Copa Davis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Davis Cup
Copa Davis
Taça Davis
Copa Davis.jpg
Detalhes
Local vários
Organização Federação Internacional de Tênis (ITF)
Direção Bernard Giudicelli (2018–19)[1]
Categoria Disputa por equipes
Piso vários
Premiação US$ 20.000.000[2]
Participantes Equipes de cada país com até cinco jogadores convocados, sendo:
18 equipes (Finais)
24 Equipes (Qualificatório)
Número variável de equipes em Grupos Mundiais e Zonais
Página oficial daviscup.com
Tennisball current event.svg Edição atual
Atualizado em: 6 de março de 2020
Partida entre David Ferrer (ESP) x Andy Roddick (USA), válido pela semi-final do grupo mundial de 2008.

A Copa Davis (português brasileiro) ou Taça Davis (português europeu) é um evento internacional de tênis masculino. A maior competição por equipes no esporte, a Copa Davis é dirigida pela Federação Internacional de Tênis - ITF e é jogada entre times de diversos países, no sistema de eliminação direta (ou mata-mata). Em 2005 134 nações equipes inscritas na competição. É o equivalente para homens da Fed Cup.

O recordista de participações em jogos da Copa Davis é o italiano Nicola Pietrangeli. Ele disputou 163 partidas (109 simples e 54 duplas), entre 1954 e 1972. Venceu 120 no total.

História[editar | editar código-fonte]

A Copa ou Taça Davis teve sua 1ª edição no ano de 1900 e surgiu a partir de um desafio de quatro alunos da Universidade de Harvard, que tiveram a ideia de desafiar os britânicos, que na época eram os campeões do mundo no tênis, para uma partida no Longwood Cricket de Boston. O jogo seria marcado para o ano seguinte. A equipe dos Estados Unidos era formada por Dwight Davis (que daria nome ao torneio), Malcolm Whitman e Holcombe Ward e a equipe britânica era formada por Herbert Barret, Ernest Black e Arthur Gore. No final, a equipe estadunidense acabou sendo campeã[3].

As primeiras edições foram disputadas apenas por estadunidenses e britânicos, até que em 1904, belgas e franceses entraram na disputa. A partir daí, o número de participantes passou a aumentar, até que em 1923, a organização teve que dividir as equipes em duas zonas: americana e europeia, apesar que nem sempre a área geográfica seria respeitada [4].

Como em outras competições, a Davis deixou de ser disputada durante a 1ª Guerra Mundial (1915-1918) e 2ª Guerra Mundial (1940-1945). Além desses anos, a Davis deixou de ser disputada apenas em outras duas ocasiões, em 1901 e 1910.

Com o número de participantes aumentando a cada ano, em 1960 a direção da Davis foi obrigada a criar uma terceira Zona, já que naquela época, 39 países disputavam a competição.

A década de 1970, com o surgimento do Gran Prix, fez com que a Davis tivesse um encurtamento nas datas, o que foi feito após um dos torneios ter 16 meses, invadindo a temporada seguinte. Após muitas críticas, a Davis passou por uma grande reformulação na década de 1980, sendo criado um grupo de elite, o chamado Grupo Mundial, onde as 16 melhores equipes disputariam o título, e as demais equipes teriam que disputar as zonas regionais para chegar neste grupo.

Até 1973, a Davis foi dominada por 4 equipes, Estados Unidos, Reino Unido, Austrália (até 1913 Australásia) e França. Em 1974, a África do Sul venceu ao chegar a final contra a Índia, a qual se recusou a viajar para a África do Sul em protesto as políticas de apharteid, sendo desclassificada.

Hoje, a Copa Davis obedece uma fórmula alcançada em 1989 [5]. Para não prejudicar o calendário da Associação de Tenistas Profissionais (ATP), a competição acontece em quatro semanas por ano, e em 2010 tinha mais de 130 equipes participantes [6].

Embora a maioria dos países vencedores sejam europeus, a maioria dos títulos foram conquistados por países não-europeus (Argentina,África do Sul,Austrália e EUA).

2019: reformulação[editar | editar código-fonte]

Em 2018, a ITF votou para mudar o formato da competição a partir de 2019: dezoito equipes se reuniriam no final da temporada para a fase final de uma semana em sede fixa e pré-definida. 71% das federações votaram a favor da alteração.

O formato, apoiado pelo futebolista Gerard Piqué e pelo empresário japonês Hiroshi Mikitani, foi comparado a uma Copa do Mundo de tênis e foi projetado para ser mais atraente a patrocinadores e a emissoras de televisão.

Austrália, Alemanha e Grã-Bretanha foram as federações que se opuseram a isso. Houve apoio de ex-jogadores, mas também de atletas em atividade, como Novak Djokovic e Rafael Nadal, enquanto que nomes como Rod Laver, Lucas Pouille e Roger Federer se posicionaram contra.[7][8][9][10]

Davis Cup Commitment Award[editar | editar código-fonte]

O Davis Cup Commitment Award é uma condecoração concedida pela Federação Internacional de Tênis (ITF) a todos os jogadores que disputaram pelo menos 20 confrontos na Copa Davis.[11]

O Brasil na Davis[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Brasil na Copa Davis

O Brasil não tem muita tradição na Davis. Fez sua estreia em 1935, com Ricardo Pernambuco, Ivo Simons, Nélson Cruz, Inácio Nogueira, Humberto Costa e Roberto Whately, desclassificados na primeira rodada pelos Estados Unidos. Até 1966, os brasileiros não conseguiram nenhuma vitória expressiva. A partir desse ano, o Brasil passa ser mais respeitado internacionalmente. Thomaz Koch e Edison Mandarino levam o Brasil às semifinais contra a Índia, mas foi derrotado em Calcutá. O mesmo acontece em 1971, quando o Brasil deixou de disputar a final contra os Estados Unidos ao perder para a Romênia. Individualmente Thomaz Koch é o brasileiro que mais se destacou, sendo o sétimo jogador em número de vitórias em toda a história da competição. O Brasil voltou às semifinais em 1992, liderado por Luiz Mattar e Jaime Oncins, após vencer sete confrontos seguidos, sua mais expressiva série de vitórias, incluindo a Alemanha de Boris Becker e a Itália - no Rio de Janeiro e em Maceió. Foi derrotado pela Suíça em Genebra.

Depois disso o Brasil não forma grandes equipes, só voltando ter bons resultados nos anos 90 com Gustavo Kuerten e Fernando Meligeni como os principais jogadores, e volta a ter bons rendimentos, como a semifinal que perdeu para a Austrália em 2000. Nos últimos anos, tem disputado a repescagem para o retorno ao Grupo Mundial, sem lograr êxito até o ano de 2012 em que a seleção brasileira venceu a Rússia e voltou ao Grupo Mundial depois de 10 anos afastada. Em 2014, o Brasil impôs derrota histórica à Espanha em São Paulo e garantiu o retorno ao Grupo Mundial de 2015.

Formato[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de formatos da Copa Davis

Depois de alterar os níveis superiores no ano anterior, a ITF resolveu reformar a configuração dos inferiores em 2020. Os zonais regionais passaram de quatro a duas divisões, e se encontram na base da estrutura. Logo acima, divididos em duas datas, dois grupos mundiais, com play-offs e confrontos de acesso.[12]

Data 1 Data 2 Data 3
Finais
18 equipes 7 dias Sede única Fase de grupos e
eliminatórias
Até 3 jogos
por confronto
Qualificatório
24 equipes 2 dias 12 confrontos
mandantes x visitantes
Até 5 jogos
por confronto
———12 vencedoras———
\———12 derrotadas———→
/———12 vencedoras———→
Grupo Mundial I
24 equipes 2 dias 12 confrontos
mandantes x visitantes
Até 5 jogos
por confronto
Grupo Mundial I: play-offs
24 equipes 2 dias 12 confrontos
mandantes x visitantes
Até 5 jogos
por confronto
\———12 derrotadas———→
/———12 vencedoras———→
Grupo Mundial II
24 equipes 2 dias 12 confrontos
mandantes x visitantes
Até 5 jogos
por confronto
Grupo Mundial II: play-offs
24 equipes 2 dias 12 confrontos
mandantes x visitantes
Até 5 jogos
por confronto
\———12 derrotadas———
Grupo III
Nº de equipes
variável
4 dias,
em média
Sedes Fase de grupos Junho, julho
ou setembro
Até 3 jogos
por confronto
África Américas Ásia/Oceania Europa
Grupo IV
Nº de equipes
variável
4 dias,
em média
Sedes Fase de grupos Junho, julho
ou setembro
Até 3 jogos
por confronto
África Ásia/Oceania Europa

Vencedores da Copa Davis[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de campeões da Copa Davis
País Torneios vencidos Vice campeonatos
Flag of the United States.svg Estados Unidos 1900, 1902, 1913, 1920, 1921, 1922, 1923, 1924, 1925, 1926, 1937, 1938, 1946, 1947, 1948, 1949, 1954, 1958, 1963, 1968, 1969, 1970, 1971, 1972, 1978, 1979, 1981, 1982, 1990, 1992, 1995, 2007 (32) 1903, 1905, 1906, 1908, 1909, 1911, 1914, 1927, 1928, 1929, 1930, 1932, 1934, 1935, 1939, 1950, 1951, 1952, 1953, 1955, 1956, 1957, 1959, 1964, 1973, 1984, 1991, 1997, 2004 (29)
Flag of Australia.svg Austrália
(inclui Australásia* )
1907*, 1908*, 1909*, 1911*, 1914, 1919, 1939, 1950, 1951, 1952, 1953, 1955, 1956, 1957, 1959, 1960, 1961, 1962, 1964, 1965, 1966, 1967, 1973, 1977, 1983, 1986, 1999, 2003 (28) 1912*, 1920, 1922, 1923, 1924, 1936, 1938, 1946, 1947, 1948, 1949, 1954, 1958, 1963, 1968, 1990, 1993, 2000, 2001 (19)
Flag of the United Kingdom.svg Reino Unido
(inclui Ilhas Britânicas* )
1903*, 1904*, 1905*, 1906*, 1912*, 1933, 1934, 1935, 1936, 2015 (10) 1900*, 1902*, 1907*, 1913, 1919, 1931, 1937, 1978 (8)
Flag of France.svg França 1927, 1928, 1929, 1930, 1931, 1932, 1991, 1996, 2001, 2017 (10) 1925, 1926, 1933, 1982, 1999, 2002, 2010, 2014, 2018 (9)
Flag of Sweden.svg Suécia 1975, 1984, 1985, 1987, 1994, 1997, 1998 (7) 1983, 1986, 1988, 1989, 1996 (5)
Espanha Espanha 2000, 2004, 2008, 2009, 2011, 2019 (6) 1965, 1967, 2003, 2012 (4)
Alemanha Alemanha
(inclui Alemanha Ocidental* )
1988*, 1989*, 1993 (3) 1970*, 1985* (2)
Flag of the Czech Republic.svg Tchéquia
(inclui Tchecoslováquia* )
1980*, 2012, 2013 (3) 1975*, 2009 (2)
Flag of Russia.svg Rússia 2002, 2006 (2) 1994, 1995, 2007 (3)
Flag of Croatia.svg Croácia 2005, 2018 (2) 2016 (1)
Flag of Italy.svg Itália 1976 (1) 1960, 1961, 1977, 1979, 1980, 1998 (6)
Flag of Argentina.svg Argentina 2016 (1) 1981, 2006, 2008, 2011 (4)
Flag of Serbia.svg Sérvia 2010 (1) 2013 (1)
Flag of Switzerland.svg Suíça 2014 (1) 1992 (1)
Flag of South Africa.svg África do Sul 1974 (1) (0)
Flag of Romania.svg Romênia (0) 1969, 1971, 1972 (3)
Flag of India.svg Índia (0) 1966, 1974, 1987 (3)
Flag of Belgium.svg Bélgica (0) 1904, 2015, 2017 (3)
Flag of Japan.svg Japão (0) 1921 (1)
Flag of Mexico.svg México (0) 1962 (1)
Flag of Chile.svg Chile (0) 1976 (1)
Flag of Slovakia.svg Eslováquia (0) 2005 (1)

Ranking[editar | editar código-fonte]

Em 9 de março de 2020.[13]

Pos. País Pontos Confrontos Variação
Flag of France.svg França 1.364,50 10 Estável
Flag of Croatia.svg Croácia 1.349,50 9 Estável
Espanha Espanha 914,81 10 Estável
Flag of Belgium.svg Bélgica 632,63 10 Estável
Flag of the United States.svg Estados Unidos 603,32 8 Aumento1
Flag of Canada.svg Canadá 481,63 10 Aumento3
Flag of Serbia.svg Sérvia 465,13 9 Estável
Alemanha Alemanha 424,19 9 Aumento4
Flag of Italy.svg Itália 423,26 8 Aumento2
10º Flag of the United Kingdom.svg Reino Unido 417,50 8 Baixa2
11º Flag of Australia.svg Austrália 417,13 10 Baixa1
12º Flag of Kazakhstan.svg Cazaquistão 367,25 8 Aumento1
13º Flag of Russia.svg Rússia 340,13 9 Aumento1
14º Flag of Sweden.svg Suécia 322,13 9 Aumento4
15º Flag of Austria.svg Áustria 319,69 8 Aumento1
16º Flag of Argentina.svg Argentina 317,00 8 Baixa11
17º Flag of the Czech Republic.svg Tchéquia 301,38 7 Baixa2
18º Flag of Colombia.svg Colômbia 294,25 9 Aumento1
19º Flag of Japan.svg Japão 290,63 8 Baixa2
20º Flag of the Netherlands.svg Países Baixos 261,56 8 Estável
26º Flag of Brazil.svg Brasil 212,50 7 Baixa1
28º Flag of Portugal.svg Portugal 205,50 9 Estável

Referências

  1. «Davis Cup Committee» (em inglês). fedcup.com. Consultado em 23 de julho de 2018 
  2. «Historic Davis Cup reforms approved at AGM» (em inglês). daviscup.com. Consultado em 6 de março de 2020 
  3. A Serve is Born (em inglês)
  4. The Top Trophy (em inglês)
  5. How the Davis Cup Works (em inglês)
  6. Diagrama da estrutura da Copa Davis
  7. «Mudanças são aprovadas e Copa Davis terá novo formato a partir de 2019». folha.com.br. 16 de agosto de 2018 
  8. «udo sobre a Nova Davis: o que muda, como a ITF aprovou as mudanças e quem vai pagar a conta». uol.com.br. 16 de agosto de 2018 
  9. «Tennis greats tear into Davis Cup overhaul» (em inglês). news.com.au. 17 de agosto de 2018 
  10. «Davis Cup should not become the Pique Cup, warns Roger Federer» (em inglês). telegraph.co.uk. 29 de agosto de 2018 
  11. cbtenis.com.br/ Guga, Kirmayr, Mattar e Motta são premiados na Davis
  12. «ITF introduces global format for Davis Cup» (em inglês). daviscup.com. Cópia arquivada em 11 de março de 2020 
  13. «Nations Ranking» (em inglês). daviscup.com. Consultado em 11 de março de 2020 

Recordes[editar | editar código-fonte]

  • O recordista de participações em jogos da Copa Davis é o italiano Nicola Pietrangeli. Ele disputou 163 partidas (109 simples e 54 duplas), entre 1954 e 1972. Venceu 120 no total.
  • A partida que mais tempo durou em toda a competição foi o duelo de duplas entre Stanislas Wawrinka/Marco Chiudinelli, da Suíça, e Tomas Berdych/Lukas Rosol, da República Tcheca, em 2013, que se arrastou por 7h02, com vitória dos tchecos por 6/4, 5/7, 6/4, 6/7 e 24/22.[1]
  • A partida entre Leonardo Mayer 3 x 2 João Souza (Feijão), válida pela Copa Davis de 2015, é o jogo de simples mais longo da história do torneio, com duração de 6h42[1].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b sportv.globo.com/ Feijão perde jogaço de quase 7h, e Bellucci faz "final" contra Argentina
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Copa Davis

Ligações externas[editar | editar código-fonte]