Cristianofobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Cristofobia contemporânea é a perseguição a cristãos por razões políticas.

Leste europeu[editar | editar código-fonte]

Na Ucrânia os cristãos ortodoxos são perseguidos por ultra-nacionalistas.[1] Houve um apoio na Guerra Civil Iugoslava ao extermínio dos ortodoxos sérvios em território croata.[2]

Síria[editar | editar código-fonte]

Uma cristã agredida.

A primavera árabe teve um forte impacto sob a oposição a ponto do lema dela ser: "Alauítas para o túmulo e os cristãos para Beirute".[3] Durante o conflito na atualidade, se teve o massacre de Sadad, o segundo maior massacre da história do Oriente Médio contra os cristãos e o maior massacre contra esta religião da história da Síria.[4] Os alauítas por terem se associado ao Estado sírio, também sofreram massacres.[5] Houve também em 2015 a extinção de 2 cidades cristãs no Levante pelo Al-jayš as-suri al-ħurr, o que levou ao deslocamento forçado de 80 mil pessoas[6] Sedqi al-Maqet, membro da minoria drusa da Síria, denunciou que a Shabak estava armando rebeldes fundamentalistas para cometerem massacres.[7] Segundo Aron Lund que escreve para a Fundação Carnegie para Desenvolvimento Internacional da Paz, não existe grupo rebelde secular ou que respeite os direitos humanos naquele país.[8] Os grupos de oposição também tem perseguido e assassinado jornalistas de outras religiões[9] e lideranças cristãs tem declarado apoio militar ao governo.[10] Os curdos do YPG também tem travado conflito contra cristãos[11]

Líbano[editar | editar código-fonte]

Massacres contra cristãos foram perpetrados no país ao longo das décadas de 70 e 80.[12][13][14][15] Apesar disso, os maiores massacres foram de cristãos contra muçulmanos.[16]

Israel[editar | editar código-fonte]

No país, devido a forte presença no imaginário da sociedade israelense a discriminação contra semitas, existe uma crescente violência contra os cristãos por serem de maioria palestina e árabe.[17]

Líbia e Egito[editar | editar código-fonte]

O governo de Muammar al-Gaddafi fez questão de proteger os cristãos para que em troca se evitasse o envolvimento excessivo deles na política.[18] e lideranças cristãs do país chegaram a afirmar que "Sob Gadhafi, fomos protegidos".[19] Depois dos rebeldes derrubarem Muammar para implantarem a sharia,[20] o Estado Islâmico decapitou 21 cristãos coptas naturais do Egito, levando a entrada do governo egípcio no conflito.[21]

Referências

  1. Patriarch Kirill accuses Ukrainian Greek-Catholics of Russophobia
  2. A. J. Bellamy, The Formation of Croatian National Identity: A Centuries-Old Dream, Manchester−New York: Manchester University Press, 2003
  3. Poisons of sectarianism have seeped into Syrian character
  4. «Syriac Orthodox Archbishop Alnemeh: "In Sadad, the largest massacre of Christians in Syria"». Associated Press (em inglês). Agência Fides. 21 de janeiro de 2014. Consultado em 18 de outubro de 2014. 
  5. «"You Can Still See Their Blood"» (PDF). HRW (em inglês). HRW. 21 de janeiro de 2014. Consultado em 18 de outubro de 2014. 
  6. «Syria's Crumbling Pluralism»  The New York Times, Kapil Komireddi, 3 de agosto de 2012
  7. Israel moves to cover-up its alliance with al-Qaeda in Syria
  8. U.S. Pins Hope on Syrian Rebels With Loyalties All Over the Map
  9. Syria unrest: French journalist Gilles Jacquier killed
  10. Bishop: Syrian Christians called to "take up arms"
  11. Assyrian Christians Battle Kurds in Syria
  12. Israel undercover: secret warfare and hidden diplomacy in the Middle East By Steve Posner, ISBN 0-8156-0220-0, ISBN 978-0-8156-0220-0, p. 2
  13. J. Becker: The PLO: The Rise and Fall of the Palestine Liberation Organization, Weidenfeld and Nicolson, 1984, p. 124 [1] qtd in [2] [3]
  14. «Articles > PLO Policy towards the Christian Community during the Civil War in Lebanon». ICT. Consultado em 5 de julho de 2012. 
  15. The PLO: The Rise and Fall of the Palestine Liberation Organization, Weidenfeld and Nicolson, 1984, p. 124 [4] qtd in [5] [6]
  16. Malone, Linda A. (1985). «The Kahan Report, Ariel Sharon and the SabraShatilla Massacres in Lebanon: Responsibility Under International Law for Massacres of Civilian Populations». Utah Law Review: 373–433. Consultado em 1 de janeiro de 2013. 
  17. ROBERT ROSS (5 de setembro de 2013). «Palestinian Christians under attack». Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos (em inglês). Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos. Consultado em 18 de outubro de 2014. 
  18. «Are Christians facing extinction on the Arab street?» Massimo Franco, The Guardian, 1 de novembro de 2011
  19. «Christians in Libya face uncertainty as opposition strengthens support» )
  20. «Printemps arabes? Hivers islamiques?»  União de judeus progressistas da Bélgica, PAUL DELMOTTE, 1 de Dezembro de 2011.
  21. «Egito bombardeia alvos do Estado Islâmico na Líbia após 21 decapitações»  Reuters, Omar Fahmy e Yara Bayoumy, segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015.