Cordilheira de Mérida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cordilheira de Mérida
Cordillera de Mérida
Cordilheira de Mérida
Localização
Coordenadas 8° 40' S 71° O
País  Venezuela
Cordilheira Andes
Características
Altitude máxima 4 981 m
Cumes mais altos Pico Bolívar

A cordilheira de Mérida (em espanhol: cordillera de Mérida) é a cordilheira de maior altitude da Venezuela, cujo ponto mais alto é o pico Bolívar, a mais elevada montanha venezuelana. Junto com a serra de Perijá forma o ramal venezuelano da cordilheira dos Andes. A cordilheira é composta por diversas serras, sendo as mais conhecidas a sierra Nevada de Mérida e a sierra La Culata, ambas localizadas na zona média da cordilheira dentro do estado de Mérida.

Localização[editar | editar código-fonte]

A Cordilheira de Mérida fica na parte ocidental de Venezuela, abarcando os estados de Táchira, Mérida, Barinas, Trujillo, Portuguesa e Lara. Tem início num pilar tectónico devido à divisão em dois do sistema montanhoso da Cordilheira dos Andes ao nível do nó de Pamplona,[1] pela falha que forma a depressão do Táchira, na fronteira Colômbia-Venezuela, estendendo-se por cerca de 425 km até à depressão de Barquisimeto-Carora.

À sua entrada na Venezuela, este sistema montanhoso produz dois ramais. Para norte segue a Sierra de Perijá até à península Goajira. O outro ramal é a Cordilheira de Mérida, na direção nordeste até se unir à Cordilheira da Costa.

Fauna[editar | editar código-fonte]

A Cordilheira de Mérida é caracterizada por uma fauna muito rica e diversa, incluindo grande quantidade de endemismos. Entre as espécies reconhecidas como endémicas destacam-se seis espécies de mamíferos (Cryptotis meridensis, Nasuella meridensis, Odocoileus lasiotis, Aepeomys reigi, Thomasomys vestitus e um roedor ainda não descrito do género Nephelomy)[2] e o género de borboletas Redonda, representado por dez espécies restringidas a diferentes regiões dentro da Cordilheira de Mérida.[3]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Enrique La Marca: Origen y Evolución Geológica de la Cordillera de Mérida (Andes Venezolanos).

Referências

  1. Venezuela ... (em espanhol) American Republics Bureau, Washington, D.C. ed. [S.l.: s.n.] 1899. 141 páginas 
  2. Gutiérrez, Eliécer E.; Maldonado, Jesús E.; Radosavljevic, Aleksandar; Molinari, Jesús; Patterson, Bruce D.; Martínez-C., Juan M.; Rutter, Amy R.; Hawkins, Melissa T. R.; Garcia, Franger J.; Helgen, Kristofer M. (29 de junho de 2015). «The Taxonomic Status of Mazama bricenii and the Significance of the Táchira Depression for Mammalian Endemism in the Cordillera de Mérida, Venezuela». PLOS ONE. 10 (6): e0129113. doi:10.1371/journal.pone.0129113 
  3. Viloria, Ángel L.; Ferrer-Paris, José R.; Camacho, Jesús; Costa, Mauro (2015) [2013]. «New satyrine butterflies from the Venezuelan Andes (Lepidoptera: Nymphalidae)». Anartia. 25: 95-160. doi:10.5281/zenodo.18332