem queima do material vegetal (o ponto de ebulição do THC é 392 °F (200 °C) numa pressão de 0,02 mmHg, e um pouco superior à pressão atmosférica normal).[3] É a menor proporção de produtos químicos tóxicos que são liberados pelo tabagismo, embora isto possa variar, dependendo da forma do vaporizador e a temperatura em que é definido. Este método de consumir cannabis produz efeitos marcadamente diferentes do que fumar devido à inflamação de pontos de diferentes canabinóides; por exemplo, cannabinol (CBN) tem um ponto de inflamação de 212,7 °C[4] e seria normalmente presente na fumaça, mas pode não estar presente no vapor.

Consumo oral[editar | editar código-fonte]

Como uma alternativa ao tabaco, a cânabis pode ser consumida por via oral. No entanto, a cannabis ou o seu extrato deve ser suficientemente aquecido ou desidratado para causar descar-boxilação de seus canabinóides mais abundantes.[5]

Comida[editar | editar código-fonte]

Três bolos feitos de haxixe, derivado da cannabis.

Apesar do haxixe ser consumido muitas vezes cru ou misturado com água, o tetrahidrocanabinol e outros componentes são absorvidos de forma mais eficiente pela corrente sanguínea quando misturados a manteiga ou outros lipídios. A duração do aparecimento dos efeitos depende do conteúdo do estômago, mas geralmente é cerca de uma hora, e pode continuar por um período considerável de tempo, enquanto os efeitos de fumar cannabis são quase imediatos, com duração de um tempo mais curto[carece de fontes?].

Bebida[editar | editar código-fonte]

O material da cannabis também pode ser dissolvido em componentes de alto teor e álcool de cereais, formando o famoso "Green Dragon". Este processo é frequentemente utilizado para fazer uso de baixa potência dos caules e folhas.

A cannabis também pode ser consumida como chá. Apesar do THC ser lipofílico e solúvel rapidamente apenas em água (com uma solubilidade de 2.800 mg por litro),[6] ele pode ser dissolvido para fazer um chá suavemente psicoativo. Entretanto, isto é considerado um uso ineficiente da erva cannabis.[7]

Referências

  1. [1]
  2. «Erowid CannabisVault : Spiritual Use #2». www.erowid.org. Consultado em 13 de julho de 2008 
  3. 1989. The Merck Index, 11th ed., Merck & Co., Rahway, New Jersey.
  4. «ChemSpider - Cannabinol» 
  5. «Decarboxylation - Does Marijuana Have to be Heated to Become Psychoactive?». Consultado em 20 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2011 
  6. «ChemIDplus Lite». chem.sis.nlm.nih.gov. Consultado em 8 de agosto de 2008. Arquivado do original em 24 de abril de 2014 
  7. Cannabis and the brain. Invited review Brain. 126(6):1252-1270, June 2003. Iversen, Leslie