Críticas ao capitalismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis e independentes (desde agosto de 2018). Fontes primárias, ou com conflitos de interesse, não são adequadas para verbetes enciclopédicos. Ajude a incluir referências.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Capa da primeira edição de 1867 do livro Das Kapital de Karl Marx.

As críticas ao capitalismo compreendem, de modo geral, posicionamento e críticas direcionadas a aspectos particulares ou gerais acerca do sistema capitalista; os opositores dirigem críticas sobretudo aos modos de produção e efeitos do sistema na sociedade. Os principais posicionamentos contrários ao capitalismo se diferenciam nas propostas que eventualmente aparecem como alternativas ao sistema, como um processo revolucionário (v.g. o socialismo revolucionário) ou reformistas (v.g. a social-democracia), em assuntos particulares a economia política, algumas propostas de economia social de mercado ou de intervenção também se apresentam.

História[editar | editar código-fonte]

Segundo a crítica contemporânea do capitalismo, a rápida industrialização na Europa desde meados do século XVIII criou condições de trabalho consideradas injustas, que incluíam jornadas de trabalho de quatorze horas, trabalho infantil e favelização. Perante esta situação, alguns economistas otimistas argumentaram que as condições de vida tinham sido mesmo piores no passado e que, baseando-se numa evidência empírica, era possível observar como a revolução industrial tinha melhorado o nível de vida e a esperança de vida. Os economistas pesimistas da época, ao contrário, consideravam que as condições não melhoraram ou que apenas melhoraram paulatinamente depois de 1840.

O socialismo utópico[editar | editar código-fonte]

Alguns pensadores proto-socialistas tentaram criar comunidades socialistas livres das injustiças consideradas próprias do capitalismo inicial. Entre estes "socialistas utópicos" estavam Charles Fourier e Robert Owen.O socialismo é dividido em duas partes o socialismo positivo e o socialismo negativo.

O socialismo científico[editar | editar código-fonte]

À margem do socialismo utópico também surgiu um socialismo científico que via a revolução industrial como um novo sistema que podia potencialmente produzir suficientes bens de consumo para a população humana inteira, mas era obstaculizado pelo seu método ineficiente de distribuir os bens produzidos. Entre estes socialistas científicos destacaram-se inicialmente Karl Marx e Friedrich Engels, que em 1848 publicaram um panfleto intitulado Manifesto Comunista que incluía uma crítica política e económica do capitalismo baseada no materialismo histórico. Desde então, o seu manifesto converteu-se num dos livros mais influentes da crítica ao capitalismo.

Contudo, desde a publicação do Manifesto Comunista, um grande número de autores tem adaptado as ideias do socialismo científico às mudanças produzidas nas sociedades capitalistas e, ao mesmo tempo, originado diferentes "resposta científicas" aos problemas considerados inerentes ao capitalismo: anarcossindicalismo, social-democracia, comunismo de conselhos, bolchevismo, sindicalismo, etc. Os próprios governos identificaram alguns desses problemas e, em maior ou menor medida, trataram de corrigi-los através do intervencionismo do Estado, onde se destacaram o keynesianismo e o New Deal. Em alguns países, as revoluções socialistas conseguiram reduzir o capitalismo e substitui-lo por estados socialistas que, porém, só parcialmente conseguiram sobreviver além da década de 1980, quando se produziu a queda da União Soviética e doutros países da sua órbita.

Crítica socialista atual[editar | editar código-fonte]

Na atualidade persistem as críticas ao capitalismo, concretamente contra a sua nova forma de economia global. Os críticos têm demandado um maior intervencionismo estatal contra os efeitos do livre mercado como o aquecimento global, a exploração da cidadania sob um modelo de capitalismo altamente consumista, a destruição das economias produtivas e a sua substituição pela economia especulativa e o imperialismo económico numa época de globalização. Contudo, também há quem considere que a problemática capitalista se deve tratar dum ponto de vista holístico, entendendo que se trata de problemas sistémicos que não podem ser facilmente reconduzíveis (v.g. ecologistas sociais ou economistas participativos). Segundo Bertrand Russell, o capitalismo propiciou condições para o surgimento do pensamento marxista.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Bertrand Russell, The Impact of Science on Society (1952). ISBN0-415-10906-X p.61