Cooperativa Agroindustrial dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em 1974, os produtores rurais de Rio Verde (GO) tinham um costume de reunir-se no Posto Horizonte, às margens da BR-060, no km 421, local onde costumavam abastecer seus veículos. Ao lado do restaurante do posto havia um banco e sentados ali, os agricultores conversavam e debatiam os problemas.

Foi ali que a Cooperativa Mista dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano Ltda. (COMIGO) - começou a ser rascunhada com o objetivo inicial de remover alguns obstáculos como a aquisição de sacaria, de óleo lubrificante e secagem de arroz. Na época, o arroz de sequeiro era o principal produto cultivado, seguido do milho. O grão ajudava na formação de novas pastagens para o gado, daí a sua importância.

Como existiam poucos secadores, o arroz era seco nas ruas; por isso a colheita do milho era realizada nos meses de julho e agosto, com o grão praticante seco. A comercialização do arroz era outro gargalo sendo negociado com cerealistas locais e comerciantes de Uberlândia (MG), que quase sempre ditavam o preço.

Na tentativa de superar estas barreiras e criar mecanismos de defesa dos produtores rurais, como: fornecer insumos de qualidade a preços justos, prestar serviços de comercialização, armazenagem e assistência técnica - a ideia da construção de uma cooperativa foi evoluindo.

Liderado por Paulo Roberto Cunha, Antonio Chavaglia, John Lee Ferguson e Hadovaldo Vilela Horbilon, o movimento começou com um difícil trabalho de convencer e agrupar os produtores rurais.

Inicialmente, 67 agropecuaristas se dispuseram a fundar a cooperativa com a quota-parte de Cr$ 30 mil (equivalente a R$ 4 mil). Porém, somente 31 se integralizaram de fato ao capital social no ano de fundação (1975). Alguns meses depois, mais 19 produtores apostaram na ideia, completando 50 sócios fundadores da COMIGO, a qual iniciou suas atividades em fevereiro de 1976.

Missão[editar | editar código-fonte]

Apoiar o desenvolvimento econômico, social e tecnológico de seus cooperados.

Valores[editar | editar código-fonte]

Ética; honestidade; confiança e respeito mútuo; gestão participativa e relacionamento; valorização e desenvolvimento de colaboradores; profissionalismo; ousadia e pioneirismo; perseverança; integridade; respeito ao meio ambiente; transparência e comprometimento.

Visão[editar | editar código-fonte]

Ser reconhecida por seus cooperados, clientes e colaboradores, como a mais importante Cooperativa Agroindustrial do Centro-Oeste brasileiro e estar inserida sempre entre as 10 maiores do cooperativismo brasileiro, no segmento agroindustrial.

Tecnoshow[editar | editar código-fonte]

A feira é realizada no Centro Tecnológico COMIGO (CTC), localizado no Anel Viário Paulo Campos, km 7, em Rio Verde, Goiás. Atualmente, a área conta com mais de 130 hectares destinados aos experimentos agropecuários, objetivo principal da Cooperativa ao adquirir referida área. A COMIGO participa diretamente da pesquisa na região, desde 1984, quando firmou inicialmente convênio com a Emgopa, depois Universidade de Rio Verde (UniRV), Embrapa e outras instituições.

A Cooperativa foi uma das responsáveis pela criação e execução do Programa Renda Real (1997 a 1999), dentro do Fórum Nacional da Agricultura (FNA), onde o presidente da COMIGO, Antonio Chavaglia, era o coordenador do Grupo de Trabalho Milho, Soja e Sorgo, em âmbito nacional.

O Renda Real reuniu as entidades da região e algumas empresas (COMIGO, APG, Banco do Brasil, Sindicato Rural, Faeg, Emater-GO, Ceagro, Clube Amigos da Terra, prefeituras de Rio Verde e Montividiu, Senar-GO) para desenvolver trabalhos experimentais, com destaque para o concurso Perdas na Colheita. Aconteceram três encontros anuais para a demonstração dos experimentos, na fazenda Rio Verdinho, do cooperado Bruno Abreu Leão, em Rio Verde.

Logo que o Renda Real encerrou seu ciclo, os cooperados solicitaram à COMIGO que investisse em área própria, exclusivamente para conduzir trabalhos de pesquisa para o campo. Isso evitaria perdas de tempo e de dinheiro com testes nas fazendas dos cooperados. A Cooperativa, assim, adquiriu a área do CTC. Ele foi inaugurado em 2002 quando do Encontro Tecnológico COMIGO (de três dias de duração), evento que se repetiu em 2003, utilizando cerca de 50 hectares do CTC.

Paralelamente, a Cooperativa passou a realizar experimentos em parceria com outras entidades (principalmente Fesurv e Embrapa) no restante da área. Em agosto de cada ano mostrava os resultados destes trabalhos aos produtores rurais, em um grande Workshop.

Nos quatro anos que se seguiram a COMIGO firmaria parceria com o Sistema Agrishow, de Ribeirão Preto, para a realização da feira sob o nome Agrishow Comigo. A partir de 2008, sozinha, ela passou a organizar o evento, findo o contrato com a Agrishow.

Hoje, já conhecida em todo o país, a TECNOSHOW COMIGO (nome atual) está solidificada. Referência em feiras do gênero no Brasil, ela goza de grande prestígio, atraindo a atenção de expositores e visitantes, inclusive de outros países.

2017 - A TECNOSHOW COMIGO está em sua 16ª edição. Organizada pela COMIGO, a Feira tem crescido a cada ano, tanto em número de expositores e de comercialização de produtos, quanto em quantitativo de visitantes. 

 A diversidade é uma marca registrada do evento. Máquinas e equipamentos agropecuários, plots agrícolas, animais das mais variadas espécies, palestras técnicas e econômicas, educação ambiental (através do Espaço Ambiental) e dinâmicas de máquinas são alguns atrativos.

Trata-se de uma extensa vitrine de tecnologias para o homem do campo, seja ele pequeno, médio ou grande produtor. Neste site, você encontra as informações detalhadas sobre esta que é considerada a Grande Feira de Tecnologia Rural do Centro-Oeste Brasileiro.

Feira 2017 - Expositores: 550

Área da Feira: 60 hectares

Plots Agrícolas: 40 mil metros quadrados

Espaço Ambiental: Biomas do Brasil

Exposição de Animais: 1.000

Máquinas e equipamentos: 2.500

Geração de empregos: 8.000

Distribuição de mudas nativas: 15 mil

Palestras e dinâmicas: 100

Pesquisadores e técnicos: 100

Dinâmica de Pecuária: 1.500 pessoas

Público: 102 mil pessoas

Comercialização: 1,7 bilhão

Público de palestras: 5.400 pessoas

Espaço Ambiental: 22 mil visitantes

Estacionamento: 33.500 veículos

Ônibus: 285 estacionados

Distribuição de mudas de espécies nativas: 15 mil

Principais eventos[editar | editar código-fonte]

  • Tecnoshow COMIGO – (Feira Agropecuária) www.tecnoshowcomigo.com.br
  • Workshop CTC Agricultura e Pecuária (demonstrativo de experimentos técnicos realizados pela COMIGO em parceria com Embrapa, UniRV e IF Goiano)
  • Seminário de Desenvolvimento da Pecuária (informações e atualizações sobre o setor)
  • Prêmio Gestão Ambiental Rural Comigo (produtores rurais sustentáveis)
  • Palestras técnicas e Dia de Campo

Produtos[editar | editar código-fonte]

  • Produzidos pela Comigo: Óleo de soja, farelo de soja, rações, suplemento mineral, fertilizantes, sementes.
  • Representação: defensivos agrícolas, medicamentos veterinários, peças e implementos agrícolas, insumos.

Unidades[editar | editar código-fonte]

  • Rio Verde: Sede administrativa; loja agropecuária, armazéns; indústrias de óleo e farelo de soja; indústria de laticínios; misturador de fertilizantes; fábrica de rações; fábrica de sabão; laboratórios; unidade de beneficiamento de sementes; Comigo Florestal I, II, III, IV; Centro Tecnológico Comigo;
  • Acreúna: loja agropecuária e armazém;
  • Caiapônia: loja agropecuária e armazém;
  • Indiara: loja agropecuária e armazém;
  • Iporá: loja agropecuária;
  • Jandaia: loja agropecuária;
  • Jataí: loja agropecuária; armazém e fábrica de suplemento mineral;
  • Montes Claros: loja agropecuária, armazém e fábrica de suplemento mineral;
  • Montividiu: loja agropecuária e armazém;
  • Palmeiras de Goiás: loja agropecuária;
  • Paraúna: loja agropecuária e armazém;
  • Santa Helena: loja agropecuária e armazém;
  • Serranópolis: loja agropecuária e armazém;
  • Caçu: loja agropecuária.

Capacidade Agroindustrial[editar | editar código-fonte]

  • Capacidade de armazenagem de grãos: 1.425.840 toneladas
  • Capacidade de secagem de grãos: 5.025 toneladas / hora
  • Moageira de soja: 5.500 toneladas/dia
  • Refinaria de óleo de soja: 250 toneladas/dia
  • Rações: 110 toneladas/hora
  • Suplemento Mineral: 350 toneladas/dia
  • Fertilizantes: 240 toneladas/hora
  • Moagem de farelo de soja: 80 toneladas/hora
  • Processamento de leite: 250 mil litros/dia (200 mil litros/dia para o leite UHT e 50 mil litros/dia para derivados)
  • Unidade de beneficiamento de sementes: 200 mil sacos/ano
  • Florestal I, II, III e IV: 7 mil hectares, sendo 5 mil cultivados. Produção de 250 mil metros cúbicos de madeira por ano.

Posição da empresa no mercado[editar | editar código-fonte]

Maior cooperativa do Centro-Oeste e entre as cinco mais do país. Faturamento anual (2015) aproximadamente R$ 2,7 bilhões.

  • 7.012 cooperados e 2.276 funcionários

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

http://www.tecnoshowcomigo.com.br/sobre

http://www.comigoserver.com.br/#/abrePagina=uni_conteudo&local=1&titulo=1

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.