Cordonata Capitolina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cordonata Capitolina, de Michelangelo. No alto, as duas estátuas de Castor e Pólux. No fundo, o Palazzo Senatorio.

Cordonata é uma via em aclive formada por grandes elementos transversais em cantaria ou tijolos (em italiano: cordoni) que a tornam muito similar a uma escadaria. A mais famosa cordonata, chamada Cordonata Capitolina, fica em Roma, Itália, no rione Campitelli. Ela liga a piazza del Campidoglio com a piazza d'Aracoeli, mas abaixo, e foi projetada por Michelangelo no século XVI, por encomenda do papa Paulo III como parte de seu projeto maior de reurbanização do Capitólio.

História[editar | editar código-fonte]

A Cordonata Capitolina, de fácil acesso e trânsito por ter sido pensada também para o trânsito de pessoas montadas, se alarga ligeiramente conforme avança até o topo, onde foram colocadas duas grande estátuas dos Dióscuros, Castor e Pólux[nota 1] e o grupo escultórico conhecido como "Troféus de Mário" (que ficava no Ninfeu de Alexandre), que se acreditava ser da época republicana na Idade Média, mas que, na realidade, é da época de Domiciano e comemora a vitória do imperador, em 89 d.C., sobre os catos e os dácios.

Dois leões decoram a base da cordonata[nota 2] e no meio, à esquerda, está uma estátua de Cola di Rienzo, obra de Girolamo Masini (1887), instalada perto do local onde ele foi executado.

No centro histórico de Roma, uma outra cordonata fica perto do Palácio do Quirinal, no rione Trevi, e empresta seu nome à via homônima (via della Cordonata).

Entre as outras cordonate romanas, vale citar ainda a que une a viale Europa à basílica paroquial de Santi Pietro e Paolo, em EUR.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Estas estátuas foram encontradas na metade do século XVI durante a construção do muro do Gueto de Roma por ordem do papa Paulo IV Carafa.
  2. Estes dois leões, presumivelmente originários do Iseu Campense, como informa Flaminio Vacca em suas "Memórias de várias antiguidades encontradas em diversos locais de Roma" (1594), na nota 27: "Atrás da citada casa está a igreja de Santo Stefano del Cacco, um nome que deriva de dois leões de basalto, uma pedra da Numídia de cor negra, que me lembro estar na frente da dita igreja e que, na época do papa Pio V, foram transportadas para o Capitólio e colocadas para ornar o início da escada feita de cordoni que leva à praça mais acima.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cordonata Capitolina