Convolvulaceae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaConvolvulaceae
Ipomoea pes-caprae

Ipomoea pes-caprae
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Solanales
Família: Convolvulaceae
Gêneros
Ver texto.
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Convolvulaceae

Convolvulaceae (ou convolvulácea) é uma família pertencente à ordem Solanales, família da batata-doce, dentro do clado das Angiospermas (plantas com flores). As espécies desta família são frequentemente reconhecidas pelas suas flores em forma de cone e por se apresentarem como trepadeiras sem gavinhas, com frequência rizomatosas, como ervas ou subarbustos. A família possui distribuição cosmopolita, sendo menos diversas em regiões de clima frio, compreendendo aproximadamente 58 gêneros e mais de 1900 espécies.

Ipomoea quamoclit

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome da família deriva do latim convolvo = entrelaçar. Em termos gerais, o significado do nome se refere tanto à forma das plantas quanto ao seu crescimento. Como a maioria dos exemplares desta família são trepadeiras volúveis, estas se enroscam em amparos como árvores, arbustos ou cercas.

Morfologia[editar | editar código-fonte]

As espécies desta família são frequentemente encontradas tendo como hábito do tipo lianas e/ou do tipo volúveis, aparência bastante comum para esta família. Porém, apresentam-se também como subarbustos, árvores e, ocasionalmente, hábito parasítico (no gênero Cuscuta) com pouca ou nenhuma clorofila presente. Uma característica marcante desta família é a presença de laticíferos contendo látex leitoso, muitas vezes, apresentando substâncias bioativas como alcalóides.

Folhas[editar | editar código-fonte]

As folhas são do tipo simples, alternas e espiraladas, com algumas espécies contendo folhas lobadas ou compostas, com nervura peninérvea e entre outras espécies, venação palmada. As estípulas estão ausentes nesta família. Inflorescências são do tipo determinadas, cimosas e, geralmente, reduzidas a uma única flor, podendo ser terminais ou axilares.

Flores[editar | editar código-fonte]

No geral são diclamídeas, actinomorfas (simetria radial) e bissexuais. Comumente, apresentam 5 sépalas livres com prefloração imbricada ou ligeiramente conatas, persistentes. A corola é composta por 5 pétalas fortemente fusionadas (gamopétalas), obtendo a forma de um cone ou funil, são notavelmente plicadas e, frequentemente, apresentam prefloração convoluta com torção em sentido horário, mas ocasionalmente apenas imbricadas. Os estames estão em mesmo número que as pétalas e com tamanhos desiguais; estiletes epipétalos, anteras rimosas e grãos-de-pólen tricolpados ou poliporados. Possuem ovário súpero com placentação axial, sendo inteiro a fortemente 2 ou 4-lobado, com 2 carpelos (bicarpelar) conato, geralmente bilocular, raramente tetralocular e/ou unilocular; com 1 ou 2 estigmas podendo ser lobado(s), lineares ou captado(s); estilete terminal a ginobásico, e apresentam óvulos, em geral, com 1 ou 2 por lóculo, contendo 1 tegumento e megasporângio com parede delgada. Disco nectarífero lobado geralmente presente.

Frutos[editar | editar código-fonte]

Exibem uma cápsula de deiscência circuncisa, septífraga ou irregular; embrião geralmente ereto ou curvo, com seus cotilédones estando dobrados ou reduzidos.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

São espécies pantropicais e de climas temperados, ocorrendo em maior diversidade nas regiões tropicais e subtropicais, sendo pouco

Distribuição mundial

diversas nas regiões temperadas e frias. Possuem aproximadamente 58 gêneros e no geral, apresentando cerca de 1930 espécies.[1]

Ocorrência no Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, ocorrem 24 gêneros e em torno de 408 espécies, sendo que 2 gêneros são endêmicos do Brasil contemplando 182 espécies, juntos. Os gêneros que ocorrem no Brasil são encontrados nos mais diversos domínios fitogeográficos como Amazônia, Cerrado, Caatinga, Pampa, Pantanal e Mata Atlântica. Possuem ocorrência confirmada nos 27 Estados brasileiros e também na Ilha de Fernando de Noronha[2], sendo encontrados em diversos tipos de vegetação como: àreas antrópica, Caatinga stricto sensu, Campinarana, Campo de Altitude, Campo de Várzea, Campo Limpo, Campo Rupestre, Carrasco, Cerrado lato sensu, Floresta Ciliar, Floresta de Igapó, Floresta de Terra Firme, Floresta de Várzea, Floresta Estacional Decidual, Floresta Estacional Perenifólia, Floresta Estacional Semidecidual, Floresta Ombrófila, Manguezal, Restinga, Savana Amazônica, Vegetação Aquática e até mesmo em vegetações sobre afloramentos rochosos.[2]

Lista de Gêneros de ocorrência no Brasil[editar | editar código-fonte]

A lista de gêneros que ocorrem no Brasil é baseada na base de dados Flora do Brasil (2017):[2]

  • Aniseia Choisy
  • Argyreia Lour
  • Bonamia Thouars
  • Calycobolus Willd. ex Roem. & Schult.
  • Calystegia R. Br.
  • Convolvulus L.
  • Cressa L.
  • Cuscuta L.
  • Daustinia Buril & A.R. Simões
  • Dichondra J.R. Forst. & G. Forst.
  • Dicranostyles Benth
  • Distimake Raf.
  • Evolvulus L.
  • Ipomoea L.
  • Iseia O'Donell
  • Jacquemontia Choisy
  • Keraunea Cheek & Sim.-Bianch
  • Lysiostyles Benth
  • Maripa Aubl.
  • Merremia Dennst. ex Endl.
  • Odonellia K.R. Robertson
  • Operculina Silva Manso
  • Rivea Choisy
  • Tetralocularia O'Donell
  • Turbina Raf.

Filogenia[editar | editar código-fonte]

Cladograma

Trabalhos de filogenia molecular indicam que Convolvulaceae é grupo-irmão de Solanaceae, ambas famílias inclusas na ordem Solanales.

Em análises moleculares dentre os gêneros e tribos da família Convolvulaceae, segundo Stefanovic et. al. (2002), foi corroborado a sugestão de que as tribos Erycibeae, Poraneae, e Merremieae são todos grupos polifiléticos, além de confirmações acerca de grupos-irmãos como as tribos Hildebrandtieae e Cresseae e também Ipomoeeae com Argyreieae.

A inclusão do gênero Cuscuta, único gênero parasita da família, dentro de Convolvulaceae ainda é controversa. O gênero não possui hipótese sustentada por dados moleculares que forneça seu grupo-irmão, e o gênero que é grupo-irmão dos demais gêneros de Convolvulaceae é Humbertia.[3]

Gêneros[editar | editar código-fonte]

De acordo com as características genéticas, como a sequência dos genes presentes nos núcleos, mitocôndria e cloroplastos e as características morfológicas das estruturas florais e do tipo de hábito, esta família é dividida em 12 tribos. No Brasil, ocorrem 18 gêneros com cerca de 300 espécies, sendo os gêneros: Ipomoea L., Evolvulus L., Jacquemontia Choisy, Maripa Aublet Calycobolus Willd. ex. Roem & Sch e Dicranostyles Betham e suas espécies endêmicas no Brasil. O gênero Ipomoea é encontrado principalmente na região nordeste brasileira, seja nos canteiros das cidades, nas dunas litorâneas, como também, na região semiárida. A espécie Cuscuta racemosa, popularmente conhecida como cipó-chumbo ou fios-de-ovos é facilmente reconhecida devido a sua aparência sobre as árvores, assemelhando a “fios de ovos”. Por ser uma holoparasita, seus caules são aclorofilados, tornando-os amarelos e facilmente distinguível nas matas, em especial, na mata atlântica.

Lista de Gêneros[editar | editar código-fonte]

A lista de gêneros abaixo é baseada no site The Plant List (2017)[4]:

Reprodução[editar | editar código-fonte]

As flores desta família são bastante atraentes para seus polinizadores, principalmente pela sua cor. A floração ocorre no final do período chuvoso e termina bem antes do início da seca. A morfologia floral é determinante para cada tipo de polinizador. Entre os seus polinizadores encontram-se os insetos, dos quais, as principais espécies polinizadoras observadas foram às abelhas, e as vespas. Como polinizadores secundários, algumas espécies de borboletas e beija-flores. A autofecundação foi observada em alguns gêneros das convolvuláceas, como Merremia, Jacquemontia e Ipomoea.

Importância econômica, medicinal e ornamental[editar | editar código-fonte]

Os gêneros Ipomoea, Convolvulus, Dichondra, Evolvulus, Jacquemontia e Porana são frequentemente empregados como plantas ornamentais. A Ipomoea batatas (batata-doce ou batata-da-terra), tem como importância econômica o uso na alimentação devido às suas raízes comestíveis. O emprego de alguns gêneros desta família, como por exemplo: Convolvulus, Operculina, Ipomoea e Merremia na medicina tradicional, principalmente, dos povos mesoamericanos, são utilizados devido as suas propriedades laxativas, analgésicas e alucinógenas, proveniente das resinas glicosídicas presente principalmente em suas raízes. Na florística mexicana, algumas espécies são empregadas nos rituais religiosos, com importância para as sementes de duas espécies, Turbina corymbosa (L.) Raf. e da Ipomoea tricolor Cav., conhecidas pelo efeito alucinógeno e analgésico que causam. Algumas espécies desta família são venenosas. Muitas espécies encontradas no sertão nordestino, principalmente, I.asarifolia, são responsáveis pela intoxicação de animais rurais devido à ingestão acidental destas plantas em épocas de seca.

I. asarifolia - Salsa-brava

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Angiosperm Phylogeny Website». www.mobot.org. Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  2. a b c «Lista de Espécies da Flora do Brasil». floradobrasil.jbrj.gov.br. Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  3. Stefanović, Saša; Austin, Daniel F.; Olmstead, Richard G. (1 de outubro de 2003). «Classification of Convolvulaceae: A Phylogenetic Approach». Systematic Botany. 28 (4): 791–806. ISSN 0363-6445. doi:10.1043/02-45.1 
  4. «Convolvulaceae — The Plant List». www.theplantlist.org (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2017 
  • [Judd, W.S.; Campell, C.S.; Kellogg, E.A; & Stevens, P.F. Sistemática Vegetal: Um Enfoque Filogenético.3ª Edição. Editora Artmed. São Paulo. 2008]
  • [SOUZA V. C.; LORENZI H. Botânica Sistemática - Guia ilustrado para identificação das famílias de angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. Plantarum, Nova Odessa, 2005]
  • [Kiill, L.H.P e Ranga, N.T., Ecologia Da Polinização De Ipomoea asarifolia (Ders.) Roem. & Schult. (Convolvulaceae) na região semi-árida de Pernambuco. Acta bot. bras. 17(3): 355-362. 2003].
  • Pereda-Miranda, R.; Taketa, A.T.C.; Villatoro-Vera, R.A. Alucinógenos Naturais: Etnobotânica e Psicofarmacologia. In:Simões, C. M. O.; Schenkel, E.P.; Gosmann, G.; et al. Farmacognosia: da Planta ao medicamento, Porto Alegre /Florianópolis Ed. Universidade/UFRGS/Ed. Da UFSC. 6ª Edição. 1999.
  • Albuquerque, B.L.M.M, et al.Levantamento Taxonômico Da Família Convolvulaceae No Sítio Imbaúba, Lagoa Seca, Paraíba. Paraíba. V.- nº.- 2012

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre plantas é um esboço relacionado ao Projeto Plantas. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.