Cromoterapia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Edwin D. Babbitt, um dos precursores da cromoterapia

Cromoterapia é a prática de utilizar cores na cura de doenças, a qual vem sendo utilizada pelo homem desde as antigas civilizações — Egito antigo, Índia, Grécia e China — com o objetivo de harmonizar o corpo, atuando do nível físico aos mais sutis.[1] Para Hipócrates, saúde e doença dependem do grau de harmonia na interação entre meio ambiente, corpo e mente.[1]

Os adeptos da cromoterapia entendem que cada cor possui uma vibração específica e uma capacidade terapêutica. Isaac Newton no século XVII conseguiu descobrir as cores do arco-íris, fazendo com que um feixe de luz do sol passasse por um prisma.[1] Já o cientista alemão Johann Wolfgang von Goethe, no século XVIII, pesquisou durante cerca de quarenta anos as cores e descobriu que o vermelho tem propriedade estimulante no organismo, o azul calmantes, o amarelo provoca sensações de alegria e o verde é repousante. Esses efeitos são mais ou menos intensos, dependendo da tonalidade usada.[1]

O sentido das cores no corpo[editar | editar código-fonte]

Os chacras e sua posição no corpo humano

Cores dos chacras[editar | editar código-fonte]

Praticantes da medicina ayurvédica acreditam que o corpo tenha sete chacras e que estes seriam os “centros espirituais” de cada humano. Tais chacras estariam localizados ao longo da espinha.

A filosofia New Age associa cada um dos chacras com uma cor do espectro da luz visível, junto com uma função e órgão ou sistema do corpo.[2] De acordo com essa visão, os chacras poderiam se desequilibrar e causar doenças físicas, mas a aplicação de cores apropropriadas teriam a propriedade de regular tais desequilíbrios.[3]

Cores e descrição[editar | editar código-fonte]

Cor Chacra Localização do chacra Função
Vermelho Primeiro Base da espinha Instinto e sobrevivência
Laranja Segundo Baixo abdómen, genitais Emoções, sexualidade
Amarelo Terceiro Plexo solar Poder, ego
Verde Quarto Coração Amor, senso de responsibilidade
Azul Quinto Garganta Comunicação física e espiritual
Índigo Sexto Bem acima do centro das sobrancelhas, meio da testa Perdão, compaixão, entendimento
Violeta Sétimo Coroa da cabeça Conexão com as energias universais, transmissão de ideias e informação

Percepção científica[editar | editar código-fonte]

A cromotherapia é tida pelos peritos em saúde com charlatanismo.[4][5] De acordo com um livro publicado pela Sociedade Americana do Câncer, "as evidencias científicas disponíveis não sustentam as reivindicações de que o uso alternativo de lâmpadas coloridas são um meio efetivo para a cura do câncer e de outras doenças".[6]

Fotobiologia, que é o termo para o estudo científico contemporâneo do efeito da luz sobre os humanos tem substituído o uso da palavra cromoterapia, num esforço de desassociá-la de suas raízes no misticismo vitoriano, bem como desvinculá-la da associação com simbolismo e mágica. A fototerapia, aliás, é uma abordagem de tratamento específica que usa luzes de alta intensidade para tratar desordens específicas de humor, sono e pele.

A cromoterapia consta da relação das principais terapias alternativas ou complementares reconhecidas pela OMS desde 1976, de acordo com a Conferência Internacional de Atendimentos Primários em Saúde de 1962, em Alma-Ata, no Cazaquistão.[1] A terapia não é, contudo, reconhecida pela comunidade científica.

Referências

  1. a b c d e Suely Ramos Bello (2009). «Cromoterapia». Associação Paulista de Naturologia. Consultado em 1 de setembro de 2016. 
  2. van Wagner, K. «Color Psychology: How Colors Impact Moods, Feelings, and Behaviors». About.com. Consultado em 2009-09-18. 
  3. Parker, D (2001). Color Decoder Barron's [S.l.] ISBN 0-7641-1887-0. [falta página]
  4. Raso, Jack. (1993). Mystical Diets: Paranormal, Spiritual, and Occult Nutrition Practices. Prometheus Books. pp. 256-257. ISBN 0-87975-761-2
  5. Swan, Jonathan. (2003). Quack Magic: The Dubious History of Health Fads and Cures. Ebury Press. p. 216. ISBN 978-0091888091
  6. Ades, Terri (2009). Complete Guide to Complementary & Alternative Cancer Therapies American Cancer Society [S.l.] p. 210. ISBN 9781604430530. 
Ícone de esboço Este artigo sobre Saúde é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.