Cosimo Corsi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Cosimo Corsi
Cardeal da Santa Igreja Romana
Arcebispo de Pisa
Atividade eclesiástica
Diocese Arquidiocese de Pisa
Nomeação 19 de dezembro de 1853
Predecessor Giovanni Battista Parretti
Sucessor Paolo Micallef, O.S.A.
Mandato 18531870
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 1821
Nomeação episcopal 20 de janeiro de 1845
Ordenação episcopal 26 de janeiro de 1845
por Ludovico Micara, O.F.M.Cap.
Nomeado arcebispo 19 de dezembro de 1853
Cardinalato
Criação 21 de janeiro de 1842
por Papa Gregório XVI
Ordem cardeal-presbítero
Título São João e São Paulo
Dados pessoais
Nascimento Florença
10 de junho de 1798
Morte Villa di Agnano
7 de outubro de 1870 (72 anos)
Nacionalidade italiano
Funções exercidas -Bispo de Jesi (1845-1853)
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Cosimo Corsi (Florença, 10 de junho de 1798 - Villa di Agnano, 7 de outubro de 1870) foi um cardeal e arcebispo católico italiano

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em uma família nobre florentina, do Marquês Giuseppe Antonio Corsi e Maddalena della Gherardesca, ele abraçou o estado eclesiástico em 1815. Obteve um diploma em direito canônico em Roma em junho de 1818.

Foi ordenado sacerdote em 1821. Em 1825 tornou-se secretário da Congregação dos Subsídios e em 1835 decano dos auditores do Tribunal da Sacra Rota.

No consistório de 24 de janeiro de 1842 foi elevado pelo Papa Gregório XVI ao posto de cardeal com o título de Santos João e Paulo.

Em 20 de janeiro de 1845 foi nomeado bispo de Jesi e em 26 de janeiro do mesmo ano foi consagrado bispo pelo cardeal Ludovico Micara. No ano seguinte, participou do conclave que elegeu o Papa Pio IX.

Ele se tornou arcebispo de Pisa em 19 de dezembro de 1853, mantendo o cargo até sua morte.

Opositor decidido da unificação da Itália, em 19 de maio de 1860 foi preso pelos Carabinieri, por ordem de Cavour, por ter proibido cantar o Te Deum na festa do Estatuto em 13 de maio e levado para Turim. A prisão foi julgada arbitrária porque a legislação leopoldina ainda estava em vigor na Toscana, que não exigia que o clero celebrasse solenemente feriados civis, mas a prisão foi realizada de acordo com o código penal piemontês de 1859, que punia o clero pela '"Recusa indevida de ofícios próprios" [1][2].. Em pouco tempo foi libertado e pôde retomar seu episcopado.

Entre 1860 e 1866 ajudou o partido federalista-católico ligado aos jornais Pátria e Firenze e a personalidades como Eugenio Alberi.

Participou do Concílio Vaticano I. Durante o Concílio, em abril de 1870, foi o promotor (junto com o Cardeal Morichini e o Cardeal Pecci) de uma petição - assinada pela maioria dos bispos da Itália central e apoiada por vários cardeais da Cúria com cargos gerenciais no Concílio - que se propunha seguir o esquema original dos trabalhos da assembléia sem antecipar a discussão do dogma sobre a infalibilidade papal, para não deteriorar as relações com a minoria dos padres conciliares anti-infalibilistas. Por vontade última de Pio IX, esse pedido não foi aceito, no entanto, pois a intensificação das tensões internacionais que levaram à eclosão da guerra franco-prussiana anunciava o fim antecipado do Concílio (assim como a retirada da guarnição francesa de Roma e a queda do Estado Pontifício), circunstâncias que ocorreram nos meses imediatamente seguintes.

Morreu na vila de Agnano aos 72 anos e foi sepultado temporariamente na capela da vila.[3] O governo italiano opôs-se ao seu enterro na catedral de Pisa [4] que só poderia ter lugar em toda a sua solenidade a 30 de Junho de 1898 [5].

Referências

  1. Giordano Bruno Guerri, Antistoria degli italiani, Mondadori, Milano, 1997, p. 226
  2. Giacomo Margotti, Memorie per la storia de' nostri tempi, vol. 2, Torino 1864, pp. 161-169
  3. Secondo Pius Bonifacius Gams, in Series episcoporum Ecclesiae catholicae, quotquot innotuerunt a beato Petro apostolo, il cardinale morì tre giorni dopo, il 10 ottobre.
  4. Rassegna stampa - Centro Cattolico di Documentazione di Marina di Pisa Arquivado 2014-07-14 no Wayback Machine
  5. «Traslazione del cadavere di un cardinale arcivescovo». La Stampa. 3 de julho de 1898