Corpo Expedicionário Português

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Corpo Expedicionário Português
Distintivo CEP.svg
Distintivo da CEP
País Portugal Portugal
Corporação Exército Português
Criação 1917
Extinção 1918
História
Guerras/batalhas Primeira Guerra Mundial
Logística
Efetivo 55 000 soldados
Comando
Comandantes General Tamagnini de Abreu
General Garcia Rosado
General Gomes da Costa
General Simas Machado
Chefes do Estado-maior Major Roberto da Cunha Baptista
Coronel J. Sinel de Cordes

O Corpo Expedicionário Português (CEP) foi a principal força militar portuguesa que participou na frente europeia da Primeira Guerra Mundial. Foi enviada para o norte da França com a finalidade de, através da sua participação ativa no esforço de guerra contra a Alemanha, que também ameaçava os territórios ultramarinos portugueses, conseguir apoios dos seus aliados, evitar a perda daqueles territórios e estabelecer uma reputação séria a nível europeu, sendo então o governo português uma recém criada república.[1] Durante o mesmo conflito, o contingente também lutou nas colónias ultramarinas portuguesas, nomeadamente no Sul de Angola e Moçambique.[2]

De notar que Portugal também enviou para França uma outra força: o Corpo de Artilharia Pesada Independente (CAPI). O CAPI destinou-se a responder a um pedido de ajuda francesa, ficando sob comando do Exército Francês, sendo aí conhecido por Corps de Artillerie Lourde Portugaise (CALP) e tendo operado artilharia super-pesada de caminho de ferro, com obuses de 320 mm, 240 mm e 190 mm.[3]

A partida de milhares de homens para a Flandres francesa gerou, no entanto, um clima de descontentamento nacional, avolumado pelos enormes gastos a suportar pelo governo.

Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Embarque do Corpo Expedicionário Português para a Flandres, após a entrada de Portugal na guerra, no Cais de Santa Apolónia, Lisboa (12 de Fevereiro de 1917) Fotografia de Joshua Benoliel

Durante a Primeira República Portuguesa, apesar de já existirem confrontos entre tropas portuguesas e alemãs junto das fronteiras das colónias africanas desde 1914, nomeadamente contra as forças do Sudoeste Africano Alemão e da África Oriental Alemã,[4] somente sob a presidência de Bernardino Machado, a 9 de Março de 1916, Portugal decretou guerra à Alemanha, apoiando os Aliados na Primeira Guerra Mundial.[5][6][7]

Tendo as últimas operações militares em que Portugal participou ocorrido quase cem anos antes na Europa, a guerra em campo aberto, a qual os portugueses estavam mais acostumados, deu lugar à guerra de trincheiras repleta de inovações destruidoras como a aviação, os gases, as metralhadoras, os morteiros, a artilharia pesada, a motorização e as comunicações. Inexperientes com o novo cenário de guerra, devido a esse fator, foram realizadas várias deslocações de missões militares portuguesas à Grã-Bretanha e a França, liderados pelos capitães Iven Ferraz, Fernando Freiria e Eduardo Martins, a fim de estudarem as novas tecnologias e estratégias bélicas.[8]

Os Generais Tamagnini de Abreu e Silva, Hacking e Gomes da Costa.
Soldados do CEP na Escola de Infantaria (23 de Junho de 1917)

Sendo necessário organizar, em solo nacional, o exército e os novos recrutas que participariam no Teatro de Operações da Europa, o General Norton de Matos, Ministro da Guerra entre 1915 e 1917,[9] com a colaboração do General Tamagnini de Abreu e Silva, tornou-se então no responsável pela organização do Corpo Expedicionário Português que, em três meses, no centro de instrução de Tancos, transformou o polígono militar numa estrutura capaz de treinar 20 mil soldados para lutarem na Flandres, sendo o episódio referido como "O milagre de Tancos".[10][11]

Treino dos soldados do CEP (1917)

Em 30 de Janeiro de 1917, apesar de enormes dificuldades climáticas, zarparam do Tejo três vapores britânicos levando a bordo a 1.ª Brigada do CEP, comandada pelo general Gomes da Costa, desembarcando no porto de Brest três dias depois, a 2 de Fevereiro. Fixados inicialmente na retaguarda do sector britânico, as tropas portuguesas frequentaram então vários cursos intensivos sob a instrução dos britânicos, como na Escola Central de Instrução, no Campo de Tiro, na Escola de Observadores, na Escola de Atiradores e no Campo de Educação Física e Baioneta.[12] A 22 de Fevereiro, partiu para França um segundo contingente do CEP, que, na sua zona de concentração, foi instruído e treinado nas novas escolas sob tutela portuguesa. Mais de um mês depois, a 4 de Abril de 1917, os primeiros soldados formados receberam ordem para avançar para as trincheiras na Flandres francesa, região que acolheria o contingente português, sendo-lhes destinados uma companhia britânica junto da qual permaneciam cerca de uma semana, regressando depois à sua base. Nesse mesmo dia, António Gonçalves Curado foi o primeiro soldado português morto em combate na Frente Ocidental europeia. Somente em Novembro desse mesmo ano, após todos os batalhões de uma brigada já terem estagiado na frente, as tropas portuguesas assumiram plenamente o seu setor, ficando sujeitas ao comando do corpo de exército e do seu estado-maior.[1]

General Norton de Matos, Ministro da Guerra, nas trincheiras Portuguesas na França (1917 )

Na Frente Ocidental as tropas portuguesas adaptaram-se à guerra de trincheiras, mostrando inicialmente grande eficiência e espírito combativo. No entanto as condições foram piorando ao longo dos tempos, sobretudo devido à falta de reforços que impediam a substituição e descanso das tropas. Esta situação era agravada por outros fatores tais como o Inverno frio e húmido, muito diferente do que o que os portugueses estavam habituados. Sendo noticiadas as difíceis condições que os soldados enfrentavam, em Portugal mobilizaram-se vários movimentos e associações, essencialmente compostos por mulheres, que criaram campanhas de angariação de donativos e mantimentos assim como promoveram cursos de enfermagem para apoiarem os militares portugueses na frente de guerra, tornando-se notórias as ações da Cruz Vermelha Portuguesa, Comissão Feminina "Pela Pátria",[13] Cruzada das Mulheres Portuguesas e Assistência das Portuguesas às Vítimas da Guerra.[14] As condições no entanto foram-se agravando a tal ponto que o Comando do 1º Exército Britânico decidiu a rendição das tropas portuguesas pelas tropas britânicas, com o objetivo de permitir o descanso daquelas. No entanto, justamente no dia previsto para a rendição do CEP, ocorreu a ofensiva alemã e a Batalha de La Lys, apanhando as forças portuguesas numa posição completamente desfavorável.[15]

Serviços Médicos do Corpo Expedicionário Português. Fotografia de Arnaldo Garcês

Com a ofensiva "Georgette" dos alemães, montada por Erich Ludendorff, os militares portugueses, exaustos e enfermos, acabaram por sofrer uma derrota estrondosa na Batalha de La Lys, no sector de Ypres, em 9 de Abril de 1918, logo após a derrota do Exército Britânico em Arras. Não se pode definir um tempo de duração da fase inicial da ofensiva de La Lys sobre a 2.ª Divisão do CEP, contudo, tendo começado o bombardeamento preparatório às 4h15 da madrugada de 9 de Abril, a última resistência dos Portugueses só cessou próximo do meio-dia do dia 10, em Lacouture. Os soldados portugueses sofreram cerca de 7 000 baixas,[16] sendo que o maior número foi de prisioneiros de guerra por terem sido cercados pelos alemães nos flancos da Divisão próximo das 11 horas da manhã. Essa derrota já era esperada pelo comandante do CEP general Fernando Tamagnini de Abreu e Silva, comandante da 2.ª Divisão Gomes da Costa e Chefe do Estado-Maior do Corpo Sinel de Cordes, que por diversas vezes avisaram o governo de Portugal e o comando do 1º Exército Britânico, das dificuldades existentes.[17]

Soldados do CEP carregam um morteiro de trincheira de 75 mm.

Após La Lys, tentando recuperar a imagem de um aliado credível, o governo de Sidónio Pais afirmou tentar enviar mais 10 a 15 mil homens, mas esse envio nunca foi efetivamente concretizado, não sendo proporcionado um único navio de transporte das forças britânicas para assegurar minimamente o reforço das forças portuguesas.

O envio do CEP para França tinha sido anteriormente motivo de desacordo interno entre os vários departamentos do Governo Britânico e do Governo Francês. Enquanto que o Governo Francês e o Ministério da Guerra Britânico (War Office) se mostravam bastante favoráveis à ajuda portuguesa, tendo originalmente sido o Governo Francês a pedir ajuda a Portugal logo no início da guerra, o Ministério do Exterior Britânico (Foreign Office) opunha-se, por razões políticas, à mesma ajuda.[18] Essa divisão de consenso, tornou a estadia do CEP em França muito atribulada, não tendo sido apoiada como outros contingentes, facto comprovado pela falta de substituição de efetivos, devido aos navios britânicos necessários para isso terem sido requisitados para o transporte das tropas americanas para a Europa.[19] Remetidos para segundo plano, apesar dos reforços não terem sido enviados, no final da guerra, com os restantes membros do CEP, as forças portuguesas organizaram-se em dois Batalhões, sob alçada do comando britânico, que tomaram parte nas últimas operações que levaram à vitória final aliada.[20]

Após o dia 11 de Novembro de 1918, em que foi assinado o Armistício de Compiègne, nos meses seguintes, começou-se a realizar o repatriamento dos efetivos portugueses destacados para o cenário de guerra, contemplando também os prisioneiros que haviam sido retidos nos campos prisionais alemães. Na impossibilidade de identificarem individualmente todos os militares que tombaram, em França erigiram-se vários monumentos ao “soldado desconhecido”, tendo em Portugal, o mesmo ocorrido, pela primeira vez, numa cerimónia solene, a dia 9 de Abril de 1921, no Mosteiro da Batalha.

A 10 de Novembro de 1928, França e Portugal inauguraram um memorial, no cemitério militar português de Richebourg, tendo transladado, desde a sua construção até 1938, ano de inauguração, 1831 corpos provenientes dos cemitérios franceses de Le Touret, Ambleteuse, Brest, e Tournai, na Bélgica, assim como dos prisioneiros de guerra falecidos na Alemanha. Atualmente 238 sepulturas permanecem por identificar.[21]

Organização[editar | editar código-fonte]

Monumento aos soldados portugueses mortos durante a Grande Guerra, no Porto.

O Corpo Expedicionário Português foi inicialmente organizado como uma Divisão Reforçada seguindo o modelo organizativo português e englobando 3 Brigadas, cada uma com 2 Regimentos de Infantaria a 3 Batalhões.

No entanto, dado que o CEP iria ser integrado no 1º Exército Britânico cujas divisões eram menores que as portuguesas, entendeu-se que se poderia facilmente fazer subir o escalão do CEP, transformando-o em Corpo de Exército a 2 Divisões de modelo britânico, permitindo uma maior autonomia e um maior protagonismo da participação portuguesa. Para tal, além de outros pequenos acertos, foram acrescentados 6 novos Batalhões de Infantaria que se juntaram aos 18 já existentes. Com os 24 Batalhões foram organizadas 6 Brigadas (normalmente 3 em cada divisão), extinguindo-se o escalão intermédio de Regimento.

O CEP ficou, pois, com a seguinte organização:

  • Quartel-General do Corpo;
  • Quartel-General da 1ª Divisão;
  • Quartel-General da 2ª Divisão;
  • Infantaria:
    • 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª Brigadas (cada uma englobando um Quartel-General, 4 Batalhões de Infantaria e uma Bateria de Morteiros Ligeiros de 75 mm);
    • A 1ª Brigada (da 1ª Divisão), era constituída pelo Batalhão Inf. n.º 21 (Covilhã), Batalhão Inf. n.º 22 (Portalegre), Batalhão Inf. n.º 28 (Figueira da Foz) e Batalhão Inf. n.º 34 (Mangualde).
    • A 2ª Brigada (da 1ª Divisão), era constituída pelo Batalhão Inf. n.º 7 (Leiria), Batalhão Inf. n.º 23 (Coimbra), Batalhão Inf. n.º 24 (Aveiro) e Batalhão Inf. n.º 35 (Coimbra).
    • A 3ª Brigada (da 1ª Divisão), era constituída pelo Batalhão Inf. n.º 9 (Lamego), Batalhão Inf. n.º 12 (Guarda), Batalhão Inf. n.º 14 (Viseu) e Batalhão Inf. n.º 15 (Tomar).
    • A 4ª Brigada (da 2ª Divisão), era constituída pelo Batalhão Inf. n.º 3 (Viana do Castela), Batalhão Inf. n.º 8 (Braga), Batalhão Inf. n.º 20 (Guimarães) e Batalhão Inf. n.º 29 (Braga).
    • A 5ª Brigada (da 2ª Divisão), era constituída pelo Batalhão Inf. n.º 4 (Faro), Batalhão Inf. n.º 10 (Bragança), Batalhão Inf. n.º 13 (Vila Real) e Batalhão Inf. n.º 17 (Beja).
    • A 6ª Brigada (da 2ª Divisão), era constituída pelo Batalhão Inf. n.º 1 (Lisboa), Batalhão Inf. n.º 2 (Lisboa), Batalhão Inf. n.º 5 (Lisboa) e Batalhão Inf. n.º 11 (Évora).
  • Artilharia:
    • 1º, 2º, 3º, 4 º, 5º e 6º Grupos de Baterias de Artilharia (cada um englobando 3 Baterias de 8 Peças de 75 mm e uma Bateria de 4 Obuses de 114 mm);
    • 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª Baterias de Morteiros Médios de 152 mm;
    • 1ª e 2ª Baterias de Morteiros Pesados de 236 mm;
  • Engenharia:
    • Companhia de Telegrafistas de Corpo;
    • 1ª e 2ª Companhias Divisionárias de Telegrafistas;
    • Secção de Telegrafia sem Fios (englobando 2 subsecções divisionárias);
    • 1ª e 2ª Companhias de Sapadores de Corpo;
    • 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª Companhias Divisionárias de Sapadores Mineiros;
    • Secção de Pombais Militares;
    • Batalhão de Mineiros;
    • 1º e 2º Grupos de Companhias de Pioneiros;
  • Metralhadoras:
    • 1º, 2º, 3º, 4º, 5º e 6º Grupos de Metralhadoras (cada um englobando 2 Baterias de Metralhadoras Pesadas de 7,7 mm);
  • Serviço de Saúde:
    • 1ª, 2ª, 3ª, 4ª e 5ª Ambulâncias;
    • 1ª e 2ª Colunas Automóveis de Transporte de Feridos;
    • 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª Secções Hipomóveis de Transporte de Feridos;
  • Outros:
    • Grupo de Esquadrões de Cavalaria, transformado em Grupo de Companhias de Ciclistas;
    • 1ª e 2ª Secções Divisionárias de Observadores;
    • 1ª e 2ª Secções Móveis Veterinárias;
    • 1º e 2º Trens Divisionários;
    • 1º e 2º Grupos Automóveis;
    • 1ª e 2ª Companhias de Serviços Auxiliares.
  • Base de Retaguarda:
    • Quartel-General da Base;
    • 1º, 2º e 3º Depósitos de Infantaria;
    • Depósito de Cavalaria;
    • Depósito de Remonta;
    • Depósito Misto;
    • Depósito(s) Disciplinar(es);
    • Tribunal de Guerra da Base;
    • C.M.C.A.;
    • Hospital Cirúrgico;
    • Hospital de Medicina e Depósito de Convalescentes;
    • Estação de Evacuação;
    • Depósito de Material de Engenharia;
    • Depósito de Material de Guerra;
    • Depósito de Material Sanitário;
    • Depósito de Material Veterinário;
    • Depósito de Material de Subsistências;
    • Depósito de Material de Fardamento e Aquartelamento;
    • Depósito de Material de Bagagens;
    • Oficina de Montagem de Munições de 75 mm.

Além destas forças o CEP incluía ainda as seguintes unidades que foram colocadas sob comando directo do 1º Exército Britânico:

  • Corpo de Artilharia Pesada, englobando 2 Grupos, cada um com uma Bateria de Obuses de 233 mm, uma Bateria de Obuses de 202 mm e uma Bateria de Obuses de 152 mm;
  • Batalhão de Sapadores de Caminhos de Ferro;
  • Companhia de Projectores de Campanha.

Foi também criado um Corpo de Aviação que não chegou a ser ativado, sendo os seus pilotos integrados em unidades de aviação britânicas e francesas.

Figuras Proeminentes do Corpo Expedicionário Português[editar | editar código-fonte]

Condecoração de Aníbal Augusto Milhais com a Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito

Adelino Delduque da Costa (1889-1953), coronel de Infantaria, feito prisioneiro pelas tropas alemãs a 9 de abril de 1918,[22] escreveu durante os oito meses e meio de cativeiro sob forma de diário entre os campos de Rastatt e Breesen as suas Notas do cativeiro,[23] um dos mais vivos relatos dos acontecimentos que seguiram à derrota portuguesa, assim como das precárias condições em que sobreviveram os oficiais portugueses aprisionados na Alemanha.

Alfredo Guimarães (1884-1918), tenente de cavalaria, condecorado com a Cruz de Guerra de 2ª classe e Oficial da Ordem Militar da Torre e Espada a título póstumo pelas suas ações na Batalha de La Lys, onde, após se retirar da linha de fogo, por o seu batalhão ter sofrido perdas massivas, apresentou-se em Red House (posto de comando do batalhão) para organizar, por duas ocasiões, uma força de contra-ataque e outra de defesa. Apesar de ferido durante o conflito, e após se retirar para as linhas de resistência de Laventie, continuou a combater até ter sido atingido mortalmente pelas forças alemãs.[24]

Aníbal Augusto Milhais (1895-1970), conhecido como Soldado Milhões, foi o soldado português mais condecorado da Primeira Guerra Mundial e o único militar português condecorado com a mais alta honraria nacional, a Antiga e Muito Nobre Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, no campo de batalha em vez da habitual cerimónia pública em Lisboa.

António Gonçalves Curado (1894-1917) foi o primeiro soldado português morto em combate na Frente Ocidental europeia.

João Guilherme de Menezes Ferreira (1889-1936), capitão e artista, autor da publicação João Ninguém, soldado da Grande Guerra, onde registou a sua experiência no Corpo Expedicionário Português.

José Maria Hermano Baptista (1895-2002) com 107 anos foi o último sobrevivente português[25] combatente da Primeira Grande Guerra.[26] Foi promovido de 1º Cabo a 2º Sargento Miliciano em 22 de Março de 1918, tendo sido ferido na Batalha de La Lys e depois de algum tempo hospitalizado em Wesel feito prisioneiro de guerra no campo de concentração de Friedrichsfeld.[27] Foi tio e padrinho do professor e historiador José Hermano Saraiva.

Representações na Cultura Popular[editar | editar código-fonte]

Cinejornal[28]

  • Parada da Divisão em Montalvo (Ernesto de Albuquerque, 1916)
  • Portugal na Guerra – Divisão Naval Portuguesa (Ernesto de Albuquerque, 1916)
  • Divisão da Instrução em Tancos (Ernesto de Albuquerque, 1916)
  • Partida dos Portugueses para a Guerra (Ernesto de Albuquerque, 1917)
  • Manobras Navais Portuguesas (Ernesto de Albuquerque, 1917)
  • Expedição Militar a Angola (Invicta Films, 1917)
  • Marinha Portuguesa - Portugal após a Declaração de Guerra (Gaumont, 1917)
  • Exército Português - Portugal após a Declaração de Guerra (Gaumont, 1917)
  • Partida de Marinheiros para Angola e África do Sul (Gaumont, 1917)
  • Os Portugueses nas Forças Militares e Navais que partem para a África do Sul (Gaumont, 1917)
  • Cavalaria Portuguesa em Treinos (Gaumont, 1917)
  • A Escola de Instrução dos Oficiais Portugueses na Inglaterra (1917)
  • Corpo Expedicionário Português (Invicta Films, 1917)
  • Provas Finais dos Alunos da Escola de Guerra, Participação de Portugal na Guerra (Augusto Seara, 1917)
  • Lançamento da Canhoeira “Bengo” (Augusto Seara, 1917)
  • Transporte de Tropas para França (Augusto Seara, 1917)
  • Escola de Aviação em Vila Nova da Rainha (Augusto Seara, 1917)
  • Escola de Oficiais Milicianos em Queluz (Augusto Seara, 1917)
  • Tropas Portuguesas no Front (Pathé, 1917)
  • Participação de Portugal na Guerra – Regresso do Presidente da República da sua Viagem ao “Front” portuguez (Invicta Films, 1917)
  • The Visit of President Bernardino Machado of Portugal to the British and Portuguese Forces on the Western Front, October 1917 (1917)
  • With the Portuguese Expeditionary Force in France (Topical Film Company, 1918)
  • Portuguese Troops in France 1918 (Topical Film Company, 1918)
  • A Portuguese Training Camp in England – Roffey Camp, Horsham (H.C. Raymond, 1918)
  • Manobras do Campo Entrincheirado de Lisboa (Lusitânia Film, 1918)
  • Como foi Recebida pela População de Lisboa a Notícia do Armistício (Gaumont, 1918)
  • Parada Militar de 5 de Dezembro de 1918 (Gaumont, 1918)[29]

Cinema

Literatura

Biografias, Memórias e Testemunhos

  • Notas do cativeiro: memórias dum prisioneiro de guerra na Alemanha (Adelino Delduque da Costa, 1919)
  • João Ninguém, soldado da Grande Guerra (Menezes Ferreira, 1921)
  • A Mentira da Flandres e… O Medo! (João Maria Ferreira do Amaral, 1922)[31]
  • A batalha do Lys ; a batalha d'Armentieres ou o 9 de Abril (João Maria Ferreira do Amaral, 1923)
  • Memórias de um Ferreiro (Lourenço Chaves de Almeida, 2007)[32]
  • Tiago Veiga - Uma Biografia (Mário Cláudio, 2011)[33]
  • Memórias Esquecidas (Isabel Mascarenhas Braz, 2015)[34]
  • O nosso avô foi à Guerra, Diário de um combatente da Frente tombado na Flandres (1917-1918) (Clemente Rogeiro e Nuno Rogeiro, 2018)[35]
  • Carlos Bleck: o herói esquecido da aviação portuguesa (José Guedes, 2021)[36]
  • João António Carreiras: un médico luso prisionero en la I Guerra Mundial, 1918 : experiencias y recuerdos (José de Santiago Carreiras Gragera, 2021)[37]

Ensaios e Crónicas

  • La Bataille de la Lys: 9 avril 1918 Devoir de mémoire - Dever de memoria (Manuel do Nascimento, 2008)[38]
  • A Grande Guerra: Uma Crónica Visual (Parte I): Estudo do Discurso Iconográfico da "Ilustração Portuguesa" (Jorge Pedro Sousa, 2013)[39]
  • A Grande Guerra: Uma Crónica Visual (Parte II): A "Guerra Estrangeira": Estudo do Discurso Iconográfico da "Ilustração Portuguesa" (Jorge Pedro Sousa)
  • De Lisboa a La Lys – O Corpo Expedicionário Português na Primeira Guerra Mundial (Filipe Ribeiro de Meneses, 2018)

Romances

  • Memória das Estrelas sem Brilho (José Leon Machado, 2008)[40]
  • Um Poeta nas Trincheiras (Sofia Rocha Silva, 2011)[41]
  • Os Olhos de Tirésias (Cristina Drios, 2013) [42]
  • A Segunda Morte de Anna Karénina (Ana Cristina Silva, 2013)[43]
  • A Mulher do Legionário (Carlos Vale Ferraz, 2013)[44]
  • Amor entre Guerras (Sofia Ferros, 2014)[45]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • A Participação de Portugal na Grande Guerra», Luís Alves de Fraga, em História Contemporânea de Portugal (Dir. João Medina), Primeira República, tomo II, Lisboa, Amigos do Livro, Editores, 1985, pp. 34-53.
  • MARQUES, Isabel Pestana, "Memórias do General Fernando Tamagnini (1915-1919) 'Os Meus Três Comandos'", prefácio Nuno Severiano Teixeira, edição - SACRE/Fundação Mariana Seixas, editor - António José Coelho, Viseu, 2004

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Lisboa, Sociedade de Geografia de (1918). Boletim da Sociedade de geographia de Lisboa. [S.l.: s.n.] 
  2. Botchway, De-Valera NYM; Kwarteng, Kwame Osei (26 de outubro de 2018). Africa and the First World War: Remembrance, Memories and Representations after 100 Years (em inglês). [S.l.]: Cambridge Scholars Publishing 
  3. Nogueira, Adeilson (15 de maio de 2020). Guerras Portuguesas (em inglês). [S.l.]: Clube de Autores 
  4. Sánchez, José-Leonardo Ruiz; Olivero, Inmaculada Cordero; Sanz, Carolina García (2015). Shaping Neutrality Throughout the First World War (em inglês). [S.l.]: Editorial Universidad de Sevilla 
  5. Sousa, Jorge Pedro (29 de junho de 2021). A Grande Guerra - Uma Crónica Visual - Parte I: ESTUDO DO DISCURSO EM IMAGENS DA ILUSTRAÇÃO PORTUGUESA (1914-1918) SOBRE A PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA NA I GUERRA MUNDIAL. [S.l.]: mediaXXI 
  6. Meneses, Filipe Ribeiro de (21 de fevereiro de 2022). A Grande Guerra de Afonso Costa. [S.l.]: Leya 
  7. Gerwarth, Robert; Manela, Erez (3 de julho de 2014). Empires at War: 1911-1923 (em inglês). [S.l.]: OUP Oxford 
  8. Para a historia do corpo expedicionario Português: transcrição do diario lisbonense O mundo, de 9 de Fevereiro de 1924 (em inglês). [S.l.]: Imprensa Nacional. 1924 
  9. Neto, Sérgio (3 de outubro de 2016). Do Minho ao Mandovi: um estudo sobre o pensamento colonial de Norton de Matos. [S.l.]: Imprensa da Universidade de Coimbra / Coimbra University Press 
  10. «O milagre de Tancos, Portugal na 1.ª Guerra Mundial». RTP Ensina. Consultado em 12 de novembro de 2022 
  11. Mendes, Adelino; César, Oldemiro (1923). A cooperac̜ão de Portugal na guerra europeia: o milagre de Tancos. [S.l.]: Empresa Lusitana Editora 
  12. Harvey, A. D. (1 de julho de 1993). Collision of Empires: Britain in Three World Wars, 1793-1945 (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Publishing 
  13. «Comissão Feminina "Pela Pátria"». Portugal 1914-1918. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  14. «O Papel das Associações de Solidariedade: As Associações Femininas». Momentos de História. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  15. Meneses, Filipe Ribeiro de (1 de março de 2018). De Lisboa a La Lys – O Corpo Expedicionário Português na Primeira Guerra Mundial. [S.l.]: Leya 
  16. Lima, Susana (7 de julho de 2014). As Batalhas Que Fizeram Portugal. [S.l.]: Leya 
  17. Nascimento, Manuel Do (1 de abril de 2008). La Bataille de la Lys: 9 avril 1918 - Devoir de mémoire - Dever de memoria. [S.l.]: Editions L'Harmattan 
  18. Delaney, Douglas E.; Gardner, Nikolas (17 de fevereiro de 2017). Turning Point 1917: The British Empire at War (em inglês). [S.l.]: UBC Press 
  19. Portugal na Grande Guerra: "guerristas" e "antiguerristas" : estudos e documentos. [S.l.]: Centro de História da Universidade de Lisboa. 1986 
  20. Pinto, António Costa; Monteiro, Nuno Gonçalo (4 de abril de 2020). História política contemporânea: Portugal 1808-2000. [S.l.]: Penguin Random House Grupo Editorial Portugal 
  21. Revista portuguesa de história. [S.l.]: Publicação Subsidiada Pelo, Instituto Para a Alta Cultura. 2006 
  22. Ordem de Serviço da 5ª Brigada de Infantaria, de 27 de Outubro de 1917
  23. Delduque da Costa, Adelino (1919). Notas do captiveiro. Memórias d'um prisioneiro de guerra na Alemanha. Lisboa: J. Rodrigues & C.ª 
  24. «Academia Militar - Uncategorised». academiamilitar.pt. Consultado em 24 de novembro de 2022 
  25. Hermano Baptista List of veterans of World War I
  26. http://www.revistamilitar.pt/modules/articles/print.php?id=143[ligação inativa] José Maria Hermano Baptista Um Herói na Grande Guerra 1917 - 1919
  27. Geraldo, José Custódio Madaleno (2006). José Maria Hermano Baptista: um herói na grande guerra : 1917-1919. [S.l.]: Prefácio, Edição de Livros e Revistas 
  28. Piçarra, Maria do Carmo (2018). «"Irmãos de armas": o CEP no cinema de propaganda da Primeira Guerra Mundial». Análise Social (227): 438–457. ISSN 2182-2999. doi:10.31447/AS00032573.2018227.08. Consultado em 12 de novembro de 2022 
  29. «Efemérides | I Guerra Mundial : 100 anos | Audio & video». hemerotecadigital.cm-lisboa.pt. Consultado em 12 de novembro de 2022 
  30. Bruzac, Myriam (21 de janeiro de 2022). ««Les Héritiers de la Bataille de La Lys» - ce documentaire qui raconte la participation des Portugais à la I Guerre mondiale». LusoJornal. Consultado em 12 de novembro de 2022 
  31. Amaral, Ferreira do (5 de outubro de 2019). A Mentira da Flandres e… O Medo!. [S.l.]: Edições Vercial 
  32. Almeida, Lourenço Chaves de (1 de janeiro de 2007). Memórias de um ferreiro. [S.l.]: Imprensa da Universidade de Coimbra / Coimbra University Press 
  33. CLÁUDIO, MÁRIO (6 de julho de 2011). Tiago Veiga - Uma Biografia. [S.l.]: Leya 
  34. Braz, Isabel Mascarenhas (29 de abril de 2015). Memórias Esquecidas (em árabe). [S.l.]: Chiado Editorial 
  35. Rogeiro, Clemente;Rogeiro (25 de maio de 2018). O Nosso Avô Foi à Guerra. [S.l.]: Leya 
  36. Guedes, José (7 de setembro de 2021). Carlos Bleck. [S.l.]: Leya 
  37. Gragera, José de Santiago Carreiras (julho de 2021). João António Carreiras : un médico luso prisionero en la I Guerra Mundial, 1918 : experiencias y recuerdos (em espanhol). [S.l.]: Universidad de Extremadura.Servicio de Publicaciones 
  38. Nascimento, Manuel Do (2008). Dever de memória, portugais. [S.l.]: Harmattan 
  39. Sousa, Jorge Pedro (29 de junho de 2021). A Grande Guerra - Uma Crónica Visual - Parte I: ESTUDO DO DISCURSO EM IMAGENS DA ILUSTRAÇÃO PORTUGUESA (1914-1918) SOBRE A PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA NA I GUERRA MUNDIAL. [S.l.]: mediaXXI 
  40. Machado, José (3 de fevereiro de 2018). Memória das Estrelas Sem Brilho. [S.l.]: Amazon Digital Services LLC - Kdp 
  41. Silva, Sofia Rocha. Um Poeta Nas Trincheiras. [S.l.]: Lulu.com 
  42. Drios, Cristina (4 de março de 2013). Os Olhos de Tirésias. [S.l.]: Leya 
  43. Silva, Ana Cristina (16 de setembro de 2013). A Segunda Morte de Anna Karénina. [S.l.]: Leya 
  44. Ferraz, Carlos Vale (2013). A mulher do legionário. [S.l.]: Casa das Letras 
  45. Ferros, 1973-, Sofia (2014). Amor entre guerras. [S.l.]: Casa das Letras 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]