Convento do Carmo de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2010). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Convento do Carmo é um convento carmelita da cidade de São Paulo, Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1591, frei Antônio de São Paulo pediu à câmara municipal licença para a fundação de um convento Carmelita. Encontrou, porém, diversas dificuldades, de modo que só em 1594 foi possível realizar o seu intento.[1] Construiu-se o convento no terreno que pertencia à sesmaria de Jurubatuba, propriedade do convento de Santos, na antiga ladeira do Carmo, atual avenida Rangel Pestana. Em 1766, a velha construção foi demolida e foram construídos novo convento e nova igreja.

O velho convento não resistiu ao progresso moderno e foi desapropriado pelo governo estadual. Aos 15 de abril de 1928, a imagem de Nossa Senhora do Carmo foi levada em procissão apoteótica à nova capela, situada na rua Martiniano de Carvalho, onde se achava uma grande chácara de flores, comprada pelos carmelitas, a fim de construir novo convento e igreja. Aos 26 de abril do mesmo ano, os padres mudaram-se para uma residência à avenida Brigadeiro Luís Antônio, número 159.

A nova construção foi terminada rapidamente. Aos 2 de março de 1929 estava pronto o futuro salão de festas, que foi benzido como igreja provisória. Aos 13 de janeiro de 1930, os padres carmelitas mudaram-se para uma ala já pronta do novo convento. Aos 17 de fevereiro do mesmo ano, foi inaugurada a nova escola e, em 1º de abril de 1934, foi benzida solenemente a nova e majestosa igreja pelo arcebispo, Dom Duarte Leopoldo e Silva.

Em maio de 1940 foi criada a paróquia do Carmo da Liberdade, sendo o seu primeiro pároco frei Batista Blenke. Aos 10 de dezembro de 1949 a igreja foi sagrada pelo bispo Carmelita, Dom Eliseu van de Weijer e, por Breve de 13 de maio de 1950, o Papa Pio XII elevou a igreja à dignidade de Basílica Menor, por ocasião dos festejos do VII Centenário do Santo Escapulário.

Referências

  1. «Ordem do Carmo no Brasil». Consultado em 13 de agosto de 2010