Saltar para o conteúdo

Corythosaurus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Corythosaurus
Intervalo temporal: Cretáceo Superior
77–75,7 Ma
Museu Carnegie de História Natural
Classificação científica e
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Clado: Dinosauria
Clado: Ornithischia
Clado: Ornithopoda
Família: Hadrosauridae
Subfamília: Lambeosaurinae
Tribo: Lambeosaurini
Gênero: Corythosaurus
Brown, 1914
Espécie-tipo
Corythosaurus casuarius
Brown, 1914
Espécies
Sinónimos

Corythosaurus (do latim "lagarto de capacete") foi um gênero de dinossauro herbívoro e bípede que viveu no período Cretáceo.[1] Media em torno de nove metros de comprimento e pesava cerca de 4 toneladas. O Corythosaurus possuía uma crista na cabeça, assim como outros membros da sua família. Viveu na América do Norte e seu habitat natural era as áreas litorâneas, onde havia mais alimento e menos predadores.

Descoberta[editar | editar código-fonte]

Espécime de holótipo fóssil AMNH 5240 parcialmente coberto por impressões de pele

O primeiro espécime, AMNH 5240, foi descoberto em 1911 por Barnum Brown em Red Deer, Alberta, e protegido por ele no outono de 1912.[2][3] Além de um esqueleto quase completo, a descoberta foi notável porque impressões de grande parte da pele da criatura também sobreviveram.[4] O espécime veio do Grupo Belly River da província.[3] O lado esquerdo ou inferior do esqueleto foi preservado em argila carbonácea, dificultando a exposição da pele aos elementos.[4] O esqueleto era articulado e faltavam apenas os últimos 0,61 metros da cauda e das patas dianteiras.[4] Tanto as escápulas quanto os coracoides são preservados na posição, mas o resto das patas dianteiras se foram (exceto falanges e pedaços dos úmeros, ulnas e rádios). Aparentemente, as patas dianteiras restantes foram desgastadas ou erodidas.[4] Impressões do tegumento foram preservadas cobrindo uma grande parte do contorno do esqueleto e mostram a forma do corpo.[4] Outro espécime, AMNH 5338, foi encontrado em 1914 por Brown e Peter Kaisen. Ambos os espécimes estão agora abrigados no Museu Americano de História Natural em suas poses originais de morte.[5]

Escavação do espécime holótipo de C. casuarius no Rio Red Deer

A espécie-tipo, Corythosaurus casuarius, foi nomeada por Barnum Brown em 1914, com base no primeiro espécime coletado por ele em 1912. AMNH 5240 é, portanto, o holótipo. Em 1916, o autor original, Brown, publicou uma descrição mais detalhada que também foi baseada em AMNH 5338, que é, portanto, o plesiótipo. Corythosaurus está entre muitos lambeossauríneos que possuem cristas e foi a crista que empresta ao gênero seu nome. O nome genérico Corythosaurus é derivado do grego κόρυθος, (korythos), "capacete coríntio", e significa "lagarto com capacete".[6] O nome específico, casuarius, refere-se ao casuar, um pássaro com uma crista craniana semelhante. O nome científico completo de Corythosaurus casuarius significa, portanto, "réptil semelhante ao casuar, com uma crista de capacete coríntia".[7]

Pedreira com um dos exemplares perdidos no mar em 1916

Os dois espécimes mais bem preservados de Corythosaurus, encontrados por Charles H. Sternberg em 1912, foram perdidos em 6 de dezembro de 1916, enquanto eram transportados pelo SS Mount Temple para o Reino Unido durante a Primeira Guerra Mundial. Eles estavam sendo enviados para Arthur Smith Woodward, um paleontólogo do Museu de História Natural de Londres na Inglaterra, quando o navio que os transportava foi afundado pelo navio mercante de assalto alemão SMS Möwe no meio do oceano.[8]

Anteriormente, havia até sete espécies descritas, incluindo C. casuarius, C. bicristatus (Parks 1935), C. brevicristatus (Parks 1935), C. excavatus (Gilmore 1923), C. frontalis (Parks 1935) e C. intermedius (Parks 1923). Em 1975, Peter Dodson estudou as diferenças entre os crânios e cristas de diferentes espécies de dinossauros lambeosauríneos. Ele descobriu que as diferenças em tamanho e forma podem ter sido relacionadas ao sexo e idade do animal. Apenas uma espécie é atualmente reconhecida com certeza, C. casuarius,[9] embora C. intermedius tenha sido reconhecido como válido em alguns estudos. É baseado no espécime ROM 776, um crânio encontrado por Levi Sternberg em 1920, foi nomeado por William Parks em 1923. Originalmente, ele o nomeou Stephanosaurus intermedius no início daquele ano.[10] O nome específico de C. intermedius é derivado de sua posição intermediária aparente de acordo com Parks.[11]<[12][13] C. intermedius viveu em um momento um pouco mais tarde no Campaniano do que C. casuarius e as duas espécies não são idênticas, o que apoiou a separação delas em um estudo de 2009.[14] A espécie inválida, C. excavatus (espécime UALVP 13), foi baseada apenas em um crânio encontrado em 1920 e não seria reunida com o resto de seus restos mortais até 2012.[15]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Tamanho[editar | editar código-fonte]

Tamanho de C. casuarius (esquerda, vermelho) e C. intermedius (direita, amarelo) comparado a um humano.

Benson et al. (2012) estimaram que o Corythosaurus tinha um comprimento médio de nove metros.[16] Em 1962, Edwin H. Colbert usou modelos de dinossauros específicos, incluindo o Corythosaurus, para estimar seu peso. O modelo do Corythosaurus usado foi modelado por Vincent Fusco, a partir de um esqueleto montado, e supervisionado por Barnum Brown. Após os testes, concluiu-se que a massa corporal média do Corythosaurus era de 3,82 toneladas.[17] O comprimento total do espécime de Corythosaurus AMNH 5240 foi de 8,1 m de comprimento, com um peso próximo a 3,1 toneladas.[18] Em 2016, Gregory S. Paul estimou que C. casuarius atingiu oito metrosde comprimento e 2,8 toneladas de peso e que C. intermedius atingiu 7,7 metros de comprimento e 2,5 toneladas de peso.[19] Um "espécime morfologicamente de tamanho adulto" de C. casuarius mediu aproximadamente nove metros de comprimento.[20]

Crânio[editar | editar código-fonte]

Restauração da vida de C. casuarius

Proporcionalmente, o crânio é muito mais curto e menor do que o de Edmontosaurus (anteriormente Trachodon), Kritosaurus ou Saurolophus. Mas, quando se inclui sua crista, sua área superficial é quase tão grande.[21] Mais de vinte crânios foram encontrados deste dinossauro. Assim como outros lambeossauríneos, o animal tinha uma crista alta, elaborada e óssea no topo do crânio que continha as passagens nasais alongadas.[22] As passagens nasais se estendiam para dentro da crista, primeiro em bolsos separados nas laterais, depois em uma única câmara central e depois para o sistema respiratório.[16][22] O crânio do espécime tipo não tem impressões dérmicas. Durante a preservação, ele foi comprimido lateralmente e a largura agora é cerca de dois terços do que teria sido na vida real. De acordo com Brown, a compressão também fez com que as nasais se deslocassem onde pressionavam os pré-maxilares. Como foram pressionadas nos pré-maxilares, as nasais teriam fechado as narinas.[21] Além da compressão, o crânio parece estar normal.[21]

Classificação[editar | editar código-fonte]

ROM 870, o crânio de um subadulto, originalmente nomeado como uma espécie separada, C. brevicristatus

Originalmente, Brown se referiu ao Corythosaurus como um membro da família Trachodontidae[3] (agora Hadrosauridae[16]). Dentro dos Trachodontidae estavam as subfamílias Trachodontinae e Saurolophinae. Brown classificou Hadrosaurus, Trachodon, Claosaurus e Kritosaurus em Trachodontinae,[23] enquanto ele classificou Corythosaurus, Stephanosaurus e Saurolophus em Saurolophinae.[24]

Mais tarde, Brown revisou a filogenia do Corythosaurus, descobrindo que ele era intimamente relacionado e possivelmente ancestral do Hypacrosaurus. As únicas diferenças que ele encontrou entre eles foram o desenvolvimento das vértebras e as proporções das pernas.[25] Durante um estudo dos ílios dos dinossauros na década de 1920, Alfred Sherwood Romer propôs que as duas ordens de dinossauros poderiam ter evoluído separadamente e que as aves, com base na forma e nas proporções de seus ílios, poderiam ser verdadeiramente ornitísquios especializados. Ele usou tanto o Tyrannosaurus quanto o Corythosaurus como um modelo base para analisar qual teoria é mais provavelmente verdadeira. Ele descobriu que, embora as aves sejam consideradas saurisquianos, é muito plausível que elas tenham desenvolvido sua musculatura pélvica e anatomia específicas se evoluíram de ornitísquios como o Corythosaurus.[26] No entanto, embora a estrutura pélvica do Corythosaurus e de outros ornitísquios tenha uma semelhança superficial maior com as aves do que a pélvis saurisquiana, as aves são agora conhecidas por serem terópodes maniraptoranos altamente derivados.[16]

O Corythosaurus é atualmente classificado como um hadrossaurídeo na subfamília Lambeosaurinae. Ele está relacionado a outros hadrossauros, como Hypacrosaurus, Lambeosaurus e Olorotitan. Com exceção de Olorotitan, todos eles compartilham crânios e cristas de aparência semelhante. No entanto, uma pesquisa publicada em 2003 sugeriu que, embora possua uma crista única, Olorotitan é o parente mais próximo conhecido de Corythosaurus.[27] Benson et al. (2012) descobriram que Corythosaurus estava intimamente relacionado a Velafrons, Nipponosaurus e Hypacrosaurus, com eles formando um grupo de lambeossauros com crista em leque.[16]

Em 2014, um estudo incluindo a descrição de Zhanghenglong foi publicado no periódico PLOS ONE. O estudo incluiu um cladograma quase completo de relações hadrossauroides, incluindo Corythosaurus como o lambeossauríneo mais derivado e sendo o táxon irmão de Hypacrosaurus. O cladograma abaixo é uma versão simplificada incluindo apenas Lambeosaurini.[28]

ROM 845, esqueleto montado de Corythosaurus cf. intermedius cf. excavatus Parks 1935 no Museu Real de Ontario
Lambeosaurini

Arenysaurus

Sahaliyania

Amurosaurus

Lambeosaurus

Lambeosaurus magnicristatus

Lambeosaurus lambei

Magnapaulia

Velafrons

Olorotitan

Nipponosaurus

Hypacrosaurus

Hypacrosaurus altispinus

Hypacrosaurus stebingeri

Corythosaurus

Corythosaurus casuarius

Corythosaurus intermedius

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Corythosaurus». Encyclopædia Britannica Online (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2019 
  2. Lowell Dingus and Mark Norell, 2011 Barnum Brown: The Man Who Discovered Tyrannosaurus rex, University of California Press, p. 143
  3. a b c Brown 1914, p. 559
  4. a b c d e Brown 1914, p. 560
  5. Norrell, Gaffney & Dingus 2000, p. 159
  6. Norrell, Gaffney & Dingus 2000, p. 158
  7. «DinoGuide: Corythosaurus casuarius». Dinosaurs in Their Time. Carnegie Museum of Natural History. Consultado em 27 de julho de 2014. Arquivado do original em 10 de agosto de 2014 
  8. p. 495 in Tanke, D.H. & Carpenter, K. (2001).
  9. Dodson, P. (1975). «Taxonomic implications of relative growth in lambeosaurine dinosaurs». Systematic Zoology. 24 (1): 37–54. JSTOR 2412696. doi:10.2307/2412696 
  10. Parks, W.A. (1923). «New species of crested trachodont dinosaur». Bulletin of the Geological Society of America. 34: 130 
  11. Parks, W.A. (1923). «Corythosaurus intermedius, a new species of trachodont dinosaur». University of Toronto Studies, Geological Series. 15: 5–57 
  12. Prieto-Márquez, A.; Vecchia, F.M.D.; Gaete, R.; Galobart, À. (2013). Dodson, Peter, ed. «Diversity, Relationships, and Biogeography of the Lambeosaurine Dinosaurs from the European Archipelago, with Description of the New Aralosaurin Canardia garonnensis». PLOS ONE. 8 (7): e69835. Bibcode:2013PLoSO...869835P. PMC 3724916Acessível livremente. PMID 23922815. doi:10.1371/journal.pone.0069835Acessível livremente 
  13. Campione, N. E.; Brink, K. S.; Freedman, E. A.; McGarrity, C. T.; Evans, D. C. (2013). «Glishades ericksoni, an indeterminate juvenile hadrosaurid from the Two Medicine Formation of Montana: implications for hadrosauroid diversity in the latest Cretaceous (Campanian-Maastrichtian) of western North America». Palaeobiodiversity and Palaeoenvironments. 93: 65–75 
  14. Arbour, Burns & Sissons 2009, pp. 1117–1135
  15. Bramble, Katherine; Currie, Philip J.; Tanke, Darren H.; Torices, Angelica (agosto de 2017). «Reuniting the "head hunted" Corythosaurus excavatus (Dinosauria: Hadrosauridae) holotype skull with its dentary and postcranium». Cretaceous Research. 76: 7–18. Bibcode:2017CrRes..76....7B. ISSN 0195-6671. doi:10.1016/j.cretres.2017.04.006 
  16. a b c d e Benson, Brussatte & Xu 2012, p. 345
  17. Colbert, E.H. (1962). «The Weight of Dinosaurs» (PDF). American Museum Novitates (2076): 1–16 
  18. Seebacher, F. (2001). «A New Method to Calculate Allometric Length-Mass Relationships of Dinosaurs» (PDF). Journal of Vertebrate Paleontology. 21 (1): 51–60. CiteSeerX 10.1.1.462.255Acessível livremente. doi:10.1671/0272-4634(2001)021[0051:ANMTCA]2.0.CO;2 
  19. Paul, Gregory S. (2016). The Princeton Field Guide to Dinosaurs. [S.l.]: Princeton University Press. 344 páginas. ISBN 978-1-78684-190-2. OCLC 985402380 
  20. Wosik, M.; Chiba, K.; Therrien, F.; Evans, D.C. (2020). «Testing Size–frequency Distributions As a Method of Ontogenetic Aging: A Life-history Assessment of Hadrosaurid Dinosaurs from the Dinosaur Park Formation of Alberta, Canada, with Implications for Hadrosaurid Paleoecology». Paleobiology. 46 (3): 379–404. Bibcode:2020Pbio...46..379W. doi:10.1017/pab.2020.2Acessível livremente 
  21. a b c Brown 1914, p. 561
  22. a b Dodson, Peter & Britt, Brooks & Carpenter, Kenneth & Forster, Catherine A. & Gillette, David D. & Norell, Mark A. & Olshevsky, George & Parrish, J. Michael & Weishampel, David B. (1994). The Age of Dinosaurs. Publications International, LTD. p. 137. ISBN 0-7853-0443-6.
  23. Brown 1914, p. 564
  24. Brown 1914, p. 565
  25. Brown 1916, p. 710
  26. Romer, A.S. (1923). «The Ilium in Dinosaurs and Birds» (PDF). Bulletin of the AMNH. 48 (5): 141–145 
  27. Godefroit, Pascal; Bolotsky, Yuri; Alifanov, Vladimir (2003). «A remarkable hollow-crested hadrosaur from Russia: an Asian origin for lambeosaurines» (PDF). Comptes Rendus Palevol. 2 (2): 143–151. Bibcode:2003CRPal...2..143G. doi:10.1016/S1631-0683(03)00017-4 
  28. Xing, H.; Wang, D.; Han, F.; Sullivan, C.; Ma, Q.; He, Y.; Hone, D. W. E.; Yan, R.; Du, F.; Xu, X. (2014). «A New Basal Hadrosauroid Dinosaur (Dinosauria: Ornithopoda) with Transitional Features from the Late Cretaceous of Henan Province, China». PLOS ONE. 9 (6): e98821. Bibcode:2014PLoSO...998821X. PMC 4047018Acessível livremente. PMID 24901454. doi:10.1371/journal.pone.0098821Acessível livremente 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre dinossauros é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]