Cristina Roldão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cristina Roldão
Nascimento 1980 (40 anos)
Tires
Cidadania Portugal
Alma mater ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa
Ocupação socióloga, investigadora, professora universitária

Cristina Roldão (Cristina Maria Pinto Roldão), (Tires, 1980), é uma socióloga portuguesa cuja investigação se foca nos temas da educação e exclusão, reconhecida pelo seu trabalho de ativismo social, antirracista e feminista.[1][2][3][4][5]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de cabo-verdianos, Cristina Roldão cresceu no Bairro das Faceiras, em Tires, concelho de Cascais, construído na década de 1980, receber os retornados das ex-colónias e famílias oriundas de Cabo Verde.[6][7][8]

Fez todo o seu percurso escolar em Portugal[2] e, quando chegou a altura de entrar no ensino superior, escolheu a vertente da Sociologia, nomeadamente o estudo das desigualdades raciais.[6]

Ao longo da sua carreira, tem procurado colocar na agenda académica, e pública, a questão dos afro-descendentes no sistema educativo.[6]

Tem sido uma voz ativa na exigência de que haja recolha de dados estatísticos étnico-raciais que permitam estudar o racismo e a exclusão.[9]   

Percurso[editar | editar código-fonte]

Após concluir o secundário foi estudar sociologia da educação no ISCTE. [10]

Cristina Roldão é socióloga, professora convidada da  Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém, é investigadora no CIES - Centro De Investigação De Estudos De Sociologia no ISCTE e membro da coordenação da secção temática Classes, Desigualdades e Políticas Públicas da revista da Associação Portuguesa de Sociologia. [11][12][13][14][15][16]

No que respeita ao acesso ao ensino superior, Cristina Roldão é defensora de uma políticas de quotas que permitam dotar os jovens afro-descendentes com mais capacidade para defenderem os direitos das suas comunidades, terem mobilidade social e participarem de forma mais igualitária na sociedade portuguesa. [17]

Além disso, tem sido uma voz activa na exigência de que haja recolha de dados estatísticos étnico-raciais que permitam estudar o racismo e a exclusão.[9][18] Fez parte do grupo de trabalho nomeado, em 2018, pelo governo português para estudar a possibilidade de se fazer um levantamento dos dados étnico-raciais nos censos da população portuguesa nos Censos de 2021. Apesar do parecer favorável da parte do grupo, o governo resolveu não avançar.[19][20][21][22]

Em Setembro 2016 foi convidada do podcast É Apenas Fumaça, do projecto de jornalismo independente Fumaça, para falar, juntamente com o sociólogo Pedro Abrantes, sobre o tema Racismo na Escola.[23]

Em Junho de 2017, foi oradora na conferência "Perpetuação do Colonialismo: Afro-descendentes e o Acesso ao Ensino" na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, na qual abordou o tema do "racismo institucional" e as suas consequências no percurso dos estudantes negros.[8][24]

Em Novembro de 2018, foi convidada do podcast Perguntar Não Ofende, do jornalista Daniel Oliveira, para responder à questão "Os Portugueses São Racistas?".[9]

Em 2019 foi organizadora da conferência de rede internacional Afroeuropeus: in/visibilidades negras contestadas, no ISCTE, em Lisboa. [25][26]

Em 2019 foi  signatária do Manifesto de solidariedade para com a deputada Joacine Katar Moreira: "No combate contra o racismo e na defesa da democracia"[27]

Em Abril de 2019, foi oradora na conferência “Afro-descendentes, racismo e relações de poder na (re)produção de conhecimento escolar”, no pólo francês da Fundação Calouste Gulbenkian que teve como parceira a Cátedra Lindley Cintra.[15]

Em 2019 tornou-se cronista do jornal diário português, Público.[28]

Obra[editar | editar código-fonte]

É co-autora de vários artigos científicos publicados entre os quais de destaca: Negro drama. Racismo, segregação e violência policial nas periferias de Lisboa.[13] É também co-autora de livros sobre  a integração dos afro-descendentes e imigrantes africanos em Portugal. [29]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Visão | "É preciso dizer que a mistura dos portugueses não era feita em pé de igualdade; e parte dela fez-se à custa da violação e da exploração sexual de mulheres negras"». Visão. 12 de julho de 2020. Consultado em 13 de julho de 2020 
  2. a b Lopes, Paula (27 de maio de 2019). «Cristina Roldão: "A escola está feita para uma criança de classe média, branca e urbana"». UALMedia. Consultado em 6 de julho de 2020 
  3. «Cristina Maria Pinto Roldão» (em inglês). ISCTE. Consultado em 7 de julho de 2020 
  4. Sousa, Ana Naomi de. «The Portuguese denied citizenship in their own country». www.aljazeera.com. Consultado em 6 de julho de 2020 
  5. «SIC Notícias | "Acho que nunca sou olhada sem que vejam a minha cor"». SIC Notícias. Consultado em 6 de julho de 2020 
  6. a b c Batista, Joana Gorjão Henriques, Sibila Lind, Frederico. «Dos manuais às universidades, onde está o racismo na escola?». PÚBLICO. Consultado em 6 de julho de 2020 
  7. Badcock, James (30 de julho de 2018). «El monumento a los esclavos que enfrenta a Portugal con su pasado colonial y con el racismo de hoy». BBC News Mundo (em espanhol) 
  8. a b «″É preciso descolonizar Portugal″ - DN». www.dn.pt. Consultado em 6 de julho de 2020 
  9. a b c «Cristina Roldão: "Os portugueses são racistas?"». Perguntar Não Ofende. Consultado em 6 de julho de 2020 
  10. «Entrevista a Cristina Roldão». Jornal de Sociologia da Educação. 30 de julho de 2018. Consultado em 6 de julho de 2020 
  11. Silva, Brenda. «Editorial». Revista APS (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2020 
  12. «Ciência-IUL - Autores» 
  13. a b Badcock, James (30 de julho de 2018). «El monumento a los esclavos que enfrenta a Portugal con su pasado colonial y con el racismo de hoy». BBC News Mundo (em espanhol) 
  14. «Researchgate» 
  15. a b Semedo, Luísa (12 de abril de 2019). «Cristina Roldão fala sobre racismo na Gulbenkian em Paris». LusoJornal. Consultado em 6 de julho de 2020 
  16. Lopes, Paula (27 de maio de 2019). «Cristina Roldão: "A escola está feita para uma criança de classe média, branca e urbana"». UALMedia. Consultado em 6 de julho de 2020 
  17. Welle (www.dw.com), Deutsche. «Afrodescendentes enfrentam discriminação em escolas portuguesas | DW | 23.03.2018». DW.COM. Consultado em 6 de julho de 2020 
  18. Barrio, Javier Martín del (8 de setembro de 2017). «A partir de 2021 o censo de Portugal pedirá a raça». EL PAÍS. Consultado em 6 de julho de 2020 
  19. Viegas, Nuno. «Branco, negro, cigano ou asiático? Censos 2021 devem perguntar a etnia, recomenda grupo de trabalho». Observador. Consultado em 6 de julho de 2020 
  20. «O Longo Lastro do Colonialismo». Esquerda (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2020 
  21. Henriques, Joana Gorjão. «INE chumba pergunta sobre origem étnico-racial no censos». PÚBLICO. Consultado em 6 de julho de 2020 
  22. «Despacho 7363/2018, 2018-08-03». Diário da República Eletrónico. Consultado em 6 de julho de 2020 
  23. «Cristina Roldão e Pedro Abrantes sobre Racismo na Escola». Fumaça. 15 de setembro de 2016. Consultado em 6 de julho de 2020 
  24. Oliva, Anderson Ribeiro; Marona, Marjorie Corrêa; Filice, Renísia Cristina Garcia; nascimento, Wanderson flor do (30 de junho de 2019). Tecendo redes antirracistas: Áfricas, Brasis, Portugal. [S.l.]: Autêntica 
  25. Henriques, Joana Gorjão. «Centenas debatem racismo e o que é ser negro na Europa "nos seus próprios termos"». PÚBLICO. Consultado em 7 de julho de 2020 
  26. «PROGRAM - 7TH BIENNIAL NETWORK CONFERENCE: "AFROEUROPEANS: BLACK IN/VISIBILITIES CONTESTED"» (PDF). Consultado em 7 de julho de 2020 
  27. «Manifesto de solidariedade com Joacine: "No combate contra o racismo e na defesa da democracia"». Jornal Expresso. Consultado em 6 de julho de 2020 
  28. «Cristina Roldão | Professora ESE-IPS e investigadora CIES-IUL». PÚBLICO. Consultado em 6 de julho de 2020 
  29. «Publicações - Cristina Roldão». Researchgate. Consultado em 9 de julho de 2020 
  30. «BNP - Imigrantes idosos». Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 7 de julho de 2020 
  31. «BNP - Vidas plurais». Biblioteca Nacional Portuguesa. Consultado em 7 de julho de 2020 
  32. Liberato, Ermelinda (10 de dezembro de 2012). «Fernando Luís Machado, Cristina Roldão, Alexandre Silva. Vidas Plurais: Estratégias de Integração de Imigrantes Africa-nos em Portugal». Cadernos de Estudos Africanos (24): 189–191. ISSN 1645-3794 
  33. Seabra (Coord.), Teresa; Roldão, Cristina; Mateus, Sandra; Albuquerque, Adriana (1 de julho de 2016). Caminhos Escolares de Jovens Africanos (PALOP) que Acedem ao Ensino Superior. [S.l.]: Observatório das Migrações, ACM, I.P. 
  34. Roldão, Cristina (2016). CAMINHOS ESCOLARES DE JOVENS AFRICANOS (PALOP) QUE ACEDEM AO ENSINO SUPERIOR (PDF). Lisboa: ALTO-COMISSARIADO PARA AS MIGRAÇÕES I.P. (ACM, I.P.) 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Vídeo - Racismo na Educação // Racism in Education | Cristina Roldão | TEDxAveiro