Crimes de guerra soviéticos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Crimes de guerra soviéticos
Katyń, ekshumacja ofiar.jpg
Exumação em Katyn, 1943.[1] Fotografia da
delegação da Cruz Vermelha.
1919 a 1991
Territórios Países BálticosEstôniaLituâniaLetôniaPolôniaFinlândiaHungriaCrimeiaUcrâniaAfeganistãoChinaJapão

Crimes de guerra soviéticos foram perpetrados pela União Soviética e suas forças armadas de 1919 a 1991 e incluem atos cometidos pelo Exército Vermelho, bem como pelo NKVD e suas tropas internas. Em alguns casos, esses atos foram cometidos sob as ordens do ditador Josef Stalin, em conformidade com a política soviética do Terror Vermelho, em outros casos, eles foram cometidos sem ordens por tropas soviéticas contra prisioneiros de guerra ou civis de países que estiveram em conflito armado com a URSS, ou foram cometidos durante o movimento de resistência partisan.[2]

Um número significativo desses incidentes ocorreu no norte e leste da Europa antes, durante e após a II Guerra Mundial, envolvendo execuções sumárias e o assassinato em massa de prisioneiros de guerra, como no massacre de Katyn e estupros em massa por tropas em territórios ocupados pelo exército vermelho (oficialmente denominado "exército soviético" desde 1946).

Quando os Aliados da Segunda Guerra Mundial estabeleceram o Tribunal Militar Internacional no pós-guerra para examinar os crimes de guerra cometidos durante o conflito pela Alemanha Nazista, com funcionários da União Soviética que participaram ativamente dos processos judiciais, não houve investigações das forças soviéticas. Nenhuma acusação foi feita contra suas tropas, porque eles também eram um poder invicto que então mantinha a Europa Oriental sob ocupação militar, prejudicando a autoridade histórica e a atividade do tribunal como sendo, em parte, a justiça dos vencedores.[3]

Numa entrevista de Junho de 2017, o presidente russo, Vladimir Putin, reconheceu os "horrores do stalinismo", mas também criticou a "demonização excessiva de Stalin" por "inimigos da Rússia".[4]

Cenário[editar | editar código-fonte]

A União Soviética não reconheceu as assinaturas do Império Russo nas Convenções de Haia de 1899 e 1907 como válidas, e recusou-se reconhecê-las até 1955.[5] Isso criou uma situação em que os crimes de guerra das forças armadas soviéticas poderiam, eventualmente, ser racionalizados. A recusa soviética de reconhecer as convenções de Haia também deu à Alemanha Nazista a justificativa para o tratamento desumano dado aos militares soviéticos capturados.[6]

Antes da Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Vítimas na União Soviética[editar | editar código-fonte]

Vítimas do terror vermelho em Kherson, 1918.

Vários estudiosos estimam o número de execuções durante o Terror Vermelho pela Tcheka, a antecessora do NKVD, em cerca de 250.000.[7][8] Alguns acreditam que é possível que mais pessoas tenham sido assassinadas pela Tcheka do que o número de pessoas que morreram em combate.[9]

Entre 1921 e 1922, Mikhail Tukhachevsky, comandante militar e futura vítima do Grande Expurgo de Josef Stalin, comandou a campanha do Exército Vermelho contra a revolta de Tambov. Tukhachevsky rotineiramente executou prisioneiros sem julgamento [10] e também usou gás venenoso contra alvos civis.[11][12] Por estas razões, Simon Sebag Montefiore acusou Tukhachevsky de ser "tão implacável quanto qualquer bolchevique."[11]

Vítimas judaicas[editar | editar código-fonte]

Os primeiros líderes soviéticos denunciaram publicamente o antissemitismo.[13] William Korey escreveu: "A discriminação antijudaica tornou-se parte integrante da política estatal soviética desde o final dos anos 1930." Esforços eram feitos pelas autoridades soviéticas para conter fanatismo antijudeu, notavelmente durante a guerra civil russa, sempre que as unidades do Exército Vermelho perpetraram pogroms,[14][15] bem como durante a Guerra Polaco-Soviética de 1919-1920 em Baranavichy (Bielorrússia).[16][17][18] Apenas um pequeno número de pogroms foram atribuídos ao Exército Vermelho, com a grande maioria dos atos "coletivamente violentos" no período que sendo cometidos por forças anticomunistas e nacionalistas.[19]

Os pogroms foram condenados pelo alto comando do Exército Vermelho e as unidades culpadas foram desarmadas, enquanto que pogromistas individuais foram castigados por tribunais.[13] Os condenados foram executados.[20] Embora os pogroms das unidades ucranianas do Exército Vermelho ainda tenham ocorrido depois disto, os judeus consideravam o Exército Vermelho como a única força disposta a protegê-los.[21] Estima-se que 3.450 judeus ou 2,3 por cento das vítimas judaicas mortas durante a Guerra Civil Russa foram assassinados pelos exércitos bolcheviques.[22] Em comparação, de acordo com o Relatório Morgenthau, um total de cerca de 300 judeus foram mortos em todos os incidentes envolvendo a responsabilidade polonesa. A comissão também descobriu que as autoridades, militares e civis, polonesas fizeram o seu melhor para evitar tais incidentes e a sua recorrência no futuro. O relatório Morgenthau afirmou que algumas formas de discriminação contra os judeus eram de natureza política e não antissemita e evitava especificamente usar o termo "pogrom", observando que o uso do termo era aplicado a uma grande variedade de excessos e também não tinha uma definição específica.[23]

Exército Vermelho e NKVD[editar | editar código-fonte]

Mais informações: Massacre de Katyn

Em 6 de Fevereiro de 1922, a Tcheka foi substituída pela Administração Política Estatal (OGPU), uma seção do NKVD. A função declarada do NKVD era proteger a segurança do estado, que foi realizada pela perseguição política em larga escala de "inimigos de classe". O Exército Vermelho freqüentemente deu apoio à NKVD na implementação da repressão política na União Soviética.[24] Como uma força de segurança interna e um contingente de guardas nas prisões do Gulag, as tropas internas reprimiram os dissidentes políticos e se envolveram em crimes de guerra durante períodos de hostilidades militares em toda a história da União Soviética. Eles foram especificamente responsáveis por manter o regime político no sistema Gulag e realizar deportações em massa e transferências populacionais dentro do país. O último visou uma série de grupos étnicos que as autoridades soviéticas presumiram serem hostis às suas políticas e provavelmente colaborar com o inimigo, incluindo chechenos, tártaros da Crimeia e coreanos.[25]

À medida que o Exército Vermelho se retirou após o ataque alemão de 1941 (Operação Barbarossa), numerosos relatos de crimes de guerra cometidos pelas forças armadas soviéticas contra soldados capturados da Wehrmacht alemã e da Luftwaffe desde o início das hostilidades foram documentados em milhares de arquivos do departamento de crimes de guerra da Wehrmacht, criado em Setembro de 1939 para investigar as violações das convenções de Haia e de Genebra pelos inimigos da Alemanha Nazista.[26] Entre os massacres soviéticos melhor documentados estão aqueles em Broniki (Polônia, Junho de 1941), Teodósia (Crimeia, Dezembro de 1941) e Grishino (atual Pokrovsk, Ucrânia, 1943).

Nos territórios ocupados, o NKVD realizou prisões em massa, deportações e execuções. Os alvos incluíam os colaboradores da Alemanha e os membros dos movimentos de resistência anticomunista, como o Exército Insurreto Ucraniano (UPA) na Ucrânia, os irmãos da floresta na Estônia, Letônia e Lituânia e, a Armia Krajowa polonesa. O NKVD também conduziu o massacre de Katyn, executando sumariamente mais de 20.000 oficiais militares poloneses prisioneiros entre Abril e Maio de 1940.

Os crimes de guerra das forças armadas soviéticas contra civis e prisioneiros de guerra nos territórios ocupados pela URSS entre 1939 e 1941 em regiões como a Ucrânia ocidental, os países bálticos e a Bessarábia na Romênia, juntamente com os crimes de guerra em 1944-1945, ocorrem nestes países. Desde a dissolução da União Soviética, uma discussão mais sistemática, porém contida localmente, desses eventos ocorreu.[27]

Os soviéticos empregaram gás mostarda durante a invasão soviética de Xinjiang (1934). Civis foram mortos por bombas convencionais durante a invasão.[28][29]

II Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Estônia[editar | editar código-fonte]

De acordo com o pacto Molotov-Ribbentrop, a Estônia foi ilegalmente anexada pela URSS em 6 de Agosto de 1940 e renomeada República Socialista Soviética da Estônia.[30] Em 1941, cerca de 34 mil estonianos foram recrutados para o Exército Vermelho, dos quais menos de 30% sobreviveram à guerra. Não mais da metade desses homens foram recrutados para o serviço militar. O restante pereceu concentrado no sistema Gulag, campos e batalhões de trabalho, principalmente nos primeiros meses da guerra.[31] Depois que ficou claro que a invasão alemã da Estônia seria bem sucedida, os prisioneiros políticos que não poderiam ser evacuados foram executados pelo NKVD, para que não pudessem entrar em contato com o governo nazista.[32] Mais de 300 mil cidadãos da Estônia, quase um terço da população da época, foram afetados por deportações, prisões, execução e outros atos de repressão.[33] Como resultado da anexação pela União Soviética, a Estônia perdeu permanentemente pelo menos 200 mil pessoas ou 20% de sua população para repressão, êxodo e guerra.[34]

As repressões políticas soviéticas na Estônia foram respondidas pela resistência armada dos irmãos da floresta, composta por ex-recrutas da 20.ª Divisão de Granadeiros Waffen SS (1.ª Estónia), milícias Omakaitse e voluntários do 200º Regimento de Infantaria Finlandês que lutaram uma guerra de guerrilha, que não foi completamente suprimida até o final da década de 1950 .[35] Além das perdas humanas e materiais esperadas sofridas devido à luta, até o final desse conflito dezenas de milhares de pessoas foram deportadas, juntamente com centenas de prisioneiros políticos e milhares de civis perderam a vida.

Deportações em massa[editar | editar código-fonte]

Dezenas de milhares de cidadãos estonianos foram deportados durante a ocupação soviética. As deportações eram predominantemente para a Sibéria e o Cazaquistão por meio de vagões de gado, sem anúncio prévio, enquanto os deportados recebiam poucas horas da noite, na melhor das hipóteses, para arrumar seus pertences e eram separados de suas famílias, geralmente também enviados para o leste. O procedimento foi estabelecido pelas Instruções Serov. Os estonianos que residiam em oblast de Leningrado já eram submetidos a deportação desde 1935.[36]

Batalhões de destruição[editar | editar código-fonte]

Em 1941, para implementar a política de terra arrasada de Stalin, foram formados os batalhões de destruição nas regiões ocidentais da União Soviética. Na Estônia, eles mataram milhares de pessoas, incluindo uma grande proporção de mulheres e crianças, enquanto queimavam dezenas de aldeias, escolas e edifícios públicos. Um jovem estudante chamado Tullio Lindsaar teve todos os ossos nas mãos quebrados e morto com baioneta por levantar a bandeira da Estônia. Mauricius Parts, filho do veterano da Guerra da Independência da Estônia, Karl Parts, foi mergulhado em ácido. Em Agosto de 1941, todos os moradores da aldeia de Viru-Kabala morreram, incluindo uma criança de dois anos e uma criança de seis dias de idade. Uma guerra partisan estourou em resposta às atrocidades dos batalhões de destruição, com dezenas de milhares de homens unindo-se aos irmãos da floresta para proteger a população local desses batalhões. Ocasionalmente, os batalhões queimavam pessoas vivas.[37] Os batalhões de destruição mataram 1.850 pessoas na Estônia. Quase todos eram partisans ou civis desarmados.[38]

Outro exemplo das ações dos batalhões de destruição é o massacre de Kautla, onde vinte civis foram assassinados e dezenas de fazendas destruídas. Muitas pessoas foram mortas após tortura. O baixo número de mortes em comparação com o número de fazendas queimadas é devido ao grupo de reconhecimento de longo alcance finlandês Erna luuregrupp, que rompeu o bloqueio do Exército Vermelho na área, permitindo que muitos civis escapassem.[39][40]

Letônia[editar | editar código-fonte]

Em 23 de Agosto de 1939, a URSS e a Alemanha Nazista assinaram o acordo de não agressão Molotov-Ribbentrop. A Letônia foi incluída na esfera de influência soviética. Em 17 de Junho de 1940, a Letônia foi ocupada pelas forças soviéticas. O governo de Karlis Ulmanis foi removido e eleições fraudulentas foram realizadas em 21 de Junho de 1940, com apenas um partido político listado, para "eleger" um parlamento falso que fez uma resolução para se juntar à União Soviética, com a resolução já elaborada em Moscou antes da eleição. A Letônia tornou-se parte da União Soviética em 5 de Agosto e, em 25 de Agosto, todas as pessoas na Letônia se tornaram cidadãos da União Soviética. O Ministério das Relações Exteriores foi fechado isolando a Letônia do resto do mundo.[41]

De acordo com o pacto Molotov-Ribbentrop, as tropas soviéticas invadiram a Letônia em 17 de Junho de 1940 que posteriormente foi incorporada a União Soviética como a República Socialista Soviética da Letônia.

Em 14 de Junho de 1941, milhares de pessoas foram tiradas de suas casas, carregadas em trens de carga e levadas para a Sibéria. Famílias inteiras, mulheres, crianças e idosos foram enviadas para campos de morte na Sibéria. O crime foi perpetrado pelo regime de ocupação soviético sob ordens das autoridades em Moscou. Antes da deportação, o Comissariado dos Povos estabeleceu grupos operacionais que realizaram apreensões, busca e apreensão de imóveis. Os arrestos ocorreram em todas as partes da Letônia, incluindo as zonas rurais.[41]

Lituânia[editar | editar código-fonte]

A Lituânia e os outros estados bálticos, foram vítimas do pacto Molotov-Ribbentrop. Este acordo foi assinado entre a URSS e a Alemanha Nazista em Agosto de 1939, levando primeiro que a que a Lituânia fosse invadida pelo Exército Vermelho em 15 de Junho de 1940 e depois a sua anexação e incorporação na União Soviética em 3 de Agosto de 1940. A anexação soviética resultou num terror em massa, negação de liberdades civis, destruição do sistema econômico do país e a supressão da cultura lituana. Entre 1940 e 1941, milhares de lituanos foram presos e centenas de prisioneiros políticos foram arbitrariamente executados. Mais de 17 mil pessoas foram deportadas para a Sibéria em Junho de 1941. Após o ataque alemão à União Soviética, o incipiente aparelho político soviético foi destruído ou recuou para o leste. A Lituânia foi então ocupada pela Alemanha Nazista por pouco mais de três anos. Em 1944, a União Soviética reocupou a Lituânia. Após a II Guerra Mundial e a subseqüente supressão dos irmãos da floresta da Lituânia, as autoridades soviéticas executaram milhares de combatentes da resistência e civis acusados de ajudá-los. Cerca de 300 mil lituanos foram deportados ou condenados em termos de prisões por motivos políticos. Estima-se que a Lituânia perdeu cerca de 780 mil cidadãos como resultado da ocupação soviética, sendo cerca de 440 mil refugiados de guerra.[42]

O número estimado de mortes nas prisões e acampamentos soviéticos entre 1944 e 1953 foi de pelo menos 14.000.[43] O número estimado de mortes entre os deportados entre 1945 e 1958 foi de 20.000, incluindo 5.000 crianças.[44]

Durante a restauração da independência lituana entre 1990 e 1991, o exército soviético matou 13 pessoas em Vilnius durante os eventos de Janeiro.[45]

Polônia[editar | editar código-fonte]

1939-1941[editar | editar código-fonte]

Prisioneiros vítimas de massacres do NKVD em Junho de 1941.
Uma das valas comuns em Katyn, onde o NKVD massacrou milhares de militares, policiais, intelectuais e prisioneiros de guerra civis poloneses.[46]

Em Setembro de 1939, o Exército Vermelho invadiu o leste da Polônia e ocupou-o de acordo com os protocolos secretos do Pacto Molotov-Ribbentrop. Os soviéticos ocuparam mais tarde os estados bálticos e partes da Romênia, incluindo Bessarabia e o norte de Bukovina.

O historiador alemão Thomas Urban [47] escreve que a política soviética em relação às pessoas que ficaram sob seu controle em áreas ocupadas era dura, apresentando fortes elementos de limpeza étnica.[48] As forças-tarefa do NKVD seguiram o Exército Vermelho para remover "elementos hostis" dos territórios conquistados no que era conhecido como a "revolução enforcada".[49] O historiador polonês, o prof. Tomasz Strzembosz, notou paralelos entre o Einsatzgruppen nazista e essas unidades soviéticas.[50] Muitos civis tentaram escapar das incursões do NKVD que, em polonês eram conhecidas como Łapanka. Os que não conseguiam eram levados sob custódia e depois deportados para a Sibéria, desaparecendo nos Gulags.[49]

A tortura foi utilizada em grande escala em várias prisões, especialmente nas prisões localizadas em pequenas cidades. Prisioneiros eram escaldados com água fervente em Bibrka (Ucrânia); em Peremyshliany (Ucrânia), narizes, orelhas e dedos das pessoas foram cortados e olhos também eram arrancados; em Chortkiv (Polônia), os seios das mulheres reclusas eram cortados; e em Drohobych (Ucrânia), as vítimas eram atadas juntas com arame farpado.[51] Ocorreram atrocidades similares em Samborzec (Polônia), Ivano-Frankivsk (Ucrânia), Stryi (Ucrânia) e Zolochiv (Ucrânia).[51] Segundo o historiador, o prof. Jan T. Gross:

Não podemos evitar a conclusão: os órgãos de segurança do estado soviético torturaram seus prisioneiros não só para extrair confissões, mas também para matá-los. Não que o NKVD tivesse sádicos em suas fileiras que haviam fugido do controle. Em vez disso, este era um procedimento amplo e sistemático.
 
Jan T. Gross [51].

De acordo com o sociólogo, Prof. Tadeusz Piotrowski, durante os anos de 1939-1941, foram deportados cerca de 1,5 milhão de habitantes das áreas controladas pelos soviéticos da antiga Polônia oriental, dos quais 63,1% eram poloneses ou outras nacionalidades e 7,4% eram judeus. Apenas um pequeno número desses deportados sobreviveu à guerra e retornou.[52] De acordo com o professor americano Carroll Quigley, pelo menos um terço dos 320 mil prisioneiros de guerra poloneses capturados pelo Exército Vermelho em 1939 foram assassinados.[53]

Estima-se que entre 10 e 35 mil prisioneiros foram mortos em prisões ou em trens para prisões na União Soviética em poucos dias após 22 de Junho de 1941 (prisões: Brygidki, Zolochiv, Dubno, Drohobych, e outras).[54][55][56][57]

1944-1945[editar | editar código-fonte]

Na Polônia, as atrocidades nazistas alemãs terminaram no final de 1944, mas foram substituídas pela opressão soviética com o avanço das forças do Exército Vermelho. Os soldados soviéticos costumavam envolver-se em pilhagens, estupros e outros crimes contra os poloneses, fazendo com que a população temesse e odiasse o regime.[58][59][60][61]

Soldados do Armia Krajowa (movimento de resistência polonesa), foram perseguidos e presos pelas forças russas.[62] A maioria das vítimas foi deportada para os Gulags na região de Donetsk.[63] Em 1945, o número de membros do Estado Secreto Polaco que foram deportados para a Sibéria e vários campos de trabalho na União Soviética atingiram 50 mil.[64][65] Unidades do Exército Vermelho realizaram campanhas contra partisans e civis poloneses. Durante a operação Augustów em 1945, mais de 2.000 poloneses foram capturados e cerca de 600 deles, presume-se, morreram sob custódia soviética. Os grupos de resistência anticomunista do pós-guerra na Polônia, eram pejorativamente denominados como soldados malditos.[66] Era uma prática soviética comum acusar suas vítimas de serem "fascistas" para justificar suas sentenças de morte. Esta tática soviética era mentirosa pelo fato de que praticamente todos os acusados haviam lutado, na realidade, contra a Alemanha Nazista desde Setembro de 1939. Naquele momento, os soviéticos já colaboravam com os alemães por mais de 20 meses antes da Operação Barbarossa começar. Precisamente, portanto, estes poloneses foram julgados capazes de resistir aos soviéticos, da mesma forma que eles haviam resistido os nazistas. Após a guerra, uma aparência mais elaborada de justiça foi dada sob a jurisdição da República Popular da Polônia, orquestrada pelos soviéticos com provas forjadas. Estes foram organizados após as vítimas terem sido presas sob falsas acusações pelo NKVD ou outras organizações soviéticas de controle e segurança, como o Ministério da Segurança Pública. Foram emitidas pelo menos 6.000 sentenças de morte políticas, e a maioria delas foram executadas.[67] Estima-se que mais de 20 mil pessoas morreram nas prisões comunistas. Exemplos famosos incluem Witold Pilecki e Emil August Fieldorf.[65]

A atitude dos militares soviéticos em relação aos poloneses étnicos era menos dura do que sua atitude em relação aos alemães, mas não era exatamente melhor. A escala de estupro das mulheres polonesas em 1945 levou a uma pandemia de doenças sexualmente transmissíveis. Embora o número total de vítimas continue sendo uma questão de especulação, os arquivos e estatísticasdo Ministério da Saúde da Polônia indicam que ele pode ter excedido 100.000.[68] Na Cracóvia, a entrada soviética na cidade foi acompanhada por estupros em massa de mulheres e meninas polonesas, bem como o saque de propriedade privada pelos soldados do Exército Vermelho.[69] Esse comportamento chegou a tal escala que até mesmo os comunistas poloneses instalados pela União Soviética enviaram uma carta de protesto a Stalin, enquanto missas eram realizadas nas igrejas, na expectativa de uma retirada soviética.[69]

Finlândia[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Guerra de Inverno e Guerra da Continuação
Crianças finlandesas assassindas por partisans soviéticos em Seitajärvi na Lapônia finlandesa, em 1942.

Entre 1941 e 1944, unidades partisans soviéticas realizaram incursões no interior do território finlandês, atacando aldeias e outros alvos civis. Em Novembro de 2006, autoridades finlandesas revelaram ao público fotografias que mostram atrocidades soviéticas. Estas incluem imagens de mulheres e crianças assassinadas.[70][71][72] Os partisans geralmente executavam seus prisioneiros, militares e civis, após um rápido interrogatório.[73]

Cerca de 3.500 prisioneiros de guerra finlandeses, dos quais cinco eram mulheres, foram capturados pelo Exército Vermelho. A taxa de mortalidade é estimada em cerca de 40%. As causas mais comuns de morte foram fome, frio e condições desumanas no transporte.[74]

URSS[editar | editar código-fonte]

Retirada das forças soviéticas em 1941[editar | editar código-fonte]

As deportações, execuções sumárias de prisioneiros políticos e a queima de alimentos e aldeias ocorreram quando o Exército Vermelho recuou perante o avanço das forças do Eixo em 1941. Nos Estados Bálticos, Bielorrússia, Ucrânia e Bessarábia, o NKVD e unidades anexas do Exército Vermelho massacraram prisioneiros e adversários políticos antes de fugir das forças avançadas do Eixo.[75][76]

Calmúquia[editar | editar código-fonte]

Durante a operação "Ulussy" (Операция "Улусы" - deportações na Calmúquia de 1943), a deportação da maioria das pessoas de nacionalidade calmuque na URSS e mulheres russas casadas com calmucos, excluindo mulheres calmucas casadas com homens de outras etnias, cerca de metade (97-98.000) dos calmucos deportados para a Sibéria morreram antes de terem permissão para voltar para casa em 1957.[77]

Alemanha[editar | editar código-fonte]

De acordo com o historiador Norman Naimark, as declarações nos jornais militares soviéticos e as ordens do alto comando soviético foram conjuntamente responsáveis pelos excessos do Exército Vermelho. A propaganda na União Soviética proclamava que o Exército Vermelho entrava na Alemanha como vingador para punir todos os alemães.[78]

Alguns historiadores contestam isso, referindo-se a um decreto emitido em 19 de Janeiro de 1945, que exigia a prevenção de maus-tratos a civis. Uma ordem do conselho militar da 1ª Frente Bielorrússa, assinada pelo marechal Rokossovsky, ordenou a execução, na cena do crime, de saqueadores e estupradores. Um pedido emitido por Stavka em 20 de Abril de 1945 disse que era necessário manter boas relações com civis alemães para diminuir a resistência e acabar com as hostilidades.[79][80][81]

Assassinatos de civis[editar | editar código-fonte]

Vítimas civis do massacre de Nemmersdorf.

Em várias ocasiões durante a Segunda Guerra Mundial, soldados soviéticos incendiaram edifícios, aldeias ou áreas urbanas, e e usavam força mortal contra os locais que tentavam apagar os incêndios. A maioria das atrocidades do Exército Vermelho só ocorreu no que era considerado território hostil (como no massacre de Przyszowice). Soldados do Exército Vermelho, juntamente com membros do NKVD, frequentemente saqueavam trens de transporte alemães na Polônia em 1944 e 1945.[49]

Para os alemães, a evacuação organizada de civis antes do avanço do Exército Vermelho foi adiada pelo governo nazista, de modo a não desmoralizar as tropas, que agora estavam lutando em seu próprio país. A propaganda nazista - originalmente destinada a endurecer a resistência civil, descrevendo as atrocidades do Exército Vermelho com detalhes sangrentos, como o massacre de Nemmersdorf - muitas vezes falhou e criou o pânico. Sempre que possível, assim que a Wehrmacht recuava, civis locais começaram a fugir para o oeste por conta própria.

Fugindo antes do avanço do Exército Vermelho, grande número de habitantes das províncias alemãs da Prússia Oriental, Silésia e Pomerânia morreram durante as evacuações, uns de frio e fome, outros em meio aos combates. Uma porcentagem significativa desse número de mortos ocorreu quando as colunas de evacuação encontraram unidades do Exército Vermelho. Civis foram atropelados por tanques, alvejados ou assassinados de outra forma. Mulheres e jovens eram estupradas e deixadas para morrer.[82][83][84]

Além disso, os aeronaves da Força Aérea Soviética voavam em missões que visavam colunas de refugiados.[82][83]

Janeiro de 1945: ordem executiva soviética aos promotores militares do 48º Exército para tomar medidas legais contra o saque desenfreado, a queima de casas e o assassinato de civis pelos soldados do Exército Vermelho. Transcrição disponível na descrição da imagem.

Embora as execuções em massa de civis pelo Exército Vermelho raramente tenham sido relatadas publicamente, há um incidente conhecido em Treuenbrietzen, onde pelo menos 88 moradores homens foram detidos e fuzilados em 1 de Maio de 1945. O incidente ocorreu após uma celebração de vitória em que muitas jovens de Treuenbrietzen foram estupradas e um tenente-coronel do Exército Vermelho foi baleado por um assaltante desconhecido. Algumas fontes afirmam que cerca de 1.000 civis podem ter sido executados durante o incidente. [nota 1] [85][86]

O primeiro prefeito do distrito de Charlottenburg em Berlim, Walter Kilian, nomeado pelos soviéticos após a guerra, informou o saque extenso praticado por soldados do exército vermelho na área: "indivíduos, lojas de departamento, lojas, apartamentos... todos foram roubados." [87]

Na zona de ocupação soviética na Alemanha, membros do SED (Partido Socialista Unificado da Alemanha) relataram a Stalin que saques e violações por soldados soviéticos poderiam resultar numa reação negativa da população alemã em relação à União Soviética e ao futuro do socialismo na Alemanha Oriental. Diz-se que Stalin reagiu com raiva: "Não tolerarei que ninguém arraste a honra do Exército Vermelho para a lama".[88][89]

Consequentemente, todas as evidências - relatórios, fotos e outros documentos sobre o saque, estupro, queima de fazendas e aldeias pelo Exército Vermelho - foram excluídos de todos os arquivos na futura República Democrática Alemã.[88]

Um estudo publicado pelo governo alemão em 1989, estimou que o número de mortos entre civis alemães na Europa Oriental era de 635 mil. Com 270.000 mortes como resultado de crimes de guerra soviéticos, 160.000 mortes ocorreram nas mãos de várias nacionalidades durante a expulsão dos alemães após a Segunda Guerra Mundial e 205.000 mortes resultantes do trabalho forçado de alemães na União Soviética.[90] Esses números não incluem pelo menos 125,000 civis mortos na Batalha de Berlim.[91]

Estupros em massa[editar | editar código-fonte]

As estimativas ocidentais do número rastreável de vítimas de estupro variam de duzentos mil a dois milhões.[92] Após a ofensiva no Vistula–Oder, ocorreram estupros em massa por homens soviéticos em todas as principais cidades tomadas pelo Exército Vermelho. Mulheres eram estupradas coletivamente por várias dezenas de soldados durante a libertação da Polônia. Em alguns casos, as vítimas que não se escondiam nos porões durante o dia eram estupradas até 15 vezes.[68][93] De acordo com o historiador Antony Beevor, após a captura do Exército Vermelho de Berlim em 1945, tropas soviéticas estupraram mulheres e meninas alemãs com menos de oito anos.[94]

O argumento de "vingança" é contestado por Beevor, pelo menos no que diz respeito às violações em massa. Beevor escreveu que soldados do Exército Vermelho também estupraram as mulheres soviéticas e polonesas libertadas dos campos de concentração, e ele afirma que isso prejudica o argumento de vingança.[95]

De acordo com Norman Naimark, após o verão de 1945, soldados soviéticos detidos por estupro de civis geralmente receberam punições que iam desde a prisão até a execução.[96] No entanto, Naimark afirma que as violações continuaram até o inverno de 1947-1948, quando as autoridades de ocupação soviética finalmente confinaram as tropas em acampamentos fortemente vigiados.[97] Naimark concluiu que "a psicologia social das mulheres e dos homens na zona de ocupação soviética foi marcada pelo crime de estupro nos primeiros dias da ocupação, através da fundação da RDA do outono de 1949 até, pode-se argumentar, o presente. "[98]

De acordo com Richard Overy, os russos se recusaram a reconhecer os crimes de guerra soviéticos, em parte "porque eles sentiram que muito disso era uma vingança justificada contra um inimigo que cometeu muito pior, e em parte foi porque eles estavam escrevendo a história dos vencedores. "[99]

Hungria[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ocupação soviética da Hungria

De acordo com o pesquisador e autor Krisztián Ungváry, cerca de 38 mil civis foram mortos durante o cerco de Budapeste: cerca de 13 mil em ações militares e 25 mil de fome, doenças e outras causas. Incluído no último número são cerca de 15.000 judeus, em grande parte vítimas de execuções pela SS e por esquadrões da morte do Partido da Cruz Flechada. Ungváry escreve que quando os soviéticos finalmente reivindicaram a vitória, eles iniciaram uma orgia de violência, incluindo o roubo de qualquer coisa que pudessem colocar as mãos, execuções aleatórias e estupros em massa. As estimativas do número de vítimas de estupro variam de 5.000 a 200.000.[100][101][102] De acordo com Norman Naimark, meninas húngaras eram seqüestradas e levadas para os quartéis do Exército Vermelho, onde eram presas, violadas repetidamente e, às vezes, assassinadas.[103]

Mesmo funcionárias de embaixadas de países neutros foram sequestradas e estupradas, como foi documentado quando soldados soviéticos atacaram a legação sueca na Alemanha.[104]

Um relatório da legação suíça em Budapeste descreve a entrada do Exército Vermelho na cidade:

Durante o cerco de Budapeste e também durante as semanas seguintes, as tropas russas saquearam a cidade livremente. Eles entravam em praticamente todas as habitações, das mais pobres às mais ricas. Eles tiravam tudo o que desejavam, especialmente comida, roupas e objetos de valor... cada apartamento, loja, banco, etc. foi saqueado várias vezes. Mobília e objetos de arte maiores, etc., que não podiam ser retirados, geralmente eram simplesmente destruídos. Em muitos casos, após o saque, as casas também eram incendiadas, causando uma grande perda total... Os cofres bancários foram esvaziados sem exceção - mesmo os cofres britânicos e americanos - e tudo o que foi encontrado foi tomado.[105]

De acordo com o historiador James Mark, as memórias e opiniões sobre a presença do Exército Vermelho na Hungria são confusas. Os nacionalistas, conservadores e anticomunistas tendem a demonizar os soviéticos por causa das atrocidades cometidas durante a II Guerra Mundial, enquanto que judeus, os esquerdistas e os liberais geralmente minimizam as histórias de crimes soviéticos.[102]

Iugoslávia[editar | editar código-fonte]

De acordo com o político iugoslavo Milovan Đilas, pelo menos 121 casos de estupro foram documentados, dos quais 111 também envolveram assassinato. Um total de 1.204 casos de saque com assalto também foram documentados. Đilas descreveu estes eventos como "pouco significativos", tendo em mente que o Exército Vermelho cruzou apenas o extremo nordeste da Iugoslávia.[106][107] Isso causou preocupação nos partisans comunistas iugoslavos, que temiam que histórias de crimes cometidos por seus aliados soviéticos enfraqueceriam sua posição entre a população.

Đilas escreve que, em resposta, o líder partisan iugoslavo Josip Broz Tito convocou o chefe da missão militar soviética, general Korneev, e protestou formalmente. Apesar de ter sido convidado "como camarada", Korneev explodiu contra eles por "tais insinuações" contra o Exército Vermelho. Đilas, que estava presente na reunião, alegou que o exército britânico nunca havia se envolvido em "tais excessos" enquanto libertava outras regiões da Iugoslávia. O general Korneev respondeu gritando: "Eu protesto muito por este insulto ao Exército Vermelho ao compará-lo com os exércitos dos países capitalistas. "[108]

O encontro com Korneev não só "terminou sem resultados", mas também levou Stalin a atacar pessoalmente Đilas durante a seguinte visita deste ao Kremlin. Em lágrimas, Stalin denunciou "o exército iugoslavo e como esta questão foi conduzida." Ele então "falou com agitação sobre os sofrimentos do Exército Vermelho e os horrores que foi forçado a suportar enquanto lutava através de milhares de quilômetros de país devastado." Stalin então climaxou com as palavras:[109]

E tal exército não foi insultado por ninguém além de Đilas! Đilas, de quem eu menos poderia ter esperado, um homem que eu recebi tão bem! E um exército que não poupou seu sangue por você! Đilas, que ele mesmo é escritor, não sabe o que é o sofrimento humano e o coração humano? Não pode aceitar que um soldado que atravessou milhares de quilômetros através de sangue, fogo e morte divirta-se com uma mulher ou pegue alguma migalha?

De acordo com Đilas, a recusa soviética de atender aos protestos contra os crimes de guerra do exército vermelho na Iugoslávia, enfureceu o governo de Tito e contribuiu para a saída subseqüente da Iugoslávia do bloco soviético.

Tchecoslováquia[editar | editar código-fonte]

O líder comunista eslovaco Vladimir Clementis reclamou ao marechal Ivan Konev sobre o comportamento das tropas soviéticas na Tchecoslováquia. Em resposta, Konev que argumentou que isto era praticado principalmente por desertores do Exército Vermelho.[107]

China[editar | editar código-fonte]

Em 9 de Agosto de 1945, a União Soviética declarou uma guerra ao Império de Japão e invadiu o estado fantoche japonês de Manchukuo (Manchúria) na Operação Tempestade de Agosto. Após a ocupação deste território, os soviéticos reclamaram valiosos materiais japoneses e equipamentos industriais na região.[110] Um estrangeiro testemunhou que foi permitido para tropas soviéticas, anteriormente estacionadas em Berlim, "três dias de estupro e pilhagem". A maioria dos habitantes de Mukden tinha partido. Soldados condenados foram então usados para substituí-los; foi testemunhado que eles "roubavam tudo à vista, quebravam banheiras e banheiros com martelos, puxavam fiação elétrica para fora do gesso, provocavam incêndios no piso e queimavam a casa ou pelo menos num grande buraco no chão, e, em geral, se comportavam como completos selvagens".[111]

De acordo com algumas fontes ocidentais, impuseram uma política de saquear e violar civis na Manchúria. As mesmas tropas soviéticas da Alemanha foram enviadas para a Manchúria e saquearam, mataram e estupraram. Em Harbin, os chineses publicaram slogans como "Abaixo o Imperialismo Vermelho! " As forças soviéticas ignoraram os protestos dos líderes dos partidos comunistas chineses contra a prática de estupro em massa e saque.[112][113][114]

O historiador russo Konstantin Asmolov argumenta que tais relatos ocidentais de violência soviética contra civis no Extremo Oriente são exageros de incidentes isolados e os documentos da época não apoiam as acusações de crimes em massa. Asmolov também afirma que os soviéticos, ao contrário dos alemães e dos japoneses, processaram seus soldados e oficiais por tais atos.[115]

Crimes contra a humanidade também foram cometidos contra civis japoneses. Por exemplo, o massacre de Gegenmiao [116] foi conduzido pelo exército soviético contra um grupo de cerca de 1.800 mulheres e crianças japonesas que haviam refugiado-se no monastério de Gegenmiao/Koken-miao (葛根廟), em 14 de Agosto de 1945 durante a invasão soviética da Manchúria.[116][117]

Japão[editar | editar código-fonte]

O exército soviético cometeu crimes contra a população civil japonesa na Manchúria.[118] E também contra civis e militares rendidos nos estágios finais da Segunda Guerra Mundial durante a invasão do Sul da Sacalina, a invasão das Ilhas Curilas e a evacuação de Karafuto e Curilas.

Tratamento dos prisioneiros de guerra[editar | editar código-fonte]

Embora a União Soviética não tenha assinado formalmente a Convenção da Haia, considerou-se vinculada às disposições da Convenção.[119][120] Mesmo assim, tortura, mutilação e assassinato em massa foram freqüentemente realizados.[121][122]

Ao longo da Segunda Guerra Mundial, o departamento de crimes de guerra da Wehrmacht recolheu e investigou relatórios de crimes contra os prisioneiros de guerra das potências do Eixo.

De acordo com o escritor cubano-americano Alfred-Maurice de Zayas:[123]

Durante toda a duração da campanha russa, os relatórios de tortura e assassinato de prisioneiros alemães não cessaram. O Departamento de Crimes de Guerra tinha cinco principais fontes de informação:
(1) Documentos inimigos capturados, especialmente pedidos, relatórios de operações e folhetos de propaganda.
(2) Mensagens de rádio interceptadas.
(3) Testemunhos de prisioneiros de guerra soviéticos.
(4) Testemunhos de alemães capturados que escaparam.
(5) Depoimentos de alemães que viram cadáveres e corpos mutilados de prisioneiros de guerra executados.
De 1941 a 1945, o departamento compilou vários milhares de depoimentos, relatórios e documentos capturados que, se nada mais, indicam que o assassinato de prisioneiros de guerra alemães na captura ou logo após o interrogatório não foi uma ocorrência isolada. Documentos relativos à guerra na
França, Itália e norte da África contêm alguns relatórios sobre o assassinato deliberado de prisioneiros de guerra alemães, mas não pode haver comparação com o eventos da Frente Oriental.

Num relatório de Novembro de 1941, o departamento de crimes de guerra da Wehrmacht acusou o Exército Vermelho de empregar:[124]

Uma política de terrorismo... contra soldados alemães indefesos que caíram em suas mãos e contra membros do corpo médico alemão. Ao mesmo tempo... utilizou os seguintes estratégias de dissimulação: em uma ordem do Exército Vermelho que tem a aprovação do Conselho do Comissariado do Povo, datado de 1 de Julho de 1941, as normas do direito internacional são tornadas públicas, o que o Exército Vermelho no espírito dos regulamentos de Haia sobre a guerra terrestre devem seguir... Esta... A ordem russa provavelmente teve uma distribuição muito pequena, e certamente não foi seguida de qualquer forma. Caso contrário, crimes indescritíveis não teriam ocorrido.

De acordo com os depoimentos, massacres soviéticos de alemães, italianos, espanhóis e outros prisioneiros de guerra do Eixo foram muitas vezes incitados pela unidade dos Comissários, que afirmou estar agindo sob ordens de Stalin e do Politburo do Partido Comunista da União Soviética. Outras evidências cimentaram a crença do departamento de crimes de guerra de que Stalin havia dado ordens secretas para o massacre de prisioneiros de guerra.[125]

Durante o inverno de 1941-1942, o Exército Vermelho capturou aproximadamente 10.000 soldados alemães por mês, mas a taxa de mortalidade tornou-se tão alta que o número absoluto de prisioneiros diminuiu (ou foi burocráticamente reduzido).[87]

Fontes soviéticas listam as mortes de 474.967 dos 2.652.672 de membros das forças armadas alemãs aprisionados durante a guerra.[126] Dr. Rüdiger Overmans acredita que parece ser totalmente plausível, embora não provável, que pessoal militar alemão adicional listado como desaparecido realmente morreu sob custódia soviética como prisioneiros de guerra, colocando as estimativas do número real de mortes de prisioneiros de guerra alemães na URSS em cerca de 1 milhão.[127]

Massacre de Teodósia[editar | editar código-fonte]

Soldados soviéticos raramente se preocupavam em tratar prisioneiros de guerra alemães feridos. Um exemplo particularmente infame ocorreu depois que a cidade de Teodósia (Crimeia) foi recapturada brevemente pelas forças soviéticas em 29 de Dezembro de 1942. 160 soldados feridos haviam sido deixados em hospitais militares pela Wehrmacht em retirada. Depois que os alemães retomaram Teodósia, descobriu-se que os soldados feridos haviam sido massacrados por grupos do Exército Vermelho, da Marinha e NKVD no que ficou conhecido como massacre de Teodósia. Alguns foram mortos em seus leitos hospitalares, outros repetidamente agredidos até a morte, outros ainda foram encontrados do lado de fora das janelas do hospital depois de repetidamente encharcados com água gelada até que morressem de hipotermia.[128]

Massacre de Grishchino[editar | editar código-fonte]

O massacre de Grischino foi cometido por uma divisão blindada do Exército Vermelho em Fevereiro de 1943 nas cidades ucranianas orientais de Krasnoarmeyskoye (Pokrovsk), Postyschevo e Grischino (atual Pokrovsk, Ucrânia). A Wehrmacht Untersuchungsstelle, também conhecida como WuSt (autoridade de investigação criminal da Wehrmacht), anunciou que entre as vítimas havia 406 soldados da Wehrmacht, 58 membros da Organisation Todt (incluindo dois cidadãos dinamarqueses), 89 soldados italianos, 9 soldados romenos, 4 soldados húngaros , 15 oficiais civis alemães, 7 trabalhadores civis alemães e 8 voluntários ucranianos.

As cidades foram invadidas pelo 4ª corpo de tanques de guarda na noite entre 10 e 11 de Fevereiro de 1943. Após a retomada pela 5.ª Divisão Panzergrenadier SS Wiking com o apoio da Divisão de Infantaria 333 e da 7ª Divisão Panzer em 18 de Fevereiro de 1943, os soldados da Wehrmacht escobriram inúmeras mortes. Muitos dos corpos foram horrivelmente mutilados, com orelhas e narizes cortados e órgãos genitais amputados e colocados em suas bocas. Os seios de algumas enfermeiras foram cortados, sendo as mulheres brutalmente estupradas. Um juiz militar alemão que estava na cena declarou em entrevista durante a década de 1970 que viu um corpo feminino de pernas abertas com um cabo de vassoura introduzido em seus órgãos genitais. Na adega da estação ferroviária principal, cerca de 120 alemães foram reunidos em um grande depósito e depois metralhados.[129]

Pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Alguns prisioneiros alemães foram libertados logo após a guerra. Muitos outros, no entanto, permaneceram no Gulag muito depois da rendição da Alemanha Nazista. Em 1946, o general russo Andrey Vlasov, que colaborou com os nazistas comandando o anticomunista pусская освободительная армия (Exército Russo de Libertação), foi executado por traição em Moscou.

Entre os mais famosos veteranos de guerra alemães que morreram em cativeiro soviético, esteve o capitão Wilm Hosenfeld, morto devido a ferimentos, possivelmente sob tortura, em um campo de concentração perto de Stalingrado em 1952. Em 2009, o capitão Hosenfeld foi homenageado póstumamente pelo Estado de Israel por salvar judeus, dentre os quais o pianista Władysław Szpilman, durante o Holocausto.

Guerra fria[editar | editar código-fonte]

Revolução húngara[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Revolução Húngara de 1956
Apartamento destruído em Budapeste durante a invasão soviética em 1956.

De acordo com o relatório das Nações Unidas sobre o problema da Hungria (1957): "Os tanques soviéticos disparavam indiscriminadamente em todos os edifícios de que se acreditavam estar sob fogo".[130] A comissão da ONU recebeu numerosos relatos de morteiros soviéticos e fogo de artilharia em bairros residenciais de Buda, apesar de nenhum tiro de retorno e de "disparos aleatórios em transeuntes indefesos."

De acordo com muitas testemunhas, as tropas soviéticas disparavam contra pessoas que faziam filas fora de lojas. A maioria das vítimas eram mulheres e crianças.

Tchecoslováquia 1968[editar | editar código-fonte]

Durante a invasão da Tchecoslováquia pelo Pacto de Varsóvia, 72 tchecos e eslovacos foram mortos (19 na Eslováquia), 266 feridos gravemente e outros 436 feridos levemente.[131][132]

Afeganistão 1979-1989[editar | editar código-fonte]

Povoado afegão destruído pelos soviéticos na década de 1980.

Os estudiosos Mohammad Kakar, W. Michael Reisman e Charles Norchi acreditam que a União Soviética foi responsável por um genocídio no Afeganistão.[133][134] O exército da União Soviética matou grande número de afegãos para suprimir sua resistência.[133] Até 2 milhões de afegãos foram mortos pelas forças soviéticas e seus aliados.[135] Em um incidente notável, o exército soviético cometeu massacre em massa de civis no verão de 1980.[136]

A fim de separar os mujahidin das populações locais e eliminar o seu apoio, o exército soviético matou e expulsou civis e usou táticas de terra arrasada para evitar o seu retorno. Foram empregadas armadilhas, minas terrestres e armas químicas em todo o país.[136] O exército soviético matou indiscriminadamente combatentes e não-combatentes para garantir a submissão das populações locais.[136] As províncias de Nangarhar, Gázni, Laghman, Kunar, Zabol, Candaar, Badakhshan, Logar, Paktia e Paktika testemunharam amplos programas de despovoamento pelas forças soviéticas.[134] As forças soviéticas seqüestravam mulheres afegãs em helicópteros enquanto voavam no país em busca de mujahidins. Em Novembro de 1980, muitos desses incidentes ocorreram em diversas partes do país, incluindo Laghman e no distrito de Kama (Nangarhar). Soldados soviéticos e agentes da KHAD (serviço de inteligência afegã) seqüestraram mulheres jovens da cidade de Cabul e as áreas de Darul Aman e Khair Khana (Cabul), perto de guarnições soviéticas, para estuprá-las.[137] As mulheres que foram levadas e estupradas por soldados russos foram consideradas "desonradas" por suas famílias se retornassem para casa.[138] Desertores do exército soviético em 1984 também confirmaram as atrocidades das tropas soviéticas contra mulheres e crianças afegãs, afirmando que mulheres afegãs eram estupradas.[139]

Pressão no Azerbaijão (1988-1991)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Janeiro Negro

Janeiro Negro (em azeri: Qara Yanvar), também conhecido como Sábado Negro ou Massacre de Janeiro, foi uma violenta repressão em Baku, de 19 a 20 de Janeiro de 1990, em conformidade com o estado de emergência decretado durante a dissolução da União Soviética.

Numa resolução de 22 de Janeiro de 1990, o Soviete Supremo da República Socialista Soviética do Azerbaijão declarou que o decreto do Presidium do Soviete Supremo da União Soviética de 19 de Janeiro, usado para impor um estado de emergência em Baku e intervenção militar, constituía um ato de agressão.[140] O Sábado Negro está associado ao renascimento da República do Azerbaijão. Foi uma das ocasiões durante a era Gorbachev, no transcorrer da glasnost e da perestroika, em que a URSS usou a força contra dissidentes.

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

Arte[editar | editar código-fonte]

Em 12 de Outubro de 2013, o estudante de arte polonês de 26 anos, Jerzy Bohdan Szumczyk, ergueu uma estátua móvel ao lado do memorial soviético da Segunda Guerra Mundial na cidade polonesa de Gdańsk. A estátua representava um soldado soviético tentando estuprar uma mulher grávida puxando-a pelos cabelos com uma mão enquanto que, com a outra, empurra uma pistola em sua boca.[93] As autoridades removeram o trabalho artístico porque fora exibido sem autorização formal, mas despertou grande interesse em muitas publicações on-line. O ato provocou uma reação irritada do embaixador russo na Polônia.[145][146][147]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Crimes de guerra soviéticos

Notas

  1. "Der Umgang mit den Denkmälern." Brandenburgische Landeszentrale für politische Bildung/Ministerium für Wissenschaft, Forschung und Kultur des Landes Brandenburg. Regina Scheer: Documentação da sede do Estado para educação política/ministério de ciência, pesquisa e cultura do Estado de Brandemburgo, págs. 89-90,(Ref.) (em alemão) Acessado em 28/08/2017.

Referências

  1. Case Western Reserve Journal of International Law - Was Katyn a Genocide? Maria Szonert-Binienda, 2012, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  2. The Soviet Counterinsurgency in the Western Borderlands. Autor: Alexander Statiev. Cambridge University Press, 2010, pág. 277, (em inglês) ISBN 9780521768337 Adicionado em 28/08/2017.
  3. Europe at War: 1939-1945 : No Simple Victory. Autor: Norman Davies. Macmillan, 2006, pág. 198, (em inglês) ISBN 9780333692851 Adicionado em 28/08/2017.
  4. The Washington Post - For Russians, Stalin is the ‘most outstanding’ figure in world history, followed by Putin. David Filipov, 26 de Junho de 2017, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  5. Implementing Humanitarian Law Applicable in Armed Conflicts: The Case of Finland. Autores: Lauri Hannikainen, Raijka Hanski & Allan Rosas. Martinus Nijhoff Publishers, 1992, pág. 46, (em inglês) ISBN 9780792316114 Adicionado em 28/08/2017.
  6. The Soviet Partisan Movement, 1941-1944: A Critical Historiographical Analysis. Autor: Leonid D. Grenkevich. Psychology Press, 1999, pág. 28, (em inglês) ISBN 9780714648743 Adicionado em 28/08/2017.
  7. The Sword and the Shield: The Mitrokhin Archive and the Secret History of the KGB. Autores: Christopher Andrew & Vasili Mitrokhin. Basic Books, 2000, pág. 110, (em inglês) ISBN 9780465003129 Adicionado em 28/08/2017.
  8. The Dictators: Hitler's Germany and Stalin's Russia. Autor: R. J. Overy. W.W. Norton, 2004, pág. 180, (em inglês) ISBN 9780393020304 Adicionado em 28/08/2017.
  9. Página 649, Figes (1996).
  10. The Chief Culprit: Stalin's Grand Design to Start World War II. Autor: Viktor Suvorov. Naval Institute Press, 2013, (em inglês) ISBN 9781612512686 Adicionado em 28/08/2017.
  11. a b Stalin: The Court of the Red Tsar. Autor: Simon Sebag Montefiore. Knopf Doubleday Publishing Group, 2007, pág. 222, (em inglês) ISBN 9780307427939 Adicionado em 28/08/2017.
  12. Russia Under the Bolshevik Regime. Autor: Richard Pipes. Knopf Doubleday Publishing Group, 2011, (em inglês) ISBN 9780307788610 Adicionado em 28/08/2017.
  13. a b The Origins and Development of Soviet Anti-semitism: An Analysis. Autor: William Korey. Volume 31, edição 1, (em inglês), págs. 111-135 de In: Slavic Review Adicionado em 28/08/2017.
  14. Pogroms: Anti-Jewish Violence in Modern Russian History. Autores: John Doyle Klier & Shlomo Lambroza. Cambridge University Press, 2004, pág. 294, (em inglês) ISBN 9780521528511 Adicionado em 28/08/2017.
  15. Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos - Pogroms. (em inglês) Acessado em 28/08/2018.
  16. Sovsekretno - Веди ж, Буденный, нас смелее... Vladimir Markovchin, 1 de Agosto de 1998, (em russo) Acessado em 28/08/2018.
  17. Lechaim - МОЖНО ЛИ ВЕРИТЬ РЕЧИСТЫМ БЫЛИННИКАМ?. (em russo) Acessado em 28/08/2018.
  18. Статья "Евреи Украины в 1914–1920 гг." в Электронной еврейской энциклопедии
  19. JSTOR - Jewish Representation in the Independent Ukrainian Governments of 1917-1920. Henry Abramson, Slavic Review, vol. 50, Nº 3, 1991, págs. 542-550, (em inglês) Acessado em 28/08/2018.
  20. The Jews in the Soviet Union Since 1917: Paradox of Survival, Volume 1. Autora: Nora Levin. NYU Press, 1990, pág. 43, (em inglês) ISBN 9780814750513 Adicionado em 28/08/2017.
  21. Jewishvirtuallibrary - 2009, (em inglês) ...severe penalties were imposed not only on guilty individuals, who were executed, but also on complete army units, which were disbanded after their men had attacked Jews. Even though pogroms were still perpetrated after this, mainly by Ukrainian units of the Red Army at the time of its retreat from Poland (1920), in general, the Jews regarded the units of the Red Army as the only force which was able and willing to defend them.
    ("... penas severas foram impostas não apenas aos indivíduos culpados, que foram executados, mas também a unidades completas do exército, que foram dissolvidas depois que seus homens haviam atacado judeus. Mesmo que os pogroms ainda fossem perpetrados depois disso, principalmente por unidades ucranianas do Exército Vermelho no momento do sua retirada da Polônia (1920), em geral, os judeus consideravam as unidades do Exército Vermelho como a única força que era capaz e disposta Para defendê-los.") Acessado em 28/08/2017.
  22. The Killing Trap: Genocide in the Twentieth Century. Autor: Manus I. Midlarsky. Cambridge University Press, 2005, pág. 45, (em inglês) ISBN 9780521815451 Adicionado em 28/08/2017.
  23. Web.archive - Controversial reports on the situation of Jews in Poland in the aftermath of World War I. Andrzej Kapiszewski. Universidade Jaguelônica, Cracóvia, Studia Judaica 7: 2004 nº 2(14), págs. 257–304, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  24. The Greatest Battle: Stalin, Hitler, and the Desperate Struggle for Moscow That Changed the Course of World War II. Autor: Andrew Nagorski. Simon and Schuster, 2007, pág. 83, (em inglês) ISBN 9781416545736 Adicionado em em 28/08/2017.
  25. Gulag: A History. Autora: Anne Applebaum Elizabeth. Doubleday, 2003, pág. 583, (em inglês) Adicionado em em 28/08/2017.
  26. OCLC/WorldCat - The Wehrmacht War Crimes Bureau, 1939-1945. Alfred-Maurice de Zayas, University of Nebraska Press©, 1989, (em inglês) Acessado em 28/08/2017..
  27. MFA - The Progress Report of Latvia's History Commission: Crimes against Humanity Committed in the Territory of Latvia from 1940 to 1956 during the Occupations of the Soviet Union and National Socialist Germany . (em inglês) Acessado em 24/08/2017.
  28. Web.archive - Uses of CW since the First World War. Arquivado do original do fas.org (Federation of American Scientists) (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  29. History of the Expedition in Asia, 1927-1935: vol.3. - Sven Anders Hedin & Folke Bergman. Stockholm: Göteborg, Elanders boktryckeri aktiebolag. pá. 112, 1944, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  30. Hääletu alistumine: Eesti, Läti ja Leedu välispoliitilise orientatsiooni kujunemine ja iseseivuse kaotus : 1920. aastate keskpaigast anneksioonini. Autor: Magnus Ilmjärv. Argo, 2004, (em estoniano) Adicionado em 28/08/2017.
  31. Estonia, 1940-1945: Reports of the Estonian International Commission for the Investigation of Crimes Against Humanity. Estonian Foundation for the Investigation of Crimes Against Humanity. Toomas Hiio, 2006, pág. 886, (em inglês) ISBN 9789949130405 Adicionado em 28/08/2017.
  32. The Baltic Revolution: Estonia, Latvia, Lithuania and the Path to Independence. Autor: Anatol Lieven. Yale University Press, 1994, pág. 42, (em inglês) Adicionado em 28/08/2017.
  33. Communist Crimes - Historical Introduction. (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  34. National Integration and Violent Conflict in Post-Soviet Societies: The Cases of Estonia and Moldova. Autor: Pål Kolstø. Rowman & Littlefield Publishers, 2002, pág. 74, (em inglês) ISBN 9781461639459 Adicionado em 28/08/2017.
  35. Valge raamat ("Livro Branco"). (em estoniano) Acessado em 28/08/2017.
  36. JSTOR - The Origins of Soviet Ethnic Cleansing . Terry Martin, The Journal of Modern History, vol. 70, Nº 4, Dezembro de 1998, págs. 813-861, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  37. War in the Woods: Estonia's Struggle for Survival, 1944-1956. Autor: Mart Laar. Howells House, 1992, pág. 10, (em inglês) ISBN 9780929590080 Adicionado em 28/08/2017.
  38. Eesti rahva kannatuste aasta. Tallinn, 1996, pág. 234, (em estoniano). Adicionado em 28/08/2017.
  39. Kultuur - Kautla lahingud. (em estoniano) Acessado em 28/08/2017.
  40. Web.archive - Mart Laar: tavaline stalinism. Originalmente publicado por Postimees em 16 de Agosto de 2007, (em estoniano) Acessado em 28/08/2017.
  41. a b Latvian History - Soviet Mass Deportations of June 14 1941. (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  42. Communist Crimes. (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  43. Comissão Internacional para a Avaliação dos Crimes dos Regimes de Ocupação Nazi-Soviéticos na Lituânia, Detenção em massa e Tortura em 1944-1953, Mass Arrests and Torture in 1944-1953, (em lituano), págs. 2-3, (=10%+ de 142,579 presos) Acessado em 28/08/2017.
  44. Comissão Internacional para a Avaliação dos Crimes dos Regimes de Ocupação Nazi-Soviéticos na Lituânia, Deportations of the Population in 1944-1953, (em lituano), parágrafo 14. Acessado em 28/08/2017.
  45. BBC - 1991: Bloodshed at Lithuanian TV station. 13 de Janeiro de 1991, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  46. Katyn and the Soviet Massacre of 1940: Truth, Justice and Memory. Autor: George Sanford. Routledge, 2007, pág. 2, (em inglês) ISBN 9781134303007 Adicionado em 28/08/2017.
  47. OCLC - Thomas Urban. (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  48. Der Verlust. - Thomas Urban, pág. 9 (ibidem): "Massendeportationen nach Rußland. Seit dem frühen Morgen zogen Wagen mit ganzen polnischen Familien durch die Stadt zum Bahnhof. Man schaffte reichere polnische Familien, Familien von national gesinnten Anhängern, polnischen Patrioten, die Intelligenz weg, Familien von Häftlingen in sowjetischen Gefängnissen, es war schwer, sich auch nur ein Bild davon zu machen, welche Kategorie Menschen deportiert wurden. Weinen, Stöhnen und schreckliche Verzweiflung in polnischen Seelen [...] Sowjets freuen sich lautstark und drohen damit, daß bald alle Polen deportiert werden. Und man könnte das erwarten, weil sie den ganzen 20. Juni über und am folgenden 21. Juni [1941] pausenlos Menschen zum Bahnhof brachten." – Alojza Piesiewiczówna. ("Desportações em massa para a Rússia Desde o início da manhã, carruagens com famílias polonesas inteiras passaram pela cidade para a estação de trem, onde as famílias polacas, famílias de partidários inclinados nacionalmente, patriotas poloneses, inteligentes, famílias de prisioneiros na União Soviética. Era difícil tirar uma foto da categoria de pessoas que eram deportadas, chorando, gemendo e terrível desespero nas almas polacas. [...] Os soviéticos são muitos e ameaçadores pelo fato de que logo todos os polacos são deportados. E pode-se esperar isso porque trouxeram as pessoas para a estação ferroviária sem interrupção em 20 de junho [1941] ". - Alojza Piesiewiczówna.").
  49. a b c Der Verlust: die Vertreibung der Deutschen und Polen im 20. Jahrhundert. Autor: Thomas Urban. C.H.Beck, 2006, pág. 145, (em inglês) ISBN 9783406541568 Adicionado em 28/08/2017.
  50. Die verschwiegene Kollaboration - entrevista com Tomasz Strzembosz, 23 de Dezembro de 2001, (em alemão) Acessado em 28/08/2017.
  51. a b c Revolution from Abroad: The Soviet Conquest of Poland's Western Ukraine and Western Belorussia. Autor: Jan Tomasz Gross. Princeton University Press, 2002, pág. 181-182, (em inglês) ISBN 9780691096032 Adicionado em 28/08/2017.
  52. Poland's Holocaust: Ethnic Strife, Collaboration with Occupying Forces and Genocide in the Second Republic, 1918-1947. Autor: Tadeusz Piotrowski. McFarland, 1998, pág. 14, (em inglês) ISBN 9780786403714 Adicionado em 28/08/2017.
  53. Tragedy and Hope: A History of the World in Our Time. Autor: Carroll Quigley. GSG & Associates, 1966, (em inglês) ISBN 9780945001102 Adicionado em 28/08/2017.
  54. Lwów pod okupacją sowiecką: 1939-1941. Autor: Jerzy Węgierski. Editions Spotkania, 1991, (em polonês) ISBN 9788385195153 Adicionado em 28/08/2017.
  55. WorldCat - W czterdziestym nas Matko na Sybir zesłali": Polska a Rosja 1939-42. Autores: Jan Tomasz Gross & Irena Grudzińska-Gross. Wyd. I krajowe Warszawa 1990, Wyd. Res Publica i Wyd. Libra, (em polonês) Adicionado em 28/08/2017.
  56. From Peace to War: Germany, Soviet Russia, and the World, 1939-1941. Autor: Germany. Militärgeschichtliches Forschungsamt. Bernd Wegner/Berghahn Books, 1997, págs. 47-79, (em inglês) ISBN 9781571818829 Adicionado em 28/08/2017.
  57. Bloodlands: Europe Between Hitler and Stalin. Autor: Timothy Snyder. Basic Books, 2010, pág. 194, (em inglês) ISBN 9780465002399 Adicionado em 28/08/2017.
  58. Grzegorz Baziur, "Armia Czerwona na Pomorzu Gdańskim 1945–1947" Biuletyn Instytutu Pamięci Narodowej" 2002, nº 7, (em polonês) Adicionado em 28/08/2017.
  59. Janusz Wróbel, "Wyzwoliciele czy Okupanci. Żołnierze Sowieccy w Łódzkim 1945–1946" Biuletyn Instytutu Pamięci Narodowej 2002, nº 7, (em polonês) Adicionado em 28/08/2017.
  60. Łukasz Kamiński "Obdarci,głodni,żli, Sowieci w oczach Polaków 1944–1948" Biuletyn Instytutu Pamięci Narodowej 2002, nº 7, (em polonês) Adicionado em 28/08/2017.
  61. Mariusz Lesław Krogulski, "Okupacja w imię sojuszu" Polônia, 2001, (em polonês) Adicionado em 28/08/2017.
  62. 1 - Norman Davies, em God's Playground, ISBN 9780231128179. "No dia 22 de Agosto, o NKVD foi instruído a prender e desarmar todos os membros do Armia Krajowa que caíram em suas mãos".
    2 - Carlo D'Este Rising em Rising '44': Betraying Warsaw., New York Times, 25 de Julho de 2004. "Enquanto [ao mesmo tempo] o NKVD sob o general Ivan Serov desencadeava outra brutal purga contra os poloneses nos territórios liberados da Polônia."
    3 - Donald Davidson, Rising '44' de Norman Davies, London, Macmillan, 2004. ISBN 0333905687. Adicionado em 28/08/2017.
  63. Andrzej Paczkowski em "Polônia, a nação inimiga" (Warsawuprising), em O Livro Negro do Comunismo, págs. 372-375:
    "Os territórios recentemente anexados pela URSS no Outono de 1944 posteriormente testemunharam prisões em grande escala, seguidas de deportações nos Gulags ou transferência para locais de trabalho forçado, particularmente na região de Donetsk." (em inglês) Adicionado em 28/08/2017.
  64. Poland's Holocaust: Ethnic Strife, Collaboration with Occupying Forces and Genocide in the Second Republic, 1918-1947. Autor: Tadeusz Piotrowski. McFarland, 1997, pág 131, (em inglês) ISBN 9780786429134 Adicionado em 28/08/2017.
  65. a b Rzeczpospolita - Web.archive. Wielkie polowanie: Prześladowania akowców w Polsce Ludowej ("Grande caçada: as perseguições de soldados da AK na República Popular da Polônia") (em polonês) Acessado em 28/08/2017.
  66. Gazeta Wyborcza - Web.archive. Mały Katyń. 65 lat od obławy augustowskiej ("Pequena Katyn. O 65º aniversário do arranjo Augustow.") Agnieszka Domanowska. (em polonês) Acessado em 28/08/2017.
  67. Instituto da Memória Nacional - Web.archive - "Zbrodnie w majestacie prawa 1944–1956 – Kraków." 2006 ("Crimes em nome da lei"). (em polonês) Acessado em 28/08/2017.
  68. a b Joanna Ostrowska; Marcin Zaremba (7 de março de 2009). «"Kobieca gehenna" (The women's ordeal)». No 10 (2695) (em polaco). Polityka. pp. 64–66. Consultado em 21 de abril de 2011. Generally speaking, the attitude of Soviet servicemen toward women of Slavic background was better than toward those who spoke German. Whether the number of purely Polish victims could have reached or even exceeded 100,000 is only a matter of guessing.  
    Dr. Marcin Zaremba Arquivado em 2011-10-07 no Wayback Machine. of Polish Academy of Sciences, the co-author of the article cited above – is a historian from Warsaw University Department of History Institute of 20th Century History (cited 196 times in Google scholar). Zaremba published a number of scholarly monographs, among them: Komunizm, legitymizacja, nacjonalizm (426 pages),[1] Marzec 1968 (274 pages), Dzień po dniu w raportach SB (274 pages), Immobilienwirtschaft (German, 359 pages), see inauthor:"Marcin Zaremba" in Google Books.
    Joanna Ostrowska of Warsaw, Poland, is a lecturer at Departments of Gender Studies at two universities: the Jagiellonian University of Kraków, the University of Warsaw as well as, at the Polish Academy of Sciences. She is the author of scholarly works on the subject of mass rape and forced prostitution in Poland in the Second World War (i.e. "Prostytucja jako praca przymusowa w czasie II Wojny Światowej. Próba odtabuizowania zjawiska," "Wielkie przemilczanie. Prostytucja w obozach koncentracyjnych," etc.), a recipient of Socrates-Erasmus research grant from Humboldt Universitat zu Berlin, and a historian associated with Krytyka Polityczna.
  69. a b Rita Pagacz-Moczarska (2004). Okupowany Kraków - z prorektorem Andrzejem Chwalbą rozmawia Rita Pagacz-Moczarska [Prof. Andrzej Chwalba talks about the Soviet-occupied Kraków]. Alma Mater, No 4 (em Polish). [S.l.]: Jagiellonian University. Consultado em 5 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 24 de maio de 2008. An interview with Andrzej Chwalba, Professor of history at the Jagiellonian University (and its prorector), conducted in Kraków by Rita Pagacz-Moczarska, and published by an online version of the Jagiellonian University's Bulletin Alma Mater. The article concerning World War II history of the city ("Occupied Krakow"), makes references to the fifth volume of History of Krakow entitled "Kraków in the years 1939-1945," see bibliogroup:"Dzieje Krakowa: Kraków w latach 1945-1989" in Google Books (ISBN 83-08-03289-3) written by Chwalba from a historical perspective, also cited in Google scholar. 
  70. Web.archive - Anna-Stina Nykänen, HELSINGIN SANOMAT, 16 de Dezembro de 2006, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  71. Iltalehti. (em finlandês) Acessado em 28/08/2017.
  72. Iltalehti. (em finlandês) Acessado em 28/08/2017.
  73. Rukiver!: suomalaiset sotavangit Neuvostoliitossa. Autores: Teuvo Alava, Dmitri Frolov & Reijo Nikkilä. Edita, 2002, (em finlandês) ISBN 9789513737061 Adicionado em 28/08/2017.
  74. Jatkosodan pikkujättiläinen. Autores: Jari Leskinen, Antti Juutilainen. Werner Söderström, 2005, págs. 1022–1032, (em finlandês) Adicionado em 28/08/2017.
  75. Historisches-centrum - Ostpolen beim Einmarsch der Wehrmacht nach dem 22. Juni 1941. Bogdan Musial, (em alemão) Acessado em 28/08/2017.
  76. "Konterrevolutionäre Elemente sind zu erschießen". Autor: Bogdan Musial. Propyläen, 2000, (em alemão) ISBN 9783549071267 Adicionado em 28/08/2017.
  77. BBC - Regions and territories: Kalmykia ("Regiões e territórios: Calmúquia"). 29 de Novembro de 2011, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  78. The Russians in Germany: A History of the Soviet Zone of Occupation, 1945-1949. Autor: Norman Naimark. Harvard University Press, 1995, (em inglês) ISBN 9780674784055 Adicionado em 28/08/2017.
  79. Actualhistory (em russo) Acessado em 28/08/2017.
  80. Web.archive - Берлинская операция 1945 г.: дискуссия продолжается. ("Operação Berlim 1945: o debate continua") (em russo) Acessado em 28/08/2017.
  81. FaceNews - Секс-Освобождение: эротические мифы Второй мировой. ("Liberação sexual: mitos eróticos sobre a Segunda Guerra Mundial"). Sergei Turchenko. 21 de Abril de 2012, (em russo) Acessado em 28/08/2017.
  82. a b Berlin: The Downfall 1945. Autor: Antony Beevor. 2002, (em inglês) ISBN 9780143029175 Adicionado em 28/08/2017.
  83. a b ARD Documentário, 2005. (em alemão) Acessado em 28/08/2017.
  84. Die Flucht: über die Vertreibung der Deutschen aus dem Osten. Autor: Stefan Aust. Dt. Taschenbuch-Verlag, 2005, (em alemão) ISBN 9783423341813 Adicionado em 28/08/2017.
  85. Berliner Zeitung - [www.berlinonline.de/berliner-zeitung/archiv/.bin/dump.fcgi/1998/0508/blickpunkt/0003/index.html Artigo]. 1988, (em alemão) Acessado em 28/08/2017.
  86. Der Tagesspiegel - Stadt ohne Männer. ("Cidade sem Homens"), Claus-Dieter Steyer, 21 de Junho de 2006, (em alemão) Acessado em 28/08/2017.
  87. a b Tag der Befreiung?: das Kriegsende in Ostdeutschland. Autor: Hubertus Knabe. Propyläen, 2005, (em alemão) Adicionado em 28/08/2017.
  88. a b Child of the Revolution. Autor: Wolfgang Leonhard. Ink Links, 1979, (em inglês) ISBN 9780906133262 Adicionado em 28/08/2017.
  89. The Russians in Germany: A History of the Soviet Zone of Occupation, 1945-1949. Autor: Norman M. Naimark. Harvard University Press, 1995, (em inglês) ISBN 9780674784055 Adicionado em 28/08/2017.
  90. Vertreibung und Vertreibungsverbrechen 1945–1978. Bericht des Bundesarchivs vom 28 Mai 1974. Archivalien und ausgewälte Erlebenisberichte, Bonn, 1989 ("Crimes e expulsão 1945-1978. Relatório do Arquivo Federal de 28 de maio de 1974. Registros de arquivo e relatórios selecionados de sobreviventes") (em alemão) Adicionado em 28/08/2017.
  91. Warfare and Armed Conflicts: A Statistical Reference to Casualty and Other Figures, 1500-2000. Autor: Micheal Clodfelter. McFarland, 2002, (em inglês) ISBN 9780786412044 Adicionado em 28/08/2017.
  92. The Miracle Years: A Cultural History of West Germany, 1949-1968. Autora: Hanna Schissler. Princeton University Press, 2001, pág. 28, (em inglês) ISBN 9780691058207 Adicionado em 28/08/2017.
  93. a b Polityka - Kobieca gehenna. Joanna Ostrowska & Marcin Zaremba. Publicado originalmente na revista Polityka, Novembro de 2009, (em polonês) Acessado em 28/08/2017.
  94. The Guardian - They raped every German female from eight to 80. Antony Beevor, 1 de Maio de 2002, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  95. The Telegraph - Red Army troops raped even Russian women as they freed them from camps. Daniel Johnson, 24 de Janeiro de 2002, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  96. The Russians in Germany: A History of the Soviet Zone of Occupation, 1945-1949. Autor: Norman M. Naimark. Harvard University Press, 1995, pág. 92, (em inglês) ISBN 9780674784055 Adicionado em 28/08/2017.
  97. Naimark 1995, p. 79.
  98. Naimark 1995, pp. 132-133.
  99. BBC - Red Army rapists exposed. Chris Summers, 29 de Abril de 2002, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  100. Life After Death: Approaches to a Cultural and Social History of Europe During the 1940s and 1950s. Autores: Richard Bessel & Dirk Schumann. Cambridge University Press, 2003, pág. 132, (em inglês) ISBN 9780521009225 Adicionado em 28/08/2017.
  101. The Siege of Budapest: One Hundred Days in World War II. Autor: Krisztián Ungváry. Yale University Press, 2005, págs. 348–350, (em inglês) ISBN 9780300104684 Adicionado em 28/08/2017.
  102. a b Project MUSE - Remembering Rape: Divided Social Memory and the Red Army in Hungary 1944–1945. James Mark, Universidade de Exeter, originalmente publicado no jornal Past & Present, Agosto de 2005, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  103. The Russians in Germany: A History of the Soviet Zone of Occupation, 1945-1949. Autor: Norman M. Naimark. Harvard University Press, 1995, págs. 70-71, (em inglês) ISBN 9780674784055 Adicionado em 28/08/2017.
  104. Web.archive - Johnson's Russia List. Vadim Birstein, 3 de Maio de 2002,
    What makes this particular memoir unusual is that Soviet officials confirmed at the diplomatic level one of his descriptions – the rape of a woman servant at the Swedish Legation
    ("O que torna esse memorial particularmente incomum é que as autoridades soviéticas confirmaram a nível diplomático uma das suas descrições - a violação de uma servente da Legação sueca"). (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  105. Hungarian History - Swiss Legation Report of the Russian Invasion of Hungary in the Spring of 1945.
    Hungary, the Unwilling Satellite. Autor: John Flournoy Montgomery. SIMON PUBN, 1947, Apêndice III, (em inglês) ISBN 9781931313575 Adicionado em 28/08/2017.
  106. Conversations with Stalin. Milovan Đilas & Josef Stalin. Harcourt, Brace & World, 1962, págs. 88-89 (em inglês) Adicionado em 28/08/2017.
  107. a b Naimark (1995), pp. 70–71.
  108. Đilas (1962), pp. 87-89.
  109. Đilas (1962), page 95.
  110. Manchuria since 1931. Autor: Francis Clifford Jones. Royal Institute of International Affairs, 1949, págs. 224 a 225 e 227 a 229, (em inglês) Adicionado em 28/08/2017.
  111. The Last Empress: Madame Chiang Kai-shek and the Birth of Modern China. Autora: Hannah Pakula. Simon and Schuster, 2009, pág. 530, (em inglês) ISBN 9781439154236 Adicionado em 28/08/2017.
  112. The Soviet Union and Communist China, 1945-1950: The Arduous Road to the Alliance. Autor: Dieter Heinzig M.E. Sharpe, 2004, pág. 82, (em inglês) ISBN 9780765607850 Adicionado em 28/08/2017.
  113. The Geopolitics of East Asia: The Search for Equilibrium. Autor: Robyn Lim Psychology Press, 2003, pág.86, (em inglês) ISBN 9780415297172 Adicionado em 28/08/2017.
  114. In the Ruins of Empire: The Japanese Surrender and the Battle for Postwar Asia. Autor: Ronald Spector. Random House Publishing Group, 2008, pág. 33, (em inglês) ISBN 9781588367211 Adicionado em 28/08/2017.
  115. Militera - Победа на Дальнем Востоке ("Vitória no Extremo Oriente"). Konstantin Asmolov, (em russo) Acessado em 28/08/2017.
  116. a b Japanese War Orphans in Manchuria: Forgotten Victims of World War II. Autor: M. Itoh. Palgrave Macmillan US, 2010, pág. 34, (em inglês) ISBN 9780230622814 Adicionado em 28/08/2017.
  117. Japan Focus - An August Storm: the Soviet-Japan Endgame in the Pacific War. Mark Ealey, 16 de fevereiro de 2006, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  118. United States and Asia at War: A Cultural Approach. Autores: Philip West, Steven I. Levine & Jackie Hiltz. Routledge, 2015, pág. 231, (em inglês) ISBN 9781317452935 Adicionado em 28/08/2017.
  119. Jacob Robinson. Transfer of Property in Enemy Occupied Territory. The American Journal of International Law, Vol. 39, Nº 2 (Abril, 1945), págs. 216-230.
  120. Isvestiya, 28 April 1942.
  121. Bergström 2007, p. 18.
  122. Hall and Quinlan 2000, p. 53.
  123. The Wehrmacht War Crimes Bureau, 1939-1945. Autor: Alfred-Maurice de Zayas. University of Nebraska Press, 1989, págs. 164-165, (em inglês) Adicionado em 28/08/2017.
  124. Zayas (1990), pág. 178.
  125. Zayas (1990), pág. 162-210.
  126. Людские потери СССР в период второй мировой войны: сборник статей ("Perdas humanas da URSS durante a Segunda Guerra Mundial: uma coleção de artigos") Autor: Rostislav Evdokimov. Instituto da História Russa, 1995, (em russo) ISBN 9785867890230 Adicionado em 28/08/2017.
  127. Deutsche militärische Verluste im Zweiten Weltkrieg. Autor: Rüdiger Overmans. R. Oldenbourg, 2000, (em alemão) ISBN 9783486565317 Adicionado em 28/08/2017.
  128. Zayas (1990), págs. 180-186.
  129. Zayas (1990), págs. 187-191.
  130. United Nations Report of the Special Committee on the problem of Hungary. 1957, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  131. Prague Spring - Springtime for Prague. (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  132. Williams (1997), pág. 158.
  133. a b Afghanistan: The Soviet Invasion and the Afghan Response, 1979-1982. Autor: Mohammed Kakar. University of California Press, 1997,
    (The Afghans are among the latest victims of genocide by a superpower. Large numbers of Afghans were killed to suppress resistance to the army of the Soviet Union, which wished to vindicate its client regime and realize its goal in Afghanistan.
    "Os afegãos estão entre as últimas vítimas de genocídio por uma superpotência. Um grande número de afegãos foram mortos para suprimir a resistência ao exército da União Soviética, que desejava reivindicar seu regime de clientes e realizar seu objetivo no Afeganistão.")
    (em inglês) ISBN 9780520208933 Adicionado em 28/08/2017.
  134. a b Paulbogdanor - Genocide and the Soviet Occupation of Afghanistan. W. Michael Reisman & Charles H. Norchi. (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  135. The Widening Circle of Genocide. Autor: Israel W. Charney. Transaction Publishers, 1994, pág. 129, (em inglês)
    During the intervening fourteen years of Communist rule, an estimated 1.5 to 2 million Afghan civilians were killed by Soviet forces and their proxies- the four Communist regimes in Kabul, and the East Germans, Bulgarians, Czechs, Cubans, Palestinians, Indians and others who assisted them. These were not battle casualties or the unavoidable civilian victims of warfare. Soviet and local Communist forces seldom attacked the scattered guerilla bands of the Afghan Resistance except, in a few strategic locales like the Panjsher valley. Instead they deliberately targeted the civilian population, primarily in the rural areas.
    ("Durante os 14 anos de governo comunista, cerca de 1,5 a 2 milhões de civis afegãos foram mortos pelas forças soviéticas e seus proxies - os quatro regimes comunistas em Cabul e os alemães, búlgaros, tchecos, cubanos, palestinos, indianos e outros que ajudou-os. Não foram vítimas de batalha nem as inevitáveis vítimas civis da guerra. As forças comunistas soviéticas e locais raramente atacaram as bandas de guerrilha espalhadas da resistência afegã, exceto, em alguns locais estratégicos como o vale Panjsher. Em vez disso, eles deliberadamente atacaram a população civil, principalmente nas áreas rurais.") (em inglês) ISBN 9781412839655 Adicionado em 28/08/2017.
  136. a b c Afghanistan: The Soviet Invasion and the Afghan Response, 1979-1982. Autor: Mohammed Kakar. University of California Press, 1997,
    Incidents of the mass killing of noncombatant civilians were observed in the summer of 1980...the Soviets felt it necessary to suppress defenseless civilians by killing them indiscriminately, by compelling them to flee abroad, and by destroying their crops and means of irrigation, the basis of their livelihood. The dropping of booby traps from the air, the planting of mines, and the use of chemical substances, though not on a wide scale, were also meant to serve the same purpose...they undertook military operations in an effort to ensure speedy submission: hence the wide use of aerial weapons, in particular helicopter gunships or the kind of inaccurate weapons that cannot discriminate between combatants and noncombatants.
    ("Os incidentes de assassinato em massa de civis não combatentes foram observados no verão de 1980... os soviéticos achavam necessário suprimir civis indefesos, matando-os indiscriminadamente, obrigando-os a fugir para o exterior e, destruindo suas culturas e meios de irrigação, com base em seus meios de subsistência. Os bombardeiros aéreos, a instalação de minas e o uso de substâncias químicas, embora não em larga escala, também deveriam servir para o mesmo propósito... eles realizaram operações militares em um esforço para garantir a rápida submissão: Daí o amplo uso de armas aéreas, em particular helicópteros de combate ou o tipo de armas imprecisas que não podem discriminar entre combatentes e não-combatentes.")
    (em inglês) ISBN 9780520208933 Adicionado em 28/08/2017.
  137. Afghanistan: The Soviet Invasion and the Afghan Response, 1979-1982. Autor: Mohammed Kakar. University of California Press, 1997,
    While military operations in the country were going on, women were abducted. While flying in the country in search of mujahideen, helicopters would land in fields where women were spotted. While Afghan women do mainly domestic chores, they also work in fields assisting their husbands or performing tasks by themselves. The women were now exposed to the Russians, who kidnapped them with helicopters. By November 1980 a number of such incidents had taken place in various parts of the country, including Laghman and Kama. In the city of Kabul, too, the Russians kidnapped women, taking them away in tanks and other vehicles, especially after dark. Such incidents happened mainly in the areas of Darul Aman and Khair Khana, near the Soviet garrisons. At times such acts were committed even during the day. KhAD agents also did the same. Small groups of them would pick up young women in the streets, apparently to question them but in reality to satisfy their lust: in the name of security, they had the power to commit excesses.
    ("Enquanto as operações militares no país estavam acontecendo, as mulheres foram seqüestradas. Ao voar no país em busca dos mujahidin , helicópteros pousariam em campos onde as mulheres eram violadas. Enquanto as mulheres afegãs fazem principalmente tarefas domésticas, elas também trabalham em campos que ajudam seus maridos ou realizam tarefas por conta própria. As mulheres agora estavam expostas aos russos, que as seqüestraram com helicópteros. Em novembro de 1980, vários desses incidentes ocorreram em várias partes do país, incluindo Laghman e Kama. Na cidade de Cabul também, os russos sequestraram as mulheres, tirando-as em tanques e outros veículos, especialmente depois do anoitecer. Tais incidentes ocorreram principalmente nas áreas de Darul Aman e Khair Khana, perto das guarnições soviéticas. Às vezes, tais atos eram cometidos mesmo durante o dia. Os agentes da KhAD também fizeram o mesmo. Pequenos grupos deles levariam jovens mulheres nas ruas, aparentemente para questioná-las, mas na realidade para satisfazer sua luxúria: em nome da segurança, eles tinham o poder de cometer excessos."). (em inglês) ISBN 9780520208933 Adicionado em 28/08/2017.
  138. The War Chronicles: From Flintlocks to Machine Guns. Ed. Fair Winds, pág. 393.
    A final weapon of terror the Soviets used against the mujahideen was the abduction of Afghan women. Soldiers flying in helicopters would scan for women working in the fields in the absence of their men, land, and take the women captive. Russian soldiers in the city of Kabul would also steal young women. The object was rape, although sometimes the women were killed, as well. The women who returned home were often considered dishonored for life.
    ("Uma arma final de terror que os soviéticos usavam contra os mujahidin era o seqüestro de mulheres afegãs. Soldados que voavam em helicópteros procurariam mulheres trabalhando nos campos na ausência de seus homens, e levavam as mulheres cativas. Os soldados russos na cidade de Cabul também roubariam mulheres jovens. O objeto era estupro, embora às vezes as mulheres também fossem mortas. As mulheres que voltaram para casa foram muitas vezes consideradas desonradas por toda a vida.")
    (em inglês) ISBN 9781616734046 Acessado em 28/08/2017.
  139. The New York Times - 4 Soviet Deserters Tell Of Cruel Afghanistan War. Elaine Sciolino, 3 de Agosto de 1984, (em inglês)
    I can't hide the fact that women and children have been killed,' Nikolay Movchan, 20, a Ukrainian who was a sergeant and headed a grenade-launching team, said in an interview later. 'And I've heard of Afghan women being raped.
    ("Não consigo esconder o fato de que mulheres e crianças foram mortas", disse Nikolay Movchan, de 20 anos, ucraniano que era sargento e liderou uma equipe de lançamento de granadas. "E eu ouvi falar de mulheres afegãs sendo estupradas.")
    Acessado em 28/08/2017.
  140. Kushen, Neier, p. 45
  141. Welt - Die ungeheure sexuelle Gewalt der Roten Armee. Felix Kellerhoff, 22 de Outubro de 2008, (em alemão) Acessado em 28/08/2017.
  142. God's Playground: 1795 to the present. Autor: Norman Davies. Columbia University Press, 2005, Vol. 2, (em inglês) ISBN 9780231128193 Adicionado em 28/08/2017.
  143. The New York Times - Russia in Prussia. Carl Ray Proffer, 7 de Agosto de 1977, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  144. A Man Without Breath: A Bernie Gunther Novel. Autor: Philip Kerr.Penguin, 2013, págs. 463-464, (em inglês) ISBN 9781101621097 Adicionado em 28/08/2017.
  145. Rawstory - Polish artist in hot water over Soviet rapist sculpture. 16 de Outubro de 2013, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  146. Web.archive - Poland will not charge artist over Soviet rapist sculpture. News Net, 17 de Outubro de 2013, (em inglês) Acessado em 28/08/2017.
  147. Spiegel - Skulptur einer Vergewaltigung in Polen schockiert russischen Botschafter. 17 de Outubro de 2013, (em alemão) Acessado em 28/08/2017.

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Marta Hillers, A Woman in Berlin: Six Weeks in the Conquered City Translated by Anthes Bell, ISBN 0805075402 Adicionado em 28 de agosto de 2017.
  • Antony Beevor, Berlin: The Downfall 1945, Penguin Books, 2002, ISBN 0670886955 Adicionado em 28 de agosto de 2017.
  • Bergstrom, Christer (2007). Barbarossa – The Air Battle: July–December 1941. London: Chervron/Ian Allen. ISBN 9781857802702. Bergstrom does make a point of noting that crimes against PoWs, and specifically against captured aircrew, were pretty universal in World War II. Adicionado em 28 de agosto de 2017.
  • Hall and Quinlan (2000). KG55. Red Kite. ISBN 0953806103 Adicionado em 28 de agosto de 2017.
  • Max Hastings, Armageddon: The Battle for Germany, 1944–1945, Chapter 10: Blood and Ice: East Prussia ISBN 0375414339 Adicionado em 28 de agosto de 2017.
  • Fisch, Bernhard, Nemmersdorf, Oktober 1944. Was in Ostpreußen tatsächlich geschah. Berlin: 1997. ISBN 3932180267. (about most of the Nemmersdorf atrocity having been set up by Goebbels) Adicionado em 28 de agosto de 2017.
  • John Toland, The Last 100 Days, Chapter Two: Five Minutes before Midnight ISBN 081296859X Adicionado em 28 de agosto de 2017.
  • Norman M. Naimark, The Russians in Germany: A History of the Soviet Zone of Occupation, 1945–1949. Harvard University Press, 1995. ISBN 0674784057 Adicionado em 28 de agosto de 2017.
  • Catherine Merridale, Ivan's War, the Red Army 1939–1945, London: Faber and Faber, 2005, ISBN 0571218083 Adicionado em 28 de agosto de 2017.
  • Alfred-Maurice de Zayas, The Wehrmacht War Crimes Bureau, 1939-1945 (in Wikipedia). Preface by Professor Howard Levie. Lincoln: University of Nebraska Press, 1989. ISBN 0803299087. New revised edition with Picton Press, Rockland, Maine, ISBN 089725421X. Adicionado em 28 de agosto de 2017.
  • Alfred-Maurice de Zayas, A Terrible Revenge. The Ethnic Cleansing of the East European Germans, 1944–1950, St. Martin's Press, New York, 1994, ISBN 0312121598 Adicionado em 28 de agosto de 2017.
  • Elizabeth B. Walter, Barefoot in the Rubble 1997, ISBN 0965779300 Adicionado em 28 de agosto de 2017.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Em alemão/inglês[editar | editar código-fonte]

  • World News - Vídeos: Report of an eye witness: Erika Morgenstern, who survived Königsberg 1945 as a child. Parte 1, Parte 2, Parte 3 Acessado em 28 de agosto de 2017.

Em inglês[editar | editar código-fonte]

Em português[editar | editar código-fonte]