Crenaques

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela língua falada pelos crenaques, veja Língua crenaque.
Crenaques
Ailton Krenak (5269420566).jpg
Ailton Krenak
População total

350

Regiões com população significativa
Mato Grosso, Minas Gerais e São Paulo, no Brasil
Línguas
borun e português
Religiões

Os crenaques ou Krenak, [1][2] conhecidos também por aimorés, exoetnônimo dado pelos tupis, ou Borun e autodenominados Gren ou Kren, são um grupo indígena brasileiro. O nome Krenak é o do líder do grupo que comandou a cisão dos Gutkrák do rio Pancas, no Espírito Santo, no início do século XX.[2]

O grupo dominou parte do vale do Rio Doce (em Minas Gerais e Espírito Santo) até o início do século XX. Pertencentes às etnias ligadas ao tronco linguístico macro-jê, os crenaques e outros grupos foram denominados aimorés, no início da colonização portuguesa do Brasil. No final do século XVIII, eram chamados botocudos, nome dado pelos portugueses aos grupos que usavam botoques auriculares e labiais.

Os Krenak constituem-se nos últimos dos chamados Botocudos do Leste. Foram desterrados e expulsos de suas terras com a construção da Estrada de Ferro Vitória a Minas a partir do final do século XIX. Atualmente, estão confinados a pequenas reservas próximas do município de Resplendor, no estado de Minas Gerais.[2]

A língua krenak se encontra em situação crítica de perigo, a um passo da extinção.[3]

Em 1986, Ailton Krenak, um importante líder indígena, foi eleito para o Congresso Nacional do Brasil, vindo a participar da elaboração da Constituição Brasileira de 1988.

Ailton Krenak foi protagonista de um dos momentos políticos mais marcantes e emocionantes da Constituição de 1988: discursando na tribuna, vestido em terno branco, pintou o rosto com tinta preta de jenipapo, um gesto Rin´tá, que significa armado de luto e de guerra, como forma de protesto contra os retrocessos na luta pelos direitos indígenas. Deixando através de sua fala e gesto a marca aguerrida e contribuição do povo Krenak, e como fruto de sua luta junto com outras lideranças indígenas da época, uma conquista inédita, a inclusão de um capítulo sobre a proteção dos direitos dos povos indígenas na Carta Magna que rege o País.[4][5][6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Etnônimo brasílico: Krenak. Ver Dicionário Houaiss: 'Krenak'
  2. a b c Instituto Socioambiental. Povos Indígenas no Brasil. Krenak. Por Maria Hilda Baqueiro Paraíso.
  3. «UNESCO Atlas of the World's Languages in danger». www.unesco.org (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2017 
  4. «Ailton Krenak: os frutos do discurso que comoveu o país». 6 de setembro de 2018 
  5. krenak.mpeg, consultado em 1 de maio de 2020 
  6. «Constituinte, patrimônio cultural e cultura indígena – Ailton Krenak: "Norma jurídica não é poesia".» (PDF). A cultura no plural. 2012. Consultado em 1 de maio de 2020  line feed character character in |titulo= at position 55 (ajuda); |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

  • Krenak. Acervo Etnográfico Museu do Índio.
Ícone de esboço Este artigo sobre povos indígenas é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.