Crise no Golfo Pérsico de 2019-2020

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Crise no Golfo Pérsico
Guerra Fria do Oriente Médio
U.S. Troops observe protests in Green Zone.jpg
Um soldado americano na Zona Verde de Bagdá, em dezembro de 2019.
Data 5 de maio de 2019 – presente
Local Oeste do Oceano Índico, Golfo Pérsico, Golfo de Omã, Estreito de Ormuz, Estreito de Gibraltar, Mar Vermelho e Iraque
Desfecho Em andamento
Beligerantes
 Estados Unidos
Arábia Saudita
 Reino Unido
Apoio:
Irã Irã
Forças de Mobilização Popular (FMP)
Apoio:
Comandantes
Estados Unidos Donald Trump
Estados Unidos Mark Esper
Reino Unido Boris Johnson
Reino Unido Ben Wallace
Arábia Saudita Rei Salman
Arábia Saudita Mohammed bin Salman
Irã Ali Khamenei
Irã Hassan Rouhani
Irã Amir Hatami
Irã Qasem Soleimani
Iraque Falih Alfayyadh
Iraque Abu Mahdi al-Muhandis
Forças
Estados Unidos Estados Unidos:

Reino Unido Reino Unido:

Austrália Austrália:

Flag of the Army of the Guardians of the Islamic Revolution.svg Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica
Baixas
Estados Unidos Estados Unidos:
  • 1 RQ-4A Global Hawk abatido
  • 1 marinheiro morto
  • 1 trabalhador contratante americano morto
  • 4 soldados americanos feridos

Arábia Saudita Arábia Saudita:

  • 2 navios-tanque danificado (responsabilidade disputada)
  • Instalações petrolíferas danificadas em ataque

Reino Unido Reino Unido:

  • 1 navio tanque capturado e depois libertado
  • 23 tripulantes capturados e depois libertados

=Emirados Árabes Unidos Emirados Árabes Unidos:

  • 1 navio mercante danificado (responsabilidade disputada)
1 navio tanque capturado em Gibraltar, libertado depois
1-2 drones derrubados (negado pelo Irã)
5 membros do Exército dos Guardiães mortos
5 membros do FMP mortos
25 membros do Kata'ib Hezbollah mortos
1 navio tanque danificado
 Noruega: 2 navios mercantes danificados (responsabilidade disputada)
 Japão: 1 navio mercante danificado (responsabilidade disputada)
 Iraque: 1 navio mercante capturado pelo Irã
Filipinas: 1 navio pequeno capturado, 7 tripulantes aprisionados

A crise de 2019-2020 no Golfo Pérsico refere-se a uma escalada de tensões militares entre o Irã e os Estados Unidos na região do Golfo Pérsico. Os Estados Unidos começaram a ampliar a sua presença militar na região sob a alegação de impedir uma campanha planejada pelo Irã e seus aliados não-estatais para atacar forças e interesses estadunidenses no Golfo Pérsico e no Iraque. Isso seguiu-se a um aumento das tensões políticas entre os dois países durante a Presidência de Donald Trump, que incluiu a retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear, a imposição de novas sanções contra o Irã e a designação da Guarda Revolucionária Islâmica como organização terrorista. Em represália, o Irã designou o Comando Central dos Estados Unidos como uma organização terrorista.

Vários navios mercantes no Golfo Pérsico foram danificados em dois incidentes em maio e junho de 2019 . Os países ocidentais culparam o Irã, enquanto o Irã negou envolvimento. Em junho de 2019, o Irã abateu um drone de vigilância americano RQ-4A sobrevoando as águas iranianas, quase resultando em um confronto armado. No mesmo mês, um navio petroleiro iraniano foi apreendido pela Grã-Bretanha no Estreito de Gibraltar, alegando que estava transportando petróleo para a Síria, violando as sanções da União Europeia. Mais tarde, o Irã capturou um petroleiro britânico e seus tripulantes no Golfo Pérsico; o Reino Unido respondeu juntando forças estadunidenses no Golfo.[1][2][3] Mais tarde, tanto o Irã quanto o Reino Unido liberaram os navios.[4][5][6][7][8][9]

Os Estados Unidos criaram a Coalizão Internacional de Segurança Marítima (International Maritime Security Construct; IMSC) em resposta à crise, que "aumenta a vigilância geral e a segurança nas principais vias navegáveis do Oriente Médio", segundo o vice-secretário de Defesa Michael Mulroy .[10]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 8 de maio de 2018, os Estados Unidos se retiraram do Plano de Ação Conjunto Global com o Irã, restabelecendo as sanções contra o Irã .[11] A produção de petróleo do Irã atingiu um nível histórico baixo como resultado de sanções.[12] Segundo a BBC, as sanções dos Estados Unidos contra o Irã "levaram a uma forte desaceleração da economia iraniana, empurrando o valor de sua moeda a níveis mínimos, quadruplicando sua taxa de inflação anual, afastando investidores estrangeiros e desencadeando protestos".[13] As autoridades iranianas acusaram os Estados Unidos de travar uma guerra híbrida contra o Irã.[14][15]

As tensões entre o Irã e os Estados Unidos aumentaram em maio de 2019, com os Estados Unidos ampliando suas atividades militares na região do Golfo Pérsico, depois de receberem relatórios de inteligência sobre uma suposta "campanha" do Irã e seus "proxies" para ameaçar as forças estadunidenses e o transporte de petróleo no Estreito de Ormuz. As autoridades dos Estados Unidos apontaram para ameaças contra a navegação comercial e possíveis ataques das milícias com laços iranianos contra as tropas estadunidenses no Iraque, enquanto também citava relatórios de inteligência que incluíam fotografias de mísseis em embarcações e outros pequenos barcos no Golfo Pérsico, supostamente colocados ali por forças paramilitares iranianas. Os Estados Unidos temiam que pudessem ser disparados contra a sua Marinha.[16][17][18]

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

Maio de 2019: aumento das tensões e incidente no Golfo de Omã[editar | editar código-fonte]

Em 7 de maio, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, fez uma visita surpresa à meia-noite em Bagdá, depois de cancelar uma reunião com a chanceler alemã Angela Merkel . Pompeo disse ao presidente iraquiano Barham Salih e ao primeiro-ministro Adel Abdul Mahdi que eles tinham a responsabilidade de proteger os americanos no Iraque. Em 8 de maio, um consultor do aiatolá Khamenei afirmou que o Irã estava confiante de que os Estados Unidos não estavam dispostos e eram incapazes de iniciar uma guerra com o Irã. No mesmo dia, o Irã anunciou que reduziria seu compromisso com o acordo nuclear do Plano de Ação Conjunto Global, o qual os Estados Unidos se retiraram em maio de 2018. O presidente iraniano Hassan Rouhani estabeleceu um prazo de 60 dias para a UE e as potências mundiais resgatarem o acordo vigente antes de retomar o enriquecimento de urânio. O Comando Central das Forças Aéreas dos Estados Unidos anunciou que os caças F-15C Eagle foram reposicionados na região para "defender as forças e os interesses dos Estados Unidos na região".[19] Em 10 de maio, os Estados Unidos implantaram o navio de transporte marítimo USS Arlington e uma bateria de mísseis terra-ar Patriot no Oriente Médio. O Pentágono afirmou que o reforço ocorreu em resposta à "maior disponibilidade iraniana para realizar operações ofensivas".[20]

Em 12 de maio, quatro navios comerciais, incluindo dois navios petroleiros da Saudi Aramco, foram danificados perto do porto de Fujairah, no Golfo de Omã .[21] Os Emirados Árabes Unidos alegaram que o incidente foi um "ataque de sabotagem", enquanto uma análise dos Estados Unidos acusou o Irã ou os elementos "proxy" do Irã pelo ataque.[22]

Em 13 de maio, a embaixada estadunidense em Bagdá declarou que os cidadãos dos EUA não deveriam viajar para o Iraque e para aqueles que já estavam lá deveriam manter um perfil discreto. No mesmo dia, o New York Times informou que o secretário interino de Defesa dos Estados Unidos, Patrick Shanahan, apresentou um plano militar para enviar até 120.000 soldados ao Oriente Médio caso o Irã atacasse forças americanas ou adotasse medidas para o desenvolvimento de armas nucleares. Mais tarde, Donald Trump, desacreditou isso, dizendo que, em vez disso, "enviaria muito mais" que 120.000 soldados, se necessário.[23]

Em 14 de maio, autoridades iranianas e americanas disseram que não estavam em busca de guerra, mesmo com ameaças e contra-ameaças prosseguindo. O aiatolá Khamenei minimizou a escalada, dizendo em comentários veiculados na televisão estatal que "nenhuma guerra vai acontecer", enquanto Mike Pompeo declarou durante uma visita à Rússia: "Fundamentalmente, não buscamos uma guerra com o Irã". No mesmo dia, rebeldes houthis no Iêmen realizaram vários ataques com drones a um oleoduto saudita dentro do território saudita. Os Estados Unidos declararam que acreditavam que o Irã patrocinou o ataque, embora não estivesse claro se o ataque estava particularmente relacionado às tensões entre o Irã e os Estados Unidos ou à Guerra Civil do Iêmen, iniciada em 2015, e à intervenção liderada pela Arábia Saudita .[24] Em 15 de maio, o Departamento de Estado dos EUA anunciou que todos os funcionários não emergenciais haviam recebido ordem para deixar a Embaixada dos Estados Unidos em Bagdá.[25]

Em 19 de maio, Trump, alertou que, em caso de conflito, seria "o fim oficial do Irã".[26] O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, respondeu que as "provocações genocidas de Trump" não "acabariam com o Irã".[27] No mesmo dia, um foguete explodiu dentro do setor altamente fortificado da Zona Verde de Bagdá, caindo a menos de 1,6 km da Embaixada dos EUA.[28] Em 24 de maio, os Estados Unidos enviaram 1.500 soldados adicionais para a região do Golfo Pérsico como uma medida "protetora" contra o Irã. A implantação incluiu aeronaves de reconhecimento, caças e engenheiros; 600 das tropas receberam mobilizações prolongadas, o que significa que 900 seriam tropas recentes.[29] O vice-almirante da Marinha dos EUA e diretor do Estado-Maior Conjunto Michael Gilday disse que os Estados Unidos têm um alto grau de confiança de que a Guarda Revolucionária do Irã foi responsável pelas explosões de quatro navios-tanque em 12 de maio e que foram os proxies iranianos no Iraque que dispararam foguetes contra a Zona Verde de Bagdá .[30]

Em 20 de maio, o presidente Trump disse: "Não temos indício de que algo aconteceu ou vai acontecer" no Irã.[31] Em 25 de maio, Trump, declarando que as tensões em curso com o Irã representavam uma emergência nacional, invocou uma brecha legal raramente usada para aprovar a venda de armas no valor de US $ 8 bilhões à Arábia Saudita. As armas também seriam vendidas para os Emirados Árabes Unidos e Jordânia.[32] Em 28 de maio, a Agência Internacional de Energia Atômica certificou que o Irã estava cumprindo os principais termos do Plano de Ação Conjunto Global, embora tenham sido levantadas questões sobre quantas centrífugas avançadas o Irã poderia ter, uma vez que isso foi definido apenas de maneira vaga no acordo.[33]

Junho de 2019[editar | editar código-fonte]

Em 1 de junho, o presidente Hassan Rouhani sugeriu que o Irã estaria disposto a manter conversações, mas declarou que não seria pressionado por sanções e pela postura militar americana. No dia 2 de junho, Mike Pompeo afirmou que os Estados Unidos estavam prontos para discussões incondicionais com o Irã sobre seu programa nuclear, mas afirmou que não vai insistir em pressionar o Irã até que este comece a se comportar como um "país normal". "Estamos preparados para iniciar uma conversa sem condições prévias. Estamos prontos para nos sentar", disse Pompeo, ao mesmo tempo em que afirma que o presidente Trump sempre esteve disposto a buscar o diálogo com a liderança iraniana. O Ministério das Relações Exteriores do Irã respondeu afirmando: "A República Islâmica do Irã não presta atenção ao jogo de palavras e à expressão da agenda oculta sob novas formas. O que importa é a mudança da abordagem geral dos Estados Unidos e do comportamento real em relação à nação iraniana ", que, segundo ele, precisava de "reforma".[34] O diálogo abrandador ocorreu em meio a exercícios militares estadunidenses no Mar da Arábia, onde várias aeronaves "simulavam operações de ataque"; Yahya Rahim Safavi, principal assessor militar do aiatolá Khameini, disse que os navios militares do Golfo Pérsico estavam ao alcance dos mísseis iranianos e alertou que qualquer conflito entre os dois países elevaria os preços do petróleo acima de US $ 100 o barril.[35]

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o príncipe herdeiro saudita Mohammad bin Salman culparam o Irã por ataques a navios-tanque

Em 6 de junho, os houthis no Iêmen, abateram um drone americano MQ-9 Reaper (Predator B). Os militares estadunidenses alegaram que o ataque foi realizado com a ajuda iraniana.[36] O comandante do Comando Central dos EUA, Kenneth F. McKenzie Jr., alertou que o Irã e suas forças "substitutas" ainda representam uma ameaça "iminente" para as forças americanas: "Acho que ainda estamos no período que eu chamaria de aviso tático... A ameaça é muito real. "[37]

Também em 6 de junho, os Emirados Árabes Unidos, apoiados pela Noruega e Arábia Saudita, disseram ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que os ataques de 12 de maio tiveram as marcas de uma "operação sofisticada e coordenada" e provavelmente foram realizados por um "ator estatal". Vídeo dos danos aos navios-tanque Amjad, Al Marzoqah, A Michel e Andrea Victory foi divulgado às emissoras.[38][39]

Ataques a petroleiros no Golfo de Omã[editar | editar código-fonte]

Em 17 de junho, os Estados Unidos anunciaram o envio de mais 1.000 soldados para o Oriente Médio, após um segundo incidente no Golfo de Omã onde dois petroleiros foram incendiados depois de supostamente serem atacados por minas limpets ou objetos voadores. Como no incidente de maio, os Estados Unidos culparam as forças iranianas pelos ataques.[40]

Novas sanções e derrubada de um drone dos Estados Unidos pelo Irã[editar | editar código-fonte]

USS Boxer visto aqui na costa da Austrália, foi enviado para o Golfo Pérsico em junho de 2019 como resultado do aumento das tensões entre EUA e Irã.[41]

As tensões atingiram um novo pico quando, em 20 de junho, o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica derrubou um avião de vigilância RQ-4A Global Hawk estadunidense, afirmando que o avião violava o espaço aéreo iraniano. O comandante da Guarda Revolucionária Iraniana, Hossein Salami, chamou a derrubada de uma "mensagem clara" para os Estados Unidos, além de alertar que, embora não estivessem buscando guerra, o Irã estava "completamente pronto" para isso. O Comando Central dos EUA confirmou mais tarde que o drone foi abatido por mísseis terra-ar iranianos, mas negou que violasse o espaço aéreo iraniano, chamando-o de "ataque injustificado" e no espaço aéreo internacional sobre o Estreito de Ormuz.[42] O Irã e os Estados Unidos forneceram coordenadas GPS conflitantes para a localização do drone, tornando incerto se o drone estava dentro da fronteira territorial de 20 quilômetros do Irã.[43] O presidente Trump considerou a queda do drone pelo Irã como um "grande erro".[44] Os Estados Unidos solicitaram uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, em 24 de junho, para tratar das tensões regionais com o Irã, segundo diplomatas.[45]

Meios de comunicação como o New York Times e o ABC News informaram que Trump ordenou um ataque militar de retaliação ao Irã em 20 de junho, mas retirou sua decisão minutos antes do início da operação. Segundo relatos, as aeronaves já estavam no ar a caminho de seus alvos e os navios de guerra estavam em posição quando o ataque foi cancelado.[46] Trump disse no dia seguinte que havia decidido interromper a operação depois de ter sido informado de que 150 iranianos seriam mortos, embora alguns oficiais do governo tenham dito que Trump havia sido avisado sobre as possíveis vítimas antes que ele ordenasse a preparação da operação.[47] O secretário de Estado Mike Pompeo e o conselheiro de segurança nacional John Bolton teriam se oposto à revogação.[48][49]

Em 22 de junho, foi relatado que o presidente Trump havia aprovado ataques cibernéticos que desabilitavam os sistemas de computador da Guarda Revolucionária Iraniana usados para controlar o lançamento de foguetes e mísseis na noite da queda dos drones. Os ataques cibernéticos foram realizados pelo Comando Cibernético dos Estados Unidos em conjunto com o Comando Central dos EUA. Representou a primeira demonstração ofensiva de força desde que o Comando Cibernético foi elevado a um comando combatente em maio de 2018. Também em 22 de junho, o Departamento de Segurança Interna dos EUA emitiu um alerta para as indústrias americanas de que o Irã estava intensificando ataques cibernéticos a atividades essenciais - particularmente petróleo, gás e outros setores de energia - e agências governamentais, e tinha o potencial de interromper ou destruir sistemas. .[50]

Em 23 de junho, o major-general iraniano Gholam Ali Rashid alertou os Estados Unidos sobre as consequências "incontroláveis", caso um conflito ocorresse. Durante um discurso em Israel, John Bolton disse que o Irã não deve "confundir prudência e discrição dos Estados Unidos com fraqueza", enfatizando que futuras opções militares não estão descartadas e que Trump apenas "impediu a investida de avançar neste momento".[51][52] O secretário de Estado Mike Pompeo visitou a região do Golfo Pérsico para conversar com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, em uma tentativa de construir uma coalizão para combater as ambições nucleares e de "terrorismo" iranianas. Enquanto isso, o presidente iraniano Hassan Rouhani culpou a "presença militar intervencionista" dos Estados Unidos pelas altas tensões.[53]

Em briefings classificados, Mike Pompeo e outras autoridades do Departamento de Estado e do Pentágono aconselharam os membros do Congresso dos Estados Unidos sobre o que eles descreveram como laços alarmantes entre o Irã e a Al-Qaeda - incluindo dar à organização terrorista refúgio no país. O New York Times informou que os parlamentares estavam desconfiados das afirmações sobre as ligações iranianas com a al-Qaeda, principalmente devido a preocupações de que o governo possa estar usando afirmações ilusórias para criar um caso de ação militar contra o Irã com base na Autorização para o Uso da Força Militar Contra os Terroristas de 2001 - as supostas ligações entre Saddam Hussein e a al-Qaeda foram usadas como justificativa parcial para invadir o Iraque em 2003.[54][55] Em 27 de junho, o vice-secretário de defesa assistente Michael Mulroy negou categoricamente que as autoridades do Pentágono ligassem a al-Qaeda ao Irã durante as reuniões do Congresso. "Nesses briefings, nenhum dos oficiais mencionou a al-Qaeda ou a Autorização para o Uso da Força Militar de 2001", afirmou Mulroy, acrescentando que ele e a Agência de Inteligência da Defesa "descreveram os laços históricos entre o Irã e o Talibã, e eu expliquei que esses laços são amplamente e publicamente conhecidos e referenciados em artigos e livros".[56]

Em 24 de junho, Trump anunciou novas sanções contra a liderança iraniana e da Guarda Revolucionária Iraniana, incluindo o líder supremo Ali Khamenei e seu gabinete.[57][58] O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, afirmou que as sanções bloquearão "bilhões" em ativos.[59] No mesmo dia, Trump disse a repórteres que não precisava do consentimento do Congresso para um ataque inicial ao Irã.[60]

Em 25 de junho, o Irã disse que as novas sanções estadunidenses levaram ao "fechamento permanente" de seus laços diplomáticos, e o regime se recusou a negociar com Washington até que as sanções fossem revogadas.[61] Em 27 de junho, Javad Zarif twittou que as sanções não são uma "alternativa à guerra; elas são guerra" e argumentou que o uso do termo "obliteração" contra o Irã por Trump é uma referência ao genocídio, um crime de guerra. Também disse que as negociações e ameaças são "mutuamente exclusivas" e chamou o conceito de uma guerra curta com o Irã de "ilusão".[62]

Após a derrubada do drone, os Estados Unidos continuaram inabaláveis em implantar ativos militares na região. Em 28 de junho, os Estados Unidos haviam implantado quase uma dúzia de caças F-22 Raptor na Base Aérea de Al Udeid, no Catar – a primeira implantação de F-22s na base – para "defender forças e interesses americanos".[63]

Julho de 2019[editar | editar código-fonte]

Alegada derrubada de drones iranianos pelos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Em 18 de julho, de acordo com o Pentágono, o USS Boxer tomou medidas defensivas contra um drone iraniano que havia se aproximado do navio no Golfo Pérsico a aproximadamente 1,000 jarda (0,914 m) e bloqueou o drone, causando uma colisão. O vice-ministro das Relações Exteriores do Irã, Abbas Araghchi, negou que qualquer um dos drones do país tenha sido derrubado.[64] O general Kenneth F. McKenzie Jr., comandante do Comando Central dos EUA, posteriormente alegou que o USS Boxer pode ter derrubado um segundo drone iraniano.[65]

Captura de petroleiros britânicos e iranianos[editar | editar código-fonte]

Em 3 de julho, Gibraltar promulgou "Regulamentos de Sanções 2019"[66][67][68] após a Lei de Sanções de março de 2019[69] referindo-se às sanções da União Europeia para a Síria (UE No. 36/2012).[70] Também especificou o navio petroleiro iraniano Grace 1, com bandeira do Panamá, como um navio sob esses regulamentos.[71] Em 4 de julho, o navio foi apreendido pelas autoridades britânicas durante uma parada logística fora do porto em Gibraltar, sob suspeita de que o navio estivesse transportando petróleo para a Síria em violação às sanções da União Europeia. Uma força de trinta fuzileiros navais embarcou no navio a partir de um helicóptero e lancha, acompanhada pela Polícia Real de Gibraltar e oficiais da Alfândega de Gibraltar. Quatro membros da tripulação do navio, incluindo o capitão e o oficial chefe, foram presos, mas posteriormente libertados sob fiança sem acusação.[72] O Irã exigiu a libertação do navio e negou que o navio estivesse violando as sanções, e um oficial da Guarda Revolucionária Iraniana emitiu uma ameaça de apreender um navio britânico em retaliação.[73][74] O líder iraniano Ali Khamenei descreveu o incidente como um ato britânico de "pirataria", que recebeu uma "aparência legal".[75] A Grã-Bretanha se ofereceu para liberar o navio em troca de uma garantia iraniana de que não iria ao porto sírio de Baniyas para entregar petróleo à refinaria de lá. Em 11 de julho, a fragata HMS Montrose da Marinha Real frustrou uma tentativa iraniana de capturar o petroleiro britânico British Heritage, pertencente à BP, que transitava através do Estreito de Ormuz. Três barcos supostamente pertencente ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica se aproximaram do navio-tanque e tentaram detê-lo. Depois disso, o HMS Montrose, que estava acompanhando o navio-tanque, moveu-se entre os barcos e o navio-tanque e preparou as armas nos barcos, alertando-os para recuar. Os barcos iranianos então se afastaram.[76][77] A Marinha Real posteriormente implantou o destróier HMS Duncan no Golfo Pérsico para reforçar o HMS Montrose .[78]

Em 14 de julho, um navio petroleiro de bandeira panamenha, MT Riah, que estava operando nos Emirados Árabes Unidos, desapareceu dos mapas de rastreamento de navios perto do Irã depois de atravessar o Estreito de Ormuz.[75] Além do mistério, nenhuma entidade reivindicou a propriedade do navio-tanque.[79]

Navio-tanque de bandeira britânica Stena Impero

Em 20 de julho, o navio-tanque Stena Impero, de bandeira britânica, foi capturado em um ataque pelas forças da Guarda Revolucionária Iraniana. Quatro botes e um helicóptero pararam o navio e comandos iranianos rapelaram a bordo a partir do helicóptero. O navio foi levado para Bandar Abbas com a sua tripulação de 23 detidos a bordo. Em 4 de setembro, o Irã decidiu libertar apenas sete tripulantes do navio-tanque britânico detido.[80] Um segundo navio de propriedade britânica e de bandeira da Libéria também foi apreendido, mas posteriormente autorizado a continuar sua jornada.[81][82][83] Em uma carta à ONU, o Irã afirmou que o Stena Impero havia colidido e danificado um navio iraniano e ignorado os avisos das autoridades iranianas.[84][85]

A apreensão do navio provocou uma crise diplomática entre o Reino Unido e o Irã. O governo britânico condenou a apreensão do navio e exigiu sua libertação, alertando para "sérias consequências" caso o navio não fosse liberado.[86] O primeiro-ministro iraquiano Adil Abdul-Mahdi visitou o Irã para negociar a libertação de Stena Impero, a pedido do governo britânico. O Irã confirmou que capturou o navio como retaliação pela apreensão britânica do Grace 1 em Gibraltar e deu a entender que estaria disposto a liberar Stena Impero em troca da liberação do Grace 1 .[87]

Em 31 de julho, os Estados Unidos sancionaram o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, tornando a solução diplomática ainda menos provável.[88]

Agosto de 2019: apreensão do navio-tanque iraquiano[editar | editar código-fonte]

Em 4 de agosto de 2019, a Guarda Revolucionária Iraniana apreendeu um navio-tanque iraquiano por supostamente contrabandear petróleo para outros países árabes. Os sete tripulantes a bordo foram detidos, aumentando ainda mais as tensões no Golfo Pérsico. Apenas três dias depois, a Grã-Bretanha e, finalmente, Israel aderiram ao Programa Sentinela para proteger os navios petroleiros no Golfo Pérsico.

Em 15 de agosto, Gibraltar liberou o Grace 1[71] após receber garantias de que o petróleo não seria vendido a uma entidade sancionada pela UE[89][90] e depois de rejeitar um pedido do Departamento de Justiça dos Estados Unidos para apreender o navio.[91] O governo iraniano declarou posteriormente que não havia garantido que o petróleo não seria entregue à Síria e reafirmou sua intenção de continuar fornecendo petróleo à nação árabe.[92][93][94][95] Em 16 de agosto, o Departamento de Justiça emitiu um mandado em Washington, DC para apreender o Grace 1, a carga de petróleo e US $ 995.000, alegando que o lucro da viagem do navio visava enriquecer o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica Iraniana, que os Estados Unidos já haviam designado uma organização terrorista.[96] Em 18 de agosto, Gibraltar anunciou que seu Ministério da Justiça havia rejeitado o mandado dos Estados Unidos, já que as sanções estadunidenses contra o Irã não se aplicavam à União Europeia, e o navio, renomeado Adrian Darya 1 e registrado sob a bandeira iraniana, deveria navegar iminentemente de Gibraltar.[97][98]

Depois de liberar o navio, o Office of Foreign Assets Control (OFAC) sancionou o navio-tanque e seu capitão e os inseriu na lista negra.[99] Alguns dias depois, Brian Hook, apontador do Departamento de Estado no Irã, enviou e-mails ao capitão indiano do navio e ofereceu alguns milhões de dólares em dinheiro estadunidense para transportar o Adrian Darya 1 para um país onde poderia ser apreendido pelas Forças Armadas dos Estados Unidos; mas ele rejeitou essas ofertas.[100]

Setembro de 2019[editar | editar código-fonte]

Em 3 de setembro, o Irã anunciou que o petroleiro entregou sua carga, desafiando as ameaças dos Estados Unidos. Imagens de satélite mostraram o navio-tanque perto da Síria.[101] Em 9 de setembro, o ministro das Relações Exteriores da Grã-Bretanha acusou o Irã de vender o petróleo transportado em Adrian Darya ao regime de Assad.[102] O Irã afirmou que o petróleo havia sido vendido a uma empresa privada que não é uma entidade sancionada pela UE; portanto, sua garantia a Gibraltar não foi violada.[103][90]

Em 14 de setembro, ocorreu o ataque em Abqaiq-Khurais - um ataque coordenado de mísseis Cruise e drones que visavam as instalações de processamento de petróleo da Saudi Aramco, de propriedade estatal, em Abqaiq e Khurais, no leste da Arábia Saudita . O movimento houthi no Iêmen assumiu a responsabilidade, vinculando-o a eventos referentes a intervenção saudita na Guerra Civil do Iêmen. No entanto, alegações feitas por algumas autoridades dos Estados Unidos de que os ataques se originaram no Irã, apesar da negação do país, acirrariam a Crise do Golfo Pérsico.[104]

Em 16 de setembro de 2019, a Guarda Revolucionária do Irã apreendeu outra embarcação perto da ilha de Greater Tunb, no Golfo Pérsico. Foi relatado que o navio estava contrabandeando 250.000 litros de diesel para os Emirados Árabes Unidos .[105]

Em 27 de setembro de 2019, o petroleiro britânico Stena Impero partiu das águas iranianas após cerca de dois meses em detenção iraniana.[4][5][6] O restante dos 23 tripulantes do navio que foram detidos no Irã também foram libertados,[7][8] com sete tripulantes já liberados em 4 de setembro.[9] Em 28 de setembro, o Stena Impero, que também foi capaz de transmitir sinais, atracou em Port Rashid, Dubai.[106] No mesmo dia, o HMS Duncan voltou ao seu porto natal, a base naval de Portsmouth .[107]

Novembro de 2019[editar | editar código-fonte]

Em 7 de novembro de 2019, a coalizão naval liderada pelos Estados Unidos, International Maritime Security Construct (IMSC) lançou operações oficiais no Bahrein para proteger as rotas marítimas próximas às turbulentas águas territoriais iranianas. A coalizão abriu seu centro de comando no país, para afastar a ameaça percebida ao suprimento global de petróleo.[108]

Dezembro de 2019: ataques aéreos dos Estados Unidos contra milícias iraquianas e ataque à embaixada de Bagdá[editar | editar código-fonte]

Marines chegam a Bagdá para reforçar a embaixada dos Estados Unidos depois que ela foi atacada por milicias apoiadas pelo Irã, 31 de dezembro de 2019

No início de dezembro, o Pentágono considerou enviar reforços ao Oriente Médio para lidar com as crescentes tensões devido aos ataques contra navios internacionais através do Golfo Pérsico, um ataque com mísseis contra uma instalação de petróleo saudita, a violenta repressão aos protestos no Irã e a intensificação das atividades iranianas na região. O número de mortos nas manifestações iranianas permaneceu em disputa, embora o Irã não tenha divulgado estimativas oficiais. O representante especial dos Estados Unidos para o Irã, Brian Hook, anunciou que seu país estava oferecendo US $ 15 milhões por informações sobre o paradeiro de Abdul Reza Shahalai, um alto comandante iraniano acusado de orquestrar numerosos ataques contra as forças estadunidenses no Iraque e uma tentativa frustrada de assassinar o embaixador da Arábia Saudita nos Estados Unidos.[109]

Em 27 de dezembro, o Irã, a Rússia e a China realizaram um exercício naval de quatro dias no Oceano Índico e no Golfo de Omã.[110]

Em 29 de dezembro, ataques aéreos americanos alvejaram milícias xiitas apoiadas pelo Irã no Iraque e na Síria, matando 25 militantes e ferindo pelo menos outros 55. O Departamento de Defesa dos Estados Unidos informou que a operação ocorreu em retaliação por ataques repetidos às bases militares iraquianas que hospedam as forças da coalizão Operação Resolução Inerente (Operation Inherent Resolve, OIR), particularmente o ataque de 27 de dezembro de 2019 a uma base aérea de Kirkuk que deixou um contratado civil morto e 4 soldados estadunidenses feridos.[111][112] Os ataques aéreos foram o maior ataque desse tipo contra uma milícia iraquiana pelas forças americanas em anos. O Kata'ib Hizbollah, uma milícia muçulmana xiita que tem ligações com o Irã,[113] negou a responsabilidade pelos ataques.[114]

Em 31 de dezembro, a Embaixada dos EUA em Bagdá é atacada milicianos apoiados pelo Irã.

Janeiro de 2020: ataque ao Aeroporto Internacional de Bagdá[editar | editar código-fonte]

Em 3 de janeiro, o presidente Donald Trump aprova o assassinato direcionado do general iraniano Qasem Soleimani e do líder paramilitar iraquiano Abu Mahdi al-Muhandis em Bagdá . Alguns analistas alertaram que o Irã pode retaliar. "Da perspectiva do Irã, é difícil imaginar um ato mais deliberadamente provocativo", disse Robert Malley, presidente do think tank International Crisis Group. "E é difícil imaginar que o Irã não retaliará de maneira altamente agressiva".[115]

A retaliação iraniana veio cinco dias depois, quando militares do Irã dispararam vários mísseis de curto alcance contra bases americanas em Al Asad e em Erbil. O ataque não causou danos ou mortes e então o governo americano decidiu não escalar o conflito e evitou contra-atacar, porém as tensões na região continuaram altas.[116][117]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Chulov, Martin. «Iran claims it has seized third oil tanker in Gulf as tensions with US rise». Cópia arquivada em 14 de setembro de 2019 – via www.theguardian.com 
  2. «US releases new images from suspected attacks on Gulf tankers». www.aljazeera.com. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2019 
  3. «Iranian Revolutionary Guard seizes foreign oil tanker in Persian Gulf: State media». ABC News. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2019 
  4. a b «UK-flagged tanker Stena Impero leaves Iranian port». Al Jazeera 
  5. a b «Stena Impero: Seized British tanker leaves Iran's waters». BBC News 
  6. a b «British-Flagged Tanker Leaves Iranian Waters After 2 Months Of Detention». NPR 
  7. a b «British Tanker Seized in July Leaves Iranian Port». Voice of America, Reuters 
  8. a b «British-Flagged Tanker Leaves Iran, Two Months After It Was Seized». New York Times 
  9. a b «Iran to free seven out of 23 crew members from detained British-flagged ship Stena Impero». The Voice 
  10. Review, Week in. «Putin's Gulf security plan depends on Trump». Al-Monitor. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2019 
  11. «Trump Withdraws U.S. From 'One-Sided' Iran Nuclear Deal». The New York Times 
  12. «Iran's Oil Production Has Hit Historic Lows As Saudis Take Market Share». Radio Farda 
  13. «Iran oil: US to end sanctions exemptions for major importers». BBC News 
  14. «Iran's Shift to a More Offensive Posture Could Be a Sign of Weakness». The Washington Institute 
  15. «The necessity of "effective reaction" against U.S. hybrid war». Tehran Times 
  16. «The Tension Between America and Iran, Explained». The New York Times. 16 de Maio de 2019. Cópia arquivada em 25 de Maio de 2019 
  17. «A timeline of the recent US-Iran standoff». TRT World. 16 de Maio de 2019. Cópia arquivada em 25 de Maio de 2019 
  18. «How the Trump administration got into a showdown with Iran that could lead to war». Business Insider. 25 de Maio de 2019. Cópia arquivada em 20 de Julho de 2019 
  19. «Eagles move as part of dynamic force deployment». U.S. Air Forces Central Command. Cópia arquivada em 25 de maio de 2019 
  20. «Pentagon bolsters force in Middle East with Marines and missiles to confront Iran». USA Today 
  21. «Oil tankers 'sabotaged' amid tensions» 
  22. «U.S. Government Claims Iran Is Behind Attacks On Oil Tankers, But Has Yet To Show Evidence». The Drive 
  23. «Trump says he'd send 'a hell of a lot more' than 120,000 troops to fight Iran if it came to that». Business Insider 
  24. «Yemen's Houthi Rebels Attack Saudi Oil Facilities, Escalating Tensions in Gulf». New York Times 
  25. Fredericks, Bob. «US orders non-essential embassy staff to leave Iraq». Cópia arquivada em 20 de julho de 2019 
  26. «Trump warns Iran not to fight the US: 'That will be the official end of Iran'». CNBC 
  27. «Tehran says Trump's 'genocidal taunts won't end Iran'». Cópia arquivada em 20 de julho de 2019 
  28. «Rocket attack hits near US Embassy in Baghdad's Green Zone». AP NEWS. Cópia arquivada em 20 de julho de 2019 
  29. «US orders new troops to Middle East to counter Iran 'threat'». Yahoo! News 
  30. «U.S. Blames Iran For Attack On Tankers, Iraq Rockets». Radio Farda 
  31. «Trump says there's 'no indication' of threatening actions by Iran». The Washington Post. Cópia arquivada em 24 de maio de 2019 
  32. «Trump approves $8bn Saudi weapons sale over Iran tensions». BBC 
  33. Murphy, Francois. «Iran Stays Within Nuclear Deal's Main Limits While Testing Another». Reuters. Cópia arquivada em 31 de maio de 2019 
  34. «U.S. prepared to talk to Iran without 'pre-conditions', Iran sees 'word-play'». Reuters 
  35. «US flexes military muscle in Arabian Sea but open to 'no preconditions' Iran talks». Arab News 
  36. «U.S. blames Iran for helping Houthi rebels shoot down drone in Yemen». Reuters (em inglês). Cópia arquivada em 28 de julho de 2019 
  37. «U.S. commander says American forces face 'imminent' threat from Iran». NBC News 
  38. «U.A.E. says 'sophisticated' tanker attacks likely the work of 'state actor'». CBC 
  39. «UAE tells U.N. 'state actor' was behind oil tanker attacks». Reuters 
  40. «Gulf crisis: US sends more troops amid tanker tension with Iran». BBC 
  41. «More U.S. Navy Personnel Deployed to Middle East Than Anywhere Else». USNI News 
  42. «Iran says it's 'completely ready for war' after US military confirms it shot down American drone». ABC News 
  43. «What We Know About Iran Shooting Down a U.S. Drone» – via NYTimes.com 
  44. AFP, Reuters | AP |. «Trump says Iran drone shooting may have been 'mistake'». DAWN.COM (em inglês). Cópia arquivada em 20 de junho de 2019 
  45. «U.S. requests UN Security Council meeting on Iran – diplomats» 
  46. «Donald Trump 'cancelled Iran strikes with planes in the air'». Cópia arquivada em 25 de julho de 2019 – via www.theguardian.com 
  47. «'We were cocked & loaded': Trump's account of Iran attack plan facing scrutiny». Washington Post. Cópia arquivada em 22 de julho de 2019 
  48. «Trump Approves Strikes on Iran, but Then Abruptly Pulls Back». The New York Times 
  49. «President Trump ordered military strike on Iran, but reversed at last second: Sources». ABC News. Cópia arquivada em 2 de julho de 2019 
  50. «Trump approved cyber-strikes against Iran's missile systems». Washington Post 
  51. «The Latest: Bolton says US 'prudence' on Iran isn't weakness». Associated Press 
  52. «US security adviser Bolton in Israel tells Iran 'prudence' is not 'weakness'». DW News 
  53. «US secretary of state seeks global coalition in the Middle East against Iran amid rising tensions». CNBC 
  54. «Iran Has Ties to Al Qaeda, Trump Officials Tell Skeptical Congress» – via NYTimes.com 
  55. Hirsh, Michael. «U.S. Intelligence Undercuts Trump's Case on Iran-al Qaeda Links». Cópia arquivada em 20 de julho de 2019 
  56. «Pentagon Official: We Didn't Link Iran to al-Qaeda In Hill Briefings». Defense One 
  57. «Trump issues "hard-hitting" Iran sanctions». CBS News. 24 de Junho de 2019. Cópia arquivada em 27 de Junho de 2019 
  58. «Executive Order on Imposing Sanctions with Respect to Iran». White House.gov. 24 de Junho de 2019. Cópia arquivada em 23 de Julho de 2019 
  59. «Latest sanctions on Iran will block 'billions' in assets: US». France 24. 24 de Junho de 2019. Cópia arquivada em 24 de Junho de 2019 
  60. Zilbermints, Regina. «EXCLUSIVE: Trump: I do not need congressional approval to strike Iran». TheHill. Cópia arquivada em 20 de julho de 2019 
  61. «Iran's refusal to negotiate under new sanctions could push Trump closer to his hawkish advisors, and nudge the US towards full-on war». Business Insider. Cópia arquivada em 20 de julho de 2019 
  62. «Iranian FM: Sanctions aren't alternative to war, they are war». Jerusalem Post 
  63. «F-22s Deploy to Qatar for the First Time Amid Iran Tensions». Military.com 
  64. «U.S. Marines jam an Iranian drone in the Gulf, destroying it». NBC News 
  65. «US may have downed more than one Iranian drone last week, top general says». www.timesofisrael.com. Cópia arquivada em 24 de julho de 2019 
  66. «SANCTIONS REGULATIONS 2019 (LN.2019/131)» (PDF). Gibraltar 
  67. «Grace 1 – Gibraltar passes new law to seize ship and exposes "British" tankers to reciprocal action by Iran». Tatham Law. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2019 
  68. «Gibraltar sanctions laws & Grace 1 designation». EU Sanctions. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2019 
  69. (PDF) http://www.gfiu.gov.gi/uploads/UcjV5_Financial_Sanctions_Guidance_Notes_v1.0.pdf  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  70. «COUNCIL REGULATION (EU) No 36/2012». EU Council 
  71. a b «SPECIFIED SHIP NOTICE 2019 (LN.2019/132)» (PDF) 
  72. «Gibraltar police release all crew members of detained Iranian tanker». Cópia arquivada em 15 de julho de 2019 – via www.reuters.com 
  73. Welle (www.dw.com), Deutsche. «Iran threatens to seize UK ship over Gibraltar incident | DW | 05.07.2019». DW.COM. Cópia arquivada em 25 de julho de 2019 
  74. «Gibraltar extends detention of Iranian tanker for a month». Cópia arquivada em 25 de julho de 2019 – via www.reuters.com 
  75. a b «Concern grows over oil tanker last seen off Iran». The Guardian. Cópia arquivada em 24 de julho de 2019 
  76. «Iranian boats 'tried to intercept British tanker'». Cópia arquivada em 24 de julho de 2019 – via www.bbc.com 
  77. «Iranian boats 'attempted to impede' British oil tanker in strait of Hormuz». Cópia arquivada em 25 de julho de 2019 – via www.theguardian.com 
  78. «UK deploys destroyer to Arabian Gulf as Iran tensions heighten». The National. Cópia arquivada em 18 de julho de 2019 
  79. «Oil tanker last seen near Iranian territory missing as Tehran vows "response" to seizure of its own ship». www.cbsnews.com. Cópia arquivada em 23 de julho de 2019 
  80. «Iran to release seven crew members of detained British tanker». Reuters (em inglês) 
  81. «Iran seizes British tanker in Strait of Hormuz». Cópia arquivada em 25 de julho de 2019 – via www.bbc.com 
  82. «Iran releases footage of commando raid on seized British-flagged tanker». www.timesofisrael.com. Cópia arquivada em 24 de julho de 2019 
  83. Ma, Alexandra. «Iran releases awkward video purporting to show seized British tanker crew cooking on board 3 days after they were captured». Business Insider. Cópia arquivada em 25 de julho de 2019 
  84. «Iran pens letter to UN to clarify on seizure of UK oil tanker». Mehr News Agency. Cópia arquivada em 25 de julho de 2019 
  85. «Letter dated 23 July 2019 from the Chargé d' affaires a.i. of the Permanent Mission of the Islamic Republic of Iran to the United Nations addressed to the Secretary-General and the President of the Security Council». United Nations Security Council. S/2019/593. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2019 
  86. «U.K. warns Iran of "serious consequences" if tanker isn't released». www.cbsnews.com. Cópia arquivada em 25 de julho de 2019 
  87. editor, Patrick Wintour Diplomatic. «Iran hints at ship swap with UK amid de-escalation efforts». Cópia arquivada em 25 de julho de 2019 – via www.theguardian.com 
  88. Haltiwanger, John. «Trump is sanctioning Iran's top diplomat and it will likely make it harder to avoid military conflict». Business Insider. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2019 
  89. «'Difficult to see' if Iran breached Syria oil sale agreement, Gibraltar chief minister says». Daily Telegraph 
  90. a b https://www.bbc.co.uk/sounds/play/m0008bjw  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  91. «Gibraltar Releases Iranian Tanker Despite U.S. Intervention». The Wall Street Journal. Cópia arquivada em 18 de agosto de 2019 
  92. «Iran denies giving guarantees to divert seized tanker's destination». Middle East Monitor (em inglês). Cópia arquivada em 19 de agosto de 2019 
  93. Kurdistan24. «Iran says it will continue to send oil to Syria as supertanker's release nears». Kurdistan24 (em inglês). Cópia arquivada em 19 de agosto de 2019 
  94. «Iran Dismisses Rumors about Giving Commitments to UK». en.farsnews.com. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2019 
  95. «Iran's Ambassador To UK Says Tehran Has Given No Guarantees To Free Tanker». RFE/RL (em inglês). Cópia arquivada em 19 de agosto de 2019 
  96. «U.S. Issues Warrant to Seize Iranian Oil Tanker in Gibraltar». The Wall Street Journal. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2019 
  97. «Gibraltar Rejects U.S. Attempt to Detain Iranian Tanker». The Wall Street Journal. Cópia arquivada em 18 de agosto de 2019 
  98. «Iran tanker row: Gibraltar rejects US request to detain ship». BBC News 
  99. US blacklists Iranian-operated Adrian Darya 1, sanctions captain Arquivado em 2019-09-05 no Wayback Machine. Young Hournalists Club
  100. US offered millions in cash to captain of Iranian tanker Arquivado em 2019-09-05 no Wayback Machine. Aljazeera
  101. «Iranian tanker row: Oil 'sold' in defiance of US threats». Cópia arquivada em 11 de setembro de 2019 – via www.bbc.co.uk 
  102. «Britain accuses Iran of selling Adrian Darya 1 tanker oil to Syria». Reuters (em inglês) 
  103. «Gibraltar Chief Minister says Iran has not breached law». Tehran Times 
  104. «Saudi oil attack drones launched in Iran - US officials». Cópia arquivada em 17 de setembro de 2019 – via www.bbc.com 
  105. «Iran seizes vessel 'smuggling diesel fuel' to UAE». Hola Buzz 
  106. «British tanker docks in Dubai after detention by Iran». Reuters 
  107. «Royal Navy destroyer returns from defending British shipping in Hormuz Strait». BT Group 
  108. «US-led coalition launches procedure to secure Gulf waters». GO Tech Daily. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2019 
  109. Lee, Matthew (5 de dezembro de 2019). «US considers sending several thousand more troops to Mideast». Associated Press 
  110. CNN, Ben Westcott and Hamdi Alkhshali. «China, Russia and Iran hold joint naval drills in Gulf of Oman». CNN 
  111. «Statement From Assistant to the Secretary of Defense Jonathan Hoffman». U.S. Department of Defense. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2019 
  112. Salim, Liz; Ryan, Missy; Sly; Hudson, John (3 de janeiro de 2020). «In major escalation, American strike kills top Iranian commander in Baghdad». National Security. The Washington Post 
  113. «American Airstrikes Rally Iraqis Against U.S.». Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2020 – via NYTimes.com 
  114. [https://web.archive.org/web/20200103022034/https://www.nytimes.com/2020/01/02/world/middleeast/qassem-soleimani-iraq-iran-attack.html Arquivado em 2020-01-03 no Wayback Machine. U.S. Strike in Iraq Kills Qassim Suleimani, Commander of Iranian Forces]. Suleimani was planning attacks on Americans across the region, leading to an airstrike in Baghdad, the Pentagon statement said. Iran’s supreme leader called for vengeance.By Michael Crowley, Falih Hassan and Eric Schmitt. Published Jan. 2, 2020. NY Times.]
  115. «Iran warns US not retaliate over missile attack in Iraq». AP NEWS. 8 de janeiro de 2020. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  116. «U.S. and Iran Back Away From Open Conflict». The Wall Street Journal. Consultado em 11 de janeiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]