Convento de Nossa Senhora das Graças (Castelo Branco)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Convento e Igreja da Graça
Castelo Branco April 2015-3.jpg
Apresentação
Tipo
Estatuto patrimonial
Monumento de Interesse Municipal (d)Visualizar e editar dados no Wikidata
Localização
Endereço
Coordenadas

O Convento de Nossa Senhora das Graças, também conhecido pelos albicastrenses simplesmente por Convento da Graça, é um convento situado junto à saída norte da cidade de Castelo Branco. Actualmente é a sede da Santa Casa da Misericórdia de Castelo Branco[1].

História[editar | editar código-fonte]

A actual Convento tem origem no conventinho, um pequeno convento que foi construído em 1519 por disposição testamentária de Rodrigo Rebelo[nota 1]. O conventinho foi inicialmente ocupado por frades franciscanos e, em 1526, depois de cinco anos de abandono, foi entregue aos frades agostinianos que lhe deram a invocação de Nossa Senhora das Graças. Quando o edifício do actual Convento da Graça foi construído, o conventinho ficou apenas a ser igreja do Convento.

Convento da Graça

Em 1834, após a extinção das Ordens Religiosas, por Portaria de 18 de Setembro, a rainha D. Maria II autorizou que o Convento passasse para as mãos da Santa Casa da Misericórdia de Castelo Branco, para onde a Instituíção transladou o hospital da cidade - o hospital Bartolomeu da Costa - e, actualmente, é a sede da Instituição.

Convento[editar | editar código-fonte]

Claustro do Convento da Graça

Muitos conventos da Província Agostiniana serviam a comunidade e a chegada dos Agostinianos a Castelo Branco correspondeu a um periodo de prosperidade da Ordem, salienta-se o contributo ao ensino público: no Convento da Graça de Castelo Branco leccionavam Filosofia Racional os bispos da Guarda[3]. Após a reforma da Ordem, foram instituídos em Portugal os Agostinianos Decalços[nota 2], pelo que a Ordem dos Ermitas de Santo Agostinho tomou a designação de Ordem dos Ermitas Calçados de Santo Agostinho. No Convento da Graça encontrava-se a sepultura de Simão da Costa, o pai de Bartolomeu da Costa.

O actual edificio foi construído ao lado do conventinho (o conventinho ficou a ser a Igreja do convento) e é um exemplo da Arquitectura Chã, tão característica do final do séc XVI, do qual ressalta a estrutura clara e robusta do claustro. Por trás do altar-mor da Igreja da Graça encontra-se a Capela (carneiro) dos Fonsecas, construída por Diogo da Fonseca (um de quatro irmãos ilustres de Castelo Branco) para servir de mausoléu à sua família.

Notas e referências

Notas

  1. Rodrigo Rebelo determinou em seu tetamento que com os rendimentos da sua fazenda se construísse um convento[2]
  2. "Em 1664 operou-se em Portugal a Criação dos Agostinianos Descalços pela mão de Frei Manuel da Conceição. O primeiro convento da Ordem, no monte Olivete, no lugar do grilo em em Lisboa sugerirá o nome de grilos em distiçao dos gracianos"[2]

Referências

  1. Porfirio da Silva, Memorial Chronológico e descriptivo da Cidade de Castello Branco, Lisboa, 1853
  2. a b Azevedo, Carlos (2011). Ordem dos Ermitas de santo Agostinho em Portugal. [S.l.: s.n.] 
  3. Carlos Azevedo, Ordem dos Ermitas de Santo Agostinho em Portugal, p. 23, CEHR, Lisboa, 2011
Ícone de esboço Este(a) artigo sobre capela, igreja ou catedral é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.