Crase

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o fenômeno. Se procura pelo acento da fusão, veja Acento grave.

Crase é um dos metaplasmos por supressão de fonemas a que as palavras podem estar sujeitas à medida que uma língua evolui.

[1] Neste caso, há a fusão de dois fonemas vocálicos idênticos e seguidos em um só. [2]

Exemplos: {2}

  • door (português arcaico) > dor (em português)
  • noo (português arcaico) > (em português)
  • seer (português arcaico) > ser (em português)
  • veer (português arcaico) > ver (em português)

A crase[editar | editar código-fonte]

O termo crase significa fusão, junção. Em português, a crase é o nome que se dá à contração da preposição "a" com:

  • artigo feminino "a" ou "as";
  • o "a" dos pronomes "aquele"(s), "aquela"(s), "aquilo", "aqueloutro"(s) e "aqueloutra"(s);
  • o "a" do pronome relativo "a qual" e "as quais";
  • o "a" do pronome demonstrativo "a" ou "as".
  • OBS.: Nunca haverá crase no termo a que, mesmo quando puder ser substituído por à qual. Ex.: A questão a que me refiro é esta. = A questão à qual me refiro é esta.

O sinal que indica a fusão, que indica ter havido crase de dois aa é o acento grave.

  • Acentua-se a preposição a quando, substituindo-se a palavra feminina por uma masculina, o a torna-se ao.
  • As palavras terra, casa e distância são casos especiais de crase. A preposição "a" antes da palavra casa (lar) só recebe o acento grave quando vier acompanhada de um modificador,[1] caso contrário não ocorre a crase. Já com a palavra terra (chão firme, oposto de bordo) só ocorre crase quando vier acompanhada de um modificador — da mesma maneira que existe a expressão "a bordo", enquanto que com a palavra terra (terra natal ou planeta) sempre ocorre crase. Quanto à palavra distância, só haverá crase se esta estiver especificada.

Exemplos:[2]

Chegamos cedo a casa (coloquialmente, "em casa").
Chegamos cedo à casa de meu pai.
Metaplasmos
Por adição de sons:
Prótese
Aglutinação
Epêntese
Anaptixe
Paragoge
Por supressão de sons:
Aférese
Deglutinação
Síncope
Haplologia
Apócope
Crase
Por modificação de sons:
Por transposição:
Metátese
Hipértese
Hiperbibasmo
Por transformação:
Apofonia
Assibilação
Assimilação
Consonantização
Desnasalização
Dissimilação
Ditongação
Fortição
Lenição
Metafonia
Monotongação
Nasalização
Palatalização
Sonorização
Vocalização
Os jangadeiros voltaram a terra.
Os jangadeiros chegaram à terra procurada.
Ele voltou à terra dos avós.

Farei um curso a distância.

Estamos à distância de 5 quilômetros da casa de meu pai.

  • O pronome aquele (e variações) e também aquilo e aqueloutro (e variações) podem receber acento grave no a inicial, desde que haja um verbo ou um nome relativo que peça a preposição a.[2]
  • A contração "à" pode surgir também com a elipse de expressões como "à moda (de)", "à maneira (de)", como em "arroz à grega" (à maneira grega), "filé à Chatô" (à moda de Chatô)", etc. É este o único caso em que "à" se pode usar antes de um nome masculino.

Regras de verificação[editar | editar código-fonte]

Para saber se a crase é aplicável, ou seja, se deve ser usada a contração à (com acento grave) em vez da preposição a (sem acento), aplique-se uma das regras de verificação:

1) Substitui-se a preposição a por outra preposição, como em ou para; se, com a substituição, o artigo definido a permanecer, então a crase é aplicável.

Exemplos:

Pedro viajou à Região Nordeste.

Com crase, porque equivale a Pedro viajou para a Região Nordeste.

Pedro viajou a Uberaba.

Sem crase, porque equivale a Pedro viajou para Uberaba.

2) Troca-se o complemento nominal, após "a", de um substantivo feminino para um substantivo masculino; se, com a troca, for necessário o uso da combinação ao, então a crase é aplicável.

Exemplos:

Prestou relevantes serviços à comunidade.

Com crase, porque ao se trocar o complemento — Prestou relevantes serviços ao povo — aparece a combinação ao.

Chegarei daqui a uma hora

Sem crase, porque ao se trocar o complemento — Chegarei daqui a um minuto — não aparece a combinação ao.

Obs.: a crase não ocorre antes de palavras masculinas; antes de verbos, de pronomes pessoais, de nomes de cidade que não utilizam o artigo feminino, da palavra casa quando tem significado do próprio lar, da palavra terra quando tem sentido de solo e de expressões com palavras repetidas (dia a dia).

Crase facultativa[editar | editar código-fonte]

A crase é facultativa nos seguintes casos:

Antes de nome próprio feminino:

Refiro-me à (a) Luciana.
Se o nome estiver qualificado, a crase será obrigatória. Exemplo: O prêmio Nobel da paz foi dado à bela Beatriz.
Em referência a pessoas com quem não se tem intimidade, a crase é proibida. Exemplo: Fizemos homenagem a Anita Garibaldi.

Antes de pronome possessivo feminino no singular (minha, tua, sua, dela, nossa e vossa), desde que seja pronome adjetivo:

Dirija-se à (a) sua fazenda.
Exceções:
1) A crase será obrigatória se este for um pronome possessivo substantivo. Exemplo: Dê mais valor à sua presença do que à minha.
2) Com pronomes possessivos no plural, não se trata de uma escolha entre as/às, mas sim de uma simples preposição (a) ou sua combinação com o artigo no plural (às): Juntamos a fotografia a/às suas notas.

Depois da preposição até:

Dirija-se até à (a) porta.
A palavra 'até' pode ser usada como palavra denotativa de inclusão - sinônima de também, mesmo ou inclusive - situação em que NÃO possui a variante 'até a'.
Exemplo: Conheço até os filmes antigos.

Casos proibidos[editar | editar código-fonte]

Tendo por princípio basilar que a palavra "à" é o feminino de "ao", não existe crase onde também não cabe o uso de "ao". Portanto, nas seguintes situações:

Antes de verbos no infinitivo:

Preços a combinar.

Antes de substantivos masculinos, salvo no já supracitado caso de estar subentendida a expressão "à moda de":

Passear a cavalo

Antes de artigos indefinidos:[3]

Redirecionar a uma página

Antes de numerais, exceto horas:

De 10 a 100
Encontramos o produto numa faixa de preço que vai de R$120,00 a R$ 150,00.
O caminho vai de 20 a 30 quilômetros até o lugarejo.

Antes de plural sem o emprego do artigo definido "as", no sentido genérico:

a brilhantes psicólogas
a soluções
Exceção: Quando tomados em sentido específico, são precedidos do artigo as e admitem a crase: às rigorosas análises, às reivindicações

Após o uso de preposições:

Ante a descoberta o cientista gritou.
Após a voz de prisão o bandido entregou os comparsas.
Contra a ação do governo, João realizou um protesto.

Mas: Caminhamos até à (a) casa. (no caso específico de "até", a crase é facultativa)

Antes de pronomes pessoais, relativos cujo, cuja, cujos, cujas e quem, demonstrativos este, esse, esta, essa, isto e isso, indefinidos, interrogativos e de tratamento (com exceção de senhora, senhorita, dona e madame), exceto no caso já listado dos pronomes possessivos:

Entregue o relatório a ela. (Pessoal)
Informei o novo horário a esse cliente. (Demonstrativo)
Ele é meu amigo, a quem sempre obedeço. (Relativo)
Jamais devi dinheiro a ninguém. (Indefinido)
A quem você será fiel? (Interrogativo)
Enviei dois ofícios a Vossa Senhoria. (Tratamento)

Obs.: (Pronomes demonstrativos de terceira pessoa, aquele, aquela, aqueles, aquelas, aqueloutro*, aqueloutra*, aqueloutros*, aqueloutras* podem levar crase):

Mas: Voltei a (à) minha cidade natal. (no caso dos pronomes possessivos, a crase é facultativa))

Os pronomes aqueloutro/s e aqueloutra/s não são muito usados, mas são encontrados em textos literários.

Entreguei as chaves àquela mulher. (Demonstrativo)

Entre substantivos idênticos:

Dosava a medicação gota a gota
Os adversários estavam cara a cara.

À exceção de:

É preciso declarar guerra à guerra!
É preciso dar mais vida à vida!

Antes de topônimos de cidades que não admitem "a":

Vou a Salvador.
Vou a Lisboa.
Vou a Madri.

Obs.: substituir por "Fui à" ou "Vim da" (pode crasear) — "Fui a" ou "Vim de" (crasear pra quê?).

Vou a Brasília.

Fui a Brasília. Vim de Brasília.(não vai crase)

Vou à Bahia.

Fui à Bahia. Vim da Bahia. (vai crase)

À exceção de: Quando o lugar está determinado com um adjunto adnominal, assim como ocorre com "casa" e "terra", a crase é obrigatória em topônimos que não admitem artigo

Vou à Lisboa dos poetas.
Vou à Brasília de Oscar Niemeyer.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: crase
Wikcionário
O Wikcionário tem o verbete crase.

Referências

  1. a b Lucas Martins (18 de março de 2007). «Crase». InfoEscola. Consultado em 16 de fevereiro de 2013 
  2. a b c «Crase: Regras de uso e emprego». UOL — Educação. 15 de junho de 2005. Consultado em 16 de fevereiro de 2013 
  3. Thaís Nicoleti de Camargo (25 de fevereiro de 2005). «Crase não ocorre antes de artigos indefinidos». UOL. Consultado em 28 de setembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.