Crise econômica no Sri Lanka de 2019-presente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A crise econômica no Sri Lanka é uma crise em andamento que começou em 2019 na ilha-Estado Sri Lanka.[1] É a pior crise econômica do país desde sua independência em 1948.[1] Levando o país à níveis sem precedentes de inflação, ao quase esgotamento de reservas em moedas estrangeiras, à falta de suprimentos médicos e o aumento do preço das mercadorias básicas.[2] A crise é atribuída à múltiplos fatores em composição como o corte de arrecadação de impostos, a prática de criação de moeda, uma política nacional de mudança para um modelo agricultural orgânico, os atentados de Páscoa no Sri Lanka e os impactos da pandemia de COVID-19 e da invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022. As dificuldades econômicas resultantes provocaram os protestos no Sri Lanka em 2022.

O Sri Lanka está fadado à não cumprir com o pagamento de suas dívidas estrangeiras, dado que o restante de sua reserva de US$ 1,9 bilhões em moedas estrangeiras não seria suficiente para pagar as obrigações da dívida estrangeira do país para 2022, que soma um montante de US$ 4 bilhões.[3] O pagamento de títulos públicos no valor de US$ 1 bilhão também tem como prazo julho de 2022. A revista Bloomberg reportou que o Sri Lanka tinha o total de US$ 8,6 bilhões em pagamentos para 2022, incluindo tanto débito local quanto internacional.[4][5] Em abril de 2022, o governo do Sri Lanka anunciou que não iria cumprir com suas dívidas, tornando-se o primeiro não-cumprimento da história do Sri Lanka desde sua independência em 1948 e o primeiro Estado da região à não cumprir com suas dívidas no século 21.[6][7]

Em junho de 2022, o primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe disse no parlamento que a economia havia colapsado, deixando o país incapaz de pagar pelo essencial.[8]

Contexto[editar | editar código-fonte]

De acordo com W. A. Wijewardena, ex-presidente do Banco Central do Sri Lanka, o país estava no caminho da crise econômica em 2015.[9] O governo que veio ao poder em 2015 estava ciente, e havia sido alertado pelo Institute of Policy Studies (Sri Lanka) sobre o número de riscos.[9] Enquanto que o primeiro-ministro de então, Ranil Wickremesinghe, apresentou em 2015 uma forte política econômica para lidar com a situação, a coalizão governamental não foi capaz de passar a política pelo parlamento, o que iria resultar em mais confusão nas políticas públicas dos meses posteriores.[9] O governo não lidou adequadamente com os alertas sobre a economia e seus perigos emergentes, se consumindo em outras atividades do governo como as reformas constitucionais.[9] Certas práticas, incluindo as usadas pelo Ministério de Finanças liderado por Ravi Karunanayake, foram mal vistas globalmente.[9] Decisões econômicas relativas à eleição foram subestimadas, como a excessiva distribuição de brindes.[9] O relatório do Institute of Policy Studies (Sri Lanka) de 2014 sobre o estado da economia sublinhou o dinheiro quente, as práticas preocupantes de empréstimos, as soluções temporárias e superficiais e o monopólio do investimento estrangeiro direto no setor de turismo e hospedagem.[10] A instabilidade política em 2018 piorou ainda mais a situação econômica.[11][12]

A última administração também rascunhou a Lei do Banco Central de 2019 para tornar o Banco Central independente de influências políticas banindo do Secretário do Tesouro e qualquer outro membro do governo de se tornarem membros do conselho monetário. A criação de dinheiro foi também banida, como afirma a leiː "O Banco Central não deve comprar títulos emitidos pelo governo, ou nenhuma entidade estatal, ou nenhuma outra entidade pública no mercado primário". O presidente do Banco Central de então, Dr. Indrajit Coomaraswamy, enfatizou os problemas de balanço nos pagamentos, a inflação crescente e a bolha de ativos como razões para o banimento. O partido de Sri Lanka Podujana Peramuna se opôs ao Banco Central independente e descartou a lei assim que vieram ao poder.[13]

Muitos especialistas compararam a crise econômica no Líbano à do Sri Lanka e alertaram que o Sri Lanka também estava no caminho de não cumprir com os pagamentos de sua dívida estrangeira. Ambas as nações tem questões similares, incluindo profundas crises econômicas ocorrendo após seus sucessivos governos acumularem dívidas insustentáveis na sequência do fim de guerras civis.[14]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Everything to Know About Sri Lanka's Economic Crisis». BORGEN (em inglês). 23 de abril de 2022. Consultado em 15 de maio de 2022 
  2. «The Powerful Rajapaksa Dynasty Bankrupted Sri Lanka In Just 30 Months». NDTV.com. Consultado em 28 de abril de 2022 
  3. «Sri Lanka forex reserves drop to US$1.9bn in March 2022». EconomyNext (em inglês). 7 de abril de 2022. Consultado em 8 de abril de 2022 
  4. «Sri Lanka Faces Wall of Debt Payments Amid Economic Meltdown». Bloomberg.com. 7 de abril de 2022. Consultado em 9 de abril de 2022 
  5. «Sri Lanka reserves drop to $1.93 bn in March, $8.6 bn due in payments this year». Hindustan Times (em inglês). 7 de abril de 2022. Consultado em 9 de abril de 2022 
  6. «Sri Lanka suspends debt payments as it struggles to import fuel and food». Washington Post. Consultado em 29 de abril de 2022 
  7. «Sri Lanka becomes first Asia-Pacific country in decades to default on foreign debt». NewsWire. 19 de maio de 2022. Consultado em 19 de maio de 2022 
  8. «Sri Lanka's PM says its debt-laden economy has 'collapsed'». Sky News (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2022 
  9. a b c d e f Wijewardena, W. A. (7 de janeiro de 2019). «Sri Lanka's deep economic crisis: Wasted four years and a wasting election year». Daily Financial Times Sri Lanka (em English). Consultado em 7 de abril de 2022 
  10. Wijewardena, W. A. (8 de dezembro de 2014). «IPS State of the Economy 2014: A critical probe shows hidden risks and defects of policies». Daily Financial Times Sri Lanka (em English). Consultado em 7 de abril de 2022 
  11. Chandran, Nyshka; Jegarajah, Sri (30 de outubro de 2018). «'Constitutional crisis' could destabilize Sri Lanka, pushing it closer to China». CNBC (em inglês). Consultado em 7 de abril de 2022 
  12. «"Brink Of Economic Anarchy", Says Ousted Sri Lankan Minister Amid Crisis». NDTV. 21 de novembro de 2018. Consultado em 7 de abril de 2022 
  13. «Printing money: Our way out in 2022 too?». The Morning - Sri Lanka News. 8 de janeiro de 2022. Consultado em 20 de abril de 2022 
  14. «Could Sri Lanka be the next sovereign defaulted Lebanon? | Daily FT». www.ft.lk (em English). Consultado em 8 de abril de 2022