Contabilidade de ganhos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde junho de 2012).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2012).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2012)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

A Contabilidade de Ganhos (CG) é uma abordagem baseada em princípios de contabilidade e de gestão abrangentes que fornece aos gestores informações de apoio à decisão para a melhoria da rentabilidade da empresa. Embora a CG não seja um assunto tão novo, ainda é inovador para a contabilidade gerencial. Ela identifica os fatores que limitam uma organização de atingir o seu objetivo, e, em seguida, concentra-se em medidas simples em áreas-chave para alcançar as metas organizacionais.

A CG foi proposta pelo falecido Eliyahu M. Goldratt (falecido 11 de junho de 2011) como uma alternativa à contabilidade de custos tradicional. Como contabilidade, não é nem contabilidade de custos nem de custeio, porque não aloca todos os custos (despesas fixas e variáveis, incluindo despesas gerais) para produtos e serviços vendidos ou fornecidos por uma empresa. Considera que apenas os custos que variam totalmente com as unidades produzidas (CTV), por exemplo matérias-primas, são alocados aos produtos e serviços que são deduzidos das vendas para determinar o Ganho.

A Contabilidade de Ganhos é uma técnica de contabilidade de gestão utilizada como medida de desempenho da teoria das restrições (TOC). É a inteligência de negócios utilizada para maximizar os lucros, no entanto, ao contrário de contabilidade de custos que se concentra principalmente em "corte de custos e redução de despesas para aumentar o lucro", a Contabilidade de Ganhos se concentra principalmente no aumento do Ganho. Conceitualmente, a Contabilidade de Ganhos procura aumentar a velocidade ou taxa na qual o Ganho (ver definição de G abaixo) é gerado por produtos e serviços no que diz respeito à restrição de uma organização, podendo esta restrição ser interna ou externo à organização.

A Contabilidade de Ganhos considera apenas restrições como fatores limitantes do desempenho das organizações. A contabilidade gerencial é o conjunto interno de técnicas e métodos de uma organização utilizados para maximizar a riqueza dos acionistas. A Contabilidade de Ganhos, portanto, faz parte do conjunto de ferramentas que asseguram a eficiência onde é importante, bem como a eficácia global da organização. É uma ferramenta de utilização interna. Terceiros ou governo ainda dependerão de relatórios contábeis preparados por seus contadores, onde se aplicam os Princípios Contábeis Geralmente Aceitos.

A Contabilidade de Ganhos melhora o desempenho do lucro com as melhores decisões de gestão por meio de medidas que refletem mais de perto o efeito das decisões em três importantes variáveis ​​monetárias: Investimento (incluindo Inventário), Ganho e Despesas Operacionais.

História[editar | editar código-fonte]

Quando a contabilidade de custos foi desenvolvido na década de 1890, o trabalho era a maior fração do custo do produto e podia ser considerado um custo variável. Os trabalhadores muitas vezes não sabiam quantas horas eles iriam trabalhar em uma semana, então levantavam-nas nas manhãs de segunda-feira, porque o tempo de manutenção de sistemas eram rudimentares. Contadores de custos, portanto, concentraram-se em medir quão eficientemente eram os gestores de mão de obra, uma vez que era o seu recurso variável mais importante. Agora, no entanto, os trabalhadores quase sempre trabalham 40 horas ou mais; seu custo é fixo e não variável. No entanto, hoje, muitos gestores ainda são avaliados por suas eficiências de trabalho, e muitos "downsizing", "rightsizing", e campanhas de redução de outros trabalhistas são baseados neles. Goldratt afirma que, nas condições atuais, decisões que levam em conta a eficiência de trabalho podem prejudicar ao invés de ajudar as organizações.

A Contabilidade de Ganhos, portanto, elimina a dependência da contabilidade de custo-padrão sobre a eficiência em geral, e eficiência do trabalho em particular, da prática de gestão. Muitos contadores concordam com a crítica de Goldratt, mas eles não chegaram a um acordo sobre um substituto deste rateio e há uma enorme inércia entre as pessoas capacitadas que as fazem trabalhar com as práticas existentes.

Conceitos[editar | editar código-fonte]

A alternativa de Goldratt começa com a idéia de que cada organização tem um objetivo e que as melhores decisões aumentam o seu valor. O objetivo de uma empresa é facilmente definido: Ganhar dinheiro, hoje e no futuro. A Contabilidade de Ganhos aplica-se a não-fins lucrativos também, mas eles têm que desenvolver um objetivo que faça sentido em seus casos individuais. A Contabilidade de Ganhos também dedica especial atenção ao conceito de "gargalo" (referida como restrição na Teoria das Restrições) na fabricação ou processos de manutenção. A Contabilidade de Ganhos usa três medidas de receitas e despesas, como segue abaixo:

Ganho (G) é a taxa na qual o sistema produz "unidades de meta". Quando as unidades de meta são o dinheiro (em empresas com fins lucrativos), o rendimento é vendas líquidas (V) menos custos totalmente variável (CTV), geralmente o custo das matérias-primas (G = V - CTV). Note-se que (G) só existe quando há uma venda do produto ou serviço. Produção de materiais estocados faz parte do Investimento e não do Ganho. O Ganho tem um conceito semelhante ao da margem de contribuição da contabilidade de custos tradicional.

Investimento (I) é o dinheiro que está preso no sistema. Isto é, dinheiro associados ao estoque, máquinas, edifícios e outros ativos e passivos. No início da Teoria das Restrições (TOC), o "I" variava entre "inventário" e "investimento". O termo preferido agora é só "investimento". Observe que a TOC recomenda que o inventário seja valorizado estritamente pelo custo totalmente variável associada com a criação do inventário, e não com alocações de custos adicionais e rateios.

Despesa Operacional (DO) é o dinheiro que o sistema gasta na geração de "unidades de meta." Para os produtos físicos, DO são todas as despesas, exceto o custo das matérias-primas. DO inclui manutenção, aluguel e folha de pagamento, depreciação, etc. As organizações que desejam aumentar o alcance de sua Meta devem, portanto, exigir que os gerentes testem as decisões propostas contra estas três perguntas. Será que a mudança proposta? - Aumenta o Ganho? Como? - Reduz o Investimento? Quanto dinheiro é liberado? - Reduz a Despesa Operacional? Como? As respostas a estas perguntas determinam o efeito das decisões ou mudanças propostas sobre as medidas a nível de sistema: Lucro Liquido (LL) = Ganho - Despesa Operacional. Retorno sobre o investimento (RSI/ROI) = Lucro Líquido / Investimento.

Relevância[editar | editar código-fonte]

Um dos aspectos mais importantes da Contabilidade de Ganhos é a relevância da informação que produz. Os gestores atuais precisam de um sistema de informação gerencial que faça a ponte entre as suas decisões e a lucratividade da empresa. Eles precisam de um conjunto de medidas que os ajudem a responder à questão: se eu tomar esta decisão, a lucratividade da minha empresa vai aumentar? Hoje, para ajudar a responder a essa pergunta, a maioria das empresas utiliza medidas da contabilidade de custos e medidas de eficiência de máquinas, de equipamentos, custo por unidade, etc. Algumas usam até mesmo um sistema mais sofisticado, o Activity-Based Costing, mas todas essas ferramentas podem levar a decisões equivocadas. A Contabilidade de Ganhos, baseada na Teoria das Restrições (TOC), mostra que para se chegar a conhecer as fontes internas de lucratividade da empresa é preciso compreender a relação entre os recursos (capacidade) da empresa e seus produtos/serviços (mix de venda). É preciso dispor de medidas sistêmicas que permitam a visualização da contribuição de cada parte do sistema para a lucratividade total.

Referências[editar | editar código-fonte]

- CORBETT, Thomas, Bússola Financeira. Nobel, 2005, 1a edição, 208p. ISBN 8521313071