Corredor bioceânico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes válidas. Utilize o campo de resumo para uma breve explicação das alterações e, se achar necessário, apresente mais detalhes na página de discussão.

Merge-arrow 2.svg
Este artigo ou secção deverá ser fundido com Ferrovia Transoceânica. (desde julho de 2018)
Se discorda, discuta esta fusão aqui.

O corredor bioceânico é um dos projetos da Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA). Constitui-se de aproximadamente 4 mil km de estradas que atravessarão o continente sul-americano no sentido leste-oeste, a partir do Porto de Santos, cortando a Bolívia e chegando aos portos chilenos de Arica e Iquique. Assim os bolivianos poderão dispor de maior facilidade de transporte e acesso para o mar.[1]

Os investimentos previstos no projeto serão financiados pela Corporação Andina de Fomento (CAF), pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e pela União Europeia.

A Bolívia terá o maior aporte de recursos - cerca de US$ 373 milhões, destinados à pavimentação de 611 km de estradas entre Puerto Suarez, na fronteira com o Brasil, e Santa Cruz de la Sierra. No Chile, os investimentos são de US$ 93,22 milhões, para a pavimentação de 50 km de estradas e construção de aduana.

O trecho brasileiro já está pavimentado porém carece de obras de recuperação e melhoria, para as quais estão previstos US$ 132,86 milhões.

A rota principal e mais tradicional é que passa por Corumbá, no Mato Grosso do Sul.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma rodovia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.