Cordeirópolis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Cordeirópolis
Bandeira de Cordeirópolis
Brasão de Cordeirópolis
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 13 de junho
Fundação 30 de março de 1886 (130 anos)
Gentílico cordeiropolense
Prefeito(a) José Adinan Ortolan (PMDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Cordeirópolis
Localização de Cordeirópolis em São Paulo
Cordeirópolis está localizado em: Brasil
Cordeirópolis
Localização de Cordeirópolis no Brasil
22° 28' 55" S 47° 27' 25" O22° 28' 55" S 47° 27' 25" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Piracicaba IBGE/2008 [1]
Microrregião Limeira IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Norte: Araras;
Leste: Limeira;
Sul: Iracemápolis;
Oeste: Santa Gertrudes
Distância até a capital 160 km
Características geográficas
Área 137,337 km² [2]
População 22 945 hab. Censo IBGE/2014[3]
Densidade 167,07 hab./km²
Altitude 668 m
Clima Tropical Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,758 alto PNUD/2010 [4]
PIB R$ 1 367 324,421 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 82 176 10 IBGE/2012[5]
Página oficial

Cordeirópolis é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 22º28'55" sul e a uma longitude 47º27'24" oeste, estando a uma altitude de 668 metros. Sua população estimada em 2016 era de 23.517 habitantes. Possui uma área de 137,3 km². A cidade é um dos principais entroncamentos rodoviários do Brasil, sendo o ponto de encontro entre a Rodovia Anhanguera (SP-330), a Rodovia Washington Luís (SP-310) e a Rodovia dos Bandeirantes (SP-348).

História[editar | editar código-fonte]

Antes da fundação da cidade, o território do Município de Cordeirópolis era dividido em grandes propriedades rurais, que tinham ocupado o solo desde o início do século XIX. A partir de 1817, o Governo de São Paulo começa a oficializar as posses, surgindo, então, a Fazenda Ibicaba, a Sesmaria do Cascalho e outras. Tempos depois, a cultura de cana-de-açúcar dá lugar à do café, que passou a ser, mais tarde, o principal produto de exportação do Brasil. Devido ao alto custo de transporte até o porto, feito geralmente em tropas de burros, os fazendeiros da região se uniram e viabilizaram a construção da Companhia Paulista de Estradas de Ferro que, em 1876, inaugurou o trecho Campinas-Rio Claro, e, ao mesmo tempo, liberou ao tráfego a estação de Cordeiro. Esta parada tem esse nome pela presença, em período anterior ao terceiro quartel do século XIX, de propriedade designada como sesmaria do Cordeiro.

Em 1884, o governo provincial cria, através de lei, o Núcleo Colonial de Cascalho, em terras adquiridas do fazendeiro Domingos José Nogueira Jaguaribe, para parcelamento e distribuição a imigrantes, como parte de uma iniciativa para amenizar os problemas decorrentes da falta de mão-de-obra para o café, com o fim da escravidão. A criação deste núcleo, primeiro a ser implantado pelo Governo Provincial, fez aumentar a circulação de mercadorias e o trânsito de passageiros na estação de Cordeiro, que ficava próximo.

Além da chegada de agricultores em bloco, para o Núcleo, muitos trabalhadores avulsos e comerciantes acorreram ao lugar, formando um ajuntamento de habitações. Aproveitando-se desta oportunidade, um fazendeiro local, Manoel Barbosa Guimarães, loteou uma área de terra que deu início, provavelmente em 1885, à povoação, chamada oficialmente de Capela de Santo Antônio do Cordeiro.

O pequeno comércio existente, aliado ao cultivo de produtos agrícolas para exportação e gêneros alimentícios, contribuiu para a transformação da povoação em distrito de paz, autorizada pela Lei Estadual nº. 645, de 7 de agosto de 1899.

Um plebiscito realizado em 1943 modificou o nome do distrito - Cordeiro -, substituindo-o por Cordeirópolis, seu nome atual, oficializado pelo Decreto-Lei Estadual nº. 14.334, de 30 de novembro de 1944.

A criação de um pequeno parque industrial vinculado ao aproveitamento da seda originou um novo ciclo de desenvolvimento, que culminou com a emancipação da cidade, concedida pela Lei Estadual nº. 233, de 24 de dezembro de 1948. Posteriormente, as indústrias de seda deram lugar à cerâmica como atividades econômicas predominantes no Município.

Bairro do Cascalho[editar | editar código-fonte]

Igreja Católica do Bairro de Cascalho (Paróquia Nossa Senhora da Assunção).

O município de Cordeirópolis é famoso na região por ser a cidade onde se localiza o bairro de Cascalho, onde a grande maioria da população residente é descendente de imigrantes Italianos. No bairro de Cascalho, anualmente são realizadas inúmeras festividades onde a tradição dos costumes italianos de outrora mistura-se com a religiosidade cristã [1] Página da Paróquia de Nossa Senhora da Assunção, no bairro do Cascalho.

Fazenda Ibicaba[editar | editar código-fonte]

Fazenda Ibicaba

Fundada em 1817 pelo Senador NICOLAU PEREIRA DE CAMPOS VERGUEIRO, a Fazenda Ibicaba foi sede da primeira e uma das mais importantes colônias do Brasil. Foi a pioneira na substituição de mão- de- obra escrava pela de imigrantes europeus, principalmente Suíços e Alemães, trinta anos depois de sua fundação. O Senador Vergueiro foi o responsável pela vinda dos primeiros imigrantes da Europa, muito antes da abolição da escravatura. Sua empresa " Vergueiro e Companhia" recrutava os imigrantes,financiava a viagem e o imigrante tinha que quitar sua dívida trabalhando por, pelo menos, quatro anos. A cada família cabia um número determinado de pés de café que pudesse cultivar, colher e beneficiar, além de roças para o plantio de mantimentos. O produto da venda do café era partido entre colono e fazendeiro, devendo prevalecer o mesmo princípio para sobras de mantimentos que o colono viesse a vender. Esses contratos ficavam conhecidos como " Sistema de Parceria". Cerca de mil pessoas entre portugueses, suíços e alemães viviam em ibicaba, que era quase independente, havendo até circulação interna de moeda própria. Durante uma década, o modelo de colonização obteve sucesso e serviu de exemplo para todo país. 

Devido a sua importância para a economia de São Paulo e ao reconhecimento da influência política do Senador Vergueiro, a Fazenda Ibicaba recebeu grandes personalidades, entre elas Dom Pedro II, a Princesa Isabel e o Conde D'eu. Foi usada durante a Guerra do Paraguai como estação militar. A extinção do tráfego negreiro em 1850 levou muitos fazendeiros a implantar o mesmo "sistema de parceria" criando pelo Senador Vergueiro. Os imigrantes, além de exercerem grande influência cultural, contribuíram com novas técnicas de produção: -utilização de arado na plantação de café, eixo móvel para carroças e demais utensílios agrícolas. A oficina de Ibicaba fornecia máquinas e instrumentos para a região posto que muitos imigrantes não tinham vocação agrícola, mas eram excelentes artesãos. Um dos primeiros motores a vapor de São Paulo foi importado pela Ibicaba e hoje encontra-se em um museu em Limeira SP. 

Porém as dificuldades enfrentadas pelos colonos na adaptação ao clima e culturas locais, aliadas à subordinação econômica aos fazendeiros por não conseguirem saldar suas dívidas baseadas numa contabilidade questionável, foi-se criando uma crise que, em 1856, culminou na " Revolta dos Parceiros" ou insurreição dos imigrantes europeus, tendo, como palco, a Fazenda Ibicaba, a maior produtora de café da época. A revolta foi comandada pelo suíço Thomaz Davatz, que conseguiu inclusive que as autoridades suíças tomassem conhecimento das condições em que viviam os colonos. Tomaz Davatz, ao retornar a Europa, escreveu o livro " Memórias de um colono no Brasil", cujo teor inibiu o ciclo da imigração e que, até hoje, ajuda- nos a compreender este período histórico. 

Cordeirópolis em 1930.

Em 1886, foi criada a sociedade promotora da imigração, que se encarrega de uma grande campanha publicitária para atrair mão de obra estrangeira, publicando panfletos vendendo a imagem do Brasil como um maravilhoso país tropical e apagando a impressão negativa deixada pelo livro de Davatz. Em 1877, chega o primeiro grande grupo de italianos para São Paulo, com cerca de 2000 imigrantes. É a política oficial da província, atraindo braços para a grande lavoura. A partir de 1882, o movimento cresce assustadoramente e o estado, pela primeira vez, destina verbas para apoiar os imigrantes, criando inclusive a "Hospedaria do Imigrante", onde ficavam gratuitamente por 7 dias esperando pelo fazendeiro que os fosse contratar. 

A imigração italiana foi a que obteve o maior sucesso, tanto do ponto de vista de adaptação dos imigrantes, como de sua produtividade. Tal sucesso se deve a procedência rural da maior parte dos italianos, vindos principalmente da Itália Meridional, então terra de latifúndios. A identidade religiosa também foi um fator favorável, num tempo em que havia muita intolerância nesse terreno, devido ao grande poder da Igreja Católica. Até hoje, há predominância de sobrenomes italianos na região, que venceram as dificuldades iniciais, se estabeleceram definitivamente nesta terra, criaram raízes e permaneceram para sempre. 

A Fazenda Ibicaba e sua história costumam ser temas de vestibulares, tanto da "Fuvest" como de outras faculdades. 

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia do município é bem diversificada. Na agricultura destaca-se pelo cultivo da cana-de-açúcar, algodão. Milho, abacate e laranja. Na pecuária , os principais destaques por ordem são assim definidos : avicultura, suinocultura e bovinos . Na área industrial, as mais importantes hoje são do ramo cerâmico, papel e papelão, urnas mortuárias e metalúrgicas. O setor de prestação de serviços também é bastante diversificado e os estabelecimentos comerciais são hoje bem estruturados e representam uma das principais fontes de economia do município. A cidade tem trazido diversas empresas (como Nestlé, Yoki e Femsa) pois sua localização é privilegiada na questão logística.

Carnaval[editar | editar código-fonte]

Carnaval em Cordeirópolis no ano de 2007 Foto: Luciano Duarte

Tradicionalmente conhecida como "o melhor carnaval da região",a cidade alegra os quatro dias de festas com desfiles de escolas de samba, blocos e trio elétrico, além de matinês para crianças e grupos da terceira idade, a cidade atrai foliões das cidades vizinhas como Limeira, Santa Gertrudes, Araras e Rio Claro. No ano de 2017 foram contabilizados mais de 50 mil pessoas nas quatros noites de festa.

Hino da Cidade[editar | editar código-fonte]

I

Nossa linda e hospitaleira cidade,

Sempre alegre irradiando simpatia:

Como é meiga se destaca entre as beldades,

Vai crescendo no seu todo, dia a dia!

II

Pelo arrojo do seu povo corajoso

Que desperta a criação no seu trabalho,

Alavanca do progresso laborioso:

No sussurro na alegria e no malho!

Estribilho (bis)

Vamos cantar juntos, unidos,

Para lembrar nossa terra!

Dias felizes temos vivido,

Na ternura, dentro dela!

Foto: Artur F. Silva
Antiga Estação Fepasa, hoje abandonada.

III

Quantas vezes levantastes em campanha

Procurando socorrer a quem te pede.

Sempre ajuda sem preguiça e sem manha,

E não cobra o sacrifício, quem não mede...

IV

Na pujança de um povo tão unido,

Como um bloco indestrutível e varonil,

Na beleza do cordeiro destemido:

É uma parte pequenina do Brasil

Estribilho (bis)

Música: Profª Dyrcea Ricci Ciarrochi

Letra: Prof. Odécio Lucke

Bairros[editar | editar código-fonte]

  • Assentamento XV de Novembro
    Foto: Prefeitura Municipal de Cordeirópolis/Divulgação
    Vista aérea da cidade de Cordeirópolis junto a Rodovia Washington Luís.
  • Assentamento Santa Rita
  • Barreirinho
  • Barro Preto
  • Cascalho
  • Centro
  • Condomínio Ângelo Bettim
  • Condomínio Jardim Flamboyant
  • Condomínio Villagio del Corte
  • Condominio Parque das Águas
  • Distrito Industrial I
  • Distrito Industrial II
  • Distrito Industrial III
  • Distrito Industrial Flaminio Levy
  • Jardim Bela vista
  • Jardim Cordeiro I
  • Jardim Cordeiro II
  • Jardim do Bosque
  • Jardim Jafet
  • Jardim José Corte
  • Jardim Juventude
  • Jardim Lise
  • Jardim Módulo
  • Jardim Paraíso
  • Jardim Paraty
  • Jardim Planalto
  • Jardim Primavera
  • Jardim Progresso
  • Jardim Santo Antônio
  • Jardim São Francisco
  • Jardim São José I
  • Jardim São José II
  • Jardim São Luis
  • Jardim Santa Luzia
  • Jardim Santa Rita
  • Vila Barbosa
  • Vila Boteon
  • Vila dos Pinheiros
  • Vila Lídia
  • Vila Nossa Senhora Aparecida
  • Vila Nova Brasília
  • Vila Pereira
  • Vila Olimpia

Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

Matriz de Santo Antônio em 2004 (hoje a fachada passa por reforma).

Município da Diocese de Limeira

  • Paróquia de Santo Antônio
  • Paróquia de Nossa Senhora da Assunção (Cascalho)
  • Quase Paróquia de Santa Luzia
  • Comunidade de São João Maria Vianney
  • Comunidade de São Judas Tadeu
  • Comunidade de São Benedito
  • Comunidade de São Francisco de Assis

Outras Religiões[editar | editar código-fonte]

Administrativo[editar | editar código-fonte]

Prefeito: José Adinan Ortolan (PMDB) (2017/2020)
Vice: Fatima Marina Celin (PT)
Presidente da Câmara: Laerte Lourenço (PMDB) - 2017-2018

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010

População total: 21.080

  • Urbana: 18.934
  • Rural: 2.146
  • Homens: 10.600
  • Mulheres: 10.480

Densidade demográfica (hab./km²): 128,12

Expectativa de vida (anos): 76,82

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,06

Taxa de alfabetização: 93,28%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,835

  • IDH-M Renda: 0,759
  • IDH-M Longevidade: 0,864
  • IDH-M Educação: 0,881

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Transportes[editar | editar código-fonte]

O município de Cordeirópolis é um dos principais entroncamentos rodoviários do Brasil, sendo o ponto de encontro entre a Rodovia Anhanguera (SP-330), a Rodovia Washington Luís (SP-310) e a Rodovia dos Bandeirantes (SP-348).

Rodovias do município[editar | editar código-fonte]

Cordeiropolenses ilustres[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2014». Censo Populacional 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 23 de janeiro de 2015  Texto "cordeiropolis " ignorado (ajuda)
  4. «Ranking do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 17 de outubro de 2015 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de São Paulo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.