Cripta de Balbo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cripta de Balbo
Entrada do local
Êxedra da Cripta Balbo, transformada depois em latrina.
Tipo Pórtico
Construção 13 a.C.
Promotor / construtor Lúcio Cornélio Balbo, o Jovem
Geografia
País Itália
Cidade Roma
Localidade IX Região - Circo Flamínio
Coordenadas 41° 53' 40" N 12° 28' 43" E
Cripta de Balbo está localizado em: Roma
Cripta de Balbo
Cripta

Cripta Balbo era uma praça rodeada por um pórtico anexo ao antigo Teatro de Balbo em Roma, parte do complexo onde está hoje a sede do Museo Nazionale Romano.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A cripta era uma praça rodeada por pórticos anexa ao Teatro de Balbo, ambos construídos pelo cônsul Lúcio Cornélio Balbo em 13 a.C.[1]. Seu formato, preservado no "Plano de Mármore" (Forma Urbis), era praticamente quadrado com uma grande êxedra no lado oriental. Escavações recentes expuseram a êxedra e permitiram o estudo de boa parte do monumento, que está incorporado ao complexo do Museo Nazionale. Além dela, que tem 22 metros de diâmetro, a cripta consistia de duas longas paredes paralelas, um seção das quais com cerca de 40 metros, visível nos porões dos edifícios na Via delle Botteghe Oscure (nº 17 e 28). Restos similares da outra parede estão nos porões de casas na Via dei Delfini (entre os números 5 e 10). Elas foram feitas em opus quadratum, com esquinas em travertino formando uma espécie de meandro de niches voltados para lados opostos, os mais estreitos (1,9 metros) voltados para o norte e os mais largos (3,2 metros), para o sul. Estes últimos foram depois fechados por uma parede de concreto revestido por tijolos, claramente resultado da reforma de Domiciano depois do destrutivo incêndio de 80[2].

Na Idade Média, a êxedra foi transformada em latrina e a cripta foi ocupada pelos fabricantes de cordas (em latim: funari), uma função que se preservou no nome da vizinha igreja de Santa Caterina dei Funari[2].

O Plano de Mármore revela ainda a existência de um pequeno edifício, do qual apenas um dos cantos restou, no centro da praça, talvez num eixo diferente. É possível que este tenha sido o Templo de Vulcano no Campo de Marte, como atesta uma inscrição dedicatória encontrada no local. Erigida por prefeito dos vigiles da época de Trajano permite supor que cripta funcionava como a prefeitura central dos Vigiles. O templo seria, nesta hipótese, o centro religioso da corporação e a sede de seu arquivo[2].

Museu[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Museu da Cripta de Balbo

A sede do museu é parte de um vasto complexo de edifícios — incluindo, além da Cripta Balbo, as igrejas de Santa Caterina dei Funari e San Stanislao dei Polacchi — com cerca de 7 000 metros quadrados de área e um volume predial de mais de 40 000 metros cúbicos aquirido pelo governo da Itália em 1981.

Planimetria[editar | editar código-fonte]

Planimetria do Campo de Marte meridional


Referências

  1. «Visitare la Crypta Balbi: un viaggio nella storia di Roma, dall'antichità ad oggi» (em italiano). Viaggi e Vacanze in Italia. 10 de março de 2014 
  2. a b c Coarelli, Filippo (2014). Rome and Environs, An Archeological Guide (em inglês). [S.l.]: University of California Press. p. 281-282. ISBN 978-0-520-28209-4 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • «Site oficial» (em italiano). Soprintendenza Speciale per i Beni Archeologici di Roma