Crátilo (diálogo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Crátilo (do grego antigo Κρατύλος, Kratulos) é um diálogo platónico. A maioria dos académicos contemporâneos acreditam ter sido essencialmente escrito no período intermédio de Platão.[1] No diálogo, Sócrates é questionado por dois homens, Crátilo e Hermógenes, sobre se os nomes são "convencionais" ou "naturais", isto é, se a linguagem é um sistema de símbolos arbitrários ou se as palavras possuem uma relação intrínseca com as coisas que elas significam. Ao fazer isto, este texto tornou-se numa das primeiras obras filosóficas do período clássico grego a tratar de matérias como a etimologia e a linguística.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. pp. 6, 13-14, David Sedley, Plato's Cratylus, Cambridge U Press 2003.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Press, Gerald A. (2012). The Continuum Companion to Plato (em inglês). [S.l.]: A&C Black. ISBN 0826435351 
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.