Crioulo indo-português do Sri Lanka

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Crioulo indo-português do Sri Lanka
Falado em: Sri Lanka
Total de falantes: 30 (1992)[1]
Família: Crioulos de base portuguesa
 Crioulos indo-portugueses
  Crioulo indo-português do Sri Lanka
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---

Crioulo Indo-português do Sri Lanka, ou Crioulo português do Sri Lanka, é uma língua crioula de base portuguesa falada ainda hoje em alguns pontos daquele país asiático, oriunda de uma forma particular de português cultivada durante todo o período colonial.

O crioulo era falado correntemente ainda no século XX por negróides (os quais descendiam de escravos) levados por portugueses do actual Moçambique para o actual Sri Lanka. Ainda cantam canções portuguesas, mas já quase ninguém fala o indo-português.

Inicialmente a língua possuía quase todas as características do português oficial, tendo apenas algumas particularidades e feições locais, assim como hoje ocorre com a língua portuguesa utilizada no Brasil. Com o gradual isolamento de toda e qualquer população lusófona externa, a linguagem foi aos poucos assumindo características de uma língua crioula.

A origem do crioulo do Sri Lanka reside na iniciativa de Afonso de Albuquerque de realizar a miscigenação entre súditos portugueses e nativos da ilha. Os casamentos entre portugueses e locais dá o primeiro impulso à adoção do português na então colônia de Ceilão. Adicione-se a isto a presença de africanos das colônias lusas na África oriental e goeses servindo como contingente militar, mais a intensa campanha religiosa dos jesuítas entre os ceilonenses, e a língua estabeleceria então bases sólidas por cerca de 400 anos no Sri Lanka.

O idioma tornou-se língua franca em todo o território, assumindo construções mais simples que o português lusitano. Era utilizado então por todas as classes sociais, independente de origem étnica, religiosa ou econômica. Seu domínio era imprescindível para qualquer estrangeiro que decidisse percorrer o Sri Lanka.

Com a ocupação da ilha pelo Reino Unido, o inglês foi gradualmente ocupando o espaço do crioulo. Já no fim do século XIX, início do século XX a língua estava em franca decadência. Hoje em dia é cultivada por algumas centenas de famílias, principalmente no lado leste da ilha, que utilizam a linguagem quase que exclusivamente em casa, entre parentes e amigos. Muito deturpada e simplificada, dificilmente é compreendida por um falante do português, diferentemente da época de seu apogeu.

Durante o seu ápice foram publicadas várias bíblias, jornais, peças de teatro, autos, poemas e até mesmo gramáticas, sendo que uma vasta gama do folclore do Sri Lanka está imortalizada nesta linguagem.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Crioulo malaio do Sri Lanka

Referências

  1. «Sri Lanka». Ethnologue. Consultado em 18 de outubro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]