Cor da pele humana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Distribuição da cor da pele de grupos étnicos indígenos, antes das colonizações, no mundo, baseado na escala cromática de Von Luschan (dados de R. Biasutti, 1940; disputados).

Cor da pele humana se refere à variedade de tons de pele desde a marrom mais escuro até a pele clara. A pigmentação da pele de um indivíduo é o resultado da genética, sendo o produto da composição genética de ambos os pais biológicos do indivíduo e da exposição ao sol. Na evolução, a pigmentação da pele em seres humanos evoluiu por um processo de seleção natural principalmente para regular a quantidade de radiação ultravioleta que penetra na pele, controlando seus efeitos bioquímicos.[1]

A cor real da pele de diferentes seres humanos é afetada por muitas substâncias, embora a substância mais importante seja o pigmento melanina. A melanina é produzida dentro da pele em células chamadas melanócitos e é o principal determinante da cor da pele de humanos de pele escura. A cor da pele das pessoas com pele clara é determinada principalmente pelo tecido conjuntivo branco-azulado sob a derme e pela hemoglobina que circula nas veias da derme. A cor vermelha subjacente à pele se torna mais visível, principalmente no rosto, quando, como consequência do exercício físico ou da estimulação do sistema nervoso (raiva, medo).[2] A cor não é totalmente uniforme na pele de um indivíduo; por exemplo, a pele da palma e da palma da mão é mais clara que a maioria das outras peles, e isso é especialmente visível em pessoas de pele mais escura.[3]

Existe uma correlação direta entre a distribuição geográfica da radiação ultravioleta (UV) e a distribuição da pigmentação da pele indígena em todo o mundo. Áreas que recebem maiores quantidades de UV, geralmente localizadas mais próximas ao equador, tendem a ter populações de pele mais escura. Áreas que estão distantes dos trópicos e mais próximas aos polos têm menor intensidade de UV, o que se reflete em populações de pele mais clara.[4] Os pesquisadores sugerem que as populações humanas nos últimos 50.000 anos mudaram de pele escura para pele clara e vice-versa à medida que migraram para diferentes zonas UV,[5] e que tais mudanças importantes na pigmentação podem ter acontecido em menos de 100 gerações (± 2.500 anos) através de varredura seletiva.[5][6][7] A cor natural da pele também pode escurecer como resultado do bronzeamento devido à exposição à luz solar. A teoria principal é que a cor da pele se adapta à intensa irradiação solar para fornecer proteção parcial contra a fração ultravioleta que produz danos e, portanto, mutações no DNA das células da pele.[8] Além disso, observou-se que os humanos adultos fêmeas, em média, são significativamente mais claros do que homens. As mulheres precisam de mais cálcio durante a gravidez e lactação. O corpo sintetiza a vitamina D da luz solar, o que ajuda a absorver cálcio, assim as mulheres evoluíram para ter uma pele mais clara, de modo que seus corpos absorvem mais cálcio.[9]

Genética da variação de cor da pele[editar | editar código-fonte]

A arquitetura genética evolutiva da pigmentação da pele em europeus do norte, africanos ocidentais e leste-asiáticos.

O entendimento da variação de cor da pele humana sob mecanismos genéticos subjacentes ainda é incompleto. No entanto, estudos genéticos descobriram um número de genes que afetam a cor da pele humana em populações específicas, e têm mostrado que isso acontece independentemente de outras características físicas, tais como os olhos e a cor do cabelo. Diferentes populações têm diferentes freqüências alélicas destes genes, e é a combinação dessas variações alélicas que trazem sobre o complexo variação, contínua na coloração da pele, como podemos observar hoje em seres humanos modernos. Estudos sugerem um modelo 3-way para a evolução da cor da pele humana, com a pele escura evoluindo nos primeiros hominídeos na África sub-saariana e a pele clara evoluindo de forma independente na Europa e Ásia Oriental depois que os humanos modernos se expandiram para fora da África.[10][11][12][13]

Pele escura[editar | editar código-fonte]

Todos os seres humanos modernos compartilham um ancestral em comum que viveu há cerca de 200.000 anos atrás na África.[14] As comparações entre genes de pigmentação da pele conhecidos em chimpanzés e africanos modernos mostram que a pele escura evoluiu junto com a perda de pêlos no corpo cerca de 1,2 milhão de anos atrás e é o estado ancestral de todos os seres humanos.[15] Investigações sobre populações de pele escura no sul da Ásia e Melanésia indicam que a pigmentação da pele nestas populações é devido à preservação deste estado ancestral e não em função de novas variações sobre uma população previamente iluminada.[16]

  • MC1R

O receptor de melanocortina 1 (MC1R) é primariamente responsável por determinar se a feomelanina e eumelanina é produzida no corpo humano. A pesquisa mostra, pelo menos 10 diferenças em MC1R, entre amostras de chimpanzés e africanos e, que o gene provavelmente sofreu uma forte seleção positiva (a limpeza seletiva) nos primeiros hominídeos há cerca de 1,2 milhão de anos.[17] Isto é consistente com a seleção positiva para o alto - fenótipo visto na África e em outros ambientes com alta exposição aos raios ultravioletas.[15][16]

Pele clara[editar | editar código-fonte]

Para a maior parte, a evolução de pele clara tem seguido caminhos genéticos diferentes em populações europeias e do leste asiático. Dois genes, no entanto, KITLG e ASIP, têm mutações associadas com a pele mais clara que têm altas freqüências em ambas as populações europeias e da Ásia Oriental. Acredita-se que eles se originaram depois que os humanos se espalharam para fora da África, em torno de 30.000 anos atrás.[13] Dois subsequentes estudos de associação do genoma não encontraram correlação significativa entre esses genes e a cor da pele, e sugerem que os resultados anteriores podem ter sido o resultado de métodos de correção incorretas e tamanhos de painéis pequenos, ou que os genes têm um efeito muito pequeno para serem detectados por estudos maiores.[18][19]

Dimorfismo sexual[editar | editar código-fonte]

Observou-se que humanos adultos do sexo feminino são consistentemente mais leves na pigmentação da pele do que os homens na mesma população.[9] Esta forma de dimorfismo sexual é devido à exigência em fêmeas humanas para quantidades elevadas de cálcio durante a gravidez e lactação. Recém-nascidos em amamentação, cujos esqueletos estão crescendo, exigem grandes quantidades de ingestão de cálcio do leite da mãe (cerca de 4 vezes mais do que durante o desenvolvimento pré-natal),[20] parte das quais provém de reservas no esqueleto da mãe. Recursos adequados de vitamina D são necessários para absorver o cálcio da dieta, e tem sido demonstrado que as deficiências de vitamina D e de cálcio aumentam a probabilidade de diversas malformações congénitas, tais como espinha bífida e raquitismo. A seleção natural levou ao fato de haver mulheres com pele mais clara do que os homens em todas as populações indígenas, porque as mulheres devem ter o suficiente de vitamina D e cálcio para apoiar o desenvolvimento do feto e para manter a sua própria saúde.[7]

Os sexos também diferem na forma como eles mudam a sua cor da pele com a idade. Homens e mulheres não nascem com cor de pele diferente, eles começam a divergir durante a puberdade com a influência de hormônios sexuais. As mulheres também podem alterar a pigmentação em certas partes do corpo, tais como a aréola, durante o ciclo menstrual e a gravidez e entre 50 e 70% de mulheres grávidas desenvolvem a "máscara da gravidez" (melasma) nas faces, lábios, testa e no queixo.[7] Isto é causado pelo aumento de hormônios femininos e pode se desenvolver em mulheres que tomam pílulas anticoncepcionais ou participam de terapia de reposição hormonal.[21]

Bronzeamento solar[editar | editar código-fonte]

Um braço bronzeado mostrando a pele mais escura onde foi exposta.

Existem dois mecanismos diferentes envolvidos. Em primeiro lugar, a radiação UVA cria estresse oxidativo, que por sua vez oxida a melanina existente e leva ao rápido escurecimento da melanina, também conhecido como EIP (escurecimento imediato do pigmento). Em segundo lugar, há um aumento na produção de melanina, conhecida como melanogênese.[22] A melanogênese leva ao bronzeamento tardio e se torna visível cerca de 72 horas após a exposição. O bronzeado criado por uma melanogênese aumentada dura muito mais tempo do que aquele causado pela oxidação da melanina existente. O bronzeamento envolve não apenas o aumento da produção de melanina em resposta à radiação UV, mas o espessamento da camada superior da epiderme, o estrato córneo.[7]

A cor natural da pele de uma pessoa afeta sua reação à exposição ao sol. Geralmente, aqueles que começam com uma cor de pele mais escura e mais melanina têm melhores habilidades para se bronzear. Indivíduos com pele muito clara e albinos não têm capacidade de se bronzear.[23] As maiores diferenças resultantes da exposição ao sol são visíveis em indivíduos que começam com pele marrom moderadamente pigmentada: a mudança é dramaticamente visível como linhas bronzeadas, onde partes da pele bronzeada são delineadas a partir da pele não exposta.[7]

Escala de Fitzpatrick[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Escala de Fitzpatrick
A escala de Fitzpatrick e o risco de câncer de pele[24]

A Escala de Fitzpatrick é um esquema de classificação numérica para cor da pele humana. Foi desenvolvido em 1975 por Thomas B. Fitzpatrick como uma forma de estimar a resposta de diferentes tipos de pele à luz ultravioleta (UV).[25]Foi inicialmente desenvolvido com base na cor da pele para medir a dose correta de radiação ultravioleta para terapia PUVA, e quando o teste inicial baseado apenas em cabelo e cor dos olhos resultou em doses muito altas de UVA para alguns, foi alterado para se basear nos relatos do paciente de como sua pele responde ao sol; também foi estendido para uma ampla gama de tipos de pele.[26][27][28]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Muehlenbein, Michael (2010). Human Evolutionary Biology. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 192–213 
  2. Jablonski, N.G. (2006). Skin: A Natural History. Berkeley: University of California Press 
  3. Milburn, Peter B.; Sian, Corazon S.; Silvers, David N. (1982). «The color of the skin of the palms and soles as a possible clue to the pathogenesis of acral-lentiginous melanoma». American Journal of Dermatopathology. 4 (5). Consultado em 30 April 2016. Cópia arquivada em 10 June 2016  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  4. Webb, A.R. (2006). «Who, what, where, and when: influences on cutaneous vitamin D synthesis». Progress in Biophysics and Molecular Biology. 92 (1): 17–25. PMID 16766240. doi:10.1016/j.pbiomolbio.2006.02.004 
  5. a b Jablonski, Nina G. (Spring 2011). «Why Human Skin Comes in Colors» (PDF). AnthroNotes. 32 (1). Consultado em 20 de julho de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 25 de fevereiro de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. «The Human Family Tree Facts». National Geographic. Consultado em 20 de julho de 2013. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2013 
  7. a b c d e Jablonski, Nina (2012). Living Color. Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press. ISBN 978-0-520-25153-3 
  8. Jablonski, N. G.; Chaplin, G. (2010). «Colloquium Paper: Human skin pigmentation as an adaptation to UV radiation». Proceedings of the National Academy of Sciences. 107: 8962–8. Bibcode:2010PNAS..107.8962J. PMC 3024016Acessível livremente. PMID 20445093. doi:10.1073/pnas.0914628107 
  9. a b Jablonski, Nina; Chaplin, George (2000). «The evolution of human skin coloration» (PDF). Journal of Human Evolution. 39 (1): 57–106. PMID 10896812. doi:10.1006/jhev.2000.0403 
  10. McEvoy, B. (2006). «The genetic architecture of normal variation in human pigmentation: an evolutionary perspective and model». Human Molecular Genetics. 15 (2): 176–181. doi:10.1093/hmg/ddl217 
  11. Sturm, R. A. (2009). «Molecular genetics of human pigmentation diversity». Human Molecular Genetics. 18: 9–17. doi:10.1093/hmg/ddp003 
  12. Norton, H. L.; Kittles, R. A.; Parra, E.; McKeigue, P.; Mao, X.; Cheng, K.; Canfield, V. A.; Bradley, D. G.; McEvoy, B.; Shriver, M. D. (2006). «Genetic Evidence for the Convergent Evolution of Light Skin in Europeans and East Asians». Molecular Biology and Evolution. 24 (3): 710–22. PMID 17182896. doi:10.1093/molbev/msl203 
  13. a b Belezal, Sandra; Santos, A. M.; McEvoy, B.; Alves, I.; Martinho, C.; Cameron, E.; Shriver, M. D.; Parra, E. J.; Rocha, J. (2012). «The timing of pigmentation lightening in Europeans». Molecular Biology and Evolution. 30 (1): 24–35. PMC 3525146Acessível livremente. PMID 22923467. doi:10.1093/molbev/mss207 
  14. Soares, P; Ermini, L; Thomson, N; Mormina, M; Rito, T; Röhl, A; Salas, A; Oppenheimer, S; MacAulay, V; Richards, M. B. (junho de 2009). «Correcting for purifying selection: an improved human mitochondrial molecular clock». Am. J. Hum. Genet. 84 (6): 740–59. PMC 2694979Acessível livremente. PMID 19500773. doi:10.1016/j.ajhg.2009.05.001 
  15. a b Rogers, Alan R.; Iltis, David; Wooding, Stephen (2004). «Genetic Variation at the MC1R Locus and the Time since Loss of Human Body Hair». Current Anthropology. 45: 105–8. JSTOR 381006. doi:10.1086/381006 
  16. a b Harding, R; Healy, E; Ray, A; Ellis, N; Flanagan, N; Todd, C; Dixon, C; Sajantila, A; Jackson, I; Birch-Machin, Mark A.; Rees, Jonathan L. (2000). «Evidence for Variable Selective Pressures at MC1R». The American Journal of Human Genetics. 66 (4): 1351–61. PMC 1288200Acessível livremente. PMID 10733465. doi:10.1086/302863 
  17. Rogers, Alan R.; Iltis, David; Wooding, Stephen (2004). «Genetic variation at the MC1R locus and the time since loss of human body hair». Current Anthropology. 45 (1): 105–124. doi:10.1086/381006 
  18. Beleza, Sandra; Johnson, Nicholas A.; Candille, Sophie I.; Absher, Devin M.; Coram, Marc A.; Lopes, Jailson; Campos, Joana; Araújo, Isabel Inês; Anderson, Tovi M.; Vilhjálmsson, Bjarni J.; Nordborg, Magnus; Correia e Silva, António; Shriver, Mark D.; Rocha, Jorge; Barsh, Gregory S.; Tang, Hua (março de 2013). «Genetic Architecture of Skin and Eye Color in an African-European Admixed Population». PLoS Genetics. 9 (3): e1003372. PMC 3605137Acessível livremente. PMID 23555287. doi:10.1371/journal.pgen.1003372 
  19. Candille, Sophie I.; Absher, Devin M.; Beleza, Sandra; Bauchet, Marc; McEvoy, Brian; Garrison, Nanibaa’ A.; Li, Jun Z.; Myers, Richard M.; Barsh, Gregory S.; Tang, Hua; Shriver, Mark D. (31 de outubro de 2012). «Genome-Wide Association Studies of Quantitatively Measured Skin, Hair, and Eye Pigmentation in Four European Populations». PLoS ONE. 7 (10): e48294. Bibcode:2012PLoSO...748294C. PMC 3485197Acessível livremente. PMID 23118974. doi:10.1371/journal.pone.0048294 
  20. Kovacs, Christine (2008). «Vitamin D in pregnancy and lactation: maternal, fetal, and neonatal outcomes from human and animal studies». American Journal of Clinical Nutrition. 88 (2): 520S–528S. PMID 18689394 
  21. Costin and Hearing; Hearing, V. J. (2007). «Human skin pigmentation: Melanocytes modulate skin color in response to stress». FASEB Journal. 21 (4): 976–994. PMID 17242160. doi:10.1096/fj.06-6649rev 
  22. Agar, N; Young, A. R. (2005). «Melanogenesis: a photoprotective response to DNA damage?». Mutation Research/Fundamental and Molecular Mechanisms of Mutagenesis. 571 (1–2): 121–132. PMID 15748643. doi:10.1016/j.mrfmmm.2004.11.016 
  23. Fitzpatrick, T. B. (2003). «Normal skin color and general considerations of pigmentary disorders». Fitzpatrick's Dermatology in General Medicine. New York: McGraw-Hill. pp. 819–825 
  24. D'Orazio, John; Jarrett, Stuart; Amaro-Ortiz, Alexandra; Scott, Timothy (7 de junho de 2013). «UV Radiation and the Skin». International Journal of Molecular Sciences. 14 (6): 12222–12248. PMC 3709783Acessível livremente. PMID 23749111. doi:10.3390/ijms140612222. Consultado em 23 de setembro de 2017 
  25. Fitzpatrick, T. B. (1975). "Soleil et peau" [Sun and skin]. Journal de Médecine Esthétique (em francês) (2): 33–34
  26. Fitzpatrick, T.B. (1988), «The validity and practicality of sun-reactive skin types i through vi», Archives of Dermatology, 124 (6): 869–871, doi:10.1001/archderm.1988.01670060015008 
  27. Pathak, M. A.; Jimbow, K.; Szabo, G.; Fitzpatrick, T. B. (1976). "Sunlight and melanin pigmentation". In Smith, K. C. (ed.): Photochemical and photobiological reviews, Plenum Press, New York, 1976: 211-239
  28. Fitzpatrick, T. B. (1986). "Ultraviolet-induced pigmentary changes: Benefits and hazards", Therapeutic Photomedicine, Karger, vol. 15 of "Current Problems in Dermatology", 1986: 25-38
Ícone de esboço Este artigo sobre Anatomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.