Cristiano I, Príncipe de Anhalt-Bernburg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cristiano I, Príncipe de Anhalt-Bernburg
Príncipe de Anhalt-Bernburg
Reinado 6 de dezembro de 1586
a 17 de abril de 1630
Antecessor(a) Joaquim Ernesto, Príncipe de Anhalt
Sucessor(a) Cristiano II, Príncipe de Anhalt-Bernburg
 
Esposa Ana de Bentheim-Steinfurt-Tecklenburg-Limburg
Descendência Frederico Cristiano de Anhalt-Bernburg

Amália Juliana de Anhalt-Bernburg
Cristiano II, Príncipe de Anhalt-Bernburg
Leonor Maria de Anhalt-Bernburg
Filha nadomorta
Sibila Isabel de Anhalt-Bernburg
Ana Madalena de Anhalt-Bernburg
Ana Sofia de Anhalt-Bernburg
Luísa Amália de Anhalt-Bernburg
Ernesto de Anhalt-Bernburg
Amöena Juliana de Anhalt-Bernburg
Inês Madalena de Anhalt-Bernburg
Frederico, Príncipe de Anhalt-Harzgerode
Sofia Margarida de Anhalt-Bernburg
Doroteia Matilde de Anhalt-Bernburg
Frederico Luís de Anhalt-Bernburg

Casa Ascania
Nascimento 11 de maio de 1568
  Bernburg, Alemanha
Morte 17 de abril de 1630 (61 anos)
  Bernburg, Alemanha
Pai Joaquim Ernesto, Príncipe de Anhalt
Mãe Inês de Barby-Mühlingen
Religião Calvinista

Cristiano I, Príncipe de Anhalt-Bernburg, também conhecido como Cristiano de Anhalt (11 de maio de 156817 de abril de 1630) foi um príncipe alemão da Casa de Ascania. Foi o príncipe governante de Anhalt e governante do novo principado de Anhalt-Bernburg a partir de 1603. Em 1595, tornou-se governador da província do Alto Palatinado, e, pouco tempo depois, tornou-se conselheiro de Frederico IV, Eleitor Palatino.

Vida[editar | editar código-fonte]

Cristiano foi o segundo filho de Joaquim Ernesto, Príncipe de Anhalt, e da sua primeira esposa, a princesa Inês de Barby-Mühlingen. Nascido em Bernburg, a partir de 1570, Cristiano passou a ser educado em Dessau por Caspar Gottschalk em latim, italiano e francês. Quando era ainda uma criança, participou em missões diplomáticas em locais como Constantinopla; graças a esta educação, tornou-se um diplomata ambicioso e moderno.

Nos primeiros meses de 1686, viajou até Dresden, onde viveu durante vários anos com um dos seus amigos mais próximos, Cristiano I, Príncipe-Eleitor da Saxónia, com quem partilhava simpatias pelo Calvinismo. Sabe-se que sofreu de alcoolismo durante a sua estadia na corte da Saxónia.

Depois de herdar as terras da sua família em Dezembro desse mesmo ano (1586), Cristiano continuou a defender o Calvinismo e, mais tarde, tornou-se conselheiro de Frederico IV, Eleitor Palatino. Em 1591, liderou o exército do Palatinado para ajudar o rei de França, Henrique IV. Quando surgiu uma disputa relativamente ao Bispado de Estrasburgo —a chamada Guerra dos Bispos —em 1592, Cristiano apoiou Brandenburgo contra Lorena. Em 1595, tornou-se governador da província do Alto Platinado por nomeação de Frederico IV e passou a residir em Amberg.

Em 1603, o principado de Anhalt foi dividido formalmente entre Cristiano e os seus irmãos. Nas partilhas, ficou com Bernburg, tendo-se esforçado por renovar este antigo principado que estava extinto desde 1468.

Como diplomata, Cristiano teve um papel preponderante na criação da União Protestante em 1608. Após a morte do príncipe-eleitor Frederico IV, passou a servir o seu filho, Frederico V, e foi nomeado para comandar as forças protestantes para defender a Boémia contra o sacro-imperador Fernando II e os seus aliados quando os nobres desse país elegeram Frederico como rei em 1619. Nesse mesmo ano, Cristiano foi aceite na Sociedade Frutífera. Quando as forças da Boémia foram derrotadas na Batalha da Montanha Branca em 1620, Cristiano aconselhou Frederico a não tentar atacar Praga. Em 1621, em resposta à sua associação com os Palatinados, Cristiano recebeu uma interdição imperial que o tornou persona non grata no Sacro Império Romano-Germânico e fez com que perdesse as suas terras.

Cristiano fugiu primeiro para a Suécia, e depois tornou-se convidado do rei Cristiano IV na Dinamarca. Pediu clemência ao sacro-imperador Fernando em 1624 e teve permissão para voltar ao seu principado, onde morreu seis anos depois.

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Cristiano casou-se em Lorbach no dia 2 de Julho de 1595 com a princesa Ana de Bentheim-Steinfurt-Tecklenburg-Limburg. Juntos, tiveram dezasseis filhosː

  1. Frederico Cristiano de Anhalt-Bernburg (nasceu e morreu a 2 de Maio de 1596).
  2. Amália Juliana de Anhalt-Bernburg (10 de Setembro de 1597 - 11 de Agosto de 1605), morreu aos oito anos de idade.
  3. Cristiano II, Príncipe de Anhalt-Bernburg (11 de Agosto de 1599 - 22 de Setembro de 1656), casado com a princesa Leonor Sofia de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Plö; com descendência.
  4. Leonor Maria de Anhalt-Bernburg (7 de Agosto de 1600 - 17 de Julho de 1657), casada com João Alberto II, Duque de Mecklenburg-Güstrow; com descendência.
  5. Filha nadomorta (nascida e morta em Maio de 1601).
  6. Sibila Isabel de Anhalt-Bernburg (10 de Fevereiro de 1602 - 15 de Agosto de 1648), morreu solteira e sem descendência.
  7. Ana Madalena de Anhalt-Bernburg (8 de Março de 1603 - 30 de Outubro de 1611), morreu aos oito anos de idade.
  8. Ana Sofia de Anhalt-Bernburg (10 de Junho de 1604 - 1 de Setembro de 1640), morreu solteira e sem descendência
  9. Luísa Amália de Anhalt-Bernburg (14 de Janeiro de 1606 - 17 de Outubro de 1635), morreu solteira e sem descendência.
  10. Ernesto de Anhalt-Bernburg (19 de Maio de 1608 - 3 de Dezembro de 1632), coronel de um regimento de cavalaria do exército da Saxónia, morreu na Batalha de Lützen (1632).
  11. Amöena Juliana de Anhalt-Bernburg (13 de Novembro de 1609 - 31 de Julho de 1628), morreu aos dezanove anos de idade.
  12. Inês Madalena de Anhalt-Bernburg (8 de Outubro de 1612 - 17 de Julho de 1629), morreu aos catorze anos de idade.
  13. Frederico, Príncipe de Anhalt-Harzgerode (16 de Novembro de 1613 - 30 de Junho de 1670), casado primeiro com a princesa Joana Isabel de Nassau-Hadamar; com descendência. Casado depois com a princesa Ana Catarina de Lippe-Detmold; sem descendência.
  14. Sofia Margarida de Anhalt-Bernburg (16 de Setembro de 1615 - 27 de Dezembro de 1673), casada com João Casimiro, Príncipe de Anhalt-Dessau.
  15. Doroteia Maria de Anhalt-Bernburg (11 de Agosto de 1617 - 7 de Maio de 1656), morreu solteira e sem descendência.
  16. Frederico Luís de Anhalt-Bernburg (17 de Agosto de 1619 - 29 de Janeiro de 1621), morreu aos dois anos de idade.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Os antepassados de Cristiano I, Príncipe de Anhalt-Bernburg em três gerações[1]
Cristiano I, Príncipe de Anhalt-Bernburg Pai:
Joaquim Ernesto, Príncipe de Anhalt
Avô paterno:
João V, Príncipe de Anhalt-Zerbst
Bisavô paterno:
Ernesto I, Príncipe de Anhalt-Dessau
Bisavó paterna:
Margarida de Münsterberg
Avó paterna:
Margarida de Brandemburgo, Duquesa da Pomerânia
Bisavô paterno:
Joaquim I Nestor, Príncipe-Eleitor de Brandemburgo
Bisavó paterna:
Isabel da Dinamarca, Princesa-Eleitora de Brandemburgo
Mãe:
Inês de Barby-Mühlingen
Avô materno:
Wolfgang I de Barby-Mühlingen
Bisavô materno:
Burkhart V de Barby-Mühlingen
Bisavó materna:
Madalena de Mecklemburgo
Avó materna:
Inês de Mansfeld zu Mittel-Ort
Bisavô materno:
Gerardo VII de Mansfeld
Bisavó materna:
Margarida de Gleichen

Referências

  1. The Peerage, consultado a 24 de Novembro de 2015
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Cristiano I, Príncipe de Anhalt-Bernburg

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Parker, Geoffrey (ed.) (1997): The Thirty Years' War: Second Edition. Routledge.
  • Pursell, Brennan C. The Winter King. Aldershot: Ashgate, 2003.
  • Yates, Frances. The Rosicrucian Enlightenment. London; New York: Routledge, 1972. ISBN 0-415-26769-2