Cristina Pereira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde novembro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Cristina Pereira
Cristina Pereira em maio de 2011.
Nome completo Maria Cristina Teixeira Pereira
Nascimento 9 de agosto de 1950 (68 anos)
São Paulo,  São Paulo
 Brasil
Ocupação Atriz, humorista, apresentadora e diretora
Atividade 1975–presente
Cônjuge Rafael Ponzi (1977–94)
IMDb: (inglês)

Maria Cristina Teixeira Pereira mais conhecida como Cristina Pereira (São Paulo, 9 de agosto de 1950) é uma atriz, humorista, apresentadora e diretora brasileira. Foi integrante do extinto programa TV Pirata, grande sucesso da comédia, gênero de boa parte de seu trabalho. É filiada ao Movimento Humanos Direitos.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Cristina Pereira nasceu na cidade de São Paulo, no dia 9 de agosto de 1949. Estudou Artes Cênicas na Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo (EAD/USP), onde se formou, em 1970. Cursou, também, Letras na mesma universidade até o último ano em 1972. Em 1992, juntamente com Paulo Betti, Antônio Grassi, Eliane Giardini, entre outros sócios, funda a Casa da Gávea, centro cultural com aulas de teatro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Seu primeiro trabalho foi no espetáculo Chico-Rei, de Walmir Ayala, com direção de Roberto Lage. Em seguida participou de vários outros espetáculos, entre os quais estão: Missa Leiga, O Cais do Sodré, Equus, Jogos na Hora da Sesta, A Aurora da Minha Vida, O Amigo da Onça, Tantã, Dona Rosita, a solteira e Closet Show e Sábado, Domingo e Segunda, pelo qual ganhou o Prêmio Mambembe de Melhor Atriz Coadjuvante de 1986.

Em agosto de 1979 estreiava nas telenovelas a atriz Cristina Pereira. Seu primeiro trabalho foi em Dinheiro Vivo na Rede Tupi de televisão. Na telenovela deu a vida à personagem Garapa, e ficou no ar até o dia 26 de Janeiro de 1980. Em 1982, quando fazia A Aurora da Minha Vida, foi convidada para atuar em Elas por Elas. Foi quando Cristina transferiu-se para o Rio de Janeiro. Desde então, Cristina fez diversas participações em telenovelas, minisséries e programas, em grande maioria interpretando personagens cômicos de enorme sucesso.

Após dois anos fora do ar, em 1982, a atriz foi convidada pelo grande autor Cassiano Gabus Mendes para participar de Elas por Elas, novela do horário das sete horas da Rede Globo. Onde viveu a cômica Ieda Furtado, filha de Márcia (Eva Wilma e Átila (Mauro Mendonça), uma moça feiosa, romântica e solitária, sempre sonhando com um rapaz ao seu lado, porém sua insegurança torna impossível ela ter um relacionamento sério. Quando finalmente René (Reginaldo Faria) se aproxima da moça, ela desconfia de seu sentimento e pensa que ele está apenas interessado em seu dinheiro. No ano seguinte, participa da primeira versão de Guerra dos Sexos, de Sílvio de Abreu na Rede Globo. Vivendo outra personagem cômica, Afrodite apelidada de Frô. Ela gosta de ser chamada por seu nome inteiro por ser o nome da deusa da beleza. Porém Afrodite é feiosa e não tem nenhuma sorte no amor. Ela é responsável por cuidar da lanchonete de uma das lojas Charlô's e crê que todos os rapazes, principalmente os mais bonitos, estão de olho nela.

Já em Vereda Tropical, de Carlos Lombardi, interpreta a geniosa Gabi, filha adotiva de Oliva (Walmor Chagas). Irreverente, Gabi não tem papas na língua, é uma brilhante estudante porém não consegue terminar o curso superior pois é sempre expulsa antes. Gabi ama seu pai mas tem problemas ao submeter-se às ordens dele. Em 3 de outubro de 1986 fez uma participação especial no último capítulo da novela Cambalacho de Silvio de Abreu, interpretando Daniela, a verdadeira filha da protagonista Naná (Fernanda Montenegro). Em 1987 transferiu se para a Rede Manchete participando da telenovela Corpo Santo, dando vida à Isaura. Após um mês do término da novela, Cristina volta à Rede Globo, em novembro de 1987. É convidada por Silvio de Abreu para participar da novela Sassaricando onde vive a mimada Fedora Abdalla Varela, a Fefê. Filha de Aparício Varela (Paulo Autran) e Teodora Abdala (Jandira Martini), é voluntariosa como a mãe, se sente a dona do mundo. Se apaixona completamente por Leozinho (Diogo Vilela), que inicialmente tinha planos de matá-la para ficar com todo seu dinheiro.

Em 1988, ao lado de Cláudia Raia, Louise Cardoso, Diogo Vilela, Débora Bloch, Guilherme Karan, Ney Latorraca, Luiz Fernando Guimarães, Marco Nanini e Regina Casé, estreia o programa humorístico TV Pirata, onde interpretavam diversos personagens em vários quadros. O programa ficou no ar até 1992 porém, Cristina deixou o elenco em 1991. Contou também com as participações de Pedro Paulo Rangel, Denise Fraga, Marisa Orth, Maria Zilda Bethlem e Antônio Calloni.

Em 1991 fez uma participação especial em Vamp. Ficou dez anos afastada das telenovelas da Rede Globo e, em 2001, a atriz volta à atuar em As Filhas da Mãe de Silvio de Abreu. Interpretando a governanta Divina, trabalha na casa de Arthur Brandão (Raul Cortez). Ela não suporta a idéia de ter outra mulher no apartamento de Brandão, ela é apaixonada por seus patrões. Para afogar suas mágoas, toda noite afunda-se em copos de cerveja e vai diariamente trabalhar de ressaca.

Durante 2004 e 2006, fica em cartaz com a peça Abalou Bangu, ao lado de André Valli. Em 2008, atua em Alzira Power de Antônio Bivar, e, em 2009, volta à cena em A Tartaruga de Darwin, comemorando 40 anos de carreira. Além de atriz, Cristina também dirigiu e produziu diversos espetáculos para teatro, como Morte e Vida Severina, História de Cronópios e de Famas, Amigas, Querida Mamãe e, em 2002, Entre o Céu e o Inferno, com texto de sua autoria e Teresa Montero, baseado na obra de Gil Vicente.

No cinema, estreou no filme O Rei da Noite, de Hector Babenco, e tornou-se nacionalmente conhecida, dois anos depois, fazendo a adolescente do filme Mar de Rosas, de Ana Carolina. Protagonizou ainda a estreia do cartunista Henfil na direção de cinema, em Tanga, Deu no New York Times, pelo qual recebeu o Prêmio Sol de Ouro no Rio Cine Festival. Outros filmes em que trabalhou foram: Romance da Empregada, Trair e Coçar é só Começar, Mais uma Vez Amor, Xuxa Abracadabra, Poeta de Sete Faces" e outros.

Em 2006 assina com a Rede Record para atuar na novela Vidas Opostas. Na emissora permaneceu até 2014, neste período a atriz acumulou alguns trabalhos na emissora, como: a série A Lei e o Crime (2009), uma participação especial em Ribeirão do Tempo (2011), a empregada doméstica Josefina Barros em Balacobaco (2012) e por último a minissérie bíblica Milagres de Jesus (2014).

Em 2016, à convite do autor Daniel Ortiz, Cristina volta às novelas na Rede Globo em Haja Coração, um reboot de Sassaricando, como a megera cômica Safira Abdalla. No final do ano renova com a TV Globo e entra para o elenco da próxima novela das sete, Pega Pega como a cômica Prazeres.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 1977 se casou com o ator e diretor Rafael Ponzi, de quem veio à se separar em 1994.[2] Do relacionamento nasceram seus filhos Letícia, nascida em 1979, e Lourenço, nascido em 1990.[2]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem Nota
1979 Dinheiro Vivo Gláucia dos Santos (Garapa)
1982 Elas por Elas Yeda
1983 Guerra dos Sexos Afrodite Aparecida da Silva (Frô)
1984 Vereda Tropical Gabriela de Oliva Salgado (Gaby)
1986 Cambalacho Daniela Furtado Machado Participação especial no último capítulo
1987 Corpo Santo Isaura Souza
1987 Sassaricando Fedora Abdalla Varela Raposo (Fefê)
1988–1991 TV Pirata Vários personagens
1991 Vamp Luiza Camargo
1994–95 Confissões de Adolescente Diretora Marluce
1996 O Campeão Olímpia Costa Freire
2001 As Filhas da Mãe Dona Divina
2003 A Grande Família Odete Episódios: "Quem Ama Não" e "O Tio Mala"
Sítio do Picapau Amarelo Alista Episódio: "O Extraterrestre"
2004 Começar de Novo Lavínia Teodora
2005 A Lua Me Disse Cigana Roseta
2006 Floribella Julieta Máximo
2006 Vidas Opostas Margarida Ramos
2009 A Lei e o Crime Jussara Mattos
2011 Ribeirão do Tempo Matilde Muniz Rodrigues
2012 Balacobaco Josefina Barros / Marcelona Garanhona
2013 As Canalhas Madre Superior Carla Episódio: "Irmã Angélica"
2013 Noite de Arrepiar Madame Vivi Especial de final de ano
2014 Milagres de Jesus Darda Episódio: "O Homem Hidrópico"
2016 Haja Coração Safira Abdalla
2017 Pega Pega Maria dos Prazeres Mendes da Silva (Prazeres)
A Cara do Pai Diretora do colégio de Duda Episódio: "Show de Talentos"
2018 Tá no Ar: a TV na TV Militante[3] Episódio: "17 de abril"

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem Nota
1975 O Rei da Noite Maria das Dores
1978 Mar de rosas Betinha
1977 Elas São do Baralho Ana Maria
1981 P.S.: Post Scriptum Elícia
1982 Das Tripas Coração Amindra
1985 Brás Cubas Adriana
1987 Sonho de Valsa Célia
1987 Tanga (Deu no New York Times?) Guerrilheira
1987 Romance da Empregada Coizinha
1989 Luísa e os Outros Cidinha
2000 Amélia Anete
2002 Xuxa e os Duendes 2: No Caminho das Fadas Bruxa Bertilda
Poeta de Sete Faces Narradora Documentário
2003 Xuxa Abracadabra Mãe da Chapeuzinho Vermelho
2003 Por Um Fio Matilde
2005 Mais Uma Vez Amor' Berta
2006 Trair e Coçar É Só Começar Orávia
2008 O Sal da Terra Laura
2010 De Pernas pro Ar Rosa
2012 De Pernas pro Ar 2
2013 Giovanni Improtta Guiomar
2016 Tô Ryca Nedéia Pontes
2017 Fala Sério, Mãe! Dona Fátima

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Trabalho Resultado
1986 Prêmio Mambembe Melhor Atriz Coadjuvante Sábado, Domingo e Segunda Venceu
1987 Prêmio Sol de Ouro Rio Cine Festival Tanga, Deu no New York Times Venceu

Referências

  1. Humanosdireitos Página visitada em 03 de Junho de 2011.
  2. a b «Sentidos da beleza segundo Cristina Pereira». Terra. 13 de novembro de 2008 
  3. Ancelmo Gois (26 de março de 2018). «'Tá no ar' presta homenagem a humoristas da história da televisão». O Globo. Consultado em 31 de março de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]