Corações Sujos (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Corações Sujos
 Brasil
2011 •  cor •  107 min 
Direção Vicente Amorim
Roteiro David França Mendes
Baseado em Corações Sujos, por Fernando Morais
Elenco Tsuyoshi Ihara
Takako Tokiwa
Eiji Okuda
Shun Sugata
Kimiko Yo
Celine Fukumoto
André Frateschi
Eduardo Moscovis
Género Drama, suspense, ficção histórica
Lançamento Brasil 13 de outubro de 2011 (Festival do Rio)
Brasil 17 de agosto de 2012
Japão 27 de julho de 2012
Idioma Português e japonês
Página no IMDb (em inglês)

Corações Sujos (em japonês: 汚れた心, Kegareta Kokoro) é um filme brasileiro de 2011 dirigido por Vicente Amorim, baseado no livro de mesmo nome de Fernando Morais.[1]

O filme é baseado na história verídica da organização terrorista Shindo Renmei, uma organização composta por imigrantes japoneses no Brasil, na década de 1940, durante o final da 2ª Guerra Mundial.

O filme estreou em 13 de outubro de 2011 no Festival do Rio. Teve seu lançamento amplo no Brasil no dia 17 de agosto de 2012, e no Japão em 27 de julho de 2012.

Enredo[editar | editar código-fonte]

É 1945, e o Japão acabou de se render aos aliados. Porém em uma das cidades da colônia japonesa no Brasil um grupo de nacionalistas, liderados por um antigo oficial do exército imperial japonês, o Coronel Watanabe (Eiji Okuda), se recusa a acreditar que seu país finalmente perdeu uma guerra. O fotógrafo Takahashi (Tsuyoshi Ihara) é influenciado por esse grupo (chamado "kachigumi" ou vitoristas) a matar alguns japoneses que aceitaram a derrota - referidos como makegumi (derrotistas) ou de "coração sujo". Isso faz a esposa de Takahashi, a professora primária Miyuki (Takako Tokiwa), se magoar com o marido ter se tornado um assassino.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Atores Papel
Tsuyoshi Ihara Takahashi
Takako Tokiwa Miyuki Takahashi
Eiji Okuda Coronel Watanabe
Shun Sugata Sasaki
Kimiko Yo Naomi Sasaki
Celine Fukumoto Akemi Sasaki
Ken Kaneko Matsuda
Issamu Yazaki Aoki
Eduardo Moscovis Sub-delegado
André Frateschi Cabo Garcia

Recepção[editar | editar código-fonte]

Segundo o agregador de críticas do site AdoroCinema, Corações Sujos obteve uma média de 2,6 de 5 estrelas, com base em quinze críticas veiculadas na imprensa brasileira.[2] O filme abriu o Festival Paulínia de Cinema de 2011[1] e foi ovacionado após sua exibição no Festival Internacional de Cinema de Montreal.[3]

No Japão, o filme foi bem recebido pela crítica local, sendo destacado em alguns jornais de Tóquio. O jornal Asahi Shimbun o julgou "poderoso",[4] enquanto o Yomiuri Shimbun considerou-o "soberbo, um tour-de-force que deve ser visto por um grande público". O crítico Takashi Suzuki, do diário Mainichi Shimbun elogiou as atuações, ressaltando que "o filme coloca perguntas que são válidas ainda hoje".[5]

Referências

  1. a b «Corações Sujos». Cineclick. Consultado em 6 de junho de 2013 
  2. «Críticas da imprensa do filme Corações Sujos». AdoroCinema. Consultado em 6 de junho de 2013 
  3. Cristina García Casado (12 de setembro de 2011). «"Corações Sujos" é ovacionado no Festival de Cinema de Montreal». UOL. Consultado em 6 de junho de 2013 
  4. «Filme brasileiro recebe elogios da imprensa japonesa». Época. 6 de agosto de 2012. Consultado em 6 de junho de 2013 
  5. Paulo Camargo (19 de setembro de 2012). «Um tabu japonês emerge do passado». Gazeta do Povo. Consultado em 6 de junho de 2013 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]