Convento de São Bernardino de Sena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Convento de São Bernardino de Sena
O convento visto do mar. Da esquerda para a direita vê-se a capela da ordem terceira e a fachada da igreja conventual.
Estilo dominante barroco, rococó
Início da construção 1758
Inauguração 20 de maio de 1763
Geografia
País  Brasil
Cidade Angra dos Reis,  Rio de Janeiro

O Convento de São Bernardino de Sena, atualmente em ruínas, que evoca o franciscano São Bernardino de Sena como seu nome indica, localiza-se no morro de Santo Antônio, na cidade de Angra dos Reis, no estado do Rio de Janeiro, Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

Os franciscanos chegaram a Angra dos Reis no início do século XVII, e a partir de 1652 construíram um convento em terrenos doados cerca da vila, no sopé do morro onde se encontra a atual edificação.[1][2] O pequeno convento, inaugurado a 12 de setembro de 1659, foi bombardeado pelas forças do corsário francês Jean-François Duclerc em 1710.[2]

Devido à insalubridade do local, muito úmido e sujeito a cheias, os franciscanos resolveram em 1722 construir um novo convento em lugar diferente, no alto de um morro. Em 1758 começaram os trabalhos, na gestão do Padre Provincial Frei Francisco da Purificação.[2][1] As obras foram rápidas e a 20 de maio de 1763 o convento foi inaugurado pelo Padre Provincial Frei Manuel da Encarnação. Os vinte e cinco frades mudaram-se então ao novo conjunto, levando todos os paramentos e imagens religiosas.[2] As obras do claustro foram iniciadas logo depois.[2] A coroa portuguesa ajudou financeiramente a obra, e D. José I de Portugal doou a pia batismal da sacristia e o cruzeiro localizado em frente ao convento.[2]

Os franciscanos permaneceram no complexo conventual até 1859, quando saiu o último guardião da ordem, o que iniciou o processo de ruína do conjunto.[1] No século XX a igreja deixou de ser usada para missas em 1927. Porém, em 1964, um movimento popular impulsado pelo historiador Alípio Mendes conseguiu que a igreja fosse restaurada.[carece de fontes?] A igreja foi restaurada na década de 1980, mas o convento ao lado continuou em ruínas. Desde 1947 o conjunto franscicano de Angra dos Reis é tombado pelo IPHAN.[3]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

A igreja conventual tem uma fachada com frontão recortado barroco e uma torre sineira. A entrada da igreja tem uma galilé de três arcos. A igreja da Ordem Terceira de São Francisco, de menor tamanho e com um frontão mais rebuscado, foi construída ao lado da igreja conventual, com a fachada recuada em relação a esta.[1] A igreja dos terceiros foi conservada em bom estado pela irmandade.[1]

As ruínas do convento dão uma ideia da importância da casa conventual. Na fachada podem ser vistas as janelas das antigas celas dos monges e dos corredores.[3] Podem ainda ser vistos os restos das cozinhas, chaminés, lavatórios e um chafariz de mármore. Na frente do conjunto eleva-se o cruzeiro doado por D. José I.[1]

Referências