Copa São Paulo de Futebol Júnior

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Copa São Paulo de Futebol Júnior
Dados gerais
Organização FPF
Edições 52
Outros nomes Copinha
Copa São Paulo de Juniores
Local de disputa  São Paulo
Número de equipes 128
Sistema grupos e mata-mata
Divisões
Todas as divisões
Soccerball current event.svg Edição atual
editar

A Copa São Paulo de Futebol Júnior, também conhecida como Copinha, é uma competição de futebol masculino do Brasil. É organizada pela Federação Paulista de Futebol (FPF) e inclui clubes de todo o Brasil e, eventualmente, clubes de outros países.

História[editar | editar código-fonte]

47ª Final da Copa São Paulo de Juniores, entre Corinthians x Flamengo no Pacaembu.
52ª Final da Copa São Paulo de Juniores, entre Palmeiras x Santos no Allianz Parque.

Originalmente a competição era chamada de Taça São Paulo de Juvenis, categoria que teve o nome e a idade limite alterado para Juniores em 20 anos no ano de 1981,[1] e era organizada pela Prefeitura de São Paulo, e não pela FPF. Em 1987, o então prefeito Jânio Quadros decidiu não arcar com a Taça São Paulo, que não foi realizada naquele ano.[2]

Disputada desde 1969, acontece sempre no início do ano, de modo que a final seja disputada em 25 de janeiro (dia do aniversário da cidade de São Paulo), no Pacaembu (algumas vezes por motivos externos o local muda). Até 1970 a competição só recebia clubes do estado de São Paulo, mas, a partir de 1971, a competição passou a receber clubes de todo o Brasil. Desde então, a Copinha, apelido dado a competição, é um torneio muito observado por imprensa, torcida, empresários e clubes, uma vez que é considerada a principal oportunidade para se descobrir futuros craques do futebol brasileiro.

Equipes estrangeiras[editar | editar código-fonte]

Entre 1993 e 1997, a FPF convidou equipes estrangeiras para participarem da disputa: Boca Juniors (Argentina), Peñarol (Uruguai), Cerro Porteño (Paraguai), Nagoya Grampus Eight e Yomiuri Verdy (ambos do Japão), além das seleções sub-20 do Japão e da China. Os primeiros clubes estrangeiros a participarem da competição foram o Providencia do México em 1980, o Vélez Sársfield da Argentina em 1981 e 1982 e o Bayern de Munique da Alemanha em 1985. Como todas elas caíram na primeira fase, a organização da Copinha abandonou a ideia, mas em 2010, uma nova equipe estrangeira foi convidada para a disputa: o Al-Hilal, da Arábia Saudita. Em 2014, o Kashiwa Reysol, por motivo de patrocínio, participou da competição[3] e foi a primeira equipe estrangeira a passar de fase.[4]

Mudança para Sub-18[editar | editar código-fonte]

A partir de sua 41ª edição em 2010, a Federação Paulista de Futebol (FPF), que organiza a competição, regulamenta a competição admitindo times formados por atletas pertencentes à categoria sub-18 e passa a chamá-la de Copa São Paulo de Futebol Sub-18. Ainda que não exista a alteração do nome da competição no site da FPF, esta passa a publicar a competição pela nova nomenclatura, sendo divulgada assim pelos meios de comunicação que fazem sua cobertura, inclusive as transmissões televisivas de TV aberta e fechada.

Na edição de 2013, a competição voltou a ser Sub-20.[5] E a partir da edição de 2021 podendo ser inscritos até 3 jogadores que completem 21 anos no ano da competição.[6] O regulamento da competição é divulgado a cada temporada, mas geralmente a idade mínima é de 15 anos.[7]

Edições[editar | editar código-fonte]

Campeões por edição[editar | editar código-fonte]

Supercopa São Paulo de Futebol Júnior
Ano Sede da final Final Semifinalistas
Campeão Placar Vice-campeão
1994
Detalhes
São Paulo
Pacaembu
Minas Gerais
Atlético Mineiro
1 – 0 Rio Grande do Sul
Internacional
São Paulo
São Paulo
Rio de Janeiro
Flamengo
1995
Detalhes
São Paulo
Pacaembu
São Paulo
Palmeiras
1 – 0 (m.s) São Paulo
São Paulo
Minas Gerais
Atlético Mineiro
Rio Grande do Sul
Grêmio

Títulos por clube[editar | editar código-fonte]

Clubes com mais títulos
CorinthiansFluminenseFluminenseFluminenseFluminenseFluminenseCorinthiansCorinthiansCorinthians
Time Títulos Vices
São Paulo Corinthians 10 (1969, 1970, 1995, 1999, 2004, 2005, 2009, 2012, 2015 e 2017) 8 (1973, 1976, 1978, 1984, 1993, 1997, 2014 e 2016)
Rio de Janeiro Fluminense 5 (1971, 1973, 1977, 1986 e 1989) 2 (1979 e 2012)
Rio Grande do Sul Internacional 5 (1974, 1978, 1980, 1998 e 2020) 1 (1972)
São Paulo São Paulo 4 (1993, 2000, 2010 e 2019) 7 (1981, 1992, 1994, 2001, 2004, 2007 e 2018)
Rio de Janeiro Flamengo 4 (1990, 2011, 2016 e 2018) 0
São Paulo Santos 3 (1984, 2013 e 2014) 3 (1982, 2010 e 2022)
Minas Gerais Atlético-MG 3 (1975, 1976 e 1983) 1 (1980)
São Paulo Ponte Preta 2 (1981 e 1982) 5 (1975, 1977, 1986, 1995 e 1998)
São Paulo Nacional-SP 2 (1972 e 1988) 2 (1969 e 2005)
São Paulo Portuguesa 2 (1991 e 2002) 1 (1974)
São Paulo Juventus 1 (1985) 3 (1989, 1990 e 2000)
Rio de Janeiro Vasco da Gama 1 (1992) 2 (1999 e 2019)
Minas Gerais Cruzeiro 1 (2007) 2 (1996 e 2002)
São Paulo Palmeiras 1 (2022) 2 (1970 e 2003)
São Paulo Guarani 1 (1994) 1 (1985)
São Paulo América-SP 1 (2006) 1 (1988)
São Paulo Marília 1 (1979) 0
Minas Gerais América Mineiro 1 (1996) 0
São Paulo Paulista 1 (1997) 0
São Paulo Roma Barueri 1 (2001) 0
São Paulo Santo André 1 (2003) 0
Santa Catarina Figueirense 1 (2008) 0
São Paulo Botafogo-SP 0 2 (1983 e 2015)
Rio Grande do Sul Grêmio 0 2 (1991 e 2020)
Rio de Janeiro Botafogo 0 1 (1971)
São Paulo Comercial 0 1 (2006)
São Paulo Rio Branco-SP 0 1 (2008)
Paraná Athletico-PR 0 1 (2009)
Bahia Bahia 0 1 (2011)
Goiás Goiás 0 1 (2013)
São Paulo Batatais 0 1 (2017)

Títulos por federação[editar | editar código-fonte]

Estado Títulos Vices
São Paulo SP 31 38
Rio de Janeiro RJ 10 5
Rio Grande do Sul RS 5 3
Minas Gerais MG 5 3
Santa Catarina SC 1 0
Paraná PR 0 1
Bahia BA 0 1
Goiás GO 0 1

Campanha dos clubes estrangeiros[editar | editar código-fonte]

Ano Time J V E D GM GS SG
1980 México Providência 3 0 0 3 1 8 -7
1981 Argentina Vélez Sarsfield 3 0 2 1 2 3 -1
1982 Argentina Vélez Sarsfield 3 0 1 2 5 8 -3
1985 Alemanha Bayern de Munique 3 1 0 2 3 9 -6
1988 México Universidad de Guadalajara 3 1 0 2 2 5 -3
1993 Argentina Boca Juniors 3 0 0 3 0 7 -7
1993 Uruguai Peñarol 3 0 1 2 2 5 -3
1994 Paraguai Cerro Porteño 3 1 0 2 3 8 -5
1994 Japão Nagoya Grampus 3 1 0 2 6 13 -7
1995 Japão Japão Sub-20 3 1 0 2 6 8 -2
1996 Japão Yomiuri Verdy [1] 3 0 0 3 3 11 -8
1997 Paraguai Cerro Porteño 3 0 2 1 1 5 -4
1997 China China Sub-20 3 1 0 2 4 7 -3
2010 Arábia Saudita Al-Hilal 3 0 1 2 2 4 -2
2014 Japão Kashiwa Reysol [MC] 4 2 1 1 8 7 +1
2016 Haiti Pérolas Negras 3 0 0 3 2 6 -4
2017 Haiti Pérolas Negras 3 1 0 2 2 5 -3
  • 1 ^ Atual Tokyo Verdy
  • MC. ^ O Kashiwa Reysol, na edição de 2014, foi o time com a melhor campanha entre as equipes estrangeiras que participaram da Copinha, chegando até a segunda fase. As demais não passaram da primeira fase[10]

Fonte:[10]

Maiores goleadas[editar | editar código-fonte]

Durante a história da Copa São Paulo de Futebol Júnior houve 8 vezes uma placar superior a 10 gols de diferença, a primeira vez ocorreu em 1974

Particularidades[editar | editar código-fonte]

  • Em 1994, a Federação Paulista organizou a 1ª Supercopa São Paulo de Futebol Júnior, contendo apenas campeões e vices de edições anteriores. Tendo como vitorioso Atlético Mineiro.
  • Em 1995, seguindo o mesmo esquema, a Federação Paulista organizou a segunda edição da Supercopa São Paulo de Futebol Júnior, tendo como vitorioso nesta única edição o Palmeiras, que participou como vice-campeão de 1970, ao vencer na final o São Paulo, num jogo que ficou marcado pela batalha campal promovida por facções de torcedores após o jogo, que resultou na morte de um torcedor são-paulino.
  • O Flamengo possui o melhor aproveitamento em finais, vencendo as quatro decisões que disputou (1990, 2011, 2016 e 2018).
  • A Copinha só não foi realizada em 1987, por falta de interesse do então prefeito Jânio Quadros, e em 2021, por conta da pandemia de COVID-19.
  • Nem sempre a decisão da Copa SP aconteceu exatamente em 25 de janeiro. Houve casos em que a competição foi disputada antes do mês de janeiro, ou seja, em dezembro do ano anterior: 1981 (23 de dezembro de 1980), 1982 (19 de dezembro de 1981) e 1983 (18 de dezembro de 1982). A disputa chegou a ser decidida em 19 de janeiro (1989), 20 de janeiro (1979, 1980 e 1985), 22 de janeiro (1984), 23 de janeiro (1976 e 1977), 24 de janeiro (1988), 26 de janeiro (1986, 1991 e 1997), 31 de janeiro (1990) e até em 21 de fevereiro (1975) e em 6 de março (1971).
  • A decisão de 1977 entre Ponte Preta e Fluminense foi marcada por duas peculiaridades: foi a primeira vez que uma final da Copinha era disputada no Estádio do Morumbi e o jogo serviu também como preliminar do amistoso internacional entre Brasil e Bulgária, que foi vencido pela Seleção Brasileira por 1 a 0.
  • Em nove oportunidades, o Campeão da Copa São Paulo teve 100% de aproveitamento nos seus jogos:
  • Só em cinco anos os times paulistas não estiveram presentes nas finais. Nestas ocasiões houve confrontos entre:
  • O Bahia foi o primeiro clube do Nordeste a chegar na final da Copinha, na edição de 2011.
  • O Bahia também foi o primeiro clube do Nordeste a participar da Copinha. Tal fato aconteceu na edição de 1972.
  • O Goiás foi o primeiro clube da região centro-oeste a chegar na final da competição, na edição de 2013.
  • O Rondonópolis e o Goiás são os únicos times da região Centro-Oeste a ter um artilheiro na Copa São Paulo de Futebol Júnior: Valdívia na edição de 2012 e Erik na edição de 2013, ambos marcaram oito gols.
  • Na edição de 2014, pela primeira vez, uma empresa adquiriu os naming rights da competição, foi a japonesa Hitachi.[13]
  • Durante a 1ª Fase da edição de 2015, tanto no jogo Tanabi 1x2 Mirassol, pelo grupo A , quanto no jogo Catanduvense 2x2 Náutico, pelo grupo C, aconteceram gols olímpicos no mesmo minuto de jogo (41' do 2° tempo)[14][15] e foram disputados no mesmo dia e hora (7 de Janeiro, às 14:00).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Em 1987, a competição não foi realizada, pelo fato do prefeito de São Paulo na época Jânio Quadros não querer arcar com a competição.[8]
  2. Em 2021, a competição não foi disputada por conta da Pandemia de COVID-19.[9]

Referências

  1. «Como surgiu a Copa São Paulo de Juniores?». Site da revista Super interessante. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  2. «Copinha completa 30 anos sob organização da FPF». futebolpaulista.com.br. 25 de janeiro de 2017. Consultado em 3 de agosto de 2021 
  3. «Federação coloca time japonês do patrocinador na Copa SP» 
  4. «Kashiwa é o 1º time estrangeiro a vencer duas partidas na Copa SP» 
  5. «volta a ser Sub-20» 
  6. «Copa São Paulo de Futebol Júnior vai ter 3 mudanças importantes a partir da edição de 2021». ge. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  7. «Copinha tem explosão de meninos de 15 anos; Mais jovem completou há 13 dias». www.uol.com.br. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  8. «Esse é o Meu Torneio». futebolpaulista.com.br. Consultado em 24 de janeiro de 2022 
  9. «Copa São Paulo Jr.». futebolpaulista.com.br. Consultado em 24 de janeiro de 2022 
  10. a b «Kashiwa Reysol faz melhor campanha da história entre estrangeiros». FPF. 10 de janeiro de 2014. Consultado em 15 de janeiro de 2014 
  11. «Timão derrota Fluminense e é campeão com a melhor campanha da história» 
  12. «Com 100% de aproveitamento, Timão supera Botafogo-SP e ganha nono título da Copinha». Consultado em 25 de janeiro de 2015 
  13. «Hitachi adquire naming rights da Copa São Paulo» 
  14. «46ª Copa SP de Futebol Júnior - 2015: Tanabi 1x2 Mirassol» (HTML). globo.com. Consultado em 7 de Janeiro de 2015 
  15. «46ª Copa SP de Futebol Júnior - 2015: Catanduvense 2x2 Náutico» (HTML). Globo.com. Consultado em 7 de Janeiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]