Coritiba Foot Ball Club

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Coritiba
Coritiba FBC (2011) - PR.svg
Nome Coritiba Foot Ball Club
Alcunhas Coxa-Branca
Coxa
Cori
Verdão
Campeão do Povo
Campeoníssimo
Glorioso
Torcedor/Adepto Coxa-Branca
Coxa
Coritibano
Mascote Vovô Coxa[1]
Fundação 12 de outubro de 1909 (108 anos)
Estádio Major Antônio Couto Pereira
Capacidade 40 310 pessoas[2]
Localização Brasão de Armas do Município de Curitiba.png Curitiba, Paraná PR, Brasil Brasil
Presidente Brasil Rogério Portugal Bacellar
Treinador Marcelo Oliveira
Patrocinador Brasil Caixa
Brasil Pro Tork[3]
Brasil Brahma
Brasil Midway
Brasil
Material (d)esportivo Alemanha Adidas[4]
Competição Paraná Campeonato Paranaense
Brasil Copa do Brasil
Brasil Campeonato Brasileiro
Paraná PR 2016
Brasil CB 2016
Brasil A 2016
PL 2016
Flags of the Union of South American Nations.gif SA 2016
2º colocado
2ª Fase
15º colocado
Grupos
Quartas-de-final
Paraná PR 2015
Brasil CB 2015
Brasil A 2015
Flags of the Union of South American Nations.gif SA 2015
Vice-Campeão
Oitavas-de-final

15º colocado
Não Disputou
Paraná PR 2014
Brasil CB 2014
Brasil A 2014
Flags of the Union of South American Nations.gif SA 2014
3º colocado
Oitavas-de-final
14° colocado
Não Disputou
Ranking nacional Estável 14.º lugar, 9 414 pontos[5]
Website Coritiba.com
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

Coritiba Foot Ball Club, mais conhecido como Coritiba, é um clube desportivo brasileiro da cidade de Curitiba. Fundado em 12 de outubro de 1909 por descendentes de alemães, é um dos clubes mais populares do Paraná e tradicionais do sul do país.

Popularmente chamado de Coxa, tem como suas cores tradicionais o verde e o branco e seu estádio é o Couto Pereira, inaugurado em 1932. Seu grande rival local é o Atlético Paranaense, com quem faz o clássico Atletiba, uma das grandes rivalidades do futebol brasileiro,[6] além do duelo Paratiba, que é o clássico realizado com o Paraná.

Foi o primeiro clube do futebol paranaense a conquistar o Campeonato Brasileiro, em 1985, quebrando a hegemonia de equipes de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais que perdurava desde 1971. Além desse título, o Coxa soma 38 Campeonatos Paranaenses, sendo o atual recordista de taças na história do torneio estadual e o detentor de um hexacampeonato no estado (campeonatos de 1971 até 1976). Possui também 2 vice-campeonatos na Copa do Brasil, em 2011 e 2012 e 2 Campeonatos Brasileiros da série B, conquistados em 2007 e 2010.

O alviverde curitibano foi também a primeira equipe paranaense a participar da Copa Libertadores da América (em 1986). O clube ainda detém a terceira maior a marca mundial de vitórias consecutivas em competições oficiais,[7][nota 1] e a maior sequência dentre os times brasileiros.

História[editar | editar código-fonte]

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Cronologia do Coritiba Foot Ball Club

Títulos e destaques[editar | editar código-fonte]

HONRARIAS
Competição Títulos Temporadas
Recorde mundial de vitórias consecutivas (recorde sustentado entre 2011 até março de 2015) 1 2011Cscr-featured.png
França Taça Pierre Colon 1 1969Cscr-featured.png
Olympic rings with white rims.svg Fita Azul Internacional 1 1972Cscr-featured.png
Costa do Marfim Taça Akwaba 1 1983Cscr-featured.png
NACIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Cbf brazilian championship trophy 02.svg Campeonato Brasileiro 1 1985
B Series Brazilian Championship Trophy.png Campeonato Brasileiro - Série B 2 2007 e 2010
Brasil Torneio do Povo 1 1973
Brasil Festival Brasileiro 1 1997Cscr-featured.png
ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Paraná Campeonato Paranaense 38 1916, 1927, 1931, 1933, 1935Cscr-featured.png, 1939, 1941, 1942, 1946, 1947, 1951, 1952, 1954, 1956, 1957, 1959, 1960, 1968, 1969, 1971, 1972, 1973, 1974, 1975, 1976, 1978, 1979, 1986, 1989, 1999, 2003Cscr-featured.png, 2004, 2008, 2010, 2011Cscr-featured.png, 2012, 2013 e 2017
Paraná Torneio Início do Paraná 10 1920, 1921, 1930, 1932, 1939, 1941, 1942, 1951, 1952 e 1957
CAMPANHAS DE DESTAQUE
Competição Títulos Temporadas
CBF Brazilian Cup.png Vice-campeão da Copa do Brasil 2 2011 e 2012
Mapa Regiao Sul do Brasil (somente).PNG Minas Gerais Vice-campeão da Copa Sul-Minas 1 2001

Cscr-featured.png Campeão Invicto

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Estatísticas do Coritiba
Ver artigo principal: Temporadas do Coritiba

Participações[editar | editar código-fonte]

Participações em 2017
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Paraná Campeonato Paranaense 102 Campeão (38 vezes) 1915 2017
Trophy (transp. Simón Bolívar Cup).png Primeira Liga 1 Grupos (2016) 2016 2016
Brasil Campeonato Brasileiro 39 Campeão (1985) 1960 2017 4
Série B 10 Campeão (2007 e 2010) 1981 2010 4
Copa do Brasil 23 Vice-campeão (2011 e 2012) 1990 2017
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores da América 2 Grupos (1986 e 2004) 1986 2004
Copa Sul-Americana 5 Quartas de final (2016) 2004 2016

Clube[editar | editar código-fonte]

Simbolos[editar | editar código-fonte]

Nome[editar | editar código-fonte]

Seu nome remete a capital do Paraná, segundo a grafia adotada na época: Coritiba. A ortografia atual e oficial da cidade foi estabelecida em 1919, dez anos após a fundação do clube. Mas, em nome de uma velha e honrada tradição, o clube manteve sua grafia original. O mesmo ocorre com os vocábulos foot ball e club, incorporados em inglês por não existir, na época, correspondentes semelhantes na língua portuguesa.

A palavra Curitiba recebeu, durante a história, diversas ortografias diferentes, como Coritiba e Curityba. Isso em consequência da língua tupi, na época, ser transmitida apenas foneticamente, recebendo então diversas adaptações livres para o português. Coritiba era a grafia adotada pelos imigrantes europeus, enquanto Curityba era uma grafia mais "abrasileirada". Tanto a grafia Curityba quanto Coritiba, eram consideradas corretas, e tinham por finalidade exprimir, em tupi-guarani, o termo "muito pinhão" ou "muito pinheiro". O pinheiro e o pinhão, por sua abundância, são dois dos símbolos oficiais do estado do Paraná.

Muitas cartas, jornais e documentos da época, até hoje existentes na biblioteca de Curitiba, usavam normalmente a grafia Coritiba. Hoje em dia, a grafia tupi oficial para o termo é Core-é-Tuba.[11]

Cores[editar | editar código-fonte]

Bandeira do Estado do Paraná.

Suas cores, o verde e o branco, remetem às cores da bandeira do estado do Paraná.

Fundado em 12 de outubro de 1909, o Coritiba é o clube "alviverde" mais antigo do futebol brasileiro, e um dos mais antigos do mundo.

Escudo[editar | editar código-fonte]

Conforme o 9º parágrafo do Capítulo II do Estatuto do clube,[12] o emblema é constituído por um círculo, simbolizando o globo terrestre; nas partes superior e inferior, desenho raiado, lembrando calotas polares em visual de alto relevo; em torno do círculo, no interior de duas linhas paralelas periféricas, está grafado o nome CORITIBA FOOT BALL CLUB, por extenso, com a grafia PARANÁ no espaço inferior; e, com destaque no centro de globo, as iniciais CFC.

O Coritiba de Sergipe, o Comercial-AL de Alagoas e o São Bento de Santa Catarina, bem como o Olaria,[13] equipe de futebol amador de Curitiba, tiveram seus escudos inspirados no do Coritiba.

Bandeira[editar | editar código-fonte]

Está lá, no Capítulo II, Artigo 8º do Estatuto do Clube: “O pavilhão do Coritiba tem o seu emblema situado em destaque no ângulo superior esquerdo, de onde saem traços representando raios alternados nas cores verde e branca, ocupando o espaço todo”.

A bandeira se tornou uma imagem do Coritiba, que vale toda a tradição e grandeza que faz do Coxa uma das grandes forças do futebol no nosso país.

O pavilhão do Coritiba é uma das marcas mais bonitas na vida do Clube, seja por sua origem ou representatividade. Por onde vai, o torcedor coxa-branca leva orgulhoso a sua bandeira, marca de amor ao seu Clube. Assim como há mais de um século, a bandeira do nosso Glorioso ostenta o mesmo significado em nossas vidas: “Coritiba, tu és o sol que ilumina o meu caminho”.

Mascote[editar | editar código-fonte]

O time do Coritiba é representado por um simpático velhinho de descendência alemã, carinhosamente chamado de "Vovô Coxa" em homenagem ao fotógrafo e torcedor do clube Max Kopf. O clube é o mais antigo do Paraná, tendo completado 100 anos no dia 12 de outubro de 2009. O mascote representa, assim, a origem e toda a tradição do Coritiba e do futebol no estado do Paraná.

Apelido (Coxa-Branca)[editar | editar código-fonte]

Devido aos primeiros times do Coritiba serem formados basicamente por descendentes de alemães, isso virou alvo para as provocações vindas das torcidas adversárias.

Em 1941, durante um Atletiba decisivo, o então torcedor e futuro presidente do Atlético-PR, Jofre Cabral e Silva, tomado pelas emoções do clássico, não parou de gritar, "Alemão, quinta coluna!", "Coxa-Branca, quinta coluna!", entre outros xingamentos contra o zagueiro alviverde Hans Egon Breyer. Breyer, nascido na Alemanha, veio com a família para o Brasil aos seis anos de idade, e estreou em 1939 no Coritiba.

A ofensa preconceituosa vinda dos torcedores rivais acabou "pegando". No início incomodava não só o presidente Couto Pereira como toda a torcida coritibana. O apelido ganhava um tom ainda mais pejorativo pois era um período onde a Segunda Guerra Mundial acontecia. A alcunha tanto mudou a vida de Breyer que foi graças a ela que o jogador se desgostou do futebol e acabou deixando o clube em 1944, com 24 anos.[14]

Desde a década anterior, quando o nazismo ganhou força, o clube convivia com insinuações de preconceito racial. Acusações que o presidente Couto Pereira rebatia prontamente. Seu exemplo preferido era o negro Moa­­cyr Gonçalves, jogador e técnico nos anos 30, o primeiro negro a vestir a camisa de um clube da capital. Citava também o capitão Anibal, Biguazinho e os irmãos Bananeiro e Janguinho, que atuaram nos anos 40. Historicamente, quatro dos cinco jogadores que mais vestiram a camisa do Coritiba em toda a sua história são negros: Jairo, Nilo, Reginaldo Nascimento e Édson Bastos.

Apesar de sua origem germânica, até a data em questão já haviam passado pelo Coritiba imigrantes e descendentes de italianos, poloneses, espanhóis, holandeses, dinamarqueses, entre outros. O próprio presidente do clube, Couto Pereira, era cearense, e o fundador, "Fritz" Essenfelder, argentino. Históricamente, é o primeiro clube paranaense a ter no elenco um jogador europeu (alguns dos fundadores do clube em 1909), um jogador latino-americano (Fritz, da Argentina, em 1909), um jogador oriental (Kazu, do Japão, em 1989) e um jogador africano (Geraldo, de Angola, em 2009).

Apesar do preconceito sofrido, a própria história do Coritiba o descaracteriza como um clube racista ou única e exclusivamente de alemães. Curiosamente, o rival que tanto insinuava que o clube coritibano era racista, foi ter seu primeiro jogador negro no elenco apenas 33 anos após o primeiro negro vestir a camisa do Coritiba.[15]

Com o tempo, o torcedor coritibano viu que não havia motivos para sentir-se envergonhado com sua origem germânica, e adotou com orgulho a alcunha de coxa-branca. A colônia germânica é a segunda maior do Paraná (em números, atrás apenas da italiana), e foi muito importante para o crescimento social, econômico e cultural da capital paranaense. Hoje em dia a expressão já perdeu seu caráter pejorativo, e passou a ser utilizada para se falar dos torcedores e jogadores do Coritiba, que em razão disso também é chamado de "Coxa".

Não há registo exato, mas a comemoração do título estadual de 1969 é apontado como marco para a união entre torcida e apelido. Vem daquela partida contra o Água Verde, no Estádio Oresthes Thá, o registro dos primeiros gritos da arquibancada de "Coxa, Coxa, Coxa!".[16][17]

Hino[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Hino do Coritiba Foot Ball Club

Torcida[editar | editar código-fonte]

Além de ser um dos clubes mais tradicionais do estado, a torcida Coxa Branca é também uma das mais tradicionais do Paraná. Já em 1939, Pinha (Luis Vila), ex-goleiro do Coxa, criou a primeira torcida organizada do estado do Paraná, que contava com batucadas e cantos de incentivo, se diferenciando das rivais.[18]

Em 1986 e 2004, estiveram presentes, pela Copa Libertadores da América, em todos os países no qual o Coritiba disputou o torneio, tais como Peru, Paraguai e Argentina. Sua principal torcida organizada é a Império Alviverde,[19] e também há a Mancha Verde.

Os torcedores ainda compareceram nos 10 jogos do time em Joinville durante a severa punição imposta ao clube, levando um total de 33.156 torcedores e com uma média de 3.315 pessoas por jogo mesmo jogando 130 quilômetros longe de Curitiba, demonstrando que a força e paixão pelo clube não tem limites.[20]

Tradicional em todo o Sul do Brasil, a torcida do Coxa está entre as maiores entre os clubes sulistas.[21][22] Uma pesquisa feita pelo IBOPE em 2010, aponta o clube paranaense como a 4º maior torcida da Região Sul.[23][24] A torcida coritibana ainda possui as maiores médias de público no campeonato estadual, dono da maior média em 14 dos últimos 20 anos (1994 á 2013).

A torcida do Coritiba é também conhecida por realizar no Couto Pereira um dos espetáculos mais belos do futebol, o Green Hell (Inferno Verde) que leva os torcedores a inovarem cada vez mais em pirotecnia, fumaça, papel e luminosos, seja durante a noite ou dia.

Uma antiga e folclórica tradição da torcida coxa-branca, é vestir com a faixa de campeão o Homem Nu, localizado na Praça 19 de Dezembro, no centro de Curitiba, como parte da comemoração pelas conquistas do clube. A estátua feita em granito, é de autoria dos artistas Erbo Stenzel e Humberto Cozzo.

Média de Público no Campeonato Paranaense[editar | editar código-fonte]

Abaixo a média de público da torcida coritibana no Campeonato Paranaense.[25][26][27][28][29][30] [31][32]

Ano Pos. Média Geral Média de Público
1994 8.121
1995 9.588
1996 9.881
1997 9.865
1998 10.218
1999 10.775
2000 10.536
2001 sem registro
2002 sem registro
2003 11.281
2004 sem registro
2005 sem registro
2006 sem registro
2007 5.569
2008 11.977
2009 16.211
2010 5.537
2011 11.188
2012 8.787
2013 10.940
2014 6.834
2015 6.768
2016 8.887

Não foram encontrados registros dos anos anteriores ao de 1994.

Média de Público no Campeonato Brasileiro[editar | editar código-fonte]

Abaixo a média de público da torcida coritibana no Campeonato Brasileiro.[33][34][35][36][37][38][39][40][41][42][43][44][45][46][47][48]

Ano Pos.

Média Geral Séries A B C D

Pos.

Média Geral Clubes do PR

Média de Público
1980 21.754
1981 sem registro
1982 sem registro
1983 sem registro
1984 sem registro
1985 sem registro
1986 8.062
1987 9.680
1988 4.954
1989 sem registro
1990 sem registro
1991 sem registro
1992 5.857
1993 5.857
1994 sem registro
1995 sem registro
1996 7.317
1997 9.335
1998 11.996
1999 12.640
2000 3.262
2001 16° 8.819
2002 13° 11.306
2003 15° 7.735
2004 7.393
2005 18.688
2006 10.715
2007 17.377
2008 19.254
2009 11° 16.929
2010 8.239
2011 17.749
2012 14° 12.579
2013 10° 14.651
2014 12° 12.329
2015 19° 12.071
2016 19° 9.711

Não foram encontrados registros dos anos anteriores ao de 1980.

Treinadores[editar | editar código-fonte]

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Patrimônios[editar | editar código-fonte]

Estádio[editar | editar código-fonte]

O estádio Major Antônio Couto Pereira foi fundado em 1932 e tem capacidade atuaal para 40.310 pessoas, sendo chamado pelos torcedores e pela imprensa, de Couto Pereira ou Alto da Glória.

O terreno do estádio foi doado por Nicolau Scheffer, ou vendido por um preço simbólico, em razão de impostos. Na época, se tratava de um local longínquo, sendo que era comum se dizer, à época, que não seria viável, em razão da distância.

Parte interna do Couto Pereira evidenciando o setor "Mauá" de cadeiras.

Em uma reforma ocorrida em 2005 as dimensões do gramado foram ampliadas e as grades de proteção foram removidas, facilitando a visualização do jogo em todos os setores do estádio. Além disso, equipamentos como bancos de reserva e traves foram modernizados, bem como todo o gramado trocado e feitas reformas nas instalações internas (vestiários e salas).

Intitulado originalmente Estádio Belfort Duarte, seu nome foi modificado para o atual em 1977 após reformas para ampliação, como homenagem a um dos maiores responsáveis por o estádio ter saído do papel para se tornar realidade.

CT da Graciosa[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: CT da Graciosa

Em 1988 o presidente Bayard Osna determinou a construção de um centro de treinamento para o Coritiba. Foi adquirido um terreno na antiga estrada da Graciosa, próximo ao trevo do Atuba, a cerca de nove quilômetros da sede principal, no Alto da Glória. Mas foi somente em 1995 que o segundo passo foi dado. Joel Malucelli, Sérgio Prosdócimo e Édson Mauad assumiram o Coritiba e deram início às obras.

O engenheiro José Arruda, na época vice-presidente do clube, foi escolhido como responsável para enfrentar esse desafio e o fez com confiança e determinação, contando com o apoio de uma competente comissão de obras. A maior parte do dinheiro que viabilizou a construção veio de contribuições mensais do Conselho Deliberativo, presidido na época por Manoel Antonio de Oliveira.

O CT da Graciosa foi inaugurado no dia 20 de dezembro de 1997. Após muita dedicação e trabalho de todos que ajudaram, o sonho se tornou realidade. Em 2002, Giovani Gionédis assumiu o clube e começou um planejamento estrutural arrojado, que se iniciou com a ampliação e modernização do patrimônio alviverde.

Hoje, o Centro de Treinamento Bayard Osna se tornou uma das referências de modernidade e de espaço para o trabalho dos profissionais do futebol. O trabalho sério fez do Coritiba um dos clubes do país com uma das melhores estruturas. Nela, está galgado o trabalho de aperfeiçoamento da base e a cada ano craques despontam nos seus gramados, sempre com acompanhamento dos melhores profissionais, até chegarem à equipe profissional e tornarem-se ídolos coxa-brancas.

O CT conta com cinco campos oficiais de futebol (70x110m), com diferenciados gramados. Além disso, três vestiários, piscina térmica, estacionamento, comitê de imprensa. Para a área médica existe uma moderna clínica de fisiologia, uma completa academia, além de clínicas de fisioterapia, psicologia e nutrição.

Uniformes[editar | editar código-fonte]

Jogadores[editar | editar código-fonte]

  • 1º - Camisa branca com duas listras horizontais verdes, calção preto e meias brancas.
  • 2º - Camisa listrada verticalmente em verde e branco, calção branco e meias verdes.
  • 3º - Camisa verde-oliva, calção e meias verde-oliva.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme

Uniformes de goleiro[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme (Combinação)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme

Uniformes de treino[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Jogadores
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
C. Técnica

Uniformes anteriores[editar | editar código-fonte]

Jogadores

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
4º Uniforme

Goleiros

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme (Combinação)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
4º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme Centenário
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme Centenário
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
4º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
4º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Variação
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme

Patrocinadores[editar | editar código-fonte]

Material Esportivo
Período Fornecedor
2016- Alemanha Adidas
2012-2016 Estados Unidos Nike
2008-2011 Itália Lotto
2006-2007 Itália Diadora
1997-2005 Brasil Penalty
1990-1996 Inglaterra Umbro
1989-1990 Brasil Campeã
1987-1988 Brasil Arcal - Umbro
1981-1987 Alemanha Adidas
1980 Brasil Penalty
Patrocinador
Período Patrocinador
2016 Brasil Caixa
Brasil Pro Tork
Brasil Brahma
Brasil RDP
Brasil Nutrilatina
2015 Brasil Caixa
Brasil Netshoes
Brasil Pro Tork
Estados Unidos Coca-Cola
Itália TIM
Brasil RDP
Brasil Nutrilatina
Brasil 99 Taxis
2014 Brasil Caixa
Brasil Netshoes
Brasil Pro Tork
Estados Unidos Coca-Cola
2013 Brasil Caixa
Brasil Netshoes
Brasil Pro Tork
Estados Unidos Coca-Cola
2012 Brasil BMG
Brasil IRA Motoparts
Brasil Netshoes
Brasil Limagrain-Guerra
Estados Unidos Coca-Cola
2011 Brasil BMG
Brasil IRA Motoparts
Brasil JMalucelli
Brasil Limagrain-Guerra
Estados Unidos Coca-Cola
2010 Brasil BMG
Brasil IRA Motoparts
2009 Brasil Positivo Informática
Brasil Lupo
2007-2009 Brasil Previsul Seguradora
2007 Brasil Mastercorp Ribbons
2006 Brasil Radial
Brasil Vale Fértil
2004-2005 Brasil Claro
2001-2002 Itália Tim
1995-2000 Japão Sanyo
1994 Brasil Renner Herrmann S.A.
1993 Brasil Bauducco
1987-1991 Estados Unidos Coca-Cola
1987 Brasil Müller
1986 Brasil Romani S.A.
1985 Brasil Britânia

Elenco atual[editar código-fonte]

Soccerball current event.svg Última atualização: 20 de julho de 2017.[49]

Goleiros
Jogador
1 Brasil Rafael Martins
12 Brasil Bruno
84 Brasil Wilson
89 Brasil William Menezes
Defensores
Jogador Pos.
4 Brasil Romércio Z
21 Brasil Walisson Maia Z
23 Brasil Geovane Z
34 Brasil Werley Z
50 Brasil Cleber Z
76 Brasil Márcio Z
13 Brasil Rodrigo Ramos LD
22 Brasil Léo LD
98 Brasil Dodô LD
66 Brasil William Matheus LE
71 Brasil Henrique Gelain LE
88 Brasil Thiago Carleto LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
5 Brasil Alan Santos V
6 Brasil Edinho V
14 Brasil Julio Rusch V
20 Brasil Matheus Galdezani V
27 Brasil Jonas V
31 Brasil João Paulo V
8 Brasil Tiago Real M
87 Alemanha Baumjohann M
17 Brasil Daniel M
18 Brasil Anderson M
26 Brasil Tomás M
37 Brasil Rafael Longuine M
70 Brasil Yan Sasse M
Atacantes
Jogador
7 Brasil Iago Dias
9 Brasil Neto Berola
11 Brasil Rildo
16 Brasil Léo Santos
33 Brasil Getterson
83 Brasil Kléber
85 Brasil Alecsandro
90 Colômbia Yilmar Filigrana
91 Brasil Henrique Almeida
97 Brasil Índio
99 Brasil Keirrison
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Marcelo Oliveira T


Recordes[editar | editar código-fonte]

Goleadas[editar | editar código-fonte]

Maiores goleadas aplicadas
Contra clubes paranaenses[50]
Data Placar Adversário Local Campeonato
07/11/1926 13x1 Paraná (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1926)
21/06/1952 11x0 Bloco Morgenau (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1952)
28/08/1965 11x0 Olímpico (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1965)
27/06/1953 10x0 Britânia (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1953)
17/03/1940 10x0 Pinheiral (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1939)
11/08/1929 10x0 Paranaense (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1929)
08/09/1929 10x1 Aquibadan (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1929)
01/02/1942 10x2 Jacarezinho (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1941)
09/02/1947 10x2 Palmeiras (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1946)
09/02/1957 10x2 Palestra Itália (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1957)
11/03/2000 9x0 Francisco Beltrão (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (2000)
02/01/1927 9x0 Savóia (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1926)
23/06/1946 9x1 Água Verde (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1946)
09/03/1957 9x1 Bloco Morgenau (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1957)
04/12/1960 9x1 Iraty (PR) Curitiba (PR) Campeonato Paranaense (1960)
Contra clubes de fora do estado[50]
Data Placar Adversário Local Campeonato
16/08/1995 8x0 Ferroviária (SP) Curitiba (PR) Campeonato Brasileiro - Série B (1995)
16/04/1980 7x1 Ferroviário (CE) Curitiba (PR) Campeonato Brasileiro (1980)
04/05/1980 7x1 Desportiva (ES) Curitiba (PR) Campeonato Brasileiro (1980)
08/12/1942 7x4 Internacional (RS) Curitiba (PR) Amistoso (1942)
27/02/2008 6x0 Tuna Luso (PA) Curitiba (PR) Copa do Brasil (2008)
05/05/2011 6x0 Palmeiras (SP) Curitiba (PR) Copa do Brasil (2011)
28/08/1960 5x0 Paula Ramos (SC) Curitiba (PR) Taça Brasil (1960)
12/11/1979 5x0 Mixto (MT) Curitiba (PR) Campeonato Brasileiro (1979)
26/11/1995 5x0 Mogi Mirim (SP) Curitiba (PR) Campeonato Brasileiro - Série B (1995)
10/08/2003 5x0 Flamengo (RJ) Curitiba (PR) Campeonato Brasileiro (2003)
14/06/2009 5x0 Flamengo (RJ) Curitiba (PR) Campeonato Brasileiro (2009)
11/09/2011 5x0 Botafogo (RJ) Curitiba (PR) Campeonato Brasileiro (2011)
01/05/1981 5x1 Cruzeiro (MG) Curitiba (PR) Torneio Dia do Trabalhador (1981)
30/01/1999 5x1 Criciúma (SC) Criciúma (SC) Copa Sul Brasileira (1999)
28/11/2004 5x1 Vitória (BA) Curitiba (PR) Campeonato Brasileiro (2004)
27/10/2006 5x1 Vila Nova (GO) Curitiba (PR) Campeonato Brasileiro - Série B (2006)
22/11/2008 5x1 Santos (SP) Curitiba (PR) Campeonato Brasileiro (2008)
05/06/2011 5x1 Vasco (RJ) Curitiba (PR) Campeonato Brasileiro (2011)

Dez maiores públicos do Coritiba no Estádio Couto Pereira[editar | editar código-fonte]

  1. Coritiba 0 x 2 Flamengo-RJ, 58.311 pessoas, em 21/05/1980, Campeonato Brasileiro[51]
  2. Coritiba 0 x 0 Atlético-PR, 55.164 pessoas, em 17/12/1978, Campeonato Paranaense
  3. Coritiba 2 x 0 Colorado-PR, 53.571 pessoas, em 16/09/1979, Campeonato Paranaense
  4. Coritiba 3 x 0 Atlético-PR, 52.028 pessoas, em 01/05/1990, Campeonato Paranaense
  5. Coritiba 1 x 0 Corinthians-SP, 51.662 pessoas, em 11/05/1980, Campeonato Brasileiro
  6. Coritiba 1 x 1 Vasco-RJ, 50.582 pessoas, em 12/12/1979, Campeonato Brasileiro
  7. Coritiba 2 x 0 Paranavaí-PR, 49.357 pessoas, em 23/03/2003, Campeonato Paranaense (47.208 pagantes)
  8. Coritiba 0 x 0 Atlético-PR, 47.307 pessoas, em 13/12/1978, Campeonato Paranaense
  9. Coritiba 0 x 0 Atlético-PR, 46.217 pessoas, em 10/12/1978, Campeonato Paranaense
  10. Coritiba 2 x 2 Flamengo-RJ, 45.458 pessoas, em 09/11/1988, Campeonato Brasileiro

Vitórias consecutivas[editar | editar código-fonte]

O Coritiba foi o recordista mundial de vitórias consecutivas, feito conquistado durante a temporada de 2011 e mantida até março de 2015, caindo para a terceira colocação. A tabela a seguir registra as 24 vitórias,sendo a maioria elas no campeonato paranaense.[52]

Sequência Data Confronto Campeonato
1 03/02 Coritiba 5 x 0 Iraty Campeonato Paranaense
2 10/02 Corinthians-PR 1 x 2 Coritiba Campeonato Paranaense
3 06/02 Rio Branco 1 x 4 Coritiba Campeonato Paranaense
4 13/02 Coritiba 3 x 0 Roma Campeonato Paranaense
5 16/02 Ypiranga 0 x 1 Coritiba Copa do Brasil
6 20/02 Coritiba 4 x 2 Atlético-PR Campeonato Paranaense
7 24/02 Coritiba 2 x 0 Ypiranga Copa do Brasil
8 27/02 Cianorte 1 x 2 Coritiba Campeonato Paranaense
9 06/03 Coritiba 3 x 2 Operário Campeonato Paranaense
10 09/03 Paranavaí 0 x 3 Coritiba Campeonato Paranaense
11 13/03 Coritiba 4 x 2 Paraná Campeonato Paranaense
12 17/03 Atlético-GO 1 x 2 Coritiba Copa do Brasil
13 20/03 Cascavel 0 x 3 Coritiba Campeonato Paranaense
14 23/03 Coritiba 2 x 0 Arapongas Campeonato Paranaense
15 26/03 Iraty 2 x 4 Coritiba Campeonato Paranaense
16 30/03 Coritiba 3 x 1 Atlético-GO Copa do Brasil
17 02/04 Coritiba 6 x 2 Rio Branco Campeonato Paranaense
18 10/04 Coritiba 1 x 0 Corinthians-PR Campeonato Paranaense
19 14/04 Coritiba 4 x 0 Caxias Copa do Brasil
20 17/04 Roma 1 x 4 Coritiba Campeonato Paranaense
21 24/04 Atlético-PR 0 x 3 Coritiba Campeonato Paranaense
22 27/04 Caxias 0 x 1 Coritiba Copa do Brasil
23 01/05 Coritiba 2 x 0 Cianorte Campeonato Paranaense
24 05/05 Coritiba 6 x 0 Palmeiras Copa do Brasil

O time-base titular nesta sequência de vitórias era Edson Bastos; Jonas, Pereira, Emerson e Eltinho (Lucas Mendes); Leandro Donizete (William), Léo Gago, Rafinha e Davi; Marcos Aurélio (Anderson Aquino) e Bill. Técnico: Marcelo Oliveira.

Clássicos[editar | editar código-fonte]

Atletiba[editar | editar código-fonte]

Atletiba é o nome dado ao confronto entre o Coritiba e o Atlético Paranaense, ambos clubes da cidade de Curitiba, que ocorrem desde 8 de junho de 1924, quando o Verdão goleou o rival pelo placar de 6 a 3.[53] Com o passar dos anos a rivalidade foi aumentando, atualmente considerada uma das maiores rivalidades da região sul do país, fruto dos inúmeros jogos decisivos que disputaram estes dois rivais, tornando-os os clubes com maiores torcidas do estado do Paraná.

Os números do confronto são favoráveis ao Coritiba. Dos 352 Atletibas disputados, o Coritiba venceu 134, houve 109 empates e 109 vitórias do Atlético. O Coritiba marcou 536 gols e sofreu 482.[53]

A maior do goleada do confronto foi Coritiba 6x0 Atlético, em 14 de novembro de 1959.

Para-Tiba[editar | editar código-fonte]

Para-Tiba é o nome dado ao confronto entre o Coritiba e o Paraná, ambos clubes da cidade de Curitiba. É o segundo maior clássico do estado do Paraná, ficando atrás apenas do Atletiba em termos de importância e atual relevância.

Os números atuais do confronto ditam 93 jogos, com 35 vitórias do Coritiba, 31 do Paraná e 27 empates. Foram 113 gols do Coritiba e 117 do Paraná.[54]

Amistosos e partidas internacionais[editar | editar código-fonte]

Clubes Estrangeiros[editar | editar código-fonte]

(por data das partidas)

Seleções Nacionais[editar | editar código-fonte]

(por data das partidas)

Seleções Estaduais[editar | editar código-fonte]

(por data das partidas)

Valor de mercado[editar | editar código-fonte]

De acordo com um ranking de 2014 da consultoria BDO RCS Auditores Independentes, o Coritiba detinha o décimo terceiro maior valor de mercado do futebol do Brasil e a entre clubes paranaenses, com 118,5 milhões de reais.[57]

Em 2012, o clube ganhou o prêmio Football Business Awards pela campanha de marketing "O Mais Vitorioso do Mundo" quando fez referência ao número de vitórias de 2011 e que chegou a configurar no Guinness Book.[58]

Outros esportes[editar | editar código-fonte]

Futebol Americano[editar | editar código-fonte]

Mesmo sendo melhor conhecido pelo futebol, o Coritiba é o primeiro time do Sul do Brasil a apoiar o Futebol Americano. Com uma parceria entre o Coritiba e o Barigui Crocodiles surgiu o Coritiba Crocodiles. O Coritiba Crocodiles é pentacampeão estadual, bicampeão da Conferência Sul e bicampeão brasileiro.

Notas

  1. Originalmente o feito alcançado entre fevereiro e maio de 2011 dava ao Coritiba a primazia de ser o clube com o recorde mundial,[8][9][10] mas o Guinness World Records reavaliou as vitórias do AFC Ajax, nas sequências de outubro de 1971 a março de 1972 (26 vitórias) e o mesmo clube, com a sequência de 25 vitórias, entre 1995 e 1996, derrubando o Coritiba para a terceira posição

Referências

  1. Conheça um pouco mais sobre o Vovô Coxa, Página do Coritiba F.C., consultado em 20 de setembro de 2014 
  2. Coritiba inaugura novo setor do Couto Pereira no clássico - ler, com reformes, será aumentada para 40 310 pessoas, diferente dos 42 mil projetados pelo clube Site Mundo Positivo - acessado em 20 de novembro de 2014
  3. Diretoria em Siqueira Campos, N.P Diário, consultado em 20 de setembro de 2014 
  4. Coritiba estreia uniformes da Nike já no Estadual, Paraná - Online, consultado em 20 de setembro de 2014 
  5. Confederação Brasileira de Futebol (13 de dezembro de 2016). «RNC - Ranking Nacional dos Clubes 2017» (PDF). Confederação Brasileira de Futebol. Consultado em 16 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 20 de dezembro de 2016 
  6. «Atletiba, voos cada vez mais altos». FIFA.com. Consultado em 27 de novembro de 2013 
  7. Guinness retira recorde de Coritiba a confirma marca para Ajax, Site da Revista Placar, consultado em 5 de março de 2015 
  8. 24 vitórias coloca o Coritiba no Guinnes Book, Globo Esporte, consultado em 15 de novembro de 2014 
  9. Coritiba no Guinnes Book, Gazeta do Povo, consultado em 15 de novembro de 2014 
  10. Coritiba é premiado em Londres, Página do Coritiba, consultado em 15 de novembro de 2014 
  11. «CARTA DO PARANÁ ENCERRA SEMINÁRIO INDÍGENA». noticias.ambientebrasil.com.br 
  12. «Estatuto Estatuto do clube no sítio oficial». coritiba.com.br 
  13. «Federação Paranaense de Futebol». www.federacaopr.com.br 
  14. http://www.futebolbarretos.com.br/principal.php?xidalt=964&xvar=ver_noticia
  15. http://www.coxanautas.com.br/conteudo.phtml?ed=2&id=43
  16. «Coxa-branca com muito orgulho». gazetadopovo.com.br 
  17. Abril, Editora (1 de novembro de 1999). «Placar Magazine». Editora Abril – via Google Books 
  18. [1]
  19. «Coritiba barra a Império em seus jogos». gazetadopovo.com.br 
  20. [2]
  21. «Esporte Brasil, o melhor do esporte.». Esporte Brasil, o melhor do esporte. 
  22. [3]
  23. [4]
  24. [5]
  25. «Atlético é campeão de média de público - De Letra - Tribuna PR - Paraná Online». parana-online.com.br. 2 de maio de 2009 
  26. «Coxa bate recorde de público em 2009 e passa rival na média por jogo». gazetadopovo.com.br 
  27. http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:JmvMLJk7kKgJ:operario.com/noticias/ofec-tem-3%C2%AA-maior-media-de-publico-do-pr2010/+campeonato+paranaense+2010+media+de+publico&cd=6&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br
  28. http://www.coritiba.com.br/portal/2012/04/20/coritiba-tem-maior-media-de-publico-do-paranaense/
  29. «Em público, Paraná perde do Operário - Bem Paraná». www.bemparana.com.br 
  30. «E agora? Coritiba tem prejuízo de R$ 2 milhões em título estadual». www.futebolinterior.com.br 
  31. «Campeonato Paranaense é um fracasso de público - Bem Paraná». www.bemparana.com.br 
  32. «Público de Campeonato Paranaense em 2017 - globoesporte.com». globo.com 
  33. «Cruzeiro termina o Brasileiro com melhor média de público; Inter é a decepção - Blog Numerólogos». globoesporte.com 
  34. «Corinthians tem melhor média de público de todas divisões em 2012». globo.com 
  35. «blog pombo sem asa - GloboEsporte.com». globoesporte.com 
  36. «O ranking final de média de público do Campeonato Brasileiro 2010». blogols.com.br. 9 de dezembro de 2010 
  37. Fonte: http://blog.jornalpequeno.com.br/melo/2009/12/14/a-media-de-publico-final-do-campeonato-brasileiro-2009/
  38. «Média de público final do Brasileirão 2008». wordpress.com. 10 de dezembro de 2008 
  39. «BOLA N@ ÁREA - Série B 2007 - Almanaque». www.bolanaarea.com 
  40. «A média de público final do Brasileirão de 2007». wordpress.com. 3 de dezembro de 2007 
  41. http://canalsports.9.forumer.com/a/srie-b-resultados-e-classificao-2006_post17-30.html
  42. http://canalsports.9.forumer.com/a/srie-a--resultados-e-classificao-2006_post16-30.html
  43. «Esporte Brasil, o melhor do esporte.». Esporte Brasil, o melhor do esporte. 
  44. Leite, Ricardo. «Fortaleza tem melhor média de público na Série A». Esporte Online 
  45. «Folha Online - Esporte - Brasileiro-2002 supera a média de público dos dois últimos anos - 27/12/2002». www1.folha.uol.com.br 
  46. «Médias de Público dos Principais Clubes no Campeonato Brasileiro». www.rsssfbrasil.com 
  47. «Público 2015: Corinthians tem maior média, Palmeiras, as melhores rendas». globo.com 
  48. «Público nos estádios do Brasil em 2017 - globoesporte.com». globo.com 
  49. «Elenco do Coritiba Foot Ball Club». Site oficial do Coritiba Foot Ball Club. Consultado em 20 de julho de 2017 
  50. a b «Estatísticas » Maiores goleadas aplicadas pelo Coritiba». História do Coritiba. Consultado em 13 de maio de 2011 
  51. «OS MAIORES PÚBLICOS DO FUTEBOL PARANAENSE.». www.rsssfbrasil.com 
  52. «Massacre coxa-branca: Coritiba goleia Palmeiras e fica perto da semi». Globoesporte.com. 5 de maio de 2011. Consultado em 6 de maio de 2011 
  53. a b «Estatísticas » AtleTiba». História do Coritiba. Consultado em 30 de abril de 2011 
  54. «Estatísticas » ParaTiba». História do Coritiba. Consultado em 30 de abril de 2011 
  55. a b c d e f g Jogos Internacionais - Amistosos Site História do Coritiba
  56. Helênicos. «Krüger - Fichas de jogos importantes - História do Coritiba». www.historiadocoritiba.com.br 
  57. BDO (2014). «7ºValor das marcas dos clubes brasileiros» (PDF). BDO. Consultado em 19 março de 2015 
  58. Coritiba recebe prêmio pelo marketing em cima do recorde de vitória consecutivas O Globo

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons

Ligações externas[editar | editar código-fonte]