Corpo basal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Diagrama esquemático do flagelo eucariótico. 1. axonema, 2. membrana célula, 3. IFT (transporte intraflagelar), 4. corpo de basal, 5. cruz do flagelo, 6. Tripletes de microtúbulos do corpo basal.

Corpo basal é a terceira porção do flagelo que liga o flagelo à parede celular e à membrana plasmática. O corpo basal é composto de uma pequena haste central inserida em uma série de aneis.[1] Uma função principal do corpo basal é servir como um molde para a iniciação da montagem axonemal e como um ponto de ancoragem para a ligação dos cílios com o citoesqueleto.[2]

Regulação da produção basal do corpo e da orientação espacial é uma função do de ligação de nucleotídeos domínio dos gama tubulina.[3]

Composição[editar | editar código-fonte]

A composição dos corpos basais ainda não é totalmente compreendida, em parte por causa da dificuldade em purificá-las dos componentes citoplasmáticos. Os corpos basais tem sido isolados do oviduto de mamíferos,[4] da Tetrahymena, [5] e da Chlamydomonas[6] e são compostas de tubulina e várias proteínas. As atividades da ATPase parecem estar associadas aos corpos basais em ensaios de citoquímica[7] e bioquímica[8] mas a função do corpo basal na atividade da ATPase ainda é desconhecida.

Referências

  1. Gerard J. Tortora. Microbiologia. Artmed; ISBN 978-85-363-2698-6. p. 81.
  2. Geoffrey Howard Bourne. Cytology and Cell Physiology. Elsevier; 1987. ISBN 978-0-12-364378-0. p. 425.
  3. Y. Shang, C.-C. Tsao, and M. A. Gorovsky. 2005. Mutational analyses reveal a novel function of the nucleotide-binding domain of gamma-tubulin in the regulation of basal body biogenesis. J. Cell Biol. 171(6):1035-44. PMID 16344310
  4. Anderson, 1974
  5. Rubin e Cunningham, 1975
  6. Snell et al. 1974 e Gould 1975
  7. Dentler, 1981
  8. Anderson, 1977