Coprólito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Coprólito de dinossauro carnívoro

Os coprólitos (do grego copros = fezes; litos = pedra) são fezes conservadas naturalmente pela dessecação ou mineralização, (um tipo de processo de fossilização) que mantém muitas vezes vestígios físicos ou mesmo moleculares de organismos que estiveram presentes nos intestinos dos indivíduos ou animais que os originaram

Os coprólitos que servem de vasta fonte para essas pesquisas, são capazes de fornecer diferentes informações aos cientistas, são fezes fossilizadas de humanos ou animais. Pelo seu exame podemos encontrar fragmentos de material que os organismos utilizavam em sua dieta. Por exemplo, restos vegetais, que trarão informações da vegetação do local naquele período geológico; restos de outros animais, no caso das formas carnívoras etc. Estudando estes fósseis os cientistas podem recuperar grande parte das informações daquele paleoambiente, podendo estabelecer, até mesmo, parte da cadeia alimentar entre os organismos.

São um dos principais materiais utilizados na pesquisa de paleoparasitologia A diferenciação entre os coprólitos pode ser realizada de forma comparativa de formato ou conteúdo. Os coprólitos de forma ovóide caracterizados pela maior variação do tamanho, gretas e estruturas vegetais confirmam aspectos de afinidade com excrementos de animais herbívoros. As formas cilíndricas de peso e tamanho mais uniformes são caracterizadas pelo alto grau de compactação interna, relacionando estes excrementos como provenientes de seres carnívoros ou onívoros. Os coprólitos também auxiliam na pesquisa de helmintos, protozoários, bactérias e até mesmo vírus que ocorreram no passado, pois através de sua análise direta (Microscopia)ne técnicas de biologia molecular podemos detectar esses agentes e correlaciona-los com possíveis doenças da época.

Saiba mais sobre o tema na revisão: http://www.iptsp.ufg.br/download/2006_36(2)87_102.pdf ou no artigo Paleoparasitologia no Brasil disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v7n1/a18v07n1.pdf