Core 'ngrato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Core 'ngrato (em português, "coração ingrato") é uma canção napolitana - mais conhecida pelas primeiras palavras da letra: "Catarì, Catarì". O poema foi escrito em 1911 por Alessandro Cordiferro (pseudônimo de Alessandro Sisca), um calabrês emigrado para os Estados Unidos. A música é de Salvatore Cardillo.

Alessandro Cordiferro nasceu em San Pietro in Guarano (CS), onde o pai, Francesco Sisca, era funcionário municipal. Transferiu-se para Nápoles, cidade de origem de sua mãe, Emilia Cristarelli, a fim de terminar seus estudos, e posteriormente emigrou para Nova York.

Inicialmente nenhum dos dois autores esperava fazer muito sucesso com a canção. Cardillo a considerava mesmo uma "porcheriola". No entanto, Core 'ngrato acabou tendo uma ótima acolhida em Nápoles e se tornou a primeira canção napolitana feita nos América a ter sucesso. Foi interpretada por, entre outros, Enrico Caruso, Beniamino Gigli, Tito Schipa, Giuseppe di Stefano e, mais recentemente, Luciano Pavarotti, Plácido Domingo, José Carreras, Andrea Boccelli e pela brasileira Zizi Possi.

Como outras canções napolitanas clássicas, Core 'ngrato fala de amor não correspondido - neste caso, do amor do poeta por uma certa Catarina ("Catari"), que o abandona. Num crescendo de desespero, são narradas as fases do fim do romance.

(em italiano)

Caterina! Caterina!
Perché mi dici queste parole amare?
Perché mi parli e il cuore
mi tormenti, Caterina?

Non dimenticare
che ti ho dato il cuore, Caterina
Non dimenticartelo

Caterina, Caterina,
che cosa vogliono dire
questi discorsi che mi danno gli spasimi?
Tu non ci pensi a questo dolore mio
Tu non ci pensi, tu non te ne curi

Cuore, cuore ingrato
Ti sei preso la mia vita
Tutto è passato
e non ci pensi più

Caterina, Caterina
tu non lo sai che fino a dentro alla chiesa
io sono entrato e ho pregato Dio, Caterina
E l'ho detto anche al confessore
Io sto soffrendo
per quella là

Sto soffrendo
Sto soffrendo, non si può credere
Sto soffrendo tutti gli strazi
E il confessore che è persona santa
Mi ha detto: Figlio mio,
lasciala stare,lasciala stare

Cuore, cuore ingrato
Ti sei preso la mia vita
Tutto è passato
e non ci pensi più
(em napolitano)

Catarì, Catarì,
Pecchè me dice sti parole amare,
Pecchè me parle e 'o core
Me turmiente Catari?

Nun te scurdà
ca t'aggio date 'o core, Catarì
Nun te scurdà!

Catarì, Catarì,
che vene a dicere
Stu parlà, che me dà spaseme?
Tu nun 'nce pienze a stu dulore mio
Tu nun 'nce pienze tu nun te ne cure

Core, core 'ngrato
T'aie pigliato 'a vita mia
Tutt' è passato
E nun 'nce pienze cchiù!

Catarì, Catarì,
Tu nun 'o saie ca 'nfin 'int'a 'na chiesa
Io so' trasuto e aggio priato a Dio, Catarì
E l'aggio ditto pure a 'o cunfessore:
I' sto a suffrì
Pe' chella llà!

Sto a suffrì,
Sto a suffrì, nun se po' credere,
Sto a suffrì tutte li strazie!
E 'o cunfessore ch'è persona santa,
M'ha ditto: Figlio mio, lassala sta',
lassala sta'

Core, core 'ngrato
T' aie pigliato 'a vita mia
Tutt' è passato
E nun 'nce pienze cchiù!
(em português)

Catari! Catari!
Por que me dizes estas palavras amargas?
Por que me falas e o coração
me atormentas, Catarina?

Não esquece que te dei meu coração, Catari
Não esquece

Catari, Catari,
o que quer dizer
esse falar que me faz tremer?
Tu não pensas na minha dor
Não pensas, não te importas

Coração, coração ingrato
Tomaste a minha vida
Tudo passou
e não pensas mais nisso

Catari, Catari
não sabes que até na igreja
eu fui e pedi a Deus, Catari,
e também disse ao confessor
Estou sofrendo
por aquela lá

Estou sofrendo
Estou sofrendo, não dá para acreditar
Estou sofrendo todas as aflições
E o confessor que é pessoa santa
me disse: Meu filho, deixa estar,
deixa estar

Coração, coração ingrato
Tomaste a minha vida
Tudo passou
e não pensas mais nisso

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • PALLIOTTI, Vittorio. Storia della canzone napoletana. Ed. Newton Compton, 2007.