Cosme de Jerusalém

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o mártir do século III, veja Cosme e Damião.


São Cosme de Jerusalém
Ícone russo
Bispo de Maiuma
Nascimento século VIII em Jerusalém
Morte 773 ou 794[1] em Maiuma, Gaza
Veneração por Igreja Católica Oriental e Igreja Ortodoxa
Festa litúrgica 12 de outubro
Atribuições Vestido como um bispo ou um monge, segurando um rolo com a letra de um de seus hinos
Padroeiro Hinógrafos
Gloriole.svg Portal dos Santos

Cosme de Jerusalém (em grego: Κοσμάς), também chamado de Cosme Hagiopolita ("da cidade sagrada"), Cosme de Maiuma, Cosme, o Melodista ou ainda Cosme, o Poeta foi um bispo e um hinógrafo. Ele é considerado um santo.

Vida e obras[editar | editar código-fonte]

Cosme nasceu provavelmente em Damasco, mas ele ficou orfão em tenra idade. Ele foi adotado por Sérgio, o pai de São João de Damasco (ca.676 - 749) e se tornou seu irmão adotivo. O professor dos dois garotos era um monge idoso da Calábria, também chamado Cosme (conhecido como "Cosme, o Monge" para se distinguir), que fora libertado da escravidão entre os sarracenos pelo pai de João.[2] João e Cosme foram de Damasco para Jerusalém, onde ambos se tornaram monges na Lavra (mosteiro) de São Sabas, o Santificado, perto da cidade.[2] Juntos eles ajudaram a defender a igreja contra a heresia do iconoclasma.

Cosme deixou o mosteiro em 743, quando ele foi nomeado como bispo de Maiuma, o porto da antiga Gaza, na costa sul da Palestina.[2] Ele viveu muitos anos mais que João e morreu com idade avançada.

Obras[editar | editar código-fonte]

Como um erudito autor em prosa, Cosme escreveu comentários (escólios) sobre os poemas de Gregório de Nazianzo. Ele é considerado em grande estima também como um poeta. Tanto ele quanto João de Damasco são considerados como os melhores represantes da hinografia grega clássica tardia, sendo os exemplos mais característicos o cantos litúrgicos conhecidos como "cânones". Eles trabalharam juntos também no desenvolvimento do Octoechos.[2]

São Cosme já foi chamado de "um veículo da graça divina" e "a glória da Igreja".[3] Ele compôs os cânones solenes para as Matinais (a equivalente ortodoxa das Laudes) do Domingo de Ramos e o "Sábado de Lázaro", como é conhecido o dia anterior no rito bizantino, as Triodes (cânones com apenas três cânticos) que são cantadas na Semana Santa e o primeiro cânone da Natividade (baseado num sermão sobre a Natividade feito por São Gregório, o Teólogo. Juntos, quatorze cânones são atribuídos a ele nos livros litúrgicos da Igreja Ortodoxa.[4]

Os hinos de Cosme foram originalmente compostos para o Serviço Divino da Igreja de Jerusalém, mas, pela influência do patriarcado de Constantinopla, seu uso se tornou universal na Igreja Ortodoxa. Não se sabe, porém, se todos os hinos atribuídos a Cosme nos livros litúrgicos são realmente dele, especialmente por que seu professor tinha o mesmo nome que ele e também era um hinógrafo.[2]

Referências

  1. Outras fontes dão datas tão díspares para sua vida, variando entre ca. 675 - ca. 751. Kathryn Tsai, A Timeline of Eastern Church History (Divine Ascent Press, Point Reyes Station, CA, 2004), p. 144
  2. a b c d e Wikisource-logo.svg "Cosmas" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês). Em domínio público.
  3. Alexander A. Bogolepov. «The hymns of the Orthodox Church». Orthodox Hymns of Christmas, Holy Week and Easter (em inglês). Home.it.net.au. Consultado em 2 de abril de 2007. Arquivado do original em 22 de junho de 2005 
  4. Kathryn Tsai, A Timeline of Eastern Church History (Divine Ascent Press, Point Reyes Station, CA, 2004), p. 144

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Coleções de hinos, em variadas quantidades, são atribuídas a Cosme e podem ser encontradas em Jacques-Paul Migne, Patrologia Graeca (P.G.), XCVIII, 459-524, e em Christ-Paranikas, Anthologia graeca carminum christianorum (Leipzig, 1871), 161-204.
  • Para os mencionados escólios sobre os poemas de Gregório de Nazianzo, veja:
  • Para assuntos em geral, veja Krumbacher, Gesch. der byzantinischen Literatur (2d ed., Munich, 1896), 674 sqq.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]