Crocodylia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Crocodilianos)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma caixa taxonómicaCrocodylia
Ocorrência: Cretáceo - Recente, 84–0 Ma
Crocodylidae-drawing.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Crocodylia
Gmelin, 1789
Distribuição geográfica
World.distribution.crocodilia.1.png
Famílias
Alligatoridae
Crocodylidae
Gavialidae
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Crocodylia

Crocodylia[nota 1] (crocodilianos) é uma ordem de répteis que inclui os crocodilos, jacarés, aligátores e os gaviais. Apareceram a cerca de 84 milhões de anos no final do período Cretáceo.

Os membros desta ordem distinguem-se dos outros répteis pelo sistema circulatório. Os crocodilianos têm um coração com quatro câmaras, ao contrário dos mamíferos o sangue oxigenado mistura-se com o sangue desoxigenado através de uma comunicação entre a artéria aorta e artéria pulmonar. Dentro do grupo, as famílias distinguem-se entre si pela morfologia da cabeça e características da dentição.

Evolução[editar | editar código-fonte]

A ordem dos crocodilos, que são répteis grandes, apareceram cerca de 84 milhões de anos atrás no final do Período Cretáceo.[carece de fontes?] São os parentes vivos mais próximos das aves, pois os dois grupos são os únicos sobreviventes conhecidos do Archosauria. Os membros do grupo dos crocodilos, o clado Crurotarsi, apareceram cerca de 220 milhões de anos no período Triássico e exibiram uma larga diversidade de formas durante a Era Mesozóica.

No passado, esses répteis eram crocodilos marinhos, com o corpo protegido por forte couraça, de focinho muito alongado, totalmente adaptado à vida aquática. É importante assinalar, que de uma maneira geral, a ocupação do nicho marinho, por parte dos crocodilianos, está, em geral, associada a um aumento do seu comprimento corporal e ao alongamento do focinho. Estes crocodilos viviam perto do litoral continental alimentando-se, principalmente, de cefalópodes e peixes. Presume-se que capacidades de locomoção terrestre eram muito limitadas, raramente deslocavam-se à terra, salvo talvez para fazerem a reprodução.[carece de fontes?] Também é pensado que os primeiros representantes de crocodilos teriam sido pequenos insetívoros bípedes. No começo do Jurássico, tinham uma aparência mais crocodiliana. Já no fim deste período, os animais crocodilomorfos eram ainda pequenos quadrúpedes, com cerca de um metro de comprimento, com os membros posteriores mais compridos do que os anteriores, o que revelava a sua ancestralidade bípede.

Os crocodilos modernos teriam aparecido no fim do Cretáceo e muitos dos seus representantes eram já muito semelhantes às formas atuais. O grupo distingue-se dos outros crocodilianos pelo seu palato secundário completo, formado pelas maxilas, palatinos e pterigóideos, bem como por outras características do esqueleto. Os modernos crocodilianos compreendem os crocodilos (Crocodylidae), os aligátores (Alligatoridae) e os gaviais (Gavialidae). As duas primeiras famílias são conhecidas desde o Cretácico e através de todo o Terciário, enquanto que a terceira, a qual inclui os gaviais, apenas é conhecida a partir do Eoceno.

Locomoção[editar | editar código-fonte]

Crocodilianos são excelentes nadadores. Durante a locomoção aquática, a cauda muscular ondula de lado a lado para conduzir o animal através da água enquanto os membros são mantidos junto ao corpo para reduzir a resistência.[2] Quando o animal precisa parar ou manobrar em uma direção diferente, os membros são soltos.

Crocodilo-do-nilo nadando. Sequência começa da direita para a esquerda.
Crocodilianos, como esse jacaré-americano, podem fazer caminhada alta com os membros mantidos quase na vertical, ao contrário de outros répteis.

Crocodilianos são menos adaptados para a movimentação em terra, e são incomuns entre os vertebrados por possuírem dois meios diferentes de locomoção terrestre: a "caminhada alta" e a "caminhada baixa". A caminhada alta de crocodilianos, com a barriga e a maior parte da cauda sendo mantida fora do chão, é única entre os répteis vivos. Esta lembra um pouco a caminhada de um mamífero, com a mesma sequência de movimentos dos membros: dianteiro esquerdo, posterior direito, dianteiro direito, posterior esquerdo.[3] A caminhada baixa é semelhante à caminhada alta, mas sem o corpo sendo levantado, e é bastante diferente da caminhada espalhada de salamandras e lagartos. O animal pode mudar de uma caminhada para a outra instantaneamente, mas a caminhada alta é o meio habitual de locomoção em terra.[4]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Os crocodilianos existentes estão classificados em 3 famílias, 9 gêneros e 25 espécies.

Filogenia[editar | editar código-fonte]

Cladograma segundo Brochu (1997):[5]

Eusuchia 

Hylaeochampsa




Allodaposuchus


 Crocodylia 
 Gavialoidea 

Eothoracosaurus




Thoracosaurus




Argochampsa




Eosuchus



Gavialidae








Borealosuchus




Pristichampsus


 Brevirostres 
 Alligatoroidea 

Leidyosuchus




?Deinosuchus


Globidonta

Stangerochampsa




Brachychampsa



Alligatoridae






Crocodyloidea

Prodiplocynodon




Asiatosuchus




Brachyuranochampsa




Harpacochampsa



Crocodylidae












Notas

  1. Richard Owen usou Crocodilia em 1842, essa grafia com -i- foi utilizada posteriormente em várias publicações, entretanto as duas possuem a mesma definição e abrangência.[1]

Referências

  1. Martin & Benton, 2008
  2. Fish, F. E. (1984). "Kinematics of undulatory swimming in the American alligator" (PDF). Copeia 1984 (4): 839-843. DOI:10.2307/1445326. Visitado em 30/01/2016.
  3. Mazzotti, pp. 43–46.
  4. Reilly, S. M.; Elias, J. A. (1998) "Locomotion in Alligator mississippiensis: kinematic effects of speed and posture and their relevance to the sprawling-to-erect paradigm" (PDF). The Journal of Experimental Biology 201 (18): 2559-2574. PMID 9716509. Visitado em 30/01/2016.
  5. Brochu, C. A. (1997). "Morphology, fossils, divergence timing, and the phylogenetic relationships of Gavialis". Systematic Biology 46 (3): 479–522. PMID 11975331. Visitado em 30/01/2016.
Ícone de esboço Este artigo sobre Répteis, integrado no Projeto Anfíbios e Répteis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.