Crise fronteiriça entre Armênia e Azerbaijão em 2021–2022

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A crise fronteiriça Armênia-Azerbaijão de 2021–2022 refere-se a um impasse entre as forças militares da Armênia e do Azerbaijão que começou em 12 de maio de 2021, e estão a decorrer, quando soldados azerbaijanos cruzaram vários quilômetros dentro das fronteiras armênias nas províncias de Gegharkunik e Syunik.[1][2][3] O Azerbaijão não retirou suas tropas do território armênio reconhecido internacionalmente, apesar dos apelos da França e dos Estados Unidos, e de dois dos três co-presidentes do Grupo de Minsk da OSCE.[4][5]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Após a guerra de Nagorno-Karabakh em 2020, o presidente do Azerbaijão Ilham Aliyev afirmou que a capital da Armênia, Yerevan, Zangezur (Syunik) e Sevan (Gegharkunik) eram as "terras históricas" do Azerbaijão.[6] "Lembraremos nossa história, mas não temos reivindicações territoriais para qualquer país, incluindo a Armênia", disse Aliyev em seu discurso em uma conferência em Baku. Em uma declaração em abril de 2021, ele disse que se a Armênia não concordasse em fornecer um corredor a partir de Nakhichevan ao oeste do Azerbaijão através da província armênia de Syunik, conforme o acordo de cessar-fogo de Nagorno-Karabakh de 2020, então "nós os expulsaremos pela força".[7][8][9]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Os primeiros relatos sobre a passagem de soldados azerbaijanos para o território armênio surgiram em 12 de maio, em duas áreas ao longo da fronteira Armênia-Azerbaijão; a área ao redor do Lago Sev, localizada a leste da aldeia de Ishkhanasar e da montanha Mets Ishkhanasar, e ao norte da cidade de Goris e das aldeias de Verishen e Akner na província de Syunik, bem como perto das aldeias de Verin Shorzha e Kut na província de Gegharkunik. O primeiro-ministro da Armênia, Nikol Pashinyan, afirmou que os relatos sobre o avanço do Azerbaijão no Lago Sev estavam corretos e que negociações estavam em andamento para uma retirada do Azerbaijão, afirmando que as forças armênias pararam o avanço sem que quaisquer confrontos tivessem ocorrido.[1][10][11]

Em 14 de maio, Nikol Pashinyan apelou formalmente à Organização do Tratado de Segurança Coletiva, liderada pela Rússia, para realizar consultas sobre a incursão do Azerbaijão na Armênia.[12][13] No mesmo dia, Pashinyan pediu ao presidente russo, Vladimir Putin, apoio militar.[14][15] Oficiais militares armênios e azerbaijanos se reuniram na fronteira junto com representantes dos militares russos destacados na província de Syunik para várias horas de negociações, sem que qualquer acordo resultante imediato fosse anunciado posteriormente.[12]

Em 15 de maio, o Ministério da Defesa da Armênia declarou que a situação relativa à incursão do Azerbaijão em 12-13 de maio permanecia sem solução, embora os militares azerbaijanos haviam recuado de algumas posições devido aos movimentos de tropas armênias e que as negociações a fim de trazer um acordo pacífico para a crise deveria continuar durante o dia.[16]

No mesmo dia, o serviço de imprensa do Ministério das Relações Exteriores do Azerbaijão rejeitou os relatos de uma incursão do Azerbaijão na Armênia, afirmando que estava reforçando as fronteiras azerbaijanas com base em mapas que definiam a fronteira entre a Armênia e o Azerbaijão, criticando as declarações armênias como "provocativas" e "inadequadas", que as autoridades armênias estavam usando a situação para fins políticos internos pré-eleitorais e que o Azerbaijão estava negociando com a Armênia a respeito da normalização da fronteira Armênia-Azerbaijão.[17][18]

Em 19 de maio de 2021, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, declarou que a Rússia teve a iniciativa de criar uma comissão conjunta Armênia-Azerbaijão sobre demarcação e delimitação das fronteiras, na qual a Rússia poderia desempenhar o papel de consultor ou mediador. Em 20 de maio de 2021, o primeiro-ministro em exercício Nikol Pashinyan confirmou que a Armênia e o Azerbaijão estavam perto de um acordo sobre a criação de uma comissão conjunta para demarcar a fronteira entre os dois países, com a Rússia atuando como mediadora, e cada país nomeando delegados para a comissão até 31 de maio.[19]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Joshua Kucera (14 de maio de 2021). «Armenia and Azerbaijan in new border crisis». Eurasianet 
  2. «Quote from EU Parliament resolution: "on 12 May 2021, troops from Azerbaijan temporarily entered the territory of Armenia, which amounts to a violation of the territorial integrity of Armenia and of international law"» 
  3. «Macron: Azerbaijani armed forces have crossed into Armenian territory. They must withdraw immediately. I say again to the Armenian people: France stands with you in solidarity and will continue to do so» 
  4. «Department Press Briefing – May 14, 2021» 
  5. «Macron: Azerbaijani armed forces have crossed into Armenian territory. They must withdraw immediately. I say again to the Armenian people: France stands with you in solidarity and will continue to do so.» 
  6. «Aliyev lays claim to 'historical lands' in Armenia. Moscow, Yerevan react». JAM News. 11 de dezembro de 2020 
  7. «Azerbaijan will return to Zangezur 101 years later - Ilham Aliyev». Turan News Agency. 21 de Abril de 2021 
  8. «Ilham Aliyev`s interview with Azerbaijan Television». Official web-site of President of Azerbaijan Republic. 20 Abril 2021 
  9. «Aliyev threatens to establish 'corridor' in Armenia by force». OC Media. 21 de abril de 2021 
  10. «Azerbaijanis cross Armenia's state border near Kut village as well». news.am. 14 de maio de 2021 
  11. «Residents of Verishen and Akner villages can no longer use pastures and raise livestock due to the presence of Azerbaijani armed servicemen». panorama.am. 14 de maio de 2021 
  12. a b «Armenia Turns To Russian-Led CSTO Amid Border Standoff With Azerbaijan». RFE/RL. 14 de maio de 2021 
  13. «Armenia turns to Russia-led bloc after Azerbaijan 'infiltration'». France24. 14 de maio de 2021 
  14. «Armenian PM Pashinyan asks Russia's Putin for military support -Ifax». Reuters. 14 de maio de 2021 
  15. «Armenia says Azerbaijan fails to fully withdraw after border incident». Reuters. 14 de maio de 2021 
  16. «Armenia says Azerbaijani forces remain in Syunik, demands their withdrawal». TASS. 15 de Maio de 2021 
  17. «Armenia accuses Azerbaijan of failing to withdraw from its territory». Deutsche Welle. 14 de maio de 2021 
  18. «No:165/21, Information of the Press Service Department of the Ministry of Foreign Affairs of the Republic of Azerbaijan» 
  19. «Armenia close to new agreement with Azerbaijan». Eurasianet. 20 de Maio de 2021