Cronologia da invasão da Ucrânia pela Rússia (julho de 2023–presente)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Os eventos que acontecem no segundo semestre de 2023 são uma consequência direta de importantes desdobramentos da primeira metade de 2023, no contexto da cronologia da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Eventos[editar | editar código-fonte]

Julho[editar | editar código-fonte]

1–17 de Julho[editar | editar código-fonte]

Mapa demonstrando a situação nas linhas de frente em meados de julho de 2023. Ênfase nas ofensivas ucranianas (indicadas por setes verdes) no sul, na região de Zaporíjia.

Em 1 de julho uma pessoa foi morta por um bombardeio russo em Mala Tokmachka, no Oblast de Zaporíjia.[1] A Ucrânia anunciou sanções contra 189 cidadãos russos, incluindo Pavel Shatskikh, diretor da Elektropribor , uma importante empresa de aviação, em Cazã. Sanções também foram impostas a cerca de 300 empresas ligadas à invasão russa da Ucrânia, incluindo a Energia, maior empresa da indústria espacial. Dois bielorrussos, incluindo Aleksei Shkadarevich, diretor do LEMT Scientific and Technical Centre em Minsk, e o empresário georgiano Tamaz Gaiashvili, fundador da Georgian Airways, também foram sancionados, este último por abrir voos diretos para a Rússia e oferecer voos de trânsito para contornar as proibições do espaço aéreo por países ocidentais em aeronaves russas. As sanções foram sancionadas pelo presidente Volodymyr Zelensky e deveriam vigorar por dez anos.[2]

No dia 2, a Rússia lançou um ataque noturno de drones em Kiev pela primeira vez em 12 dias, ferindo uma pessoa. Os militares ucranianos disseram que derrubaram todos os drones.[3][4] Duas pessoas foram mortas por um bombardeio russo em Donetsk Oblast.[5] Os combates eclodiram em Kherson Oblast, quando o Instituto para o Estudo da Guerra avaliou que 70 soldados ucranianos haviam desembarcado sob a extremidade controlada pelos russos da ponte Antonivskyi, na margem esquerda do rio Dnipro, no primeiro incidente desse tipo desde o alteração do curso do rio na área após a destruição da Barragem de Kakhovka, em junho.[6] Enquanto isso, o Ministério da Defesa ucraniano disse que suas forças estavam avançando em direção a Berdyansk e Melitopol na frente de Zaporíjia, mas reconheceu os avanços russos em Lyman , Avdiivka e Marinka na frente de Donetsk. A Rússia também lançou uma ofensiva em torno de Svatove, Oblast de Lugansk, atacando as cidades de Bilohorivka e Serebryanka.[7] O prefeito de Enerhodar afirmou que 100 funcionários da empresa nuclear estatal russa, Rosatom, deixaram a Usina Nuclear de Zaporíjia.[8] Na Rússia, um ataque com míssil foi relatado na base aérea Primorsko-Akhtarsk em Krai de Krasnodar.[9]

Os organizadores anunciaram o cancelamento do MAKS Air Show bianual fora de Moscou, agendado para o final de julho, que serviu como uma vitrine para a tecnologia aeroespacial russa. A inteligência britânica acredita que o cancelamento foi devido a temores de baixa participação de delegações internacionais e ameaças de ataques de drones ucranianos.[10] O Grupo Wagner suspendeu o funcionamento de suas centrais físicas de recrutamento por um mês, mantendo seus call centers abertos para inscrições.[11] A Polônia anunciou que estava enviando 500 policiais e forças antiterroristas para reforçar sua fronteira com a Bielorrússia após a redistribuição do Grupo Wagner para lá e para impedir que migrantes cruzassem ilegalmente a fronteira.[12]

No dia 3, um ataque de drone em Sume matou três pessoas e feriu dezenove.[13] Duas propriedades privadas e um prédio do governo também foram danificados. Os militares ucranianos afirmaram ter abatido treze dos dezessete drones Shahed lançados contra o país.[14] Três outros morreram em bombardeios em Oblast de Sume,[15] enquanto outro foi morto em Donetsk Oblast.[16] A vice-ministra da Defesa ucraniana, Hanna Maliar, disse que as forças ucranianas haviam recapturado 9 quilômetros quadrados de território no leste e 28,4 quilômetros quadrados no sul durante a semana anterior.[17] Também afirmou que as forças ucranianas afundaram dois navios militares russos que transportavam 66 soldados no Oblast de Mykolaiv. Em contraste, o governador instalado pela Rússia de Kherson Oblast, Vladimir Saldo, afirmou que as forças ucranianas foram desalojadas de sua cabeça de ponte na Ponte Antonivskyi.[18]

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) anunciou que a Usina Nuclear de Zaporíjia foi reconectada à sua única linha de energia de backup disponível depois que uma seção dela na margem oposta do rio Dnipro foi danificada em 1 de março.[19] A agência de notícias russa Interfax informou que o FSB frustrou uma tentativa de assassinato de Sergey Aksyonov, chefe da Crimeia instalado pela Rússia, acrescentando que havia detido um cidadão russo que teria sido recrutado pelo Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) para matar Aksyonov usando um carro-bomba.[20] A Agência Nacional de Prevenção da Corrupção da Ucrânia colocou a Unilever em sua lista de patrocinadores da guerra da Rússia contra o país por continuar investindo na Rússia, apesar das promessas de retirada.[21] O Centro Internacional para a Acusação do Crime de Agressão contra a Ucrânia, órgão encarregado de investigar os crimes de guerra russos no país, foi inaugurado na sede da agência de cooperação judiciária da União Europeia, o Eurojust, em Haia, nos Países Baixos.[22] O líder checheno Apta Alaudinov anunciou que o comandante da Unidade Akhmat, Yevgeny Pisarenko, foi morto enquanto lutava na linha de frente do Donbas.[23]

No dia 4, duas pessoas foram mortas por bombardeios russos em Kherson,[24] enquanto outra foi morta em Dalnie, no Oblast de Donetsk.[25] Pelo menos 43 pessoas, incluindo 12 crianças, ficaram feridas em um ataque a uma área residencial em Pervomaiskyi, no Oblast de Carcóvia, com um ex-comandante do Batalhão Azov alegando que o ataque tinha como alvo um funeral militar.[26] Com o Oblast de Donetsk ocupado, a Rússia afirmou que uma pessoa foi morta e outras 36 ficaram feridas em um ataque ucraniano em Makeevka. Os militares ucranianos disseram que destruíram uma formação militar russa no local.[27] A Rússia também alegou ter derrubado quatro drones fora de Moscou enquanto bloqueava eletronicamente, forçando-o a cair no distrito de Odintsovo, no Oblast de Moscou, cerca de 30 quilômetros a sudoeste da capital. Nenhuma vítima foi relatada. Os voos do Aeroporto Internacional Vnukovo foram temporariamente suspensos naquele período.[28]

Em 5 de julho, uma pessoa foi morta quando os russos bombardearam a cidade de Bilozerka, no Oblast de Kherson.[29] Já a mídia russa afirmou que um ataque de artilharia ucraniana causou um incêndio em um depósito de petróleo em Makiivka, no Oblast de Donetsk, citando o prefeito da cidade.[30]

A Ucrânia impôs sanções a 18 empresas holding ligados à Rússia e seu esforço de guerra.[31] O almirante Tony Radakin, chefe do estado-maior britânico, disse à Câmara dos Comuns que a Rússia havia perdido quase metade da eficácia de combate de seu exército.[32]

Um prédio residencial destruído em Lviv

Em 6 de junho, cerca de dez pessoas morreram e outras 42 ficaram feridas em um ataque de míssil russo contra um apartamento em Lviv.[33] Cerca de 35 prédios e 50 carros foram danificados, enquanto o governador do Oblast de Lviv afirmou que a "instalações de infraestrutura crítica" da região foram atingidas, enquanto uma casa foi danificada por destroços de mísseis em Zolochiv. O Ministério da Cultura ucraniano disse que o ataque causou danos na zona tampão ao redor do centro histórico da cidade, que foi listado como Patrimônio Mundial da UNESCO. O prefeito de Lviv chamou de "o maior ataque à infraestrutura civil" na cidade desde o início da invasão. Os militares ucranianos disseram ter derrubado sete dos dez mísseis Kalibr lançados contra a cidade a partir do Mar Negro.[34] Duas pessoas foram mortas em ataques separados nos Oblasts de Zaporíjia e Donetsk, respectivamente.[35] Já a estação de trem de Odnorobivka (perto de Bohodukhiv), no Oblast de Kharkiv, foi destruída pela artilharia russa.[36]

A Sede de Coordenação para o Tratamento de Prisioneiros de Guerra da Ucrânia anunciou o retorno de 45 prisioneiros de guerra e quatro deportados civis, incluindo duas crianças, da Rússia.[37]

O presidente bielorrusso Aleksandr Lukashenko disse que Yevgeny Prigozhin (chefe do Grupo Wagner) havia retornado da Bielorrússia para São Petersburgo e que suas forças Wagner ainda estavam em suas bases na Rússia e ocupavam partes da Ucrânia.[38] No entanto, ele negou que isso sinalizasse o colapso do acordo que havia feito para acabar com a rebelião do Grupo Wagner.[39]

O Ministério da Defesa finlandês anunciou um pacote de defesa de 105 milhões de euros (US$ 114 milhões) para a Ucrânia, que incluiria armas antiaéreas e munições.[40]

O Ministério da Defesa britânico avaliou que a Rússia estava realocando tropas de até a região do Cáucaso e sua fronteira com a China para reforçar suas posições na Ucrânia, enquanto um oficial militar ucraniano disse que a Rússia estava procurando recrutar 500 000 pessoas para recuperar suas forças armadas.[41]

Em 7 de julho, duas pessoas foram mortas em Oblast de Dnipropetrovsk depois que seu carro foi atingido por destroços durante um ataque de drones russos durante a noite. Um outro drone atingiu um comércio na região de Kryvy Rih, causando um incêndio, mas sem deixar vítimas. Os militares ucranianos disseram que dezoito drones Shahed foram lançados contra alvos no leste e no sul da Ucrânia, dos quais doze foram abatidos.[42] No final do dia, um míssil russo causou um incêndio em uma instalação de infraestrutura emn Zaporíjia.[43]

O Governo Biden aprovou a transferência de munição convencional melhorada de duplo propósito de tipo cluster (de fragmentação) para a Ucrânia que podem ser disparadas de munição de calibre 155 mm como parte do 42º pacote de ajuda militar para os ucranianos. Este envio foi caracterizado como "tapa buraco" para dar tempo para as fábricas americanas aumentarem a produção de munição. No pacote também garantia o envio de veículos M2 Bradley e Stryker adicionais, junto com munição para foguetes HIMARS. O pacote total foi estimado em mais de US$ 800 milhões de dólares.[44][45]

O primeiro-ministro tcheco Petr Fiala ajuda que ele enviaria helicópteros de ataque adicionais e "centenas de milhares" de cartuchos de munição de grande calibre "nos próximos meses" para a Ucrânia após a visita do presidente Zelensky a Praga.[46]

Já a Alemanha anunciou a aprovação de um novo pacote de ajuda militar à Ucrânia, que incluía veículos para colocação de pontes, blindados de engenharia tipo Dachs, três bloqueadores de rádio, dois sensores anti-drone e bloqueadores, seis trens de trator de caminhão HX81 e três semi-reboques.[47]

A Missão de Monitoramento de Direitos Humanos da ONU na Ucrânia (HRMMU) disse que o número de civis mortos na invasão da Ucrânia atingiu mais de 9 000, incluindo 500 crianças. organização também observou que o número de vítimas foi menor em média do que em 2022 e começou a aumentar novamente em maio e junho de 2023.[48] Já a AIEA afirmou que não encontrou evidências de explosivos sendo plantados dentro da Usina Nuclear de Zaporíjia em inspeções recentes, conforme reivindicado pela Ucrânia. No entanto, exigia acesso a mais áreas da instalação, incluindo os telhados dos reatores, que haviam sido fechados pelas autoridades de ocupação russas supostamente por razões de segurança.[49]

Em 8 de julho, nove pessoas morreram e outras 12 ficaram feridas em um ataque de foguete russo em áreas residenciais de Lyman, no Oblast de Donetsk. Outra pessoa foi morta em um ataque separado em Avdiivka.[50] Já na Rússia, o governador do Oblast de Belgorod afirmou que um míssil ucraniano atingiu um mercado na cidade de Shebekino.[51]

A bandeira ucraniana hasteada na Ilha das Serpentes.

Após uma visita à Turquia garantir apoio do presidente Recep Tayyip Erdoğan para a entrada da Ucrânia para a OTAN, o Presidente Zelensky anunciou que havia garantido o retorno de cinco comandantes da guarnição ucraniana da defesa da Siderúrgica Azovstal que foram feitos prisioneiros no Cerco de Mariupol e viviam na Turquia como parte de um acordo com a Rússia. O Kremlin posteriormente reclamou que era uma violação do referido acordo e criticou a Turquia por permitir isso.[52] O presidente ucraniano visitou então a Ilha das Serpentes na data que marcou 500 dias da guerra.[53]

O ministro da Proteção Ambiental e Recursos Naturais da Ucrânia, Ruslan Strilets, disse que o valor total dos danos ambientais causados pela invasão russa (excluindo os danos causados pela destruição da represa Kakhovka) atingiu US$ 55,9 bilhões de dólares, com uma média de US$ 111 milhões em danos gerado todos os dias. Mais de 200.000 toneladas de resíduos perigosos e sucata também foram produzidas pelo conflito.[54]

Em 9 de julho, duas pessoas foram feridas em dois ataques russos contra o Oblast de Kherson.[55][56]

O chefe da Crimeia ocupada, endossado pela Rússia, afirmou que um míssil de cruzeiro ucraniano foi abatido perto Kerch, enquanto a Ponte da Crimeia foi temporariamente fechado ao trânsito.[57] O prefeito exilado de Melitopol afirmou que uma explosão ocorreu em uma base militar russa perto da cidade.[58] As forças russas também afirmaram ter derrubado três mísseis sobre os Oblasts de Bryansk e Rostov, destruindo uma serraria no processo.[59]

Segundo o jornal Wall Street Journal, a Polônia entrou à Ucrânia uma dúzia de helicópteros Mi-24 (de fabricação soviética), citando fontes anônimas.[60]

Em 10 de julho, sete pessoas morreram e outras treze ficaram feridas em um bombardeio russo em uma escola que hospedava operações de distribuição de ajuda em Orikhiv, no Oblast de Zaporíjia.[61] Outras duas pessoas foram mortas em ataques de artilharia separados russos contra o Oblast de Donetsk.[62] Já um míssil S-300 russo atingiu a cidade de Mykolaiv, embora baixas não foram reportadas.[63]

O Estado-Maior das Forças Armadas ucranianas afirmou ter retomado cerca de dez quilômetros quadrados de território na frente sul e quatro quilômetros quadrados na frente leste na semana passada. Também alegou ter avançado mais de um quilômetro em direção a Melitopol e Berdiansk.[64] O Ministério da Defesa ucraniano afirmou que suas forças haviam recapturado montanhas importantes em torno de Bakhmut e submetido todos os pontos de acesso à cidade sob sua linha de fogo de artilharia.[65]

Uma autoridade ocidental disse ao jornal AFP que os líderes da OTAN estavam "preparados" para abandonar a exigência de um Plano de Ação para Adesão para acelerar a entrada da Ucrânia no bloco.[66]

Em uma entrevista para a CNN, o CEO Armin Papperger da empresa alemã Rheinmetall anunciou que a empresa abriria uma fábrica de veículos blindados no oeste da Ucrânia nas próximas doze semanas e contrataria e treinaria funcionários ucranianos para manter seus produtos.[67]

A Austrália disse que iria enviar uma aeronaves de vigilância E-7A Wedgetail, da sua força aérea, para a Alemanha, juntamente com até 100 tripulantes e pessoal para monitorar as linhas vitais de abastecimento humanitário e militar para a Ucrânia nos próximos seis meses. No entanto, o primeiro-ministro Anthony Albanese disse que a aeronave não realizaria missões no espaço aéreo ucraniano, bielorrusso e russo.[68]

Em 11 de julho, a Rússia lançou outro ataque de drones durante a noite em Kiev e Odesa. As autoridades ucranianas não relataram vítimas e que 26 dos 28 drones lançados foram abatidos. Porém, uma mulher foi morta por um bombardeio em Sofiivka, no Oblast de Kherson,[69] enquanto outra pessoa foi morta em Huliapole, no Oblast de Zaporíjia.[70]

Ainda nesse dia, surgiram relatos de que um hotel usado para abrigar altos oficiais militares russos e o quartel-general do 58º Exército de Armas Combinadas foi destruído por um ataque de míssil ucraniano em Berdiansk.[71][72] Entre os mortos estaria o tenente-general Oleg Tsokov, o vice-comandante do Distrito Militar do Sul, tornando-o o oficial russo de mais alta patente morto durante a invasão.[73][74] Já na cidade ocupada de Novooleksiivka, no Oblast de Kherson, um grande depósito de munição russo foi destruído por um míssil.[75]

As forças armadas russas afirmaram ter avançado cerca de 1,5 kms em direção da cidade de Lyman.[76] Nesse mesmo dia, o capitão da marinha russa, Stanislav Rzhitsky, vice-chefe dos esforços de mobilização militar em Krasnodar, foi baleado e morto enquanto corria. Como comandante do submarino Krasnodar, baseado no Mar Negro, ele foi acusado de ter lançado mísseis que atingiram Vinnytsia em julho de 2022 que resultou na morte de 23 civis, embora seu pai alegasse que ele havia deixado o serviço ativo antes da invasão em 2021.[77]

Nos dias 11 e 12 de julho, ocorreu a reunião da OTAN em Vilnius, onde os Estados membros afirmaram seu apoio à entrada da Ucrânia na aliança, dependendo de certas condições, e confirmaram que haviam decidido abandonar o Plano de Ação de Adesão exigido para candidatos anteriores no caso da Ucrânia. Contudo, líderes da OTAN não ofereceram nenhum cronograma claro ou convite formal sobre quando a Ucrânia poderia realmente aderir. Antes de o anúncio ser feito, Zelensky já havia criticado falar de tal decisão como "sem precedentes e absurda".[78] No entanto, ele reafirmou a vontade da Ucrânia de aderir à OTAN durante um discurso público em Vilnius logo após sua chegada para a cúpula, durante o qual ele também apresentou uma bandeira ucraniana usada por seus soldados durante a Batalha de Bakhmut.[79]

O presidente Emmanuel Macron afirmou que a França forneceria um número indeterminado de mísseis SCALP, a versão francesa do Storm Shadow, desde que seu uso fosse limitado ao território ucraniano.[80]

O ministro da defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, assinou um memorando que criou formalmente uma coalizão de onze países (Dinamarca, Holanda, Bélgica, Canadá, Luxemburgo, Noruega, Polônia, Portugal, Romênia, Suécia e Reino Unido) que concordaram em adquirir caças F-16 para a Ucrânia e treinar pilotos ucranianos em seu uso,[81] bem como um acordo com o ministro da Defesa francês Sebastien Lecornu que formalizou um novo pacote de ajuda militar de US$ 187 milhões de dólares.[82]

No último dia da reunião da OTAN na Lituânia, o presidente Zelensky anunciou que a Ucrânia receberia novos sistemas e mísseis Patriot da Alemanha e veículos blindados do Canadá.[83] No entanto, ele insistiu em exigir um convite formal para ingressar na OTAN, que chamou de "ideal".[84]

Na reunião, a Austrália anunciou que enviaria mais de trinta novos veículos Bushmaster para a Ucrânia,[85] enquanto o ministro da defesa norueguês Bjørn Arild Gram afirmou que seu país enviaria cerca de mil drones Black Hornet Nano[86] e duas unidades de lançadores NASAMS.[87] O Reino Unido também prometeu um novo pacote de ajuda militar que incluía mais de 1 000 cartuchos para tanques Challenger 2, mais de 70 veículos de combate e logística e um contrato de US$ 65 milhões para manutenção de equipamentos, bem como o estabelecimento de um centro de reabilitação militar. A Alemanha também apresentou um pacote de ajuda de US$ 770 milhões que incluía unidades adicionais de defesa aérea Patriot,[88] enquanto outros membros do G7 também concordou em fornecer apoio militar e financeiro de longo prazo à Ucrânia.[89]

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, anunciou um pacote de ajuda adicional de CA$ 541 milhões (US$ 410 milhões de dólares) para a Ucrânia, que incluía câmeras drones. Ele também anunciou que o Canadá hospedaria cadetes ucranianos no Royal Military College Saint-Jean para treinamento e expandiria o de soldados ucranianos na Letônia. O Canadá também se comprometeu a fornecer à Ucrânia US$ 37 milhões adicionais em seu "Pacote de Assistência Abrangente", incluindo combustível, equipamentos de logística e suprimentos médicos, bem como US$ 2 milhões para assistência em segurança cibernética.[90]

O ministro da Defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, confirmou que os pilotos ucranianos começariam o treinamento sobre como usar caças F-16 na Romênia em agosto.[91] Ele também assinou dois acordos com a Suécia sobre aquisições de defesa e compartilhamento de inteligência.[83]

Ainda no dia 12 de julho, o general Ivan Popov, comandante do 58º Exército de Armas Combinadas russo, que estava servindo no Oblast de Zaporíjia, foi afastado de seu cargo. Em uma mensagem do Telegram postada por um parlamentar russo, ele alegou ter sido demitido pelo ministro da Defesa, Sergei Shoigu, depois de reclamar sobre inadequações na logística russa que levaram a muitas baixas entre seus homens e acusar seus superiores de traição.[71]

O Estado-Maior ucraniano afirmou ter retomado 162 quilômetros quadrados de território desde o início de sua contra-ofensiva em junho, enquanto a estimativa do Instituto para o Estudo da Guerra (ISW) era de 253 quilômetros quadrados. O ISW também estimou os ganhos russos desde o início do ano em 282 quilômetros quadrados.[92]

A cidade de Pervomaiskyi após um ataque de mísseis russos em julho de 2023.

Em 12 de julho, a Rússia lançou outro ataque noturno com drones contra Kiev.[93] A Força Aérea Ucraniana afirmou que abateu onze dos quinze drones lançados.[94] Duas pessoas foram mortas por um bombardeio russo em Oblast de Kherson, enquanto 21 pessoas ficaram feridas em um ataque aéreo em Zaporíjia.[95]

A Frota do Mar Negro russa implantou um novo esquema de camuflagem projetado para esconder seus navios e sua assinatura de radar para reduzir o risco de detecção e ataque da Ucrânia, que só é detectável através inteligência artificial.[96]

Em 13 de julho, uma pessoa foi morta e outras quatro ficaram feridas em um terceiro ataque consecutivo de drones russos durante a noite em Kiev. Ataques também foram registrados em Khmelnytskyi, Mykolaiv e Zaporíjia.[97] A Força Aérea Ucraniana disse ter interceptado todos os 20 drones Shahed lançados, bem como dois mísseis de cruzeiro Kalibr.[98] Quatro outros civis foram mortos por bombardeios russos em diferentes partes do país.[99]

O general-de-brigada Oleksandr Tarnavskyi, o comandante do setor militar ucraniano de Tavriia implantado na frente sul, disse à CNN que eles receberam as munições cluster prometidas pelos Estados Unidos em 7 de julho.[100]

A Espanha prometeu um pacote de ajuda ao Serviço Estatal de Guarda de Fronteiras da Ucrânia, que incluiria treinamento de pessoal na Espanha e a doação de um hospital móvel e veículos de evacuação médica.[101]

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos avaliou que o Grupo Wagner não estava mais participando significativamente de operações militares na Ucrânia.[102]

O chefe da Força Aérea Real britânica, o marechal-do-ar Richard Knighton, avaliou que a Rússia havia perdido 86 aeronaves de asa fixa e 90 helicópteros desde o início da invasão, deixando-a com 96% de suas aeronaves de asa fixa e 90% de seus helicópteros. A Ucrânia, por outro lado, perdeu 68 aeronaves de asa fixa e 31 helicópteros, ficando com 78% de suas aeronaves de asa fixa e 48% de seus helicópteros.[103]

Em 14 de julho, a Rússia continuou sua rotineira campanha de ataques com drones pela Ucrânia, mirando nas cidades ao sul, nos Oblasts de Dnipropetrovsk, Mykolaiv, Zaporíjia e Kherson. Uma pessoa foi ferida na cidade de Zaporíjia[104] e outra em Kryvyi Rih.[105]

Forças ucranianas afirmaram ter avançado 1,7 quilômetros na direção de Melitopol na semana passada[106] e destruíram nove depósitos de munição russos e 33 veículos e equipamentos pesados na frente sul.[107]

A Rússia e a Ucrânia chegaram perto da paridade em termos de tanques, de acordo com um artigo da Bloomberg, com o exército ucraniano tendo cerca de "1 500" tanques ativos, enquanto a Rússia tinha "1 400" tanques. No entanto, observou que a Rússia tinha um "fornecimento quase infinito" de blindados de origem soviética mais antigos em centenas de depósitos, enquanto a Ucrânia dependia de aquisições de tanques ocidentais que lhe davam uma "vantagem qualitativa". Além disso, a indústria bélica russa era capaz de construir novos blindados (pelo menos vinte por mês, especialmente T-72 e T-90) de forma contínua, enquanto até o final de 2023, a produção doméstica ucraniana era inexistente.[108]

Um assessor presidencial sul-coreano afirmou que o país forneceria US$ 52 bilhões para financiar projetos de reconstrução na Ucrânia, incluindo a reconstrução da infraestrutura hídrica afetada pela destruição da barragem de Kakhovka.[109]

O Ministério da Defesa da Bielorrússia afirmou que o Grupo Wagner Group havia começado a treinar o exército do país e divulgou um vídeo mostrando combatentes de Wagner instruindo soldados bielorrussos em um campo militar próximo Osipovichi, cerca de 90 kms a sudeste da capital Minsk.[110] O Serviço de Guarda de Fronteiras de Estado da Ucrânia confirmou esta informação,[111] mas afirmaram que não acreditavam que isso representava uma ameaça séria para a Ucrânia, mas poderiam ser usado para desestabilizar a situação ao longo da fronteira.[112]

Em 15 de julho, uma pessoa foi morta num bombardeio russo contra a cidade de Kolodiazne, no Oblast de Kharkiv,[113] enquanto outra pessoa foi morta em Kherson depois que um projétil que ele tentava desmontar em sua garagem explodiu.[114]

Enquanto isso, os militares ucranianos afirmaram ter destruído a unidade de mísseis S-400 responsável pelo ataque a um restaurante em Kramatorsk em 27 de junho, matando treze pessoas, com um míssil HIMARS.[115]

O presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol visitou Kiev em 15 de julho. Ele chegou a visitar as cidades de Butcha e Irpin e se encontrou com o Presidente Zelensky. Ele prometeu "equipamento de desminagem e ambulâncias" e anunciou que a Coreia do Sul se juntaria ao fundo fiduciário da OTAN para a Ucrânia.[116]

O major-general Vladimir Seliverstov, comandante da 106ª Divisão Aerotransportada de Guardas russa, que entrou em ação durante o Batalha de Bakhmut, foi removido de seu cargo, com fontes especulando que isso poderia ter sido causado por ele reclamar das condições de vida de seus soldados.[117]

O New York Times publicou um artigo colocando as perdas de equipamentos da Ucrânia em até 20% durante o início da contra-ofensiva ucraniana de 2023, que forçou a Ucrânia a mudar de tática para ataques de artilharia e mísseis em posições russas, reduzindo a taxa de perda para uma média estimada de 10%.[118]

Em 16 de julho, um civil ucraniano foi morto após um ataque de um míssil russo contra a cidade de Kharkiv,[119] enquanto outro foi morto em um bombardeio aéreo em Zmiivka, no Oblast de Kherson.[120]

Campo de trigo perto da vila de Illinivka no Oblast de Donetsk, no leste da Ucrânia, após bombardeio russo em 17 de julho de 2023. A polícia e o serviço de emergência relatam a destruição de doze hectares de trigo.

Explosões foram relatadas em cidades da Ucrânia ocupada pela Rússia, incluindo em Luhansk, Berdiansk e Mariupol.[121] Autoridades de Sebastopol afirmaram que dez drones foram abatidos sobre a cidade.[122]

Os militares ucranianos afirmaram ter avançado mais de um quilômetro em direção a Berdiansk,[123] embora reconhecessem os avanços russos contra Kupiansk[124] e Lyman, posteriormente avaliando que a Rússia havia reunido uma tropa de 100 000 militares, mais de 900 tanques, mais de 555 sistemas de artilharia e 370 canhões autopropulsados nessas áreas para ofensivas no leste.[125]

Na Rússia, o Serviço Federal de Segurança (FSB) alegou ter descoberto e frustrado uma conspiração de assassinato por supostos neonazistas trabalhando em nome da Ucrânia contra Margarita Simonyan, editora-chefe do canal de notícias internacional controlado pelo estado, a rede RT, e a apresentadora Ksenia Sobchak. Sete pessoas teriam sido presas na sequência.[126]

Um civil russo teria sido morto por um bombardeio ucraniano em Shebekino, no Oblast de Belgorod.[127]

O último navio com grãos saiu do porto de Odessa sob a prolongada Iniciativa de Grãos do Mar Negro, que expirou no dia seguinte.[128]

Em 17 de julho, o tráfego foi interrompido na ponte da Crimeia após relatos de duas explosões.[129] A ponte desabou parcialmente ao longo de um vão com os serviços ferroviários interrompidos. Dois ocupantes de um carro morreram, enquanto um terceiro passageiro ficou ferido.[130][131] O Comitê Antiterrorista da Rússia afirmou que a Ucrânia usou embarcações de superfície não tripulados para atacar a ponte.[132] As autoridades russas esperavam que os reparos durassem até novembro.[133] Mesmo assim, a ponte reabriu ao tráfego no dia seguinte, embora com apenas uma faixa aberta.[134]

Seis pessoas foram mortas em ataques russos separados em Oblasts de Donetsk, Sumy e Zaporíjia.[135]

O Ministério da Defesa ucraniano disse que retomou 18 quilômetros quadrados de território durante sua contra-ofensiva na semana anterior, elevando a quantidade total de território retomado desde junho para 210 quilômetros quadrados.[136]

No último dia da Iniciativa de Grãos do Mar Negro, a Rússia disse que não estava extendendo o acordo.[137] Os preços globais do trigo subsequentemente subiram até 8,5% nos dias seguintes, enquanto os preços do milho aumentaram 5,4%.[138]

O Reino Unido impôs sanções a quatorze russos por seu envolvimento na deportação de crianças ucranianas para a Rússia e pelos esforços para erradicar a cultura e identidade ucranianas. Entre as pessoas sancionadas estavam Ksenia Mishonova, Comissária para os Direitos da Criança no Oblast de Moscou, o ministro da educação Sergey Kravtsov, apresentador do canal RT Anton Krasovsky (que havia pedido publicamente pelo assassinato de crianças ucranianas) e a ministra da cultura Olga Lyubimova.[139] Posteriormente, o Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) impôs acusações adicionais contra Krasovsky, que já havia sido condenado à revelia pela Ucrânia a cinco anos de prisão, por incitação ao genocídio.[140]

18–31 de Julho[editar | editar código-fonte]

Em 18 de julho, a Rússia lançou uma onda de ataques aéreos no sul da Ucrânia usando drones e mísseis. Um ataque levou a um incêndio no porto de Mykolaiv,[141] while another attack on Odesa injured one person.[142][143] A Força Aérea Ucraniana afirmou ter derrubado 32 dos 37 drones e todos os 6 mísseis lançados, a maioria dos quais foram interceptados sobre o Oblast de Odessa.[144] O Kremlin afirmou que estes ataques foram uma retaliação ao bombardeio ucraniano à Ponte da Crimeia em 17 de julho.[145] Nesse mesmo dia, uma pessoa foi morta por um outro bombardeio russo, desta vez em Dvorichna, no Oblast de Kharkiv.[146]

Danos na infraestrutura do porto de Odessa após um ataque russo.

Já a Rússia afirmou ter derrubado 28 drones ucranianos que sobrevoavam a Crimeia.[141] Enquanto isso, a Rússia, apesar de estar na defensiva na maioria das frentes de batalha, mantinha uma linha ativa avançando contra a cidade de Kupiansk, tomando dois quilômetros de território, algo que foi negado pelo coronel-general ucraniano Oleksandr Syrskyi.[147]

Os ministros da defesa de Luxemburgo, dos Países Baixos e da Bélgica anunciaram que enviariam vários veículos M113 para a Ucrânia.[148]

Em 19 de julho, a Rússia lançou mais uma onda de massiços bombardeios contra a cidade de Odessa, onde um apartamento e um prédio do consulado chinês foram supostamente danificados. Kiev também foi atingida com drones e mísseis.[149] Uma pessoa morreu[150] e outras doze ficaram feridas em Odessa, enquanto a Força Aérea Ucraniana afirmou ter derrubado 14 mísseis e 23 drones.[151] Presidente Zelensky e outras autoridades ucranianas afirmaram que os ataques russos contra Odessa miraram a infraestrutura direcionada para exportação de grãos.[152] O Ministério da Agricultura da Ucrânia disse que 60.000 toneladas de grãos foram destruídas por ataques aéreos no porto de Chornomorsk, no Oblast de Odessa.[153]

Ainda no dia 19, cerca de quatro civis ucranianos foram mortos em bombardeios russos nos Oblasts de Donetsk, Kharkiv, Mykolaiv e Zaporíjia.[150]

Enquanto isso, os militares ucranianos alegaram ter expulsado as forças russas de suas posições perto da vila de Orikhovo-Vasylivka, a noroeste de Bakhmut.[154]

O palácio da cultura de Kherson, destruído após um bombardeio russo.

Na Crimeia, explosões foram ouvidas em Sebastopol, enquanto explosões no campo de treinamento militar russo de Krynychky, perto da cidade de Staryi Krym, o que forçou o fechamento da Autoestrada Tavrida.[149] Mais de 2 000 residentes de quatro aldeias próximas ao local foram evacuados e relatos não confirmados dizem que as explosões foram causadas por três ataques aéreos ucranianos.[155]

O Ministério da Defesa da Rússia anunciou que atacaria navios de carga que atendem aos portos ucranianos a partir de 20 de julho.[156] Em resposta, o Ministério da Defesa ucraniano ameaçou atacar navios de carga que atendem portos russos e ocupados no Mar Negro.[157] O Ministério das Relações Exteriores da Rússia esclareceu posteriormente que todos os navios que navegam no Mar Negro deveriam ser inspecionados quanto à carga militar.[158]

Dzmitry Shautsou, o chefe da cruz vermelha bielorrussa, em uma entrevista na cidade ocupada de Lysychansk, no Oblast de Luhansk, para a TV estatal Belarus-1, utilizando um uniforme militar com o símbolo Z, admitiu abertamente o sequestro e deportação de crianças ucranianas de áreas ocupadas pela Rússia para a Bielorrússia por razões de "melhoria da saúde", dizendo que continuariam a fazê-lo. A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho dissociou-se de suas declarações, expressando "grave preocupação" e exigindo o fim da prática. Também desencadeou uma investigação pelo comitê de investigação do órgão.[159][160]

Em sua primeira aparição pública desde o fim da Rebelião de Wagner, Yevgeny Prigozhin disse que suas forças não lutariam mais na Ucrânia e se concentrariam em treinar soldados na Bielorrússia e manter suas atividades na África.[161]

A Presidência sul-africana confirmou que Vladimir Putin havia concordado em não comparecer à Cúpula dos BRICS que foi realizada em Joanesburgo em agosto e, em vez disso, seria representado pelo ministro das Relações Exteriores Sergei Lavrov. O presidente Cyril Ramaphosa havia alertado anteriormente que qualquer tentativa de prender Putin enquanto ele estava no país com base nos mandados emitidos pelo Tribunal Penal Internacional seria equivalente a uma "declaração de guerra".[162] O Departamento de Justiça e Desenvolvimento Constitucional da África do Sul emitiu posteriormente um mandado de prisão de Putin em 21 de julho.[163]

A cidade de Bakhmut, assim como várias cidades ucranianas, em ruínas após violentos combates.

Enquanto isso, os Estados Unidos anunciaram um novo pacote de ajuda militar de US$ 1,3 bilhão de dólares para a Ucrânia, que incluiria quatro sistemas NASAMS, drones Phoenix Ghost e Switchblade (UAS), munições aéreas de precisão, munições de artilharia de 152 mm, equipamento de limpeza de minas, de guerra eletrônica e equipamento de detecção de drones e de segurança portuária, cerca de 165 veículos táticos e 150 caminhões de combustível.[164]

Durante uma visita a cidade de Odessa, logo após um bombardeio russo, Samantha Power, a chefe da USAID, anunciou um pacote de ajuda de US$ 250 milhões de dólares para o setor de agricultura da Ucrânia através da Iniciativa de Resiliência Agrícola-Ucrânia (AGRI-Ukraine),[165] enquanto o primeiro-ministro irlandês Leo Varadkar anunciou um pacote de ajuda humanitária de 5 milhões de euros através do fundo humanitário da ONU e a Cruz Vermelha durante sua visita a Kiev e Bucha.[166]

O secretário de Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, em um discurso ao parlamento, estimou as baixas russas em "230 000 a 250 000" soldados mortos ou feridos em combate até agosto de 2023.[167]

Em 20 de julho, a Rússia lançou outra onda de massiços bombardeios contra cidades ucranianas como Odessa e Mykolaiv. Cerca de duas pessoas foram mortas e dezoito terminaram feridas em Mykolaiv após um apartamento foi atingido, enquanto outras duas pessoas foram feridas num ataque contra Odessa.[168][169] A Força Aérea Ucraniana afirmou ter derrubado cinco dos dezenove mísseis lançados.[170]

Sete ucranianos foram mortos em ataques russos separados nos Oblasts de Donetsk, Kharkiv e Zaporíjia.[171]

Uma pessoa teria sido morta em um ataque de drone no noroeste da Crimeia,[169] enquanto autoridades pró-ucranianas alegaram que o centro cultural "Casa Ucraniana" em Mariupol foi incendiado por indivíduos não identificados usando explosivos.[172]

Edifícios destruídos em Odessa.

Os militares ucranianos alegaram ter "semi-cercado" as forças russas em Bakhmut.[173] Autoridades ucranianas disseram para o Washington Post que a Ucrânia havia usado munições cluster fabricadas nos Estados Unidos pela primeira vez contra as trincheiras russas na frente sudeste.[174] Autoridades americanas confirmaram isso mais tarde, dizendo que as munições foram usadas de "forma efetiva".[175]

O SBU, o serviço ucraniano de segurança, prendeu um funcionário da Ukrzaliznytsia (a companhia ferroviária ucraniana) em Dnipro por passar informações de segurança e militares para a Rússia em preparação para ataques à infraestrutura de transporte.[176]

A Austrália anunciou sanções contra trinta e cinco empresas que forneciam tecnologia avançada e equipamentos para as forças armadas russas e empresas envolvidas em energia nuclear e extração de recursos do Ártico. Cerca de dez indivíduos receberam sanções também, além de autoridades russas e bielorrussas que "ameaçaram a soberania e a integridade territorial da Ucrânia".[177]

Os Estados Unidos anunciaram mais sanções contra indivíduos e empresas ligadas ao esforço de guerra russo na Ucrânia. Entre os sancionados estavam Alexei Kudrin, um aliado próximo de Putin e consultor de desenvolvimento corporativo da empresa de tecnologia Yandex, Valery Chekalov e o cidadão norte-coreano Yong Hyuk Rim, ambos que forneciam munição ao Grupo Wagner. Cinco bancos russos e várias empresas com sede no Quirguistão também foram sancionados, sendo este último por fornecer à Rússia tecnologia de uso duplo para contornar as sanções.[178]

Em uma entrevista para a Fox News, John Kirby (o Coordenador do Conselho de Segurança Nacional para Comunicações Estratégicas) afirmou que a Ucrânia receberia caças F-16 até o final de 2023.[179]

A Alemanha entregou formalmente o primeiro lote de tanques 10 Leopard 1A5 para a Ucrânia, além de vinte metralhadoras MG3 para serem utilizadas em veículos blindados, mais de 1 000 munições de artilharia de 155 mm, mais de 2 000 munições de fumaça de 155 mm, um sistema de ponte, 12 reboques acompanhantes, quatro veículos de proteção de fronteira, dez radares de vigilância, 16 caminhões Zetros, 100 000 kits de primeiros-socorros e 80 drones de reconhecimento.[180]

Em 21 de julho, a Rússia lançou dois ataques de mísseis separados contra Odessa. O primeiro bombardeio ocorreu durante a noite em um terminal de grãos, com as autoridades ucranianas afirmando que duas pessoas ficaram feridas e que 100 toneladas de ervilhas e 20 toneladas de cevada foram destruídas.[181] Um segundo ataque ocorreu pela manhã.[182]

Celeiro destruído pelos russos no Oblast de Odessa, em 21 de julho.

Oito pessoas, incluindo duas crianças, foram mortas em ataques russos separados atingindo novamente os Oblasts de Chernigov, Zaporíjia e Donetsk.[183][184][185] The Ukrainian military claimed to have thwarted attacks by Russian sabotage groups in Sumy and Chernihiv Oblasts.[186]

A empresa nuclear estatal da Ucrânia, a Energoatom, acusou Yuri Chernichuk, diretor geral da Usina Nuclear de Zaporíjia, instalado pela Rússia, de pressionar os trabalhadores da usina ucraniana que se recusaram a assinar contratos com a operadora nuclear estatal da Rússia para ativar o reator número 4 devido à falta de especialistas russos qualificados.[187]

Vadym Prystaiko, o embaixador ucraniano para o Reino Unido, foi demitido após um decreto do presidente Zelensky. Nenhuma razão foi dada. Ele também foi demitido de seu cargo de representante ucraniano na Organização Marítima Internacional. Na semana anterior, Prystaiko criticou os comentários de Zelensky sobre a alegada falta de gratidão da Ucrânia ao Reino Unido pela ajuda militar.[188]

O ultranacionalista russo Igor Girkin, que chegou a comandar guerrilheiros separatistas durante a Guerra em Donbas (2014–2022), e foi condenado à revelia por um tribunal holandês pela derrubada do voo MH-17 em 2015, foi preso pelo serviço de segurança russo (o FSB) de acordo com sua esposa Miroslava, acusado de "extremismo". Apesar de ser pró-guerra, ele criticou abertamente Putin e a forma como seus generais lidaram com a guerra na Ucrânia, e pediu a renúncia do presidente no início dessa semana. O jornal russo RBC informou que sua prisão possivelmente estava relacionada a uma petição de um membro do Grupo Wagner.[189]

O governo ucraniano agiu formalmente para nacionalizar o Banco Sense, cujo proprietário, o oligarca russo nascido na Ucrânia Mikhail Fridman, foi sancionado anteriormente por apoiar financeira e logisticamente a invasão da Ucrânia.[190]

O Parlamento Búlgaro aprovou a transferência de cerca de 100 veículos blindados de transporte de pessoal da era soviética para a Ucrânia.[191]

Em uma mensagem de áudio divulgada no fórum Aspen Security, o Presidente Zelensky reconheceu a lentidão na contra-ofensiva, culpando as dificuldades pela falta de munições, treinamento e equipamentos. Ele afirmou que as operações logo "ganhariam ritmo", apesar da Rússia ganhar mais tempo para colocar minas terrestres e reforçar suas defesas.[192]

Em 22 de julho, um ataque de drone a um depósito de munição em Raion de Krasnohvardiiske, na Crimeia, levou a evacuações em uma área de cinco quilômetros. O tráfego na ponte da Crimeia também foi brevemente suspenso.[193]

Em mais um bombardeio russo contra os Oblasts de Donetsk, Sumy e Kharkiv, sete pessoas foram mortas.[194][195][196]

Quatro jornalistas russos foram feridos na frente de Zaporíjia, perto de Piatykhatky, por bombardeios ucranianos, de acordo com o Ministério da Defesa russo. Um deles, Rostislav Zhuravlev da RIA Novosti, mais tarde morreu devido aos ferimentos durante a evacuação. A Rússia alegou que munições cluster foram usadas, mas não forneceram provas disso.[197] Enquanto isso, um operador de câmera da Deutsche Welle foi ferido após um aparente bombardeio russo em posições ucranianas perto de Druzhkivka, no Oblast de Donetsk, matando também um soldado ucraniano.[198]

Uma explosão foi relatada na residência de Heorhii Zhuravko, o prefeito de Oleshky, no Oblast de Kherson, na banda ocidental do Rio Dniepre.[199]

A Catedral da Transfiguração de Odessa parcialmente destruída após ter sido atingida por um míssil russo, em 23 de julho.

Yehor Cherniev, vice-presidente do comitê de defesa da Verkhovna Rada e chefe da delegação parlamentar da Ucrânia na OTAN, anunciou que o país havia desenvolvido seus próprios sistemas de defesa aérea de médio alcance semelhantes aos sistema Hawk americano, descrevendo os resultados dos testes iniciais como "bastante bem-sucedidos".[200]

O Ministério da Economia da Ucrânia afirmou que a Suécia prometeu 522,6 milhões de euros para a recuperação da Ucrânia, com os fundos direcionados para a Estratégia de Cooperação para Reconstrução e Reformas na Ucrânia entre 2023 e 2027, focados na reconstrução de infraestrutura, desenvolvimento verde, empreendedorismo, comércio, desminagem e mídia iniciativas pela Ucrânia.[201]

Em 23 de julho, a Rússia deu continuidade a uma série de bombardeios ostensivos contra a região de Odessa, desta vez matando duas pessoas e ferindo outras dezenove. A Igreja Ortodoxa de Odessa, o maior templo da cidade, foi severamente danificada após um bombardeio russo.[202] A Rússia alegou ter atingido instalações de produção de drones navais, mas negou ter alvejado a catedral.[203] Ao todo, 25 monumentos arquitetônicos foram danificados no Centro Histórico de Odessa de acordo com as autoridades locais.[204] A Força Aérea Ucraniana afirmou ter derrubado nove dos dezenove mísseis lançados contra a cidade.[205]

Um ponto de distribuição de ajuda instalado em um centro cultural em Chasiv Yar, no Oblast de Donetsk, teria sido destruído por um bombardeio de fragmentação russo. Nenhuma vítima foi relatada.[206] No mesmo dia, seis instalações habitacionais e uma linha de energia foram danificadas pelo bombardeio russo em Nikopol.[207]

O Secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, afirmou que a Ucrânia havia recapturado cerca de 50% do território tomado pelas forças russas.[208]

Durante uma visita do presidente bielorrusso Alexander Lukashenko, o Presidente Putin afirmou que a contra-ofensiva ucraniana havia fracassado.[209]

Em 24 de julho, um ataque de drone ucraniano atingiu dois prédios desocupados, incluindo um centro comercial de alto padrão, em Moscou, forçando o fechamento de várias vias no centro da cidade. Dois drones estavam envolvidos e foram "suprimidos" antes de cair. Não houve relatos de vítimas graves ou danos "graves". O ataque ocorreu a cerca de dois quilômetros do Ministério da Defesa da Rússia. Enquanto a Rússia bombardeava as cidades ucraninanas com mísseis, foguetes, bombas e drones, os ucranianos passaram a retaliar utilizando também drones de longa distância para tentar atingir alvos de importância política e militar dentro da Rússia.[210][211]

Celeiro no porto de Reni após a greve.

A Rússia lançou ataques de drones contra o Porto de Reni, nas margens do Rio Danúbio, no Oblast de Odessa, próximo a fronteira com a Romênia. As autoridades disseram que quatro pessoas ficaram feridas, enquanto um hangar de grãos, tanques de armazenamento e três armazéns foram bombardeados. Três dos cerca de 15 drones lançados foram abatidos.[212] Três pessoas, incluindo duas crianças, foram mortas por um bombardeio de fragmentação russo em Kostiantynivka, no Oblast de Donetsk.[213]

Autoridades na Crimeia disseram que um drone ucraniano causou uma explosão em um depósito de munição em Dzhankoi, levando a evacuações em um raio de cinco quilômetros, enquanto outro drone danificou uma casa em Raion de Kirovske. Cerca de 11 drones ucranianos teriam sido abatidos, enquanto os serviços ferroviários no Raion de Dzhankoi e a autoestrada Dzhankoi-Simferopol foi fechada.[214]

Os militares ucranianos afirmaram ter retomado 12,7 quilômetros quadrados de território na frente sul e 4 quilômetros quadrados na frente leste, aumentando a quantidade total de território retomado desde o início da contra-ofensiva para 192,1 quilômetros quadrados. O alto-comando militar da Ucrânia também afirmou ter avançado até 1,4 quilômetros em direção de Berdiansk.[215]

Em 25 de julho, a Rússia lançou uma nova onda de drones contra o Kiev. As autoridades ucranianas informaram que todos os drones lançados foram abatidos. Ataques também foram registrados nos Oblasts de Jitomir[216] e Kharkiv.[217]

Quatro pessoas foram mortas por bombardeios russos nos Oblasts de Donetsk e Kherson.[218][219]

Os militares ucranianos afirmaram ter retomado a aldeia de Andriivka, ao sul de Bakhmut,[220] e expulsou as forças russas de Staromaiorske no sul de Donetsk Oblast.[221] Foi confirmado também neste dia que a Ucrânia usou pela primeira vez munição cluster ao redor de Bakhmut.[222] Enquanto isso, a Rússia alegou ter tomado a aldeia de Serhiivka, próximo de Lyman.[223]

Trevor Reed, ex-fuzileiro naval dos Estados Unidos que foi libertado da custódia russa em 2019, foi ferido enquanto lutava pela Ucrânia e foi transferido para a Alemanha para tratamento. O governo dos Estados Unidos negou envolvimento em suas ações.[224]

O SBU anunciou acusações de traição contra Yevhen Murayev, político pró-Rússia e líder do partido político banido Nashi, que havia deixado a Ucrânia em maio de 2022 e era considerado uma das escolhas da Rússia para chefiar um governo fantoche no país.[225]

A Rússia alegou ter impedido um ataque de dois drones navais em seu navio de patrulha Sergei Kotov no Mar Negro.[226]

A Duma russa aprovou uma lei que elevou a idade máxima de recrutamento de 27 para 30 anos.[227]

Uma inspeção da AIEA da Usina Nuclear de Zaporíjia descobriu minas antipessoal em uma zona tampão entre as barreiras de perímetro internas e externas do local, acessíveis apenas aos militares russos.[228]

Os Estados Unidos prometeram outro pacote de ajuda militar à Ucrânia no valor de US$ 400 milhões de dólares, que incluía munição para sistemas de defesa aérea, foguetes e artilharia,[229] enquanto o ministro da economia ucraniano Yulia Svyrydenko afirmou que governos estrangeiros e ONGs se comprometeram a manter um fundo de US$ 244 milhões e equipamentos para remoção de minas no país.[230] Já a Noruega também doou US$ 24 milhões para o programa European Peace Facility (EPF) da União Europeia, apesar de não ser membro dela, com o dinheiro sendo usado na obtenção de munição e peças de reposição para tanques Leopard 2.[231]

Em 26 de julho, a Rússia lançou um novo ataque com mísseis, desta vez contra a cidade de Starokostiantyniv, no Oblast de Khmelnytski.[232] A Força Aérea Ucraniana afirmou ter abatido trinta e seis mísseis.[233]

O New York Times informou que os militares ucranianos deveriam começar a mandar soldados treinados no Ocidente que haviam sido mantidos na reserva para sua contra-ofensiva na frente de Zaporíjia. Os avanços ucranianos na região, embora efetivos, estavam muito mais lentos que o antecipado.[234]

O primeiro-ministro ucraniano, Denis Shmyhal, anunciou que o governo estava alocando ₴40 bilhões (US$ 1,08 bilhões) para desenvolver a indústria doméstica de drones.[235]

O político ucraniano pró-Russia Vadim Rabinovich, ex-co-presidente do partido político banido Plataforma de Oposição — Pela Vida que fugiu da Ucrânia após culpá-la e ao Ocidente pela invasão da Rússia, foi acusado de traição pelo Bureau de Investigação do Estado Ucraniano.[236]

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Kirby, disse que os pilotos ucranianos deveriam receber treinamento em caças F-16 na Dinamarca e na Romênia, enquanto o Reino Unido estava fornecendo aulas de inglês aos pilotos.[237]

Os Estados Unidos disseram que ajudariam na investigação do Tribunal Penal Internacional dos crimes de guerra russos na Ucrânia, depois de reverter sua posição anterior citando temores de processos contra o governo americano e seus aliadas.[238]

Autoridades e analistas ocidentais e ucranianos disseram que os militares ucranianos lançaram um novo impulso na sua ofensiva na frente de Zaporíjia, particularmente em direção da importante cidade de Melitopol. O Instituto para o Estudo da Guerra, também citando fontes russas, informou que as forças ucranianas lançaram "uma significativa operação mecanizada de contra-ofensiva” no oeste do Oblast de Zaporíjia, acrescentando que pareciam "ter rompido certas posições defensivas russas pré-preparadas", o que foi negado por oficiais pró-Rússia. Ao mesmo tempo, autoridades russas fecharam o acesso a Ponte terrestre de Arabat, que liga a Crimeia com a Ucrânia continental.[239]

Em 27 de julho, o exército ucraniano afirmou ter assumido o controle da vila de Staromaiorske, na parte mais a sudoeste do Oblast de Donetsk, depois de anteriormente expulsar as forças russas de lá.[240] Fontes pró-Rússia no Oblast de Zaporíjia afirmou que uma pessoa tinha sido ferida num ataque com mísseis das forças ucranianas contra a cidade ocupada de Tokmak, na região de Zaporíjia.[241] Nessa mesma noita, a Rússia lançou outro ataque com mísseis em direção de um porto no Oblast de Odessa, matando um guarda civil.[242] Já no Oblast de Kharkiv, um civil ucraniano foi morto num ataque aéreo russo contra um prédio residencial na cidade de Kivsharivka.[243]

A situação da guerra ao final de julho de 2023, com ênfase nas ofensivas ucranianas em Zaporíjia e Bakhmut.

O governo do Japão impôs sanções adicionais à Rússia por causa da invasão, proibindo a exportação de veículos com motor de 1.900 cc ou superior, bem como veículos com motores híbridos e elétricos para o país.[244]

Em 28 de julho, as forças armadas russas continuaram com uma campanha contínua de bombardeio com mísseis balísticos contra alvos civis ucranianos. Em um ataque noturno contra a cidade ucraniana de Dnipro, atingiu um prédio do serviço de segurança da Ucrânia (o SBU) e um edifício residencial, ferindo dez pessoas.[245]

Ao final de julho, o ministro da defesa russo Sergei Shoigu visitou a Coreia do Norte, um dos últimos aliados abertos da Rússia. A visita durou dias e acordos bilaterais foram firmados. Entre os acordos, o governo russo anunciou que iria comprar enormes quantidades de munição dos norte-coreanos.[246]

Ainda no dia 28 de junho, a sede do Ministério do Interior da República Popular de Donetsk, na cidade de Donetsk, foi danificada por um ataque aéreo ucraniano.[247] Enquanto isso, a Ucrânia alegou que sabotadores explodiram um depósito de munição na Baía de Kozacha, o quartel-general da 810ª Brigada de Infantaria Naval de Guardas russa, na Crimeia.[248]

Na Rússia, um míssil ucraniano atingiu a cidade de Taganrog, no Oblast de Rostov, 40 quilômetros da fronteira ucraniana reconhecida internacionalmente. Outro míssil foi interceptado perto de Azov no final do dia. 14 pessoas ficaram feridas. Também foi relatado que um explosivo foi detonado na refinaria de petróleo Kuibyshev no Oblast de Samara. Nenhuma pessoa foi ferida ou dano grave foi relatado. Também foi reportado que um drone ucraniano foi abatido na região do Oblast de Moscou.[249]

O Presidente Zelensky assinou uma lei movendo a celebração oficial do Natal na Ucrânia de 7 de janeiro a 25 de dezembro, dizendo que fazia parte dos esforços do país para "renunciar à herança russa".[250]

O procurador-geral ucraniano apresentou acusações criminais contra Serhii Yevsiukov, o chefe da prisão de Olenivka, na parte ocupada pelos russos do Oblast de Donetsk, e seu vice, Kyrylo Shakurov, por violar o direito internacional humanitário através do tratamento desumano, abuso e tortura de pelo menos 100 prisioneiros de guerra ucranianos.[251]

Em 29 de julho, duas pessoas foram mortas em um ataque de mísseis russos contra Zaporíjia. Duas outras pessoas foram mortas em um outro ataque russo, desta vez contra uma instituição educacional em Sumy.[252][253]

Autoridades pró-Rússia em Kherson Oblast disseram que a Ucrânia lançou ataques com mísseis na ferrovia entre Henichesk e Dzhankoi, na Crimeia. Os militares ucranianos confirmaram posteriormente que haviam atingido a importante ponte de Chonhar, utilizada pelos russos para escoar suprimentos para as frentes de batalha.[254]

Foi relatado que a Ucrânia estava usando foguetes Grad fabricados pela Coréia do Norte que foram fornecidos ao país depois de serem apreendidos por um Estado "amigo".[255]

O presidente Zelensky se reuniu com soldados das forças especiais ucranianas em Chasiv Yar, no Oblast de Donetsk, por ocasião do Dia das Forças de Operações Especiais na Ucrânia.[256]

O presidente russo Vladimir Putin, após se encontrar com líderes africanos em São Petersburgo, afirmou que estava aberto a negociações de paz, mas insistiu que isso não aconteceria enquanto a Ucrânia continuasse sua contra-ofensiva.[257]

Em 30 de julho, um ataque de drone ucraniano contra Moscou danificou dois prédios de escritórios e levou a uma suspensão de uma hora das operações em Aeroporto Internacional Vnukovo. Os militares russos alegaram ter interceptado três drones, dois dos quais atingiram os prédios. Uma pessoa ficou ferida.[258] As forças russas também afirmaram que a Ucrânia lançou um ataque de drones na Crimeia durante a noite, dizendo que 25 drones foram interceptados.[259]

Dois civis ucranianos foram mortos em bombardeios russos contra os Oblasts de Donetsk e Kharkiv,[260] com um prédio residencial sendo danificado na cidade de Kharkiv em outro ataque.[261]

Pelo menos seis embarcações civis teriam rompido o bloqueio naval russo no Mar Negro em direção à Ucrânia, chegando posteriormente à foz do rio Danúbio, perto da fronteira romena.[262]

Os militares ucranianos afirmaram que entre 55 000 e 60 000 homens foram mobilizados à força pela Rússia em territórios ocupados desde a invasão.[263]

Um prédio residencial em Kryvyi Rih após um bombardeio russo.

Em 31 de julho, em mais uma onda de ataques com mísseis russos, pelo menos seis pessoas foram mortas (incluindo uma criança) e outras 75 ficaram feridas em um bombardeio contra a cidade de Kryvyi Rih.[264] Os Oblasts de Kherson e Donetsk também foram atacados em ataque separados que deixaram seis civis feridos.[265]

A vice-ministra da defesa ucraniana Hanna Maliar afirmou que as forças ucranianas recapturaram 15 quilômetros quadrados de território ocupado na última semana de julho, colocando a quantidade total de território retomado desde o início de sua contra-ofensiva em 204,7 quilômetros quadrados. Essa informação não pôde ser verificado de forma independente.[266]

Na Rússia, um prédio da polícia no Oblast de Bryansk foi atingido por um drone.[267]

O Ministério das Finanças ucraniano disse ter recebido uma soma de US$ 1,25 bilhões dos Estados Unidos através do Fundo Fiduciário de Multidoadores do Banco Mundial como parte do programa de Despesas Públicas de Resistência à Capacidade Administrativa (PEACE) destinado a apoiar programas sociais do país durante a guerra, dizendo que seria parcialmente gasto em assistência social para pessoas deslocadas.[268]

A ombudsman russa dos direitos das crianças, Maria Lvova-Belova, reconheceu que 4,8 milhões de ucranianos, incluindo mais de 700 000 crianças, foram deportados para a Rússia desde o início da invasão.[269]

Um tribunal de Moscou ordenou a apreensão de ativos da subsidiária russa da empresa metalúrgica Metinvest, cujo dono era o homem mais rico da Ucrânia, Rinat Akhmetov, depois que o Comitê de Investigação do país o acusou de usar fundos da empresa para apoiar o Regimento Azov.[270]

A empresa alemã Rheinmetal afirmou que começou a treinar trabalhadores para a fábrica que planejava abrir no oeste da Ucrânia no outono de 2023 para consertar tanques Leopard.[271][272]

Agosto[editar | editar código-fonte]

1–16 de Agosto[editar | editar código-fonte]

Em 1 de agosto, Sergei Sobyanin, o Prefeito de Moscou, afirmou que vários drones ucranianos foram derrubados sobre a cidade mas um conseguiu atingir o mesmo prédio danificado por um outro ataque em 30 de julho, que abrigava escritórios de alguns ministérios federais. O Aeroporto de Vnukovo também foi brevemente fechado novamente.[273][274][275]

Um escritório de recrutamento militar em São Petersburgo foi incendiado por um homem que alegou ter sido contatado pelo FSB para "obter acesso a documentos enviados à Ucrânia". na Crimeia ocupada nos últimos dias, que as autoridades atribuíram a "golpistas por telefone".[276]

Na Ucrânia, duas pessoas foram mortas por bombardeios russos em Oblasts de Kharkiv e Kherson.[277][278] Já na Crimeia ocupada, uma explosão foi reportada perto de Sebastopol, com relatos conflitantes descrevendo-a como proveniente de um drone que foi abatido e caiu nas montanhas, ou do centro de logística da Frota Russa do Mar Negro.[279]

Os militares ucranianos disseram que repeliram quatro sabotadores russos que tentaram cruzar a fronteira em Oblast de Chernigov.[280] O serviço de inteligência ucraniano afirmou também que prendeu uma empresária no Oblast de Mykolaiv por passar informações sobre ataques aéreos russos para um blogueiro conectado com a inteligência russa.[281]

O Brasão de armas da União Soviética foi removido da estátua Monumento da Pátria de Kiev em meio a um contínuo processo político de descomunização e desrussificação na Ucrânia, com as autoridades substituindo o emblema soviético pelo do Tryzub, que foi completado em 6 de agosto.[282][283] O redesign foi feito em preparação para o Dia da Independência da Ucrânia em 24 de Agosto e o nome do monumento foi trocado para Mãe-Ucrânia.[284]

Ainda em 1 de agosto, a Polónia acusou a Bielorrússia de enviar dois helicópteros militares sobre o seu espaço aéreo, o que este último negou.[285]

Uma investigação da mídia, feita após reclamações de soldados sobre torniquetes abaixo do padrão de qualidade, descobriu que os militares ucranianos não conseguiram comprar kits de primeiros socorros em 2023 e os kits fornecidos por seus aliados não foram inspecionados adequadamente.[286]

Uma estação da vida marinha, na cidade de Izmail, danificado após um ataque de drone da Rússia.

Em 2 de agosto, a Rússia lançou ataques de drones durante a noite sobre Kiev, com as autoridades dizendo que todos os dez drones lançados foram abatidos. Outro ataque no rio Danúbio, perto do porto de Izmail, no Oblast de Odessa, próximo a fronteira com a Romênia, danificou várias instalações de exportação de grãos e quase 40 000 toneladas de grãos destinadas a países africanos, China e Israel foram destruídas.[287] Destroços de drones também caíram na cidade romena adjacente de Ceatalchioi, levando a uma investigação do governo romeno.[288]

Duas pessoas foram mortas por bombardeios russos nos Oblasts de Donetsk e Zaporíjia.[289]

Um soldado ucraniano postou um vídeo afirmando ter encontrado um componente fabricado na República Tcheca em um drone Lancet próximo de Bakhmut. O fabricante da peça, AXI Model Motors, negou a entrega de produtos aos militares russos, mas reconheceu que alguns deles foram obtidos pela Rússia por meio de terceiros.[290]

O Gabinete do Procurador-Geral da Ucrânia afirmou ter identificado até 98 000 casos de crimes de guerra cometidos por forças russas na Ucrânia desde o início da invasão, acrescentando que as autoridades ucranianas investigariam e processariam 99% dos casos e deixariam o restante para parceiros internacionais, que teriam uma "função auxiliar".[291]

Em 3 de agosto, a Rússia lançou outro ataque de drone durante a noite em Kiev, com os militares ucranianos alegando ter abatido quase uma dúzia de drones.[292] Em Kherson, a Catedral de Santa Catarina do século XVIII, que abrigava os restos mortais de Grigory Potemkin antes de ser tomada pelas forças russas durante sua retirada em 2022, foi danificada por um bombardeio russo que também feriu oito pessoas em toda a cidade.[293] Duas pessoas foram mortas em outro bombardeio russo no Oblast de Donetsk.[294] Já na Rússia, seis drones ucranianos teriam sido abatidos sobre o Oblast de Kaluga.[295]

A inteligência ucraniana (o SBU) prendeu um advogado que anteriormente representava políticos do Partido Shariy, que é pró-Rússia, acusando-o de coletar informações sobre defesas aéreas e alvos potenciais para a Rússia usar em ataques aéreos em Odessa.[296] Uma investigação também foi lançada contra o parlamentar Oleksandr Dubinsky por supostamente sair de férias na Espanha sob falsos pretextos, apesar das restrições do tempo de guerra.[297]

A União Europeia anunciou mais sanções à Bielorrússia, estendendo a proibição de exportação de bens e tecnologias altamente sensíveis que contribuem para as forças armadas da Bielorrússia e impondo uma proibição adicional de exportação de armas de fogo e munições, bem como bens que podem ser usados na aviação e no espaço indústrias. A Comissão Europeia disse que as sanções também visam garantir que a Rússia não possa mais usar a Bielorrússia para fugir das sanções.[298]

Em 4 de agosto, a Rússia alegou ter impedido um ataque de dois drones navais ucranianos em sua base naval em Novorossiysk, no Krai de Krasnodar, e também teriam derrubado dez drones que sobrevoavam a Crimeia.[299] No entanto, uma fonte de inteligência ucraniana afirmou que o ataque naval causo um "grave dano" no Olenegorsky Gornyak, um navio de desembarque da Classe Ropucha. Cerca de 100 tripulantes estavam na embarcação naquele momento. Separadamente, uma fonte dentro do porto disse que um navio não identificado perdeu energia, forçando-o a ser rebocado para a costa. As operações portuárias normais foram mantidas durante e após o ataque.[300]

O Ministério da Defesa ucraniano disse que suas forças, no contexto da contra-ofensiva, conseguiram romper a primeira linha de defesa russa e estão se moveram para linhas "intermediárias" em algumas seções da frente sul.[301]

Na Rússia, dois prédios administrativos e uma igreja teriam sido danificados por um ataque ucraniano com um drone em Kursk.[302]

A inteligência militar ucraniana acusou a Rússia de planejar uma operação de bandeira falsa na refinaria de petróleo de Mozyr, na Bielorrússia, a fim de atrair os bielorrussos para se juntar totalmente ao esforço de guerra russo na Ucrânia.[303] Enquanto isso, a Polônia prendeu um cidadão bielorrusso suspeito de ser membro de uma quadrilha de espionagem russa encarregada de descarrilar trens que transportavam ajuda para a Ucrânia e incitar o sentimento anti-ucraniano.[304]

Uma inspeção da AIEA na Usina Nuclear de Zaporíjia não encontrou minas ou explosivos nos telhados de dois dos seis reatores da usina, mas descobriu que minas colocadas ao redor do terreno da usina que haviam sido observadas durante inspeções anteriores ainda estavam no local.[305]

A Ucrânia emitiu um anúncio NOTMAR (chamado "aviso aos marinheiros") declarando uma "área de risco de guerra" nos portos russos do Mar Negro de Anapa, Novorossiysk, Gelendzhik, Tuapse, Sochi e Taman.[306]

Em 5 de agosto, moradores relataram uma explosão perto da Ponte da Crimeia, com relatos dizendo que foi causada por um drone naval que danificou o navio-tanque de bandeira russa Sig, no Estreito de Querche, cerca de 27 quilômetros ao sul da ponte, que estava fechada ao trânsito e teve a iluminação apagada. A agência de notícias estatal russa TASS, citando uma autoridade russa, disse que a sala de máquinas do navio foi danificada, mas nenhuma vítima foi relatada. Dois rebocadores foram enviados para auxiliar o navio.[307]

No final deste mesmo dia, a Rússia lançou uma onda de ataques com mísseis em toda a Ucrânia, com explosões sendo relatadas nas instalações da empresa aeronáutica Motor Sich nos Oblasts de Khmelnytskyi e Zaporíjia, bem como em Jitomir e em uma instalação de transfusão de sangue em Kupiansk, no Oblast de Kharkiv, matando duas pessoas e ferindo outras quatro.[308][309][310] Três pessoas foram mortas por bombardeios russos nos Oblasts de Donetsk e Sumy.[311][312]

O prefeito de Donetsk instalado pela Rússia afirmou que um prédio da Universidade Nacional de Economia e Comércio de Donetsk foi incendiado por munições cluster ucranianas.[313]

Enquanto a Ucrânia continuava uma lenta e constante ofensiva no Oblast de Zaporíjia, a Rússia também mantinha sua própria ofensiva no leste. Militares russos afirmaram que tomaram de assalto a vila de Novoselivske, no Oblast de Luhansk, no setor de Kupiansk.[314] No entanto, os militares ucranianos negaram essa afirmação, dizendo que haviam repelido um ataque russo naquela região.[315]

Em 6 de agosto, um drone ucraniano teria sido abatido perto de Moscou, causando interrupções novamente no aeroporto de Vnukovo.[316] Os militares ucranianos atingiram a ponte Chonhar novamente com mísseis, junto com uma ponte menor na estrada Kherson-Crimeia em Henichesk. Autoridades pró-Rússia apresentaram imagens mostrando um buraco no meio da estrada em Chonhar e afirmaram que as defesas aéreas russas derrubaram nove dos 12 mísseis supostamente lançados. Analistas acreditam que o ataque foi realizado por mísseis Storm Shadow fornecidos pela França ou Grã-Bretanha disparados de caças Su-24.[317][318][319]

Uma pessoa foi morta por um bombardeio russo no Oblast de Kharkiv.[320]

Prédios danificados em Pokrovsk após um bombardeio russo.

Em 7d e agosto, foi reportado que pelo menos dez pessoas morreram e outras 82 ficaram feridas em dois ataques separados de mísseis russos contra uma área residencial na cidade de Pokrovsk, no Oblast de Donetsk[321] no que a Ucrânia chamou de ataque de "toque duplo" que atingiu primeiro moradores e depois socorristas que chegaram à área 37 minutos depois.[322] Nesse mesmo dia, setecivis ucranianos também foram mortos em ataques russos separados nos Oblasts de Dnipropetrovsk, Kharkiv e Kherson.[323][324][325][326]

Numa troca de prisioneiros, cerca de 22 soldados ucranianos foram libertados pela Rússia.[327]

Na Rússia, dois drones ucranianos teriam sido abatidos sobre os Oblasts de Belgorod e Kaluga.[328][329]

A inteligência militar ucraniana prendeu uma mulher que estaria envolvida em um complô para assassinar o Presidente Zelensky durante sua visita a Mykolaiv. Ela teria oferecido informações para um possível ataque aéreo russo contra a região.[330]

Um helicóptero militar russo Ka-52 foi abatido pelos ucranianos próximo da cidade de Robotyne. No contexto da contra-ofensiva ucraniana no sul, os russos utilizavam seu vasto poderio aéreo para tentar sobrepujar os ucranianos.[331]

Em 8 de agosto, segundo o Instituto para o Estudo da Guerra, citando blogueiros russos, informou que as forças ucranianas a bordo de sete barcos cruzaram o rio Dnipro novamente perto Kozachi Laheri, no Oblast de Kherson, e avançou 800 metros após romper as defesas russas.[332] Uma fonte do exército ucraniano afirmou mais tarde ao jornal online Kyiv Independent que forças especiais ucranianas haviam realizado um ataque do outro lado do Dnipro que capturou dezesseis soldados russos.[333]

Enquanto isso, uma pessoa foi morta em um ataque russo contra a cidade de Nikopol.[334]

O SBU (a inteligência militar ucraniana) alegou ter frustrado uma tentativa de ataque cibernético por um grupo de hackers russo chamado Sandworm usando dez tipos de malware para coletar inteligência de dispositivos usados por soldados ucranianos.[335]

O Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido anunciou suas maiores sanções contra terceiros que apoiavam o esforço de guerra russo na Ucrânia. Entre os sancionados estão duas empresas turcas fornecedoras de componentes microeletrônicos, uma empresa sediada nos Emirados Árabes Unidos que fornecia drones e componentes para drones, indivíduos iranianos e entidades envolvidas na indústria de drones, organizações de defesa bielorrussas ligadas à fabricação de tecnologia militar, três empresas russas de eletrônicos que adquirem microeletrônica ocidental e 22 outros indivíduos facilitando suprimentos militares estrangeiros para a Rússia.[336]

A empresa alemã Rheinmetall comprou cinquenta tanques Leopard 1 de um estoque privado de propriedade de Freddy Versluys, CEO da empresa belga de defesa OIP Land Systems, para serem modernizados e entregues à Ucrânia. Estes tanques foram comprados dos militares belgas quando o governo do país cortando gastos.[337]

Uma igreja destruída em Zaporíjia após um ataque russo.

Em 9 de agosto, três pessoas morreram em um ataque com mísseis russos em Zaporíjia.[338]

O prefeito de Moscou disse que dois drones ucranianos foram abatidos nos arredores da cidade.[339] O governador do Oblast de Bryansk afirmou que um bombardeio ucraniano danificou edifícios e infraestrutura na cidade de Bila Berezka.[340]

O SBU prendeu uma mulher no Oblast de Jitomir que recentemente havia se mudado para lá do Oblast de Donetsk sob a acusação de espionar para a Rússia e na identificação de alvos em ataques aéreos.[341]

A Alemanha entregou um pacote de ajuda militar à Ucrânia que incluía dois sistemas de mísseis Patriot, dez veículos auxiliares BV206, mais de 6 500 cartuchos de munição de fumaça de 155 mm, quatro drones de reconhecimento Vector, cinco veículos de proteção de fronteira, seis trens de trator de caminhão com seis semireboques, dois caminhões de movimentação de carga, cem metralhadoras MG5, pelo menos 40 000 kits de primeiros socorros, material de descarte de munições explosivas, binóculos e óculos de segurança.[342]

Um hotel destruído em Zaporíjia, usado como base principal para o pessoal das Nações Unidas.[343]

Em 10 de agosto, uma pessoa foi morta e outras dezesseis ficaram feridas em outro ataque de míssil russo na cidade de Zaporíjia que atingiu um hotel que hospedava pessoal da ONU,[344] enquanto outros quatro foram mortos em ataques separados nos Oblasts de Donetsk, Kharkiv e Zaporíjia.[345] Um depósito de combustível foi destruído em Dubno Raion, no Oblast de Rivne, após um massivo ataque de drones russos durante a noite.[346]

A Ucrânia ordenou a evacuação obrigatória de civis de 37 assentamentos na região de Kupiansk, no nordeste do Oblast de Kharkiv, devido ao aumento dos ataques e bombardeios russos.[347] A marinha ucraniana anunciou novas rotas temporárias para embarcações civis que se deslocavam de ou para seus portos do Mar Negro em meio ao bloqueio russo.[348]

A Rússia alegou ter abatido onze drones ucranianos perto de Sebastopol e mais dois perto de Moscou.[349] Duas pessoas teriam sido mortas por um bombardeio ucraniano na vila russa de Chausy, no Oblast de Bryansk.[350]

O governo do Azerbaijão prometeu uma máquina de desminagem mecanizada para a Ucrânia e ofereceu treinamento por seus especialistas em desminagem para sapadores ucranianos.[351]

Em 11 de agosto, a Rússia lançou ataques com mísseis contra Kiev e nos Oblasts de Khmelnytskyi e Vinnytsia. Destroços de mísseis supostamente causaram danos a propriedades civis na capital ucraniana.[352] Uma criança ucraniana foi morta em um ataque no Oblast de Ivano-Frankivsk,[353] enquanto um civil também foi morto em Kherson.[354] A Força Aérea Ucraniana afirmou mais tarde que quatro mísseis russos foram lançados contra o campo aéreo de Kolomyia, também no Oblast de Ivano-Frankivsk, acrescentando que eles haviam abatido um outro míssil balístico russo sobre Kiev.[355]

O Instituto para o Estudo da Guerra, citando imagens geolocalizadas, avaliou que as forças ucranianas chegaram à periferia norte da estratégica vila de Robotyne, na frente de Zaporíjia, e o assentamento de Urozhaine, na região de Donetsk.[356]

Na Rússia, mais um ataque de drones ucranianos aconteceu, com pelo menos uma destas aeronaves tendo sido abatido no oeste de Moscou.[357]

O presidente Zelensky ordenou a demissão de todos os chefes de todos os escritórios regionais de alistamento militar em toda a Ucrânia depois que uma inspeção nacional dos escritórios de recrutamento revelou várias violações, incluindo corrupção, abuso de poder e fraude, acrescentando que eles deveriam ser substituídos por oficiais com experiência em combate que tenham sido liberados pelo SBU.[358]

O SBU prendeu um residente da região de Odessa por passar informações sobre bases militares e ataques aéreos russos ao FSB (o serviço de inteligência militar russo).[359]

A Holanda doou seis complexos médicos móveis ao Serviço Estatal de Guarda de Fronteiras da Ucrânia.[360]

Os Estados Unidos anunciaram um novo conjunto de sanções visando a Associação Russa de Empregadores e a União Russa de Industriais e Empresários (RSPP), bem como quatro funcionários do conglomerado Alfa Group, ou seja, os oligarcas Mikhail Fridman, Petr Aven, German Khan e Alexey Kuzmichev, por seu papel no financiamento do esforço de guerra russo na Ucrânia e em ajudar a Rússia a escapar de sanções anteriores.[361]

Em 12 de agosto, duas pessoas, um policial e uma mulher de 73 anos, foram mortas em ataques russos separados nos Oblasts de Kharkiv e Zaporíjia,[362][363] e um míssil balístico também atingiu a cidade de Kryvyi Rih.[364]

A Rússia alegou ter abatido 20 drones ucranianos sobre a Crimeia, o que forçou o fechamento da Ponte da Crimeia ao tráfego por duas horas.[365] As autoridades russas também afirmaram que a Ucrânia tentou atingir a ponte com três mísseis S-200 mas foram frustrados pelas defesas antiaéreas da região.[366]

Uma explosão foi relatada no porto ocupado pelos russos na cidade de Berdiansk, provavelmente atingindo um depósito militar russo.[367]

As autoridades ucranianas reabriram as praias de Odessa para banhistas pela primeira vez desde a invasão, mas proibiram o banho durante os alertas de ataque aéreo.[368]

Em 13 de agosto, cinco pessoas, incluindo uma família de quatro pessoas, foram mortas por um bombardeio russo contra a cidade de Shyroka Balka, no Oblast de Kherson, enquanto outros quatro foram mortos em ataques separados nas proximidades de Stanislav, também em Kherson,[369] e em Stepne, no Oblast de Zaporíjia.[370]

A Ucrânia alegou ter atingido dois depósitos de munição e um local que hospedava um "grupo" de tropas russas em Oleshky, no Oblast de Kherson.[333] O jornal Reuters, citando autoridades pró-russas, relatou que soldados ucranianos haviam se estabelecido na parte norte de Urozhaine.[371]

Na cidade ocupada de Mariupol, guerrilheiros ucranianos supostamente incendiaram uma base militar russa perto do complexo Azovstal, resultando na perda de pelo menos dez soldados russos, três caminhões e cinco carros.[372] Na vila próxima de Urzuf, pelo menos sete civis foram mortos em um fogo cruzado durante lutas internas entre chechenos e soldados regulares russos.[373]

Autoridades russas afirmaram ter derrubado vários drones ucranianos que voavam sobre o Oblast de Belgorod, enquanto um outro foi abatido perto da cidade de Belgorod. Três civis russos teriam sido feridos em um bombardeio ucraniano contra a cidade de Volfino, no Oblast de Kursk.[374]

No Mar Negro, o navio-patrulha russo Vasily Bykov disparou tiros de advertência contra o cargueiro Sukru Okan, de bandeira do Palau, cujo os donos são uma empresa turca, que navegava para Izmail. O navio foi então abordado por inspetores russos a bordo de um helicóptero Ka-29 antes de ser autorizado a zarpar. O incidente foi o primeiro desse tipo desde a retirada da Rússia da Iniciativa de Grãos do Mar Negro em 17 de julho.[375]

O ministro da defesa ucraniano Oleksii Reznikov afirmou que a Ucrânia era o "país mais fortemente minado do mundo", com soldados encontrando cinco minas por metro quadrado em algumas partes do fronte.[376]

Hipermercado queimado em Odessa após um ataque russo.

Em 14 de agosto, a Rússia lançou um ataque aéreo durante a noite em Odessa, causando vários incêndios e ferindo três pessoas. As autoridades ucranianas disseram que 203 prédios da cidade foram danificados, enquanto a Força Aérea afirmou ter atirado em todos os vinte e três drones e mísseis lançados.[377][378] Já no Oblast de Kharkiv, uma pessoa morreu em um bombardeio russo.[379]

O Ministério da Defesa ucraniano afirmou que suas forças haviam retomado três quilômetros quadrados de território perto de Bakhmut na semana anterior,[380] enquanto o presidente Zelensky fez outra visita às posições ucranianas nas linhas de frente no leste.[381]

Os Estados Unidos propuseram um novo pacote de ajuda militar à Ucrânia avaliado em US$ 200 milhões, que incluiria "munições de defesa aérea, cartuchos de artilharia e equipamento adicional de remoção de minas".[382]

A empresa alemã Rheinmetallafirmou que iria suprir drones Luna para a Ucrânia antes do final do ano.[383]

O palácio dos esportes aquáticos na cidade de Dnipro após um bombardeio russo.

Em 15 de agosto, a Rússia lançou outra onda de ataques aéreos durante a noite em toda a Ucrânia, com explosões relatadas em Lutsk, onde três pessoas foram mortas em um ataque a uma instalação industrial, bem como nas cidades de Lviv e Dnipro e nos oblasts de Kiev, Zaporíjia, Cherkasy, Ivano-Frankivsk e Khmelnytskyi. A Força Aérea Ucraniana afirmou ter derrubado 16 dos 28 mísseis russos lançados.[384] Quatro outras pessoas ainda foram mortas em ataques separados no Oblast de Donetsk.[385]

Os militares ucranianos disseram que impediram a entrada de dois grupos de sabotagem russos no Oblast de Chernigov.[386] Nesse meio tempo, o Regimento Azov voltou à ação pela primeira vez desde o Cerco de Mariupol, participando de ações militares na floresta Serebrianskyi, no Oblast de Luhansk.[387] O Presidente Zelensky fez mais uma visita ao fronte, condecorando soldados na região de Zaporíjia.[388]

O governo da Ucrânia acusou a Rússia de se preparar para encenar um ataque de bandeira falsa na Central nuclear de Kursk.[389]

A fragata russa Almirante Makarov, danificada em outubro de 2022 num ataque ucraniano, voltou a operação em agosto de 2023 após extensos reparos.[390]

A fragata russa Almirante Makarov voltou ao serviço ativo depois de ser danificada por um ataque naval ucraniano em Sebastopol em outubro de 2022.[391]

Stian Jenssen, o Chefe de Gabinete do Secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg, sugeriu que a Ucrânia cedesse territórios à Rússia em troca da adesão à OTAN. O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, chamou a proposta de "ridícula" e Jenssen posteriormente retirou seus comentários, chamando-a de "erro".[392]

Em 16 de agosto, a Rússia lançou um ataque noturno de drones contra a cidade de Reni, danificando a infraestrutura portuária e de grãos.[393] Três pessoas foram mortas em ataques separados nos Oblasts de Kharkiv, Kherson e Dnipropetrovsk.[394]

Celeiro na região de Odessa, na Ucrânia, após um ataque de drones russos.

Depois de uma dura luta, a Ucrânia afirmou que havia retomado completamente o importante assentamento de Urozhaine, na parte oeste do Oblast de Donetsk.[395]

Autoridades russas afirmaram ter derrubado três drones ucranianos sobre o Oblast de Kaluga[396] e "eliminou" um grupo de quatro combatentes ucranianos que teriam entrado no Oblast de Bryansk.[397]

Um tribunal no Oblast de Donetsk, ocupado pela Rússia, condenou dois membros da Brigada Azov a 24 anos de prisão por supostos crimes de guerra durante o cerco de Mariupol.[398]

A República Tcheca impôs sanções ao oligarca russo Boris Obnosov, que era o CEO da fabricante de mísseis Tactical Missiles Corporation (KTRV), além da filha dele Olga e seu genro, Rostislav Zorikov, sendo que ambos viviam em Praga desde 2020. As sanções incluíam a proibição de entrada no país e o congelamento de bens.[399] Os Estados Unidos também impuseram sanções a três empresas pertencentes ou administradas pelo empresário eslovaco Ashot Mkrtychev por tentarem facilitar as exportações de armas norte-coreanas para a Rússia.[400]

O Instituto para o Estudo da Guerra informou que os legisladores russos introduziram uma lei que proibiria fotos e vídeos mostrando locais e deslocamentos militares russos, exceto aquelas do Ministério da Defesa, e imporia multas de até 500 000 rublos ou prisão por três anos.[401]

17–31 de Agosto[editar | editar código-fonte]

Em 17 de agosto, dois civis ucranianos foram mortos em bombardeios russos nos Oblasts de Donetsk e Kharkiv.[402]

Nesse dia, os militares ucranianos alegaram ter abatido dois helicópteros Ka-52. Um deles foi derrubado na região de Robotyne com um MANPAD e o outro sendo abatido pela força aérea ucraniana próximo de Bakhmut.[403]

A Rússia alegou ter abatido um drone sobre o Oblast de Belgorod[404] e frustrado um ataque naval de drones à sua frota do Mar Negro.[405]

O serviço de inteligência ucraniano (o SBU) prendeu um cidadão de Kiev suspeito de passar informações à inteligência russa sobre infraestrutura militar e energética para uso em futuros ataques aéreos.[406]

A Alemanha enviou um pacote de ajuda militar à Ucrânia composto por dois sistemas de defesa aérea IRIS-T SLM, dez sistemas de radar de vigilância terrestre, quatro comboios de caminhões-tratores, quatro semirreboques, oito caminhões de movimentação de carga e 4 500 cartuchos de munições de 155 mm.[407] O general Daniel Zmeko, chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas da Eslováquia, visitou posições ucranianas na frente sul ucraniana.[408]

Os Estados Unidos aprovaram a transferência de caças F-16 da Holanda e da Dinamarca para a Ucrânia depois que os pilotos ucranianos concluíssem o treinamento.[409]

O NACP (o órgão do governo ucraniano de combate a corrupção) adicionou a empresa de tecnologia e e-commerce chinesa Alibaba à sua lista de "patrocinadores internacionais da guerra" por apoiar fiscalmente a Rússia através do pagamento de impostos, facilitando a venda de cobre da Planta de Engenharia Metalúrgica de Debaltseve na região militarmente ocupada pela Rússia no Oblast de Luhansk e por censurar o conteúdo ucraniano nas suas plataformas relacionado com a guerra, enquanto deixavam as publicações russas intactas.[410]

Em 28 de agosto, o prefeito de Moscou afirmou que um drone militar ucraniano foi interceptado no centro da cidade, com os destroços caindo sobre o Expocentre. A agência estatal de notícias russa, a TASS, citando uma fonte de serviços de emergência, relataram que uma parede externa desabou parcialmente e o aeroporto de Vnukovo foi brevemente fechado. O Ministério da Defesa russo disse que o drone "mudou sua trajetória de voo" depois de ser detectado pelas defesas aéreas e voou para um prédio não residencial vazio.[405][411]

Neste mesmo dia, um civil foi morto num ataque russo contra o Oblast de Kherson.[412]

A inteligência militar ucraniana informou que um aparente ataque de drone atingiu o quartel-general da polícia pró-Rússia em Enerhodar, ferindo o seu chefe, o coronel Pavlo Chesanov, o seu vice e vários oficiais superiores.[413]

O jornal Washington Post informou que o serviço de inteligência interno polonês, o ABW, frustrou uma tentativa da inteligência russa de interromper o trânsito de armas ocidentais no país para a Ucrânia usando refugiados do leste da Ucrânia, acrescentando que dezesseis pessoas foram presas, sendo que doze delas seriam ucranianas.[414]

O Teatro de Música e Drama de Chernigov após um bombardeio russo.

Em 19 de agosto, pelo menos sete pessoas, incluindo uma criança, morreram e outras 156 ficaram feridas num ataque com mísseis russos que atingiu a Praça Krasna, na região central de Chernigov, sendo que também danificou o teatro de arte dramática da cidade e a Universidade Nacional Politécnica de Chernigov. A maioria das vítimas estava a caminho da igreja para celebrar o Festa da Transfiguração, enquanto o teatro hospedava uma reunião de fabricantes de drones.[415] Uma pessoa foi morta num ataque russo separado no Oblast de Zaporíjia,[416] enquanto mais de 400 edifícios foram danificados por ataques de drones em Medzhybizh e Derazhnia, ambos no Oblast de Khmelnytskyi.[417]

Os militares russos alegaram ter abatido um míssil ucraniano sobre a Crimeia[418] e afirmou que "eliminaram" cerca de 150 soldados ucranianos que tentavam estabelecer uma posição segura na margem esquerda do rio Dnipro.[419]

Na Rússia, um avião Tu-22M teria sido danificado e outro destruído em um ataque ucraniano contra um campo de aviação em Soltsy, no Oblast de Novgorod.[420][421][422]

Autoridades ucranianas anunciaram que os seus pilotos começaram a treinar no uso de caças americanos F-16 e aeronaves suecas Gripen.[423] Durante uma visita a Estocolmo, o Presidente Zelensky começou conversações com o governo sueco para a aquisição de jatos Saab JAS 39 Gripen. Ele também anunciou que a Ucrânia começaria em breve a fabricar veículos de combate suecos CV90, enquanto o governo sueco estava trabalhando em um novo pacote de ajuda militar no valor de US$ 313,5 milhões de dólares.[424]

Os Estados Unidos anunciaram uma prorrogação de dezoito meses do Estatuto de Proteção Temporária (TPS) concedido aos refugiados ucranianos desde o início da invasão.[425]

O Presidente Putin visitou o quartel-general do Distrito Militar Sul em Rostov-on-Don como parte de sua primeira visita à cidade desde a Rebelião Wagner, reunindo-se com comandantes responsáveis pelas operações na Ucrânia.[426]

Em 20 de agosto, na Rússia, um drone ucraniano alegadamente iniciou um incêndio na estação ferroviária de Kursk, ferindo cinco pessoas.[427] Mais drones foram reportados sobrevoando os Oblasts de Rostov, Belgorod e Moscou, forçando o fechamento dos aeroportos de Vnukovo e Domodedovo.[428][429]

Quatro pessoas foram mortas em bombardeios russos nos Oblasts de Kherson, Kharkiv e Zaporíjia.[430][431][432]

Durante uma visita à Holanda, o presidente Zelensky anunciou que a Ucrânia receberia 42 caças F-16.[433] Após sua chegada à Dinamarca naquele dia, o primeiro-ministro Mette Frederiksen anunciou que o país forneceria à Ucrânia o primeiro lote de seis caças F-16 dos 19 prometidos antes do final do ano.[434]

Prédio da prefeitura de Semenivka (região de Chernigov) após um ataque de drones russos.

Em 21 de agosto, duas pessoas ficaram feridas pela queda de destroços de um ataque de drone ucraniano em Moscou. Pelo menos cinquenta voos foram interrompidos no aeroportos de Vnukovo, Domodedovo, Sheremetievo e Jukovsky. A Rússia afirmou ter abatido um drone inimigo e bloqueado eletronicamente outro.[435]

Três pessoas foram mortas em bombardeios russos nos Oblasts de Chernigov, Donetsk e Zaporíjia.[436]

O Ministério da Defesa ucraniano disse que as suas forças retomaram três quilómetros quadrados de território no flanco sul de Bakhmut na semana anterior,[437] enquanto a inteligência militar ucraniana afirmou que um avião de guerra russo foi danificado em um ataque com drones no Oblast de Kaluga.[438]

Enquanto isso, tribunais no Donbass ocupado pela Rússia condenaram cinco soldados ucranianos capturados a até vinte anos de prisão por alegados crimes de guerra, alguns dos quais foram alegadamente cometidos durante o Cerco de Mariupol.[439]

Durante sua visita a Atenas, o Presidente Zelensky anunciou que a Grécia treinaria pilotos ucranianos em sua frota de F-16.[440]

Pelo segundo ano consecutivo, tanques e veículos russos destruídos foram instalados no centro de Kiev em formato de desfile como parte das comemorações do 32º aniversário do Dia da Independência da Ucrânia.[441]

Em 22 de agosto, na Rússia, dois drones foram abatidos perto de Moscou, com um deles atingindo um prédio de vinto e cinco andares em Krasnogorsk (no distrito de Krasnogorski) e resultou no fechamento dos principais aeroportos da cidade. Dois outros drones teriam sido abatidos sobre o Oblast de Bryansk, enquanto outros dois foram abatidos sobre o Mar Negro, a noroeste da Crimeia.[442]

O Ministério da Defesa russo afirmou que um de seus caças destruiu um barco de reconhecimento ucraniano que navegava perto das instalações russas de produção de gás ao longo do Mar Negro.[443]

Seis pessoas foram mortas em um ataque russo contra os Oblasts de Donetsk e Kherson.[444][445]

A inteligência militar ucraniana afirmou que a Rússia tinha afundado uma balsa no Estreito de Kerch e planejava afundar um total de seis navios na hidrovia, a fim de fornecer uma faixa de proteção na água em frente à Ponte da Crimeia.[446]

O general Sergey Surovikin, que chegou a comandar todas as forças russas lutando na Ucrânia, foi removido do comando das Forças Aeroespaciais da Rússia de acordo com relatórios russos.[447]

A Ucrânia anunciou planos para criar uma nova força polícia militar para substituir a agência existente, à qual seriam atribuídos poderes para investigar crimes de guerra, indisciplina militar e outras funções de aplicação da lei.[448]

Um celeiro destruído no Oblast de Odessa.

Em 23 de agosto, na Rússia, dois drones teriam sido abatidos sobre o Oblast de Moscou, enquanto o terceiro foi danificado eletronicamente e acabou colidindo com um prédio em construção no centro de Moscou, levando ao fechamento temporário dos aeroportos da cidade.[449][450] O governador do Oblast de Belgorod disse que outro drone ucraniano atingiu um sanatório na vila de Lavy, matando três pessoas.[450]

A Rússia lançou um ataque noturno com drones no sul da Ucrânia, com uma instalação de armazenamento de grãos no Danúbio parcialmente incendiada. Os militares ucranianos disseram ter interceptado 11 dos 20 drones lançados nos Oblasts de Odessa e Zaporíjia.[451] Quatro membros do corpo docente foram mortos, enquanto quatro transeuntes ficaram feridos em um ataque separado de drones em uma escola em Romny, no Oblast de Sumy.[452] Uma pessoa foi morta num ataque separado em Chasiv Yar.[453]

A Ucrânia alegou ter eliminado um sistema russo de defesa antimísseis S-400 de longo e médio alcance, destruindo todos os lançadores e matando o pessoal que os operava, próximo da vila de Olenivka, perto da Península Tarkhankut na Crimeia.[454] Segundo relatos, as forças ucranianas usaram uma variante de ataque terrestre do míssil R-360 Neptune.[455][456]

Serhii Ilnytskyi, um membro do Conselho municipal de Kiev e coronel aposentado do Exército Voluntário Ucraniano, foi morto em ação na vila de Kurdiumivka, na frente de Donetsk.[457]

Ainda nesse dia, foi relatado que um piloto russo desertou para a Ucrânia, levando consigo o seu helicóptero Mi-8 após uma operação de seis meses da inteligência militar ucraniana, com a família do piloto também sendo extraída da Rússia. Durante a deserção, dois tripulantes que não sabiam o que estava acontecendo teriam sido mortos.[458]

Em sua visita a Kiev, o primeiro-ministro finlandês Petteri Orpo anunciou o 18º pacote de ajuda militar do país à Ucrânia, que mais tarde foi anunciado no valor de 94 milhões de euros (US$ 101,5 milhões).[459][460]

Uma escola destruída após um ataque russo contra a cidade de Romny, no Oblast de Sumy.

Os líderes do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin e Dmitry Utkin, foram mortos junto com outras oito pessoas depois que seu avião caiu perto do assentamento de Kuzhenkino, no Oblast de Tver, perto de Moscou. As autoridades russas ainda não determinaram a causa do desastre,[461] mas a inteligência dos Estados Unidos acreditava que o acidente pode ter sido causado por uma explosão deliberada a bordo, enquanto outras fontes dizem que o avião foi derrubado por um míssil antiaéreo.[462] Segundo analistas, a morte de Prigozhin teria sido um ato de vingança pelo regime de Vladimir Putin por causa do motim do Grupo Wagner, que aconteceu dois meses antes.[463]

Em 24 de agosto, a Marinha Ucraniana e a inteligência militar conduziram uma "operação especial" noturna na ponta ocidental da Crimeia, com desembarques anfíbios perto das cidades de Olenivka e Maiak. Os militares ucranianos alegaram ter alcançado os seus objetivos, infligido baixas ao inimigo e destruindo vários de seus equipamentos (incluindo um sistema de radar) e por fim hastearam a bandeira ucraniana ali antes de bater em retirada.[464]

Na comemoração do trigésimo-segundo Dia da Independência da Ucrânia, os russos lançaram um grande bombardeio sobre as cidades de Dnipro e Kherson, ferindo treze pessoas, incluindo uma garota de sete anos.[465] Outros quatro civis ucranianos ficaram feridos num ataque a um supermercado em Kurakhove, no Oblast de Donetsk.[466] Uma pessoa foi morta em um bombardeio separado no Oblast de Kherson.[467]

O Presidente Zelensky anunciou que Portugal ajudaria a treinar pilotos ucranianos no uso de jatos F-16,[468] enquanto a Noruega prometeu pelo menos dois F-16 à Ucrânia.[469] O governo norueguês também prometeu 140 milhões de dólares (1,5 bilhões de coroas norueguesas) para garantir o fornecimento de energia à Ucrânia.[470] O Ministério da Defesa da Lituânia anunciou um pacote de ajuda militar de 41 milhões de euros (US$ 44 milhões de dólares) que incluiria munições para lançadores de granadas multiuso Carl Gustaf, fuzis, conjuntos de radares de vigilância marítima, munições calibre 5,56 mm, geradores de energia, sistemas anti-drones e lançadores NASAMS.[471] A Alemanha entregou mísseis Patriot, oito sistemas de detecção de drones e 40 drones de reconhecimento RQ-35 Heidrun à Ucrânia como parte de um novo pacote de ajuda militar.[472] O Pentágono anunciou que o treinamento de pilotos ucranianos no uso de F-16 nos Estados Unidos começaria em setembro no Texas e no Arizona, facilitado pela 162ª Ala Aérea da Guarda Aérea Nacional americana.[473]

O governo dos Estados Unidos impuseram sanções a mais entidades e indivíduos ligados ao rapto e deportação de crianças ucranianas para a Rússia. Entre os sancionados estavam os comissários para os direitos da criança nos Oblasts de Belgorod, Kaluga e Rostov. Indivíduos na Chechênia também foram visados, incluindo o comissário republicano para os direitos humanos, o presidente do governo republicano, a Fundação Akhmat Kadyrov, o membro do conselho Aymani Kadyrova, que também é a mãe do líder checheno Ramzan Kadyrov, e um comandante de batalhão de polícia especial, todos envolvidos na detenção de crianças em campos fora de Grozny. Os Estados Unidos também sancionaram o "acampamento de verão" Artek, de propriedade do governo russo, localizado na Crimeia, seu diretor Konstantin Fedorenko, o chefe do Estado-Maior da Seção de Sebastopol do Exército Juvenil Russo, Vladimir Kovalenko, e o chefe da Universidade Estadual de Sebastopol, Vladimir Nechaev. Olena Shapurova, uma funcionária da educação nomeada pela Rússia, também foi sancionada por implementar políticas educacionais pró-Rússia no Oblast ocupado de Zaporíjia e por ameaçar remover crianças cujos pais boicotaram escolas pró-Rússia.[474]

A agência governamental anticorrupção ucraniana (NAPC) adicionou as fabricantes de tabaco Philip Morris International e Japan Tobacco International à sua lista de patrocinadores internacionais do esforço de guerra russo na Ucrânia por continuar a fazer negócios no país e apoiar a sua economia.[475]

O ativista político russo Maxim Katz, que havia se exilado em Israel, foi condenado à revelia a oito anos de prisão por um tribunal de Moscou por relatar atrocidades cometidas pelos militares russos na Ucrânia no YouTube, incluindo o Massacre de Bucha.[476]

Em 25 de agosto, a Rússia afirmou ter abatido 42 drones ucranianos sobre a Crimeia,[477] enquanto um míssil S-200 teria sido abatido perto da cidade de Obninsk, no Oblast de Kaluga, forçando o encerramento temporário dos aeroportos de Vnukovo e Domodedovo em Moscou. Explosões ainda foram reportadas no Oblast de Tula.[478] Os militares ucranianos, por outro lado, em uma ação conjunta com o SBU, lançaram um ataque com drones contra a 126ª Brigada de Defesa Costeira da Frota Russa do Mar Negro, baseada em Perevalne na região de Simferopol, na Crimeia ocupada, supostamente causando "dezenas" de mortos nas linhas russas.[479][480]

Enquanto isso, três pessoas foram mortas em bombardeios russos em Oblasts de Dnipropetrovsk e Kharkiv.[481]

Cerca de onze crianças ucranianas deportadas para a Rússia foram devolvidas ao país pela ONG Save Ukraine.[482]

Putin assinou um decreto ordenando que o Grupo Wagner e outros combatentes paramilitares prestassem um "juramento de lealdade" ao Estado russo. Isso aconteceu após a morte de Prigozhin e foi visto como mais um gesto para enfraquecer a organização que ele criou.[483]

O caixão do capitão Andrii Pilshchykov, morto no Oblast de Jitomir.

Em 26 de agosto, na Rússia, um drone (possivelmente ucraniano) foi derrubado perto de Moscou,[484] provocando o fechamento dos aeroportos da cidade.[485] O governador do Oblast de Belgorod afirmou que um outro drone foi abatido perto da vila de Kupino, enquanto um bombardeio ucraniano danificou edifícios e feriu quatro pessoas no vilarejo de Urazovo,[486] enquanto outro drone matou uma pessoa na aldeia de Shchetinovka. Um outro drone teria caído na área do Oblast de Bryansk.[487]

Nesse mesmo dia, três pilotos da Força Aérea Ucraniana foram mortos quando dois L-39 de treinamento colidiram em pleno ar sobre a cidade de Sinhury, no Oblast de Jitomir. Um dos pilotos mortos era Andrii Pilshchykov, apelidado "Juice", que travou combates aéreos contra caças russos na Batalha de Kiev e era conhecido por dar entrevistas à mídia durante as quais defendia a entrega de caças F-16 à Ucrânia.[488][489]

Em 27 de agosto, dois civis forom mortas por bombardeios russos nos Oblasts de Kharkiv e Kherson.[490] Duas outras pessoas ficaram feridas pela queda de destroços de mísseis no Oblast de Kiev, com os militares ucranianos alegando ter abatido quatro mísseis de cruzeiro sobre as regiões central e norte da Ucrânia.[491]

Enquanto isso, a Contraofensiva ucraniana na região do Oblast de Zaporíjia prosseguia a todo o vapor. Os avanços eram pequenos, devido aos extensos campos minados e posições defensivas russas. Mesmo assim, os ucranianos reportaram progressos, mas reconheceram que os avanços eram mais lentos que o desejado. O Instituto para o Estudo da Guerra avaliou que as forças ucranianas estavam atacando em direção às linhas defensivas russas traseiras perto de Verbove na frente de Zaporíjia.[492]

Na Rússia, um drone atingiu um prédio residencial em Kursk, causando pequenos danos.[493] Cerca de dezesseis drones ucranianos foram lançados em um grande ataque noturno a um campo de aviação russo no Oblast de Kursk, que destruiu quatro caças Su-30 e um Mig-29. Um complexo de radar de um sistema de defesa S-300 e dois sistemas de mísseis Pantsir também foram atingidos e danificados.[494]

Veículos blindados M1224 MaxxPro, do tipo MRAP, utilizados pelo exército ucraniano. Blindados com resistência anti-mina foram cruciais na Contraofensiva ucraniana em Zaporíjia devido ao fato dos russos terem maciçamente minado todo o fronte sul.

Em 28 de agosto, a Rússia lançou um ataque noturno com mísseis contra uma instalação industrial em Hoholeve, no Oblast de Poltava, matando quatro pessoas e ferindo outras cinco.[495] Também foram relatados ataques em Kryvyi Rih, onde oito estruturas teriam sido destruídas ou danificadas. A Força Aérea Ucraniana afirmou ter abatido quatro dos seis mísseis lançados.[496] Outras seis pessoas foram mortas em ataques separados nos Oblasts de Donetsk e Kherson.[497]

Neste mesmo dia, após dias de ferozes combates, o Ministério da Defesa ucraniano afirmou que suas tropas haviam reassumido o controle da cidade de Robotyne e agora avançavam em direção aos assentamentos de Novoprokopivka e Ocheretuvate no fronte de Zaporíjia. Eles também alegaram ter retomado pelo menos um quilômetro quadrado de território no sul de Bakhmut na semana anterior.[498]

A Rússia afirmou ter abatido dois drones e um míssil de cruzeiro sobre a Crimeia,[499] bem como quatro drones sobre os Oblasts de Belgorod e Bryansk. Outro drone foi interceptado sobre a cidade de Lyubertsy, no Oblast de Moscou.[500][501]

A inteligência ucraniana (o SBU) prendeu um residente de Kherson por passar informações militares à Rússia para uso em ataques.[502]

Em 29 de agosto, uma reportagem do The New York Times, citando autoridades americanas, informou que a Ucrânia perdeu 70 000 soldados na guerra (de seu exército de milhão) e teve outros 120 000 militares feridos em ação desde o início da invasão em 2022, enquanto as Nações Unidas afirmaram que pelo menos 9 177 civis foram mortos no conflito. No geral, as baixas da Rússia foram muito maiores, sendo cerca de 120 mil soldados mortos, de acordo com a última estimativa dos Estados Unidos.[503]

Uma pessoa foi morta por outro bombardeio russo no Oblast de Kharkiv.[504] Já os russos afirmaram que derrubaram dois drones ucranianos sobre o Oblast de Tula.[505]

O governo ucraniano ordenou a evacuação obrigatória das crianças, dos seus pais ou tutores e das pessoas com deficiência limitada dos assentamentos de Huliaipole, Yehorivka, Preobrazhenka, Stepnohirsk e Novopavlivka, no Oblast de Zaporíjia, citando uma escalada nos combates e ataques russos.[506]

As forças ucranianas atacaram alvos no porto de Zaliznyi, no Oblast de Kherson, destruindo um sistema de radar russo Predel-E e um veículo Leer-2 de guerra eletrônica.[507]

A situação da guerra nas frentes sul e leste.
A situação da guerra nas frentes sul e leste.

Em 30 de agosto, a Ucrânia lançou uma série de massivos ataques de drones durante a noite em seis regiões do oeste da Rússia. Um desses ataques atingiu o Aeroporto de Pskov, destruindo pelo menos dois aviões de transporte Ilyushin Il-76 e danificando outros dois.[508] Vários outros drones teriam sido abatidos sobre os Oblast de Bryansk, Oryol e Ryazan, enquanto o aeroporto de Vnukovo, em Moscou, foi fechado por precaução. Ataques também foram relatados nos Oblast de Kaluga e Moscou,[509] enquanto à noite, mais dois drones e um míssil foram abatidos sobre o Oblast de Bryansk e na Crimeia.[510]

Os militares ucranianos anunciaram a morte de seis oficiais que "cumpriam missões" na queda de dois helicópteros Mi-8 perto de Bakhmut, sem indicar a causa. A mídia ucraniana informou que o incidente ocorreu perto de Kramatorsk.[511]

A Rússia lançou um ataque aéreo noturno contra a Ucrânia, matando duas pessoas depois que destroços caíram em um prédio comercial no distrito de Shevchenkivskyi, em Kiev.[512] Ataques também foram relatados nos Oblasts de Kiev e Jitomir. A Força Aérea Ucraniana afirmou ter abatido 43 dos 44 mísseis e drones lançados.[513] Três pessoas foram mortas em ataques separados nos Oblasts de Donetsk e Sumy.[514][515]

A Rússia alegou ter destruído quatro barcos que transportavam até 50 membros de grupos de desembarque das forças especiais ucranianas no Mar Negro e interceptado um drone naval perto da Baía de Sebastopol, na Crimeia. Essa informação não foi confirmada por fontes independentes.[516]

A Alemanha entregou dez tanques Leopard 1A5, um radar de vigilância TRML-4D, dezesseis drones de reconhecimento VECTOR, quatro caminhões de transporte pesado 8x8 HX81, juntamente com quatro semi-reboques, treze milhões de munições para armas ligeiras e um hospital de campanha como parte do seu mais recente pacote de ajuda militar à Ucrânia.[517]

Um tribunal em Moscou condenou um cidadão ucraniano a doze anos de prisão por alegadamente conspirar para detonar um dispositivo explosivo no Oblast de Bryansk como parte de um grupo de sabotagem organizado pelo SBU.[518]

Os Estados Unidos alegaram que a Rússia havia celebrado formalmente um acordo bilateral com a Coreia do Norte para fornecer munição de artilharia aos militares russos.[519]

Em 31 de agosto, o Presidente Zelensky anunciou uma investigação sobre ucranianos que evitaram o recrutamento por meio de isenções médicas, citando casos de pagamento de US$ 3 000 a US$ 15 000 como subornos para isenções.[520] Ele anunciou também que o país desenvolveu uma nova arma que pode atingir alvos a até 700 quilômetros de distância.[521]

Duas pessoas foram mortas por bombardeamentos russos nos Oblasts de Donetsk e Zaporíjia, enquanto outras três ficaram feridas num ataque com mísseis no Oblast de Vinnytsia.[522]

A Rússia afirmou ter abatido um drone ucraniano sobre o Oblast de Moscou[523] e três outros sobre Bryansk.[524] O governo russo então anunciou que havia aberto uma votação antecipada para as eleições locais nas áreas que ocupou nos Oblasts de Donetsk e Zaporíjia, marcadas para 10 de setembro.[525]

Setembro[editar | editar código-fonte]

1–17 de Setembro[editar | editar código-fonte]

Em 1 de setembro, na Rússia, três drones ucranianos foram interceptados por defesas aéreas russas nos céus dos Oblasts de Pskov[521] e Belgorod,[526] enquanto um outro teria atingido uma fábrica que fabricava componentes eletrônicos para foguetes em Lyubertsy,[527] no Oblast de Moscou, forçando o fechamento dos aeroportos da região. Pelo menos dois edifícios teriam sido danificados em outro ataque de drones em Kurchatov, no Oblast de Kursk.[528]

Enquanto isso, um ucraniano foi morto por um bombardeio russo em Kherson.[529] No mar, dois navios porta-contentores partiram de Odessa através do corredor temporário introduzido pela Ucrânia no Mar Negro.[530]

A empresa de armas britânica BAE Systems abriu uma filial na Ucrânia como parte dos preparativos para produzir artilharia leve por lá.[531]

Imagens de satélite revelaram que a Rússia retirou suas defesas aéreas, peças de artilharia e tanques das Ilhas Curilas como parte de uma possível redistribuição para a Ucrânia.[532]

Foi reportado então que os primeiros tripulantes ucranianos completaram o seu treinamento em tanques M1A1 Abrams nos Estados Unidos, em antecipação à sua entrega à Ucrânia.[533] No entanto, a sua formação foi postergada a pedido do governo ucraniano.[534]

Um cemitério em Kramatorsk (na região de Donetsk) após um ataque de foguetes russos.

Em 2 de setembro, a Rússia alegou ter destruído três drones navais ucranianos que tentavam atacar a ponte da Crimeia,[535] enquanto o governador do Oblast de Belgorod afirmou que um bombardeio ucraniano matou uma pessoa em Urazovo.[536] Já os militares ucranianos alegaram ter superado a primeira linha defensiva russa na frente de Zaporíjia e agora avançavam em direção à linha de defesa seguinte.[537]

Quatro ucranianos, incluindo um policial, foram mortos em ataques russos contra os Oblasts de Donetsk, Kherson e Sumy.[538][539][540]

Nesse meio tempo, os Estados Unidos afirmou que entregaria aos ucranianos munição perfurante de urânio empobrecido para os seus tanques M1A1 Abrams como parte de um novo pacote militar de 240 a 375 milhões de dólares.[541] Enquanto isso, um porta-voz da força aérea ucraniana disse que os Estados Unidos estavam suprindo seu país com mísseis AMRAAM, com a empresa Raytheon assinando um contrato para fornecê-los à Ucrânia avaliado em US$ 192 milhões.[542]

Em 3 de setembro, a Rússia lançou um ataque noturno com drones contra o porto ucraniano de Reni, que deixou duas pessoas feridas. A Força Aérea Ucraniana afirmou ter abatido 23 dos 25 drones lançados.[543] Duas pessoas foram mortas em ataques separados nos Oblasts de Donetsk e Kherson.[544][545]

Incêndio na região de Odessa após ataque de drone.

Ainda nesse dia, a Ucrânia alegou ter destruído um barco patrulha russo KS-701 usando um drone Bayraktar TB2 sobre o Mar Negro,[546] matando seis dos seus oito tripulantes.[547] Em um ataque separado no Oblast de Luhansk, um sistema lança-chamas pesado russo TOS-1A Solntsepyok foi destruído pelos ucranianos, com todos os seus tripulantes morrendo.[548]

O presidente Volodymyr Zelensky anunciou a remoção de Oleksii Reznikov do cargo de ministro da defesa, sendo substituído por Rustem Umierov, um tecnocrata e gerente do Fundo Estatal de Propriedade da Ucrânia, que trabalhou como um dos negociadores nas negociações com a Rússia durante a guerra. Zelensky disse que baseou sua decisão na busca de "novas abordagens" para o ministério, que também foi envolvido em vários escândalos de corrupção nas semanas anteriores.[549][550] A nomeação de Umierov foi confirmada pela Verkhovna Rada (o parlamento ucraniano) em 6 de setembro.[551] O presidente ucraniano também disse que a França havia finalmente concordado em ajudar a treinar pilotos ucranianos no uso de caças F-16.[552]

Na Rússia, Roman Starovoit, o governador do Oblast de Kursk, afirmou que um drone ucraniano foi derrubado sobre a cidade de Kurchatov, com destroços caindo incendiando um "edifício não residencial".[553]

Em 4 de setembro, a Rússia afirmou ter abatido dois drones sobre o Mar Negro e o Oblast de Kursk[554] e destruiu quatro barcos de desembarque ucranianos que se dirigiam para a Crimeia.[555] Os russos responderam lançando um ataque noturno com drones contra portos ucranianos ao longo do rio Danúbio, danificando vários edifícios, mas não causando feridos. A Ucrânia afirmou ter abatido 23 dos 32 drones lançados,[556] com a Romênia dizendo que pedaços de drones caíram no seu território. A OTAN disse não acreditar que as repercussões constituíssem um ataque deliberado da Rússia.[557] Em resposta, o governo romeno introduziu medidas de segurança adicionais nos assentamentos fronteiriços de Plauru e Ceatalchioi.[558] Enquanto isso, um civil ucraniano foi morto após um bombardeio no Oblast de Zaporíjia.[559]

O Ministério da Defesa ucraniano disse que as suas forças retomaram três quilômetros quadrados de território ao redor de Bakhmut na semana passada.[560] O Presidente Zelensky fez então outra visita às posições ucranianas nas frentes de Donetsk e Zaporíjia.[561]

Um tribunal no Oblast de Donetsk, ocupado pela Rússia, condenou mais dois soldados ucranianos a mais de 20 anos de prisão por alegados crimes de guerra durante o cerco de Mariupol.[562]

Segundo a mídia russa, tanques T-14 Armata que estavam sendo utilizados para testes de fogo indireto em "situações de combate real" foram retirados das linhas de frente. Esta informação não foi confirmada de forma independente, considerando que o T-14 ainda está em fase de testes e não foi produzido em qualquer escala.[563]

O general Sergei Surovikin, que foi afastado de suas funções devido as suas conexões com Yevgeny Prigozhin, foi visto em público pela primeira vez desde a Rebelião do Grupo Wagner em junho.[564]

A Bélgica aprovou o envio de pelo menos oito mísseis RIM-7 Sea Sparrow para a Ucrânia.[565]

Em 5 de setembro, a Rússia afirmou ter derrubado quatro drones ucranianos sobre os Oblasts de Tver, Kaluga, Moscou[566] e Bryansk.[567]

Neste mesmo dia, um blindado Challenger 2 ucraniano (de fabricação britânica) foi destruído perto de Robotyne (na frente de Zaporíjia), sendo a primeira vez que um tanque desse modelo foi destruído por um beligerante em ação.[568]

Yury Afanasyevsky, chefe da alfândega da República Popular de Luhansk, instalado pela Rússia, teria sido ferido em um ataque a bomba perpetrado por guerrilheiros ucranianos em sua casa.[569]

O governo de Cuba anunciou a descoberta de uma rede de tráfico de humanos que recrutava seus cidadãos para lutar na Ucrânia pelas forças militares russas, denunciando-a como um ato de "mercenarismo".[570] Cerca de 17 pessoas foram presas.[571]

Já a Alemanha entregou um pacote de ajuda militar à Ucrânia que incluía 188 caminhões Mercedes-Benz Zetros off-road, quatro veículos de proteção de fronteira, um tanque Beaver para colocação de pontes, 20 000 pares de óculos de segurança e munição para canhões antiaéreos autopropelidos Gepard.[572]

Ataque com mísseis russos no mercado de Kostiantynivka.

Em 6 de setembro, a Rússia lançou um ataque com mísseis contra o mercado central da cidade ucraniana de Kostiantynivka, no Oblast de Donetsk, terminando na morte de dezessete civis (incluindo uma criança), e ferindo outros 33 pessoas.[573][574] Outro ataque de drones no porto de Izmail matou uma pessoa.[575]

O presidente Zelensky anunciou a transferência de Pavlo Kyrylenko, o governador do Oblast de Donetsk, para se tornar o novo chefe do Comitê Antimonopólio da Ucrânia.[576]

O Secretário de Estado Antony Blinken, dos Estados Unidos, visitou Kiev e anunciou mais um pacote de ajuda à Ucrânia no valor de US$ 1 bilhão de dólares, que incluía US$ 665 milhões em assistência de segurança e US$ 175 milhões em equipamento militar, que incluiria artilharia para o sistema HIMARS, armas antitanque Javelin, tanques Abrams e munição urânio empobrecido.[577] O governo da França também entregou 150 drones Delair para os militares ucranianos.[578]

A Ucrânia afirmou que mísseis disparados por seus lançadores HIMARS atingiram a vila ocupada de Myronivs'kyi e destruiu um depósito de mísseis Vikhr utilizados pelos helicópteros de ataque Ka-52 da Rússia.[579]

Em 7 de setembro, outra onda de ataques de drones ucranianos foi relatada em toda a Rússia. Na cidade de Rostov-on-Don, uma pessoa ficou ferida e três edifícios foram danificados num ataque que teria sido feito por dois drones na sede do Distrito Militar do Sul. Outro drone foi abatido sobre o Oblast de Moscou.[580]Um drone ucraniano também caiu sobre uma instalação militar russa no Oblast de Volgogrado,[581] enquanto outro drone causou um incêndio em uma instalação industrial em Bryansk.[582]

Mais de 270 mil toneladas de grãos foram destruídas por um ataque de drones russos nos portos fluviais ao longo do rio Danúbio. A Ucrânia afirmou ter abatido quatorze drones russos.[583] Duas pessoas foram mortas por bombardeios russos nos Oblasts de Kherson e Zaporíjia.[584]

Ainda nesse dia, os guardas de fronteira ucranianos recuperaram os assentamentos fronteiriços de Stroivka e Topoli, na região de Kharkiv, ambos situados numa "zona cinzenta" recentemente desminada entre as posições ucranianas e russas no Oblast de Kharkiv.[585]

A Força Aérea Real iniciou voos de vigilância sobre o Mar Negro para proteger os carregamentos de grãos de ataques russos.[586]

O Pentágono prometeu outro pacote de ajuda militar à Ucrânia no valor de US$ 600 milhões de dólares, que incluiria equipamento de defesa aérea, munições adicionais para sistemas HIMARS, munições de artilharia de 105 mm, equipamentos de guerra electrónica e para remoção de minas, munições de demolição, treino de especialistas e apoio de manutenção.[587]

Uma corte em Abakan, na Rússia, sencentiou o jornalista Mikhail Afanasyev a mais de cinco anos de prisão e uma proibição de 2,5 anos de exercer a sua profissão por reportar sobre o sentimento anti-guerra em Khakassia.[588]

Os governos dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha sancionaram onze membros do grupo russo de crimes cibernéticos Trickbot por lançarem ataques de ransomware contra entidades estrangeiras e atacarem os críticos da invasão da Ucrânia.[589]

Uma estação policial ucraniana destruída em Kryvyi Rih.

Em 8 de setembro, a Rússia lançou mais uma onda de ataques com drones e mísseis sobre a Ucrânia, atingindo as regiões de Zaporíjia e Sumy. Em Kryvyi Rih, um policial foi morto e outras 74 pessoas ficaram feridas em um ataque com mísseis contra uma delegacia de polícia, enquanto 69 estruturas foram danificadas.[590] Três pessoas foram mortas por bombardeios russos no Oblast de Kherson.[591]

Os militares ucranianos afirmaram ter retomado mais de metade da aldeia de Klishchiivka, ao sul de Bakhmut,[592] ao mesmo tempo que notavam que a Rússia reunia uma força de ataque perto da aldeia de Novohryhorivka, no Oblast de Luhansk, em preparação para uma ofensiva contra Lyman.[593]

A Rússia começou a realizar eleições locais nas áreas ocupadas da Ucrânia até 10 de setembro.[594] Durante a votação, o presidente exilado de Melitopol afirmou que a sede regional do partido Rússia Unida foi destruída num incidente incendiário, causando vítimas às autoridades russas.[595]

O governo ucraniano anunciou a repatriação de nove crianças deportadas para a Rússia, uma das quais foi presa por alegadamente ter explodido uma ponte.[596]

A Lituânia entregou 1,5 milhão de cartuchos de munição à Ucrânia.[597]

Em 9 de setembro, uma pessoa foi morta num bombardeio russo no Oblast de Kherson.[598] Um voluntário canadense da ONG Road to Relief e o diretor espanhol da organização foram mortos depois que seu veículo ficou sob fogo de artilharia russa perto de Chasiv Yar. Dois outros voluntários estrangeiros também foram feridos.[599]

Um soldado russo que vigiava as assembleias de voto durante as eleições locais organizadas pela Rússia teria sido morto num carro-bomba em Nova Kakhovka por guerrilheiros ucranianos, que também invadiram transmissões de televisão russas na Crimeia e pediram um boicote às eleições.[600]

O chefe da Crimeia Sergey Aksyonov, que fora instalado pela Rússia, afirmou que três drones ucranianos foram derrubados sobre a península.[601]

O G20 emitiram uma declaração conjunta no final da sua reunião anual em Nova Deli que produziu uma posição mais branda sobre a invasão da Ucrânia em comparação com a reunião anterior realizada em Bali, evitando mencionar o envolvimento russo no conflito.[602]

O major-general Kyrylo Budanov, chefe da inteligência militar ucraniana, disse que a contra-ofensiva continuaria até o inverno.[603]

Militares e blindados T-80 ucranianos da 93ª Brigada Mecanizada, uma das unidades mais engajadas na contra-ofensiva ucraniana de 2023.[604]

Em 10 de setembro, a Rússia lançou um ataque noturno com drones contra a cidade de Kiev, ferindo uma pessoa no bairro de Podil. A Ucrânia afirmou ter abatido mais de vinte e quatro drones lançados.[605] Um ucraniano foi morto em um ataque separado no Oblast de Zaporíjia.[606]

Oito drones ucranianos teriam sido abatidos pelas defesas aéreas russas perto da Crimeia,[605] enquanto a Rússia também afirmou ter destruído três navios de transporte militar ucranianos a nordeste da Ilha das Serpentes.[607]

O presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, anunciou o estabelecimento de um pacote de ajuda de US$ 2,3 bilhões de dólares à Ucrânia para preocupações humanitárias e recuperação pós-guerra.[608]

Em 11 de setembro, o Ministério da Defesa ucraniano afirmou que as suas forças tinham retomado partes da aldeia de Optyne, três quilómetros a noroeste de Donetsk,[609] além de 4,8 km² de território no fronte sul na semana anterior.[610]

A inteligência militar ucraniana afirmou que as suas forças especiais recuperaram várias plataformas de perfuração de petróleo e gás ao largo da costa da Crimeia, ocupadas e fortificadas pela Rússia desde 2015. Entre as instalações retomadas estavam as plataformas conhecidas como Torres Boyko e as plataformas móveis Tavryda e Syvash após confrontos durante os quais um caça russo Su-30, segundo fontes ucranianas, tentou afundar os barcos de assalto com várias armas. Inicialmente, foi alvejado com "armas de serviço" até que foi supostamente atingido por um MANPAD ucraniano, danificando-o e forçando-o a recuar. As tropas ucranianas também apreenderam munições de helicóptero e um avançado sistema de radar Neva dos locais.[611]

Os militares ucranianos alegaram ter atingido uma base russa de drones em Luhanske, na parte ocupada do Oblast de Donetsk.[612]

Na Rússia, dois drones ucranianos teriam sido abatidos sobre o Oblast de Belgorod,[613] enquanto duas casas teriam sido danificadas em um ataque de drones em Rylsk, no Oblast de Kursk.[614]

A empresa alemã Rheinmetall se comprometeram a enviar cerca de 40 veículos de combate de infantaria Marder para a Ucrânia como parte de uma encomenda feita pelo governo alemão.[615]

A Rússia anunciou que estava voltando a fabricar tanques T-80BVM equipados com proteção contra drones e ataques vindos de cima por mísseis anti-blindado após observações feitas nos campos de batalha na Ucrânia.[616]

O Ministério da Defesa ucraniano negou ter oferecido uma recompensa de 2 milhões de dólares a qualquer piloto russo que desertasse com um jato MiG para a Ucrânia após a deserção de Maksym Kuzminov, mas insistiu que haveria outros incentivos.[617]

Um relatório feito pela revista The Economist concluiu que as contribuições financeiras europeias para a Ucrânia valiam agora quase o dobro das dos Estados Unidos.[618]

A mídia russa informou que a Guarda Nacional do país, Rosgvardia, começou a recrutar ex-presidiários que serviram na Ucrânia como membros do Grupo Wagner.[619]

Em 12 de setembro, três pessoas foram mortas por bombardeios russos nos Oblasts de Donetsk e Luhansk.[620][621]

A Dinamarca anunciou um pacote de ajuda militar no valor de 5,8 bilhões de coroas dinamarquesas (US$ 830 milhões) para a Ucrânia que incluiria tanques, veículos de combate de infantaria, munições e armas antiaéreas.[622]

A ONG Save Ukraine devolveu treze crianças em áreas ocupadas pela Rússia na Ucrânia a familiares que viviam em regiões controladas pelo governo ucraniano.[623]

O ministro da defesa russo Sergei Shoigu e outros comandantes militares visitando um depósito de armas do exército na cidade de Omsk.

Em 13 de setembro, o governador de Sebastopol nomeado pela Rússia, Mikhail Razvozhayev, afirmou que o estaleiro local foi atingido por mísseis ucranianos na madrugada, causando um grande incêndio. o ministério da defesa ucraniano afirmou que dez mísseis de cruzeiro tinham sido disparados e que eles foram capazes de derrubar sete deles. O ataque envolveu também três "drones marítimos", que foram todos destruídos. O Ministério russo disse: "Como resultado de serem atingidos por mísseis de cruzeiro inimigos, dois navios em reparos foram danificados". Pelo menos 24 pessoas teriam ficado feridas. As embarcações danificadas foram identificadas como o navio de desembarque Minsk e o submarino Rostov-on-Don (B-237), da Class Kilo. A Força Aérea Ucraniana confirmou que mísseis Storm Shadow foram utilizadas.[624][625][626][627][628]

A Rússia lançou um ataque noturno com drones contra Izmail, ferindo seis pessoas.[629]

Soldados ucranianos da 3ª Brigada de Assalto divulgaram imagens de primeira pessoa de um drone destruindo um tanque T-90A próximo de Bakhmut. A filmagem não tinha data, mas acredita-se que tenha sido filmada no início de agosto.[630]

Um tribunal no Oblast de Donetsk, ocupado pela Rússia, condenou dois supostos membros do Regimento Azov a vinte e nove anos de prisão por alegados crimes de guerra durante o Cerco de Mariupol.[631]

A Alemanha entregou um pacote de ajuda militar à Ucrânia que incluía vinte veículos de combate de infantaria Marder, um sistema de vigilância Satcom, vinte drones de reconhecimento RQ-35 HEIDRUN, dois sistemas de mastro de antena móvel, dez sistemas de detecção de drones, dois tanques de remoção de minas WISENT 1, material de eliminação de munições explosivas, mais de 3 000 projéteis de artilharia de 155 mm, cerca de 1,5 milhão de cartuchos de munição para armas leves, um caminhão-trator 8x8 HX81, quatro semirreboques, nove veículos de transporte, cinco caminhões de movimentação de carga 8x8 e três ambulâncias.[632]

O Parlamento Europeu reconheceu formalmente o presidente bielorrusso, Aleksandr Lukashenko, como "cúmplice" dos crimes de guerra russos na Ucrânia, especialmente por organizar tropas russas e acolher crianças deportadas.[633]

Em 14 de setembro, a Rússia afirmou ter abatido quatro drones ucranianos sobre o Oblast de Bryansk.[634] Também alegou ter destruído dezesseis drones aéreos e navais na Crimeia, com explosões relatadas nas proximidades de uma guarnição militar russa perto da aldeia de Uiutne, na região de Yevpatoria.[635] Ao mesmo tempo, as autoridades russas fecharam a ponte da Crimeia ao tráfego.[636] Posteriormente, as forças ucranianas alegaram ter destruído sistemas de mísseis S-300 e S-400 perto de Yevpatoria utilizando drones e mísseis R-360 Neptune[637] e danificou os barcos de patrulha russos Sergei Kotov e Vasily Bykov em um ataque separado no Mar Negro.[638] Outro navio russo, a corveta Samun foi danificada por um drone naval russo enquanto entrava na Baía de Sebastopol.[639]

Uma criança ucraniana de seis anos foi morta por bombardeio russo em Novodmitryk, na áerea do Oblast de Kherson. Mais tarde naquele dia, as autoridades ordenaram a evacuação obrigatória de famílias com crianças em trinta e um assentamentos em todo o oblast.[640]

Vasily Popov, comandante do 247º Regimento de Assalto Aéreo de Guardas Russo, teria sido morto em combate na Ucrânia, de acordo com o ISW.[641]

O Procurador-Geral ucraniano Andriy Kostin anunciou que o Tribunal Penal Internacional (TPI) abriu um escritório local em Kiev para melhorar a sua resposta aos crimes de guerra russos, chamando o escritório de o maior do TPI depois da sua sede em Haia.[642]

Em resposta às repercussões dos ataques de drones russos aos portos ucranianos do Danúbio, a Romênia impôs a proibição de aeronaves voarem a uma altitude inferior a 4 000 metros sobre uma zona a trinta quilômetros da parte oriental da fronteira ucraniana, nas proximidades dos portos de Sulina e Galați.[643]

Os Estados Unidos anunciaram sanções a mais de 100 indivíduos e entidades envolvidas no esforço de guerra russo na Ucrânia. Entre os sancionados estava o oligarca russo Andrei Bokarev, o chefe de um grande fabricante de material rodante Transmashholding, seu parceiro de negócios Iskandar Makhmudov e seus familiares, bem como o vice-ministro da defesa russo Aleksei Krivoruchko e Mkrtich Okroyan, o designer-chefe e membro do conselho de duas empresas aeroespaciais russas. Entre as empresas sancionadas estavam entidades finlandesas e turcas que exportam mercadorias para a Rússia e importantes empresas bancárias, de investimento, industriais, de construção e de eletrônica russas.[644] Entretanto, a União Europeia levantou sanções contra empresários russos Grigory Berezkin, Farkhad Akhmedov e Alexander Shulgin.[645]

Em 15 de setembro, os militares ucranianos alegaram ter retomado o controlo total da aldeia de Andriivka, ao sul de Bakhmut.[646] Os ucranianos também acusaram a Rússia de lançar acidentalmente uma bomba na cidade ocupada de Nova Kakhovka e depois tentaram culpar a Ucrânia pelo incidente.[647]

O Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) indiciou formalmente o parlamentar Nestor Shufrych por traição e colaboracionismo com a inteligência russa.[648]

A UNESCO formalmente adicionou a Catedral de Santa Sofia de Kiev, o Mosteiro de Kiev-Petchersk e a Cidade Velha de Lviv a sua lista do Patrimônio Mundial em perigo, citando a ameaça contínua representada pela invasão russa.[649]

A Comissão Europeia levantou a proibição da importação de cereais ucranianos para a Polónia, Bulgária, Hungria, Roménia e Eslováquia que estava em vigor desde maio de 2023 para proteger a produção nacional. No entanto, a Polónia, a Hungria e a Eslováquia declararam que continuariam a aplicar a proibição.[650]

O Reino Unido designou formalmente o Grupo Wagner como uma organização terrorista.[651]

Em 16 de setembro, duas pessoas morreram depois que um carro foi atacado pelas forças russas perto da vila fronteiriça de Strilecha, no Oblast de Kharkiv. Outros cinco ficaram feridos num ataque com mísseis no distrito de Kholodnohirskyi, no oeste da cidade de Kharkiv.[652]

Na Rússia, dois drones ucranianos teriam sido abatidos sobre os Oblasts de Tver e Kaluga.[653] Uma pessoa teria sido morta por um bombardeio na vila fronteiriça de Plekhovo, no Oblast de Kursk.[654]

Militares ucranianos na cidade libertada de Klishchiivka.

Em 17 de setembro, uma pessoa foi morta por bombardeio russo no Oblast de Sumy.[655] Outros quatro foram mortos em ataques russos separados no Oblast de Kherson.[656]

Nesse mesmo dia, militares ucranianos afirmaram ter reconquistado a cidade de Klishchiivka.[657] Enquanto isso, explosões foram reportadas em Tokmak[658] e em Sebastopol, com este último acontecendo perto de instalações de inteligência de rádio e defesa aérea russas.[659]

A Rússia afirmou ter abatido cinco drones ucranianos sobre a Crimeia e o Oblast de Moscou,[660] enquanto outro danificou um depósito de petróleo em Oryol.[661]

O Canadá prometeu US$ 24,4 milhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia como parte de uma iniciativa conjunta com outros países ocidentais para melhorar as capacidades de defesa aérea do país.[662]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Russian attacks on Kharkiv, Zaporizhzhia oblasts kill 1, injure 6». The Kyiv Independent. 1 de julho de 2023 
  2. Terajima, Asami (1 de julho de 2023). «Zelensky imposes sanctions against 189 Russians and founder of Georgian Airways». The Kyiv Independent 
  3. «Russia attacks Ukraine's Kyiv as fierce battles rage in Donetsk». Aljazeera. 2 de julho de 2023 
  4. «Authorities: Russian drone pieces hit homes, injure man in Kyiv Oblast». The Kyiv Independent. 2 de julho de 2023 
  5. «Russian attacks kill 2, injure 13 over past day». The Kyiv Independent. 3 de julho de 2023 
  6. «Southern Forces report engaging in heavy combat near Antonivsky Bridge». The Kyiv Independent. 2 de julho de 2023 
  7. «Official: Ukrainian army advances in 2 southern directions». The Kyiv Independent. 2 de julho de 2023 
  8. «Mayor: Part of Rosatom employees leave Russian-occupied nuclear plant». The Kyiv Independent. 2 de julho de 2023 
  9. «Explosion reported near airfield in southern Russia». The Kyiv Independent. 2 de julho de 2023 
  10. «Russia canceled its premiere international air show because it was afraid nobody would show up, UK intel says». Business Insider. 2 de julho de 2023 
  11. «Russia's Wagner Group suspends recruitment for one month». The Kyiv Independent. 2 de julho de 2023 
  12. «Poland to reinforce Belarusian border with counterterrorism forces». The Kyiv Independent. 2 de julho de 2023 
  13. Martin Fornusek (4 de julho de 2023). «Update: Death toll of Russian drone strike on Sumy rises to 3». The Kyiv Independent. Consultado em 18 de julho de 2023 
  14. «Russian drones kill two, Ukraine's Zelenskiy seeks better air defences». Reuters. 4 de julho de 2023. Consultado em 18 de julho de 2023 
  15. Rachel Amran (4 de julho de 2023). «Russian forces attack Sumy Oblast, kill 5 civilians». The Kyiv Independent. Consultado em 18 de julho de 2023 
  16. Martin Fornusek (4 de julho de 2023). «Russian attacks kill 9, injure 34 over past day». The Kyiv Independent. Consultado em 4 de julho de 2023 
  17. Martin Fornusek (3 de julho de 2023). «Defense Ministry: Ukraine liberates 37.4 square kilometers over past week». The Kyiv Independent. Consultado em 18 de julho de 2023 
  18. Psaropoulos, John (5 de julho de 2023). «'Steady, deliberate': Ukrainian advance meets Russian resistance». Aljazeera. Consultado em 18 de julho de 2023 
  19. Dinara Khalilova (3 de julho de 2023). «IAEA: Zaporizhzhia nuclear plant reconnected to backup power line». The Kyiv Independent. Consultado em 18 de julho de 2023 
  20. «Russia claims to have foiled an assassination attempt in Crimea». Aljazeera. 3 de julho de 2023. Consultado em 18 de julho de 2023 
  21. «Ukraine's Anti-Corruption Agency Adds Unilever Group To List Of War Sponsors». RFE/RL. 3 de julho de 2023. Consultado em 18 de julho de 2023 
  22. «International center opens to help hold Russian leadership accountable for aggression in Ukraine». AP. 3 de julho de 2023. Consultado em 4 de julho de 2023 
  23. «Russia's Chechen Akhmat unit commander fighting against Ukraine reportedly killed in Donbas – Russian media». Euromaidan Press. 3 de julho de 2023. Consultado em 18 de julho de 2023 
  24. Martin Fornusek (4 de julho de 2023). «Russian strike against Kherson kills 2». The Kyiv Independent. Consultado em 19 de julho de 2023 
  25. Martin Fornusek (5 de julho de 2023). «Russian attacks kill 3, injure at least 49 over past day». The Kyiv Independent. Consultado em 19 de julho de 2023 
  26. «At least 43 hurt after Russian attack on small Ukrainian town». Aljazeera. 4 de julho de 2023. Consultado em 19 de julho de 2023 
  27. «Ukraine says 'particularly fruitful' few days in counteroffensive». Aljazeera. 5 de julho de 2023. Consultado em 19 de julho de 2023 
  28. Faulconbridge, Guy; Kelly, Lidia (4 de julho de 2023). «Russia says Ukraine attacked Moscow with at least five drones». Reuters. Consultado em 19 de julho de 2023 
  29. «Russian forces shell Kherson Oblast, killing 1, injuring 6». The Kyiv Independent. 5 de julho de 2023 
  30. «Russian media: Fire erupts at oil depot in Russian-occupied Makiivka». The Kyiv Independent. 6 de julho de 2023 
  31. «Zelensky sanctions 18 holding companies with ties to Russia». The Kyiv Independent. 5 de julho de 2023 
  32. John Paul Rathbone (5 de julho de 2023). «Russia has lost half its combat capability in Ukraine, says UK armed forces chief». Financial Times (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2023 
  33. «Update: Death toll of Lviv missile strike rises to 10». The Kyiv Independent. 7 de julho de 2023 
  34. «Ukraine war latest: 7 killed in Russian missile attack on Lviv». The Kyiv Independent. 6 de julho de 2023 
  35. «Russian attacks against Ukraine kill 4, injure 17 over past day». The Kyiv Independent. 7 de julho de 2023 
  36. «Russian shelling destroys train station in Kharkiv Oblast». The Kyiv Independent. 6 de julho de 2023 
  37. «45 Ukrainian POWs, 2 deported children return home». The Kyiv Independent. 6 de julho de 2023 
  38. Rainsford, Sarah; Mackintosh, Thomas (6 de julho de 2023). «Wagner boss Prigozhin is in Russia, Belarus ruler Lukashenko says». BBC (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2023 
  39. Rosenberg, Steve (6 de julho de 2023). «Lukashenko: No one came out of mutiny a hero, Belarus leader tells BBC». BBC (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2023 
  40. «Finland announces $114 million military aid package for Ukraine». The Kyiv Independent. 7 de julho de 2023 
  41. «Russia pulls troops from China border for Ukraine, plans to mobilize 500,000: Reports». al-Arabiya. 6 de julho de 2023 
  42. «Russian forces attack Ukraine with drones overnight, killing 2». The Kyiv Independent. 7 de julho de 2023 
  43. «Fire erupts after Russian missile strike in Zaporizhzhia». The Kyiv Independent. 7 de julho de 2023 
  44. «US to send cluster bombs to Ukraine despite humanitarian concerns». Aljazeera. 7 de julho de 2023 
  45. Madeline Halpert (7 de julho de 2023). «US plans to send controversial cluster munitions to Ukraine». BBC 
  46. Khalilova, Dinara (7 de julho de 2023). «Czechia to send Ukraine more attack helicopters, ammunition». The Kyiv Independent 
  47. Fornusek, Martin (7 de julho de 2023). «Germany delivers new aid package for Ukraine». The Kyiv Independent 
  48. «Ukraine war reaches 500 days, UN laments 9,000 civilians killed». Aljazeera. 8 de julho de 2023 
  49. Yamaguchi, Mari (7 de julho de 2023). «UN nuclear agency seeks more access to the plant that Kyiv and Moscow say is under threat». AP 
  50. «Update: 9 killed in Russian attack on Lyman, Donetsk Oblast». The Kyiv Independent. 9 de julho de 2023 
  51. Amran, Rachel (8 de julho de 2023). «Russian governor claims city in Belgorod Oblast bombed». The Kyiv Independent 
  52. «Ukraine's Zelensky returns Azov commanders released to Turkey». Aljazeera. 8 de julho de 2023 
  53. Mackintosh, Thomas (8 de julho de 2023). «President Zelensky visits Snake Island as war enters 500th day». BBC 
  54. Alexander, Khrebet (8 de julho de 2023). «Minister: Russia's war has caused $56 billion in environmental damage». The Kyiv Independent 
  55. «Russia shells Kherson Oblast, injures head of local hospital». The Kyiv Independent. 9 de julho de 2023 
  56. «Governor: Russian attack on Kherson injures 1 person». The Kyiv Independent. 9 de julho de 2023 
  57. «Russian proxy claims cruise missile shot down in occupied Crimea». The Kyiv Independent. 9 de julho de 2023 
  58. «Mayor: Explosion reported near Russian-occupied Melitopol». The Kyiv Independent. 9 de julho de 2023 
  59. «Russia shoots down missiles over Crimea and regions bordering Ukraine». al-Arabiya. 9 de julho de 2023 
  60. «WSJ: Poland secretly sent about a dozen Mi-24 helicopters to Ukraine». The Kyiv Independent. 9 de julho de 2023 
  61. «Update: 7 killed in Russian attack on Orikhiv, Zaporizhzhia Oblast». The Kyiv Independent. 11 de julho de 2023 
  62. «Russian shelling kills 2, injures 3 in Donetsk Oblast». The Kyiv Independent. 10 de julho de 2023 
  63. «Russia launches missile attack on Mykolaiv». The Kyiv Independent. 10 de julho de 2023 
  64. «General Staff: Ukraine liberates 14 square kilometers over past week». The Kyiv Independent. 10 de julho de 2023 
  65. «Ukraine Says It Captured Key Heights Around Bakhmut». Barron’s. 10 de julho de 2023 
  66. «Hurdle to Ukraine NATO membership dropped as leaders gather». news.com.au. 10 de julho de 2023 
  67. «Rheinmetall to build, repair tanks in Ukraine». The Kyiv Independent. 10 de julho de 2023 
  68. «Australia to deploy surveillance aircraft to assist Ukraine». Aljazeera. 11 de julho de 2023 
  69. «Russia attacks Kyiv and Odesa with drones before NATO summit». Reuters. 11 de julho de 2023 
  70. «Russian attacks kill 2, injure 12 over past day». The Kyiv Independent. 11 de julho de 2023 
  71. a b Lister, Tim; Pavlova, Uliana (12 de julho de 2023). «Russian general in Ukraine says he was fired after accusing defense minister of treachery». CNN. Consultado em 13 de julho de 2023 
  72. «Exiled local authorities: Ukraine reportedly strikes Russian makeshift barracks in occupied Berdiansk». The Kyiv Independent. 11 de julho de 2023 
  73. Richard Spencer (12 de julho de 2023). «Ukrainians kill top Russian general with British-supplied missile». The Times. Consultado em 12 de julho de 2023 
  74. «Another Russian General Killed in Occupied Ukraine». The Kyiv Post. 11 de julho de 2023. Consultado em 12 de julho de 2023 
  75. «Explosions reported in Novooleksiivka, Kherson Oblast». Ukrainian Pravda. 11 de julho de 2023 
  76. «Moscow Says Russian Forces Advanced 1.5 Km in Eastern Ukraine». The Moscow Times. 11 de julho de 2023 
  77. «Ukraine war: Russian ex-navy commander shot dead while jogging in Krasnodar». BBC. 11 de julho de 2023 
  78. «NATO stops short of Ukraine invitation, angering Zelenskyy». Aljazeera. 11 de julho de 2023 
  79. «Zelensky in Vilnius: 'NATO will give Ukraine security, Ukraine will make the alliance stronger'». The Kyiv Independent. 11 de julho de 2023 
  80. John Irish (11 de julho de 2023). «France to send long-range missiles to Ukraine - Macron». Reuters 
  81. «Reznikov: F-16 training coalition of 11 countries officially formed». The Kyiv Independent. 11 de julho de 2023 
  82. «Media: UK to send $65 million defense package to Ukraine». The Kyiv Independent. Consultado em 12 de julho de 2023 
  83. a b «UPDATED: Zelensky meets with NATO leaders, discusses new military aid packages». The Kyiv Independent. Consultado em 12 de julho de 2023 
  84. «Zelensky: Invitation to NATO would be 'ideal'». The Kyiv Independent. 12 de julho de 2023. Consultado em 12 de julho de 2023 
  85. Steve Cannane. «Australia to donate 30 more Bushmaster armoured personnel carriers to Ukraine». Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 12 de julho de 2023 
  86. «Norway to send 1,000 reconnaissance drones to Ukraine». The Kyiv Independent. 12 de julho de 2023. Consultado em 12 de julho de 2023 
  87. «Norway to transfer 2 NASAMS launchers to Ukraine». The Kyiv Independent. 12 de julho de 2023. Consultado em 12 de julho de 2023 
  88. «UK confirms military aid package for Ukraine». The Kyiv Independent. 12 de julho de 2023. Consultado em 13 de julho de 2023 
  89. «FT: G7 agrees on long-term security commitments for Ukraine». The Kyiv Independent. Consultado em 12 de julho de 2023 
  90. «Canada allocates $410 million to Ukraine, 'transatlantic security'». The Kyiv Independent. 12 de julho de 2023. Consultado em 13 de julho de 2023 
  91. «Ukraine F-16 fighter pilot training to start soon in Romania». Aljazeera. 12 de julho de 2023. Consultado em 12 de julho de 2023 
  92. Psaropoulos, John. «Analysis: Ukraine rolls back 6 months of Russian gains in 5 weeks». Aljazeera. Consultado em 12 de julho de 2023 
  93. «Russia launches latest drone attack on Kyiv as NATO meets». Aljazeera. 11 de julho de 2023. Consultado em 12 de julho de 2023 
  94. «Air Force: Air defense downs 11 out of 15 Russian drones launched overnight». The Kyiv Independent. 12 de julho de 2023. Consultado em 12 de julho de 2023 
  95. «Russian attacks kill 2, injure 37 over past day». The Kyiv Independent. 13 de julho de 2023. Consultado em 13 de julho de 2023 
  96. H I Sutton (12 de julho de 2023). «New Technology Sees Through Russian Attempt To Hide Ships From Ukraine». Naval News. Consultado em 13 de julho de 2023 
  97. «At least one killed in third night of Russian drone raids on Kyiv». Aljazeera. 13 de julho de 2023. Consultado em 13 de julho de 2023 
  98. «Air Force: Ukraine downs 20 Shahed drones, 2 Kalibr missiles overnight». The Kyiv Independent. 13 de julho de 2023. Consultado em 13 de julho de 2023 
  99. «Russian attacks kill at least 4, injure 10 over past day». The Kyiv Independent. Consultado em 14 de julho de 2023 
  100. «Commander: Ukraine receives cluster munitions from US». The Kyiv Independent. Consultado em 13 de julho de 2023 
  101. «Spain to donate mobile hospital, armored vehicles to Ukrainian State Border Guard Service». The Kyiv Independent. 13 de julho de 2023. Consultado em 14 de julho de 2023 
  102. «Wagner forces not engaged in Ukraine in any significant way, Pentagon says». Reuters (em inglês). 12 de julho de 2023. Consultado em 13 de julho de 2023 
  103. Steve Trimble (13 de julho de 2023). «Russian Aircraft Losses Total 176 In Ukraine: RAF Chief». Consultado em 16 de julho de 2023 
  104. Terajima, Asami (15 de julho de 2023). «Russia unleashes drones, bombards southern Ukraine overnight». The Kyiv Independent. Consultado em 16 de julho de 2023 
  105. «Russians hit Kryvyi Rih in overnight drone attack, one man injured». The New Voice of Ukraine. 14 de julho de 2023. Consultado em 15 de julho de 2023 
  106. Fornusek, Martin (14 de julho de 2023). «National Guard: Ukraine advances 1,700 meters in Melitopol direction». The Kyiv Independent. Consultado em 15 de julho de 2023 
  107. Fenert, Abbey. «Tavria troops destroy 9 ammunition depots, demolish Russian military equipment». The Kyiv Independent. Consultado em 15 de julho de 2023 
  108. Erin Snodgrass (14 de julho de 2023). «Ukraine may be close to surpassing Russia in active tank numbers, but Russia has a near endless supply of Soviet tanks in storage, military experts say». Business Insider. Consultado em 14 de julho de 2023 
  109. Fornusek, Martin (14 de julho de 2023). «South Korea to offer $52 billion for Ukraine's reconstruction projects». The Kyiv Independent. Consultado em 14 de julho de 2023 
  110. «Russia's Wagner fighters are training soldiers in Belarus - ministry». The Star (em inglês). 14 de julho de 2023. Consultado em 14 de julho de 2023 
  111. Lukiv, Jaroslav (15 de julho de 2023). «Wagner mercenaries have arrived in Belarus, Ukraine confirms». BBC. Consultado em 15 de julho de 2023 
  112. «Border Guard Service: Wagner mercenaries in Belarus do not pose threat to Ukraine». The Kyiv Independent. Consultado em 16 de julho de 2023 
  113. Terajima, Asami. «Governor: Russian shelling kills 33-year-old in Kharkiv Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 15 de julho de 2023 
  114. «Governor: Man killed trying to disassemble projectile in Kherson». The Kyiv Independent. 15 de julho de 2023. Consultado em 15 de julho de 2023 
  115. Terajima, Asami. «Ukraine says it destroyed Russian S-400 missile system used in deadly strike on Kramatorsk». The Kyiv Independent. Consultado em 15 de julho de 2023 
  116. Lee, Joyce; Smith, Josh (15 de julho de 2023). «South Korea's President Yoon in Ukraine to meet Zelenskiy». Reuters. Consultado em 16 de julho de 2023 
  117. Goncharova, Olena. «ISW: Russian sources claim another general dismissed». The Kyiv Independent. Consultado em 16 de julho de 2023 
  118. Lara Jakes; Andrew E. Kramer; Eric Schmitt (15 de julho de 2023). «After Suffering Heavy Losses, Ukrainians Paused to Rethink Strategy». Consultado em 16 de julho de 2023 
  119. «Update: 1 killed, 3 injured in Russian attack on Kharkiv». The Kyiv Independent. 17 de julho de 2023. Consultado em 17 de julho de 2023 
  120. «Russia hits Kherson Oblast with guided bombs, killing 1». The Kyiv Independent. 16 de julho de 2023. Consultado em 17 de julho de 2023 
  121. «Loud explosions heard in occupied Luhansk, Berdiansk, Mariupol». The Kyiv Independent. Consultado em 16 de julho de 2023 
  122. «Ukrainian drones intercepted over Crimea, says Russian official». Aljazeera. Consultado em 16 de julho de 2023 
  123. «Military: Ukrainian forces advance over 1 kilometer in Berdiansk direction». The Kyiv Independent. Consultado em 16 de julho de 2023 
  124. «Military: Situation on eastern front escalates». The Kyiv Independent. 16 de julho de 2023 
  125. «Russia on offensive on Kupiansk front, gathers 100,000 soldiers: Ukraine». al-Arabiya. 17 de julho de 2023. Consultado em 18 de julho de 2023 
  126. «Russia says it foiled assassination attempts on top media figures». Aljazeera. Consultado em 16 de julho de 2023 
  127. Andrew Osborn; Sandra Maler. «Russian official says Ukraine shelled border town, killing one woman on her bike». Reuters. Consultado em 18 de julho de 2023 
  128. Iryna Nazarchuk; Dan Peleschuk (16 de julho de 2023). «Last ship leaves Ukraine port ahead of Black Sea grain-deal deadline». Reuters. Consultado em 16 de julho de 2023 
  129. «Factbox: Crimea Bridge: why is it important and what happened to it». Reuters (em inglês). 17 de julho de 2023. Consultado em 31 de julho de 2023 
  130. «Crimea bridge closes amid reports of 'emergency'». The New Daily (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2023 
  131. «Train services stopped on Kerch Bridge». ukrinform (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2023 
  132. «Ukraine attacked Crimean bridge with surface drones, Russia says». Reuters (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2023 
  133. Psaropoulos, John (20 de julho de 2023). «Ukrainian push stalls, Russia's command baulks, food crisis looms». Aljazeera. Consultado em 20 de julho de 2023 
  134. McGarvey, Emily (18 de julho de 2023). «Ukraine war: Russia says Crimean bridge partially open to cars again». BBC. Consultado em 18 de julho de 2023 
  135. Fornusek, Martin (18 de julho de 2023). «Russian attacks kill 6, injure 25 over past day». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2023 
  136. Adams, Paul (17 de julho de 2023). «Kerch bridge is hated symbol of Russian occupation». BBC (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2023 
  137. Matthew Mpoke Bigg; Daniel Victor; Ivan Nechepurenko (17 de julho de 2023). «Russia Pulls Out of the Black Sea Grain Deal». The New York Times (em inglês) 
  138. Emily McGarvey (20 de julho de 2023). «Ukraine war: Wheat prices soar after Russia threatens ships». BBC (em inglês). Consultado em 31 de julho de 2023 
  139. Fornusek, Martin. «UK slaps new sanctions against Russia over deportation of Ukrainian children». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2023 
  140. Fornusek, Martin (17 de julho de 2023). «SBU brings new charges against Russian propagandist Anton Krasovsky». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2023 
  141. a b «Russia launches wave of air attacks on south and eastern Ukraine». Aljazeera (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2023 
  142. «Russia attacks Odesa with missiles, drones, injuring 1». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2023 
  143. «Russia launches air attacks on Ukrainian ports, repels drone attack in Crimea». Australian Broadcaster Corporation (em inglês). 18 de julho de 2023. Consultado em 18 de julho de 2023 
  144. «Air Force: Ukraine downs 32 drones, 6 missiles launched by Russia overnight». The Kyiv Independent (em inglês). 18 de julho de 2023. Consultado em 18 de julho de 2023 
  145. «Peskov: Strikes on Odesa were revenge for Crimean Bridge attack». The Kyiv Independent (em inglês). 18 de julho de 2023. Consultado em 18 de julho de 2023 
  146. «1 killed, 1 injured in Russian attack on Kharkiv Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). 18 de julho de 2023. Consultado em 18 de julho de 2023 
  147. Pruchnicka, Anna. «Ukraine says situation 'complicated' in east, Russia reports advancing». Reuters. Consultado em 18 de julho de 2023 
  148. «Benelux to send M113 infantry vehicles to Ukraine». The Kyiv Independent (em inglês). 18 de julho de 2023. Consultado em 19 de julho de 2023 
  149. a b «Russia launches 'hellish' second-night attack on Ukraine's Odesa». Aljazeera (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2023 
  150. a b «Russian attacks kill at least 5, injure 38 over past day». The Kyiv Independent (em inglês). 20 de julho de 2023. Consultado em 20 de julho de 2023 
  151. «Air Force: Ukraine downs 14 missiles, 23 drones in massive Russian night strike». The Kyiv Independent (em inglês). 19 de julho de 2023. Consultado em 19 de julho de 2023 
  152. «Zelensky: Military to strengthen defenses of ports after Odesa strikes». The Kyiv Independent (em inglês). 19 de julho de 2023. Consultado em 19 de julho de 2023 
  153. «Minister: Russian strikes destroy 60,000 tons of grain». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2023 
  154. «General Staff: Russia retreats from positions near Orikhovo-Vasylivka in Bakhmut direction». The Kyiv Independent (em inglês). 19 de julho de 2023. Consultado em 20 de julho de 2023 
  155. «Ukraine war: Crimea depot blasts force villagers to flee». BBC (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2023 
  156. «Ukraine war: Russia strikes Ukraine grain after ending sea deal». BBC (em inglês). 19 de julho de 2023. Consultado em 19 de julho de 2023 
  157. «Defense Ministry: Vessels heading to Russia-controlled Black Sea ports to be considered military targets». The Kyiv Independent (em inglês). 20 de julho de 2023. Consultado em 20 de julho de 2023 
  158. «Official: Russia plans to check all ships in Black Sea for potential military cargo». The Kyiv Independent (em inglês). 21 de julho de 2023. Consultado em 22 de julho de 2023 
  159. «Belarus Red Cross says it helped deport Ukrainian children to Belarus». CNN (em inglês). 20 de julho de 2023. Consultado em 21 de julho de 2023 
  160. «Belarus Red Cross says it is involved in transfer of children out of Ukraine». The Guardian (em inglês). 20 de julho de 2023. Consultado em 21 de julho de 2023 
  161. «Wagner troops won't go back to fight in Ukraine, Prigozhin says». Politico (em inglês). 19 de julho de 2023. Consultado em 20 de julho de 2023 
  162. «S.Africa Confirms Putin Will Skip BRICS Summit». The Moscow Times (em inglês). 19 de julho de 2023 
  163. «South African authorities agree to issue a warrant for Putin's arrest». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2023 
  164. «4 NASAMS systems announced for Ukraine among $1.3 billion US military aid package». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2023 
  165. «USAID chief pledges $250 million in aid to Ukraine's agricultural sector». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2023 
  166. «Ireland to provide $5.6 million in humanitarian aid». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2023 
  167. «I needed to go out on a high for the good of my mental health, says Ben Wallace». The Argus (em inglês). 19 de julho de 2023. Consultado em 21 de julho de 2023 
  168. «В Николаеве возросло количество жертв ночной атаки оккупантов: погибли супруги». Ukrainska Pravda. 20 de julho de 2023 
  169. a b «At least 20 wounded as Russia strikes Ukraine's Mykolaiv, Odesa». Aljazeera (em inglês). 20 de julho de 2023. Consultado em 21 de julho de 2023 
  170. Kottasová, Ivana; Voitovich, Olga; Krever, Mick; Marquardt, Alex; McWhinnie, Scott; Shukla, Sebastian (20 de julho de 2023). «Ukrainian air defenses in Odesa outgunned as Russia targets global grain supply». CNN (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2023 
  171. «Russian attacks kill 7, injure 9 over past day». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2023 
  172. «Fire erupts at culture center in occupied Mariupol». The Kyiv Independent (em inglês). 20 de julho de 2023. Consultado em 21 de julho de 2023 
  173. «Syrskyi: Russian forces in Bakhmut 'semi-encircled'». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2023 
  174. «Washington Post: Ukraine deploys cluster munitions against Russian forces». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2023 
  175. «Cluster bombs: Ukraine using munitions 'effectively', says US». BBC (em inglês). 20 de julho de 2023. Consultado em 21 de julho de 2023 
  176. «SBU detains railway employee in Dnipro over spying for Russia». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2023 
  177. «Australia slaps new sanctions against Russia, Belarus». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2023 
  178. «New US sanctions target Russian mining corporations, suppliers helping Russia evade restrictions». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2023 
  179. «Kirby: Ukraine to receive F-16s by end of year». The Kyiv Independent (em inglês). 20 de julho de 2023. Consultado em 21 de julho de 2023 
  180. «Germany hands over 10 Leopard 1 tanks, other aid to Ukraine». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2023 
  181. Martin Fornusek. «Russian missiles hit grain warehouses in Odesa Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2023 
  182. Martin Fornusek. «Russian missiles hit grain warehouses in Odesa Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2023 
  183. Daria Shulzhenko. «Governor: Russian shelling kills 2 children in Donetsk Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2023 
  184. «Death toll of Russian attack on Chernihiv Oblast rises to 2». The Kyiv Independent (em inglês). 21 de julho de 2023. Consultado em 21 de julho de 2023 
  185. «Authorities: Russian attack kills 4 in Zaporizhzhia Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). 21 de julho de 2023. Consultado em 22 de julho de 2023 
  186. «General: Russia tries to conduct sabotage raids in Sumy, Chernihiv oblasts». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2023 
  187. «General: Energoatom: Russians coercing Zaporizhzhia plant workers». The Kyiv Independent (em inglês). 21 de julho de 2023. Consultado em 29 de julho de 2023 
  188. Mattea Bubalo. «Ukraine's Zelensky sacks ambassador to UK Prystaiko after criticism». BBC (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2023 
  189. Andrew Roth. «Russia arrests pro-war Putin critic Igor Girkin, according to reports». The Guardian (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2023 
  190. Martin Fornusek. «Ukraine nationalizes Russian oligarch's bank». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2023 
  191. Rachel Amran. «Bulgaria to provide Ukraine with armored personnel carriers». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2023 
  192. Gordon Corera (21 de julho de 2023). «From Ukraine to Aspen, nervousness over a critical moment for the war». BBC. Consultado em 22 de julho de 2023 
  193. Malu Cursino (22 de julho de 2023). «Crimea bridge closed after fuel depot hit - Russia». BBC 
  194. «Russian forces attack Sumy Oblast, killing 1, injuring 6». The Kyiv Independent. 22 de julho de 2023. Consultado em 22 de julho de 2023 
  195. «Officials: Russian shelling kills 1, injures 1 in Kharkiv Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 22 de julho de 2023 
  196. «Russian attacks kill 4, injure 11 in Donetsk Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 23 de julho de 2023 
  197. «Russian journalist killed, three wounded near Ukraine front line». Aljazeera. 22 de julho de 2023. Consultado em 22 de julho de 2023 
  198. «DW cameraman injured in Russian attack on Ukrainian army». DW. 22 de julho de 2023. Consultado em 22 de julho de 2023 
  199. «Explosion reported at Russian proxy's house in occupied Kherson Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 23 de julho de 2023 
  200. «Ukraine has developed its own air defense systems, official says». The Kyiv Independent. 22 de julho de 2023. Consultado em 22 de julho de 2023 
  201. «Swedish government pledges 522.6 million euros for Ukraine's recovery». The Kyiv Independent. Consultado em 22 de julho de 2023 
  202. «Russian missile attack on Odesa kills one, damages cathedral». Aljazeera. 23 de julho de 2023. Consultado em 24 de julho de 2023 
  203. «Moscow claims attack that hit Odesa cathedral targeted sites where Ukraine was making 'unmanned boats' to be used against Russia». The Kyiv Independent. Consultado em 23 de julho de 2023 
  204. «В Одессе после российского обстрела повреждены 25 памятников архитектуры». Meduza. 23 de julho de 2023 
  205. «Air Force: Ukraine downs 9 out of 19 missiles fired at Odesa Oblast overnight». The Kyiv Independent. 23 de julho de 2023. Consultado em 23 de julho de 2023 
  206. «Governor: Aid center in Donetsk Oblast hit by Russian cluster munitions». The Kyiv Independent. Consultado em 23 de julho de 2023 
  207. «Governor: Russian shelling hits Nikopol, again». The Kyiv Independent. Consultado em 23 de julho de 2023 
  208. Singh, Kanishka; Satter, Raphael (23 de julho de 2023). «Ukraine has recaptured 50% of the territory that Russia seized, Blinken says». Reuters. Consultado em 24 de julho de 2023 
  209. Mark Trevelyan; Felix Light (23 de julho de 2023). «Putin hosts Lukashenko, calls Ukraine counter-offensive a failure». Reuters. Consultado em 24 de julho de 2023 
  210. «Russia claims drone strikes hit two non-residential buildings in Moscow». CNN. 24 de julho de 2023. Consultado em 25 de julho de 2023 
  211. Lidia Kelly. «Russia blames Ukraine for "terrorist" drone attack on Moscow». Reuters. Consultado em 24 de julho de 2023 
  212. Robert Greenall. «Ukraine war: Russia attacks grain stores at River Danube ports». BBC. Consultado em 24 de julho de 2023 
  213. Martin Fornusek (25 de julho de 2023). «Update: 3 dead in Russian cluster munitions strike against Kostiantynivka». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  214. Elsa Court (24 de julho de 2023). «Explosions reported in occupied Crimea, Russian proxy claims drone strike on ammunition depot». The Kyiv Independent 
  215. Martin Fornusek. «Military: Ukraine advances up to 1.4 km in Berdiansk direction». The Kyiv Independent. Consultado em 24 de julho de 2023 
  216. Elsa Court (25 de julho de 2023). «Russian drones attack Zhytomyr Oblast, damage infrastructure». The Kyiv Independent. Consultado em 25 de julho de 2023 
  217. Daria Bevziuk (26 de julho de 2023). «Russian drones attack Kharkiv Oblast, damage industrial facilities». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  218. Elsa Court. «Governor: 2 people killed by Russian attacks in Kherson Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  219. Elsa Court. «Governor: Russian attacks kill 2 in Donetsk Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  220. Martin Fornusek. «Governor: Ukraine enters Andriivka village south of Bakhmut, battles continue». The Kyiv Independent. Consultado em 25 de julho de 2023 
  221. Elsa Court (25 de julho de 2023). «General Staff: Russia retreats from Andriivka as Ukraine makes gains near Bakhmut». The Kyiv Independent. Consultado em 25 de julho de 2023 
  222. Alexander Khrebe (25 de julho de 2023). «Ukraine war latest: Russian troops retreat from village near Bakhmut as Ukraine advances». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  223. «Russia Says Army Advanced 2 Km in East Ukraine in 24 Hours». The Moscow Times. 25 de julho de 2023. Consultado em 6 de agosto de 2023 
  224. Max Matza (25 de julho de 2023). «Trevor Reed: Ex-US marine freed by Russia is injured fighting in Ukraine». BBC. Consultado em 26 de julho de 2023 
  225. Martin Fornusek (25 de julho de 2023). «SBU charges ex-MP Muraiev with treason». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  226. «Russia says thwarted Ukrainian naval drone attack on Black Sea patrol ship». al-Arabiya. Consultado em 25 de julho de 2023 
  227. Robert Greenall (25 de julho de 2023). «Ukraine war: Russia expands pool of men eligible for call-up». BBC. Consultado em 26 de julho de 2023 
  228. Elsa Court. «IAEA observes mines, power line failure at Russian-occupied Zaporizhzhia nuclear plant». The Kyiv Independent. Consultado em 25 de julho de 2023 
  229. Daria Bevziuk. «Mmunitions for Patriot and NASAMS». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  230. Martin Fornusek. «Minister: Foreign donors pledge $244 million for demining Ukraine». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  231. Martin Fornusek (26 de julho de 2023). «Norway sends $24 million to EU fund for Ukraine support». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  232. Martin Fornusek. «Air Force: Russian forces launch missiles against Khmelnytskyi Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  233. Martin Fornusek. «Air Force: Ukraine downs 36 Russian missiles». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  234. Daria Bevziuk. «NYT: Ukraine deploys new forces in counteroffensive's 'main thrust'». The Kyiv Independent. Consultado em 27 de julho de 2023 
  235. Elsa Court. «Ukrainian government allocates $1 billion for drone production». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  236. Martin Fornusek (26 de julho de 2023). «Former co-chair of banned pro-Russian party charged with treason». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  237. Martin Fornusek (26 de julho de 2023). «White House: Ukrainian pilots to receive F-16 training in Denmark, Romania». The Kyiv Independent. Consultado em 26 de julho de 2023 
  238. «Biden administration moves to assist ICC in Russia investigation». Aljazeera. 26 de julho de 2023. Consultado em 27 de julho de 2023 
  239. Hanna Arhirova. «Kyiv launches a major push against Russian forces, officials and analysts say». Associated Press. Consultado em 27 de julho de 2023 
  240. Martin Fornusek (27 de julho de 2023). «Military reports liberation of Staromaiorske in Donetsk Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 27 de julho de 2023 
  241. Martin Fornusek. «Russian proxy claims Ukraine struck Tokmak in occupied Zaporizhzhia Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 27 de julho de 2023 
  242. Elsa Court. «Russia attacks port in Odesa Oblast, killing 1». The Kyiv Independent. Consultado em 27 de julho de 2023 
  243. Elsa Court. «Russian airstrike kills 1, injures 4 in Kharkiv Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 27 de julho de 2023 
  244. «Japan expands sanctions on Russia, including ban on hybrid, electric vehicles». The Kyiv Independent. 27 de julho de 2023. Consultado em 28 de julho de 2023 
  245. «Number of injured civilians in Russian missile attack on Dnipro rises to 10». The Kyiv Independent. 28 de julho de 2023. Consultado em 31 de julho de 2023 
  246. «Russia requested munitions from North Korea, says US». Financial Times. Consultado em 9 de agosto de 2023 
  247. «Energoatom: Russia kidnaps, tortures Zaporizhzhia nuclear plant engineer». The Kyiv Independent. Consultado em 28 de julho de 2023 
  248. «Ukrainian intelligence: Saboteurs blow up warehouse in occupied Crimea». The Kyiv Independent. 29 de julho de 2023 
  249. «Russia says it shot down Ukrainian missile over southern city with 14 injured». CNN. Consultado em 28 de julho de 2023 
  250. «Zelensky signs law moving Christmas in Ukraine to Dec 25». The Kyiv Independent. Consultado em 28 de julho de 2023 
  251. «Head of Russian jail charged over abuse of Olenivka prisoners». The Kyiv Independent. Consultado em 28 de julho de 2023 
  252. «Ukraine war: Putin says Russia does not reject peace talks». BBC. Consultado em 30 de julho de 2023 
  253. «Update: 2 killed, 20 injured in Russian attack on Sumy». The Kyiv Independent. Consultado em 30 de julho de 2023 
  254. «Ukrainian military confirms striking bridge between Kherson Oblast and Crimea». The Kyiv Independent. Consultado em 29 de julho de 2023 
  255. Josh Smith; Soo-hyang Choi (29 de julho de 2023). «Ukraine uses North Korean rockets to blast Russian forces, Financial Times reports». Reuters. Consultado em 29 de julho de 2023 
  256. Alexander Query. «Zelensky visits soldiers near front line in Donetsk Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 29 de julho de 2023 
  257. Marita Moloney (29 de julho de 2023). «Ukraine war: Putin says Russia does not reject peace talks». BBC. Consultado em 30 de julho de 2023 
  258. «Russia 'thwarts' Ukrainian drone attack on Moscow». Aljazeera. 30 de julho de 2023. Consultado em 30 de julho de 2023 
  259. James Gregory (30 de julho de 2023). «Moscow drone attack briefly shuts Vnukovo airport». BBC 
  260. «Russian attacks kill 2, injure 19 over past day». The Kyiv Independent. 30 de julho de 2023. Consultado em 31 de julho de 2023 
  261. «Russia launches attack on Kharkiv with S-300 missiles». The Kyiv Independent. 30 de julho de 2023. Consultado em 31 de julho de 2023 
  262. «OSINT: Civilian vessels pass Russian Black Sea blockade en route to Ukrainian ports». The Kyiv Independent. 1 de agosto de 2023. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  263. «Intelligence: Russia has forcibly mobilized up to 60,000 men in occupied territories». The Kyiv Independent. Consultado em 31 de julho de 2023 
  264. «Update: 6 killed, 75 injured in Russian missile strike against Kryvyi Rih». The Kyiv Independent. 31 de julho de 2023 
  265. «12 killed, over 100 injured in Russian attacks over past day». The Kyiv Independent. 1 de agosto de 2023 
  266. Anna Pruchnicka (31 de julho de 2023). «Ukraine retakes 15 sq km in south, east in past week». Reuters. Consultado em 31 de julho de 2023 
  267. Matt Murphy. «Ukraine war: Russian strike on Zelensky's home city kills six». BBC. Consultado em 31 de julho de 2023 
  268. «Finance Ministry: Ukraine receives $1.25-billion grant from US». The Kyiv Independent. 31 de julho de 2023 
  269. «Russian ombudswoman says more than 700,000 children taken from Ukraine since February 2022». Meduza. 31 de julho de 2023 
  270. «Media: Russian court seizes assets of Ukraine's oligarch Akhmetov». The Kyiv Independent. Consultado em 31 de julho de 2023 
  271. «Germany's Rheinmetall training specialists for work at repair centers in Ukraine». ukrinform. Consultado em 31 de julho de 2023 
  272. David Axe. «Ukrainian Tank Losses Diminish As Polish Technicians Save More And More Damaged Leopard 2s». Forbes. Consultado em 31 de julho de 2023 
  273. Jaroslav Lukiv (1 de agosto de 2023). «Ukraine war: Same Moscow skyscraper hit in new drone attack». BBC 
  274. Popeski, Ron; Auyezov, Olzhas; Marrow, Alexander (1 de agosto de 2023). «Drone hits tower housing Russian ministries for second time in three days». Reuters 
  275. Horton, Jake; Robinson, Olga; Palumbo, Daniele (1 de agosto de 2023). «What do we know about drone attacks in Russia?». BBC 
  276. «Phone Scammers Coax Russians to Set Fire to Military Offices – Reports». The Moscow Times. 1 de agosto de 2023 
  277. Toma Istomina (1 de agosto de 2023). «Governor: 1 killed, 1 injured in Russian shelling of Kharkiv Oblast». The Kyiv Independent 
  278. Martin Fornusek (1 de agosto de 2023). «Russian strike against medical facility in Kherson kills doctor». The Kyiv Independent 
  279. Elsa Court (1 de agosto de 2023). «Explosion reported near occupied Sevastopol». The Kyiv Independent 
  280. Martin Fornusek (1 de agosto de 2023). «General: Russia tries to conduct cross-border raid in Chernihiv Oblast». The Kyiv Independent 
  281. Martin Fornusek (1 de agosto de 2023). «SBU detains alleged spy in Mykolaiv for passing information to FSB-connected blogger». The Kyiv Independent 
  282. Valentyn Ogirenko (1 de agosto de 2023). «In pictures: Soviet emblem cut off Ukraine's Motherland Monument». Reuters 
  283. «Ukraine's coat of arms raised onto Motherland monument's shield». The Kyiv Independent. 6 de agosto de 2023 
  284. Elsa Court (1 de agosto de 2023). «Soviet coat of arms removed from Kyiv's Motherland Monument». The Kyiv Independent 
  285. «Poland accuses Belarus of violating its airspace». DW. 2 de agosto de 2023 
  286. Martin Fornusek (1 de agosto de 2023). «MP: Military's medical forces command did not purchase any first aid kits in 2023». The Kyiv Independent 
  287. «Ukraine war: Drones target Odesa grain stores near Romania border». BBC. 2 de agosto de 2023 
  288. «Romania investigating reports of Russian drone debris falling on its territory». The Kyiv Independent. 3 de agosto de 2023 
  289. «Russian attacks kill 2, injure 7 over past day». The Kyiv Independent. 3 de agosto de 2023 
  290. «Czech company says Russia obtained its drone components via third parties». The Kyiv Independent. 3 de agosto de 2023 
  291. «Prosecutor: 98,000 Russian war crimes identified in Ukraine». The Kyiv Independent. 2 de agosto de 2023 
  292. «Russian forces attack Kyiv with Shahed drones». The Kyiv Independent. 3 de agosto de 2023 
  293. «Ukraine admits to bombing Crimea bridge, Russian shelling damages landmark church in Ukraine's Kherson». ABC Australia. 3 de agosto de 2023 
  294. «Russian forces kill 2, injure 14 over past day». The Kyiv Independent. 4 de agosto de 2023 
  295. «Russia Says Downed 6 Ukrainian Drones Near Moscow». The Moscow Times. 3 de agosto de 2023 
  296. «SBU: Ex-lawyer for banned pro-Russian party detained for spying». The Kyiv Independent. 3 de agosto de 2023 
  297. «Authorities investigate MP for alleged vacation abroad». The Kyiv Independent. 3 de agosto de 2023 
  298. «EU expands sanctions against Belarus». The Kyiv Independent. 3 de agosto de 2023 
  299. «Ukraine war: Sea drone attack reported on Russian Black Sea port of Novorossiysk». BBC. 4 de agosto de 2023 
  300. Tom Balmforth (4 de agosto de 2023). «Russian warship damaged in Ukrainian attack on Novorossiysk naval base, sources say». Reuters 
  301. Dinara Khalilova (4 de agosto de 2023). «Official: Ukrainian forces break through Russian first line of defense in south». The Kyiv Independent 
  302. Rachel Amran (5 de agosto de 2023). «Drone attack reported in Russian city of Kursk». The Kyiv Independent 
  303. Dinara Khalilova (4 de agosto de 2023). «SBU: Russia preparing false flag operation to drag Belarus into war against Ukraine». The Kyiv Independent 
  304. «Poland Detains Belarusian Suspected of Spying for Russia». The Moscow Times. 4 de agosto de 2023 
  305. Dinara Khalilova (4 de agosto de 2023). «IAEA finds no mines on 2 out of 6 reactors of occupied Zaporizhzhia nuclear plant». The Kyiv Independent 
  306. «Coastal Warning 118 War risk area until further notice». Ministry of Infrastructure of Ukraine. 4 de agosto de 2023 
  307. «Russia says tanker hit in Ukrainian attack near Crimea». BBC. 5 de agosto de 2023 
  308. «Ukraine war: Russia hits blood transfusion centre, says Zelensky». BBC. 6 de agosto de 2023 
  309. «Zelensky: Russia attacked Motor Sich facility in Zaporizhzhia». The Kyiv Independent. 5 de agosto de 2023 
  310. «Explosions reported in Zhytomyr, Khmelnytskyi oblasts as Russia launches ballistic missiles». The Kyiv Independent. 5 de agosto de 2023 
  311. «Russian shelling kills 1 in Sumy Oblast». The Kyiv Independent. 5 de agosto de 2023 
  312. «Governor: 2 killed, 2 injured in Russian attacks on Donetsk Oblast over past 24 hours». The Kyiv Independent. 6 de agosto de 2023 
  313. «Russia officials say Ukraine hit Donetsk university with cluster shells». Reuters. 6 de agosto de 2023 
  314. «Russia Says Seized Settlement in Northeast Ukraine». The Moscow Times. 5 de agosto de 2023 
  315. «General Staff: Ukraine repels Russian offensive in Zaporizhzhia Oblast». The Kyiv Independent. 6 de agosto de 2023 
  316. «Moscow mayor claims drone shot down by air defense». The Kyiv Independent. 6 de agosto de 2023 
  317. «Ukrainian military confirms striking key Russian bridges to Crimea». The Kyiv Independent. 6 de agosto de 2023 
  318. TYLER ROGOWAY (6 de agosto de 2023). «French SCALP-EG Cruise Missiles Officially In Use In Ukraine». The War Zone 
  319. Ukrainska Pravda (6 de agosto de 2023). «Russians report Ukrainian attack on Henichesk bridge». News Yahoo! 
  320. «Governor: Russia's recent attacks kill at least 3, injure 6 in Kharkiv Oblast». The Kyiv Independent. 6 de agosto de 2023 
  321. Khrebet, Alexander (13 de agosto de 2023). «Update: Aug. 7 Russian attack on Pokrovsk kills 10». The Kyiv Independent. Consultado em 13 de agosto de 2023 
  322. Girbes, Gaëlle; Santora, Marc (8 de agosto de 2023). «A Missile Strikes the Heart of a Ukrainian City — and Then Another». The New York Times. Consultado em 9 de agosto de 2023 
  323. Elsa Court (7 de agosto de 2023). «Governor: 1 killed, 12 injured in strikes on Kherson». The Kyiv Independent 
  324. Elsa Court (7 de agosto de 2023). «President's Office: 2 killed, 3 injured in Russian strike on Kharkiv Oblast». The Kyiv Independent 
  325. Dinara Khalilova (7 de agosto de 2023). «Governor: 1 killed, 1 injured in Russian shelling of Nikopol». The Kyiv Independent 
  326. Elsa Court (8 de agosto de 2023). «Update: 3 killed, 9 injured in Russian attack on village in Kharkiv Oblast». The Kyiv Independent 
  327. Olena Harmash (7 de agosto de 2023). «Ukraine says 22 soldiers return in latest prisoner swap with Russia». Reuters 
  328. Elsa Court (7 de agosto de 2023). «Russian official claims drone downed over Kaluga Oblast». The Kyiv Independent 
  329. Elsa Court (7 de agosto de 2023). «Russian governor claims drone downed over Belgorod». The Kyiv Independent 
  330. Yulia Drozd; Kevin Shalvey (7 de agosto de 2023). «Woman arrested in plot to assassinate President Volodymyr Zelenskyy, Ukraine says». ABC 
  331. Rebecca Rommen (13 de agosto de 2023). «Russia loses 40th Ka-52 Alligator, which the Kremlin calls the world's 'best helicopter gunship'». Business Insider 
  332. Daria Bevziuk (9 de agosto de 2023). «ISW: Ukrainian military crosses Dnipro; China's stance on Russia cools». The Kyiv Independent 
  333. a b «Ukrainian forces report hitting 2 Russian ammunition depots in southern Ukraine». The Kyiv Independent. 13 de agosto de 2023 
  334. Elsa Court (9 de agosto de 2023). «Russian attacks kill 1, injure 11 over past day». The Kyiv Independent 
  335. Daria Bevziuk (9 de agosto de 2023). «Ukraine thwarts Russian hack on military information system». The Kyiv Independent 
  336. Martin Fornusek (8 de agosto de 2023). «UK unveils sanctions targeting Russia's access to foreign military supplies». The Kyiv Independent 
  337. Martin Fornusek (9 de agosto de 2023). «Media: Rheinmetall purchases 50 Leopard 1 tanks, will supply 30 to Ukraine». The Kyiv Independent 
  338. «Russian attacks kill 3, injure 15 over past day». The Kyiv Independent. 10 de agosto de 2023 
  339. «Russia shoots down two armed drones headed for Moscow». Aljazeera. 9 de agosto de 2023 
  340. «Russia alleges shelling in Bryansk Oblast». The Kyiv Independent. 9 de agosto de 2023 
  341. «SBU detains woman suspected of spying in Zhytomyr Oblast». The Kyiv Independent. 9 de agosto de 2023 
  342. «Germany hands over 2 Patriot launchers to Ukraine in latest aid package». The Kyiv Independent. 9 de agosto de 2023 
  343. «This hotel is the main base for UN staff and other humanitarians serving the people of Zaporizhzhia». United Nations. 10 de agosto de 2023 
  344. «Russian Missile Hits Zaporizhzhia Hotel Where UN Staff Stayed». VOA. 10 de agosto de 2023 
  345. «Russian attacks kill 4, injure 41 over past day». The Kyiv Independent. 11 de agosto de 2023 
  346. «Massive Russian drone attack destroys oil depot in Rivne Oblast». The Kyiv Independent. 10 de agosto de 2023 
  347. «Ukraine orders evacuation of parts of north-east». BBC. 10 de agosto de 2023 
  348. «Ukraine announces 'temporary corridor' for civilian ships in Black Sea». The Kyiv Independent. 10 de agosto de 2023 
  349. «Russia says 13 Ukrainian drones downed on way to attack Sevastopol, Moscow». Aljazeera. 10 de agosto de 2023 
  350. «2 Dead After Ukraine Shells Russian Border Region – Governor». The Moscow Times. 10 de agosto de 2023 
  351. «Ambassador: Azerbaijan to train Ukrainian sappers». The Kyiv Independent. 10 de agosto de 2023 
  352. «Mayor: Missile debris falls at children's hospital, damages house in Kyiv». The Kyiv Independent. 11 de agosto de 2023 
  353. «Child killed in Russian missile strike in Ivano-Frankivsk Oblast». The Kyiv Independent. 11 de agosto de 2023 
  354. «1 killed, 7 injured in Russian attacks on Kherson Oblast». The Kyiv Independent. 11 de agosto de 2023 
  355. «Air Force: Ukraine intercepted 1 of 4 missiles launched at Ivano-Frankivsk». The Kyiv Independent. 11 de agosto de 2023 
  356. «ISW: Ukrainian forces make significant advances in western Zaporizhzhia Oblast amid continued counteroffensive». The Kyiv Independent. 12 de agosto de 2023 
  357. «Russia says thwarted Ukrainian drone attack on Moscow». al-Arabiya. 11 de agosto de 2023 
  358. «Zelensky: All enlistment office chiefs to be dismissed in Ukraine». The Kyiv Independent. 11 de agosto de 2023 
  359. «SBU detains Odesa resident suspected of spying for Russia». The Kyiv Independent. 11 de agosto de 2023 
  360. «Netherlands hands over 6 mobile medical complexes to Ukraine». The Kyiv Independent. 11 de agosto de 2023 
  361. «US sanctions 4 Russian oligarchs associated with Alfa Group finance conglomerate». The Kyiv Independent. 11 de agosto de 2023 
  362. «Governor: Russian forces shell Kharkiv Oblast, killing 1». The Kyiv Independent. 12 de agosto de 2023 
  363. «Minister: Russian forces hit Orikhiv with guided bomb, killing 1, injuring 12». The Kyiv Independent. 12 de agosto de 2023 
  364. «Governor: Russia launches missile strike on Kryvyi Rih». The Kyiv Independent. 12 de agosto de 2023 
  365. «Russia says 20 Ukrainian drones destroyed over Crimea». Aljazeera. 12 de agosto de 2023 
  366. «Russia says it thwarts Ukrainian attacks on Crimean Bridge». Reuters. 12 de agosto de 2023 
  367. «Explosion reported in Russian-occupied Berdiansk». The Kyiv Independent. 12 de agosto de 2023 
  368. «Ukraine's Odesa opens a few beaches for the first time since Russian invasion». Reuters. 12 de agosto de 2023 
  369. «Russian attack kills 7 civilians, including 3-week-old baby, in Kherson Oblast». The Kyiv Independent. 13 de agosto de 2023 
  370. «Russian attacks kill 9, injure 24 over past day». The Kyiv Independent. 14 de agosto de 2023 
  371. «Reuters: Ukrainian army attempts to break through Russian lines in Donetsk Oblast». The Kyiv Independent. 13 de agosto de 2023 
  372. «Official: Partisans set Russian base on fire in Mariupol». The Kyiv Independent. 13 de agosto de 2023 
  373. «Ukraine war: Three-week-old baby and family among seven killed in Russian shelling». BBC. 14 de agosto de 2023 
  374. «Russian governors claim Ukrainian attacks on Kursk, Belgorod regions». The Kyiv Independent. 13 de agosto de 2023 
  375. «Russian warship fires warning shots at cargo ship in Black Sea». Reuters. 13 de agosto de 2023 
  376. «Ukraine desperate for help clearing mines, says defence minister». The Guardian. 13 de agosto de 2023 
  377. «Update: Russian forces launch drones and missiles at Odesa, injuring 3». The Kyiv Independent. 14 de agosto de 2023 
  378. «City Council: Russian overnight attack against Odesa damages over 200 buildings». The Kyiv Independent. 14 de agosto de 2023 
  379. «Authorities: 1 killed, 7 injured in Russian attacks on two oblasts». The Kyiv Independent. 14 de agosto de 2023 
  380. «Defense Ministry: Ukraine liberates 3 square kilometers near Bakhmut in last week». The Kyiv Independent. 14 de agosto de 2023 
  381. «Zelensky visits troops in Donetsk Oblast». The Kyiv Independent. 14 de agosto de 2023 
  382. «US to send Ukraine new security aid worth $200 million, State Dept says». Reuters. 14 de agosto de 2023 
  383. Anastasiia Kozlova; Amir Orusov (14 de agosto de 2023). «Rheinmetall to supply Ukraine with Luna drone system this year». Reuters 
  384. «Russia launches mass missile strike on Ukraine, killing 3 people». The Kyiv Independent. 15 de agosto de 2023 
  385. «Russian attacks kill 4, injure 16 over past day». The Kyiv Independent. 16 de agosto de 2023 
  386. «Commander: Russia tries to conduct cross-border raid in Chernihiv Oblast». The Kyiv Independent. 15 de agosto de 2023 
  387. «Azov Brigade returns to fight at front». The Kyiv Independent. 17 de agosto de 2023 
  388. «Zelensky visits troops in Zaporizhzhia Oblast». The Kyiv Independent. 15 de agosto de 2023 
  389. «National Resistance Center: Russia preparing provocation at Kursk nuclear power station». The Kyiv Independent. 15 de agosto de 2023 
  390. Sutton, HI (17 de novembro de 2022). «Why Ukraine's Remarkable Attack On Sevastopol Will Go Down In History». Naval News. Consultado em 18 de novembro de 2022 
  391. «Reports: Black Sea Fleet flagship returns to combat». MSN. 15 de agosto de 2023 
  392. «Media: NATO Official retracts controversial suggestion about Ukraine exchanging territory for NATO membership». The Kyiv Independent. 16 de agosto de 2023 
  393. «Ukraine war: Ship leaves Odesa despite Russia Black Sea attack fears». BBC. 16 de agosto de 2023 
  394. «Russian attacks against Ukraine kill 4, injure 17 over past day». The Kyiv Independent. 17 de agosto de 2023 
  395. «Ukraine liberates Urozhaine in Donetsk Oblast». The Kyiv Independent. 16 de agosto de 2023 
  396. «Three Drones Downed in Central Russia's Kaluga Region». The Moscow Times. 16 de agosto de 2023 
  397. «Russia Says 'Eliminated' Ukrainian Fighters in Border Region». The Moscow Times. 16 de agosto de 2023 
  398. «Media: Russia sentences Ukrainian soldiers to over 20 years in prison». The Kyiv Independent. 16 de agosto de 2023 
  399. «Czech Republic sanctions Russian weapons oligarch and family members who reside in Prague». The Kyiv Independent. 16 de agosto de 2023 
  400. «US sanctions companies involved in arms deals between Russia, North Korea». The Kyiv Independent. 17 de agosto de 2023 
  401. «ISW: Ukrainian troops advance as Russia cracks down on war images». The Kyiv Independent. 17 de agosto de 2023 
  402. Dinara Khalilova (18 de agosto de 2023). «Defense Ministry: 2 killed, 4 injured in Russian attacks over past day». The Kyiv Independent 
  403. Sinéad Baker (17 de agosto de 2023). «Ukraine says it downed 2 Ka-52 attack helicopters, which Russia calls the world's best, in a single morning». Business Insider 
  404. «Russia thwarted Ukrainian drone attack over Belgorod region». al-Arabiya. 17 de agosto de 2023 
  405. a b «Ukraine drone attack damages building in central Moscow: Russian officials». Aljazeera. 18 de agosto de 2023 
  406. Elsa Court (17 de agosto de 2023). «SBU arrests man suspected of sending Kyiv target locations to Russia». The Kyiv Independent 
  407. Dinara Khalilova (17 de agosto de 2023). «Germany delivers 2 more IRIS-T air defense systems to Ukraine». The Kyiv Independent 
  408. Martin Fornusek (17 de agosto de 2023). «Slovakia's top general visits Ukraine's southern forces command». The Kyiv Independent 
  409. Steve Holland; Idrees Ali (18 de agosto de 2023). «US approves sending F-16s to Ukraine from Denmark and Netherlands». Reuters 
  410. «Ukraine designates AliExpress owner as 'international sponsor of war'». The Kyiv Independent. 17 de agosto de 2023 
  411. «Drone attack hits building in central Moscow». BBC. 18 de agosto de 2023 
  412. Martin Fornusek (18 de agosto de 2023). «Russian strike against village near Kherson kills 1, injures 2». The Kyiv Independent 
  413. Martin Fornusek (18 de agosto de 2023). «Military intelligence: Leadership of occupation 'police' in Enerhodar injured in explosion». The Kyiv Independent 
  414. Nate Ostiller (19 de agosto de 2023). «Media: Poland uncovers plot to disrupt arms shipments to Ukraine». The Kyiv Independent 
  415. «Chernihiv: Russian missile strike kills seven and injures 144, Ukraine says». BBC. 19 de agosto de 2023 
  416. «Russia's shelling of Huliaipole in Zaporizhzhia Oblast kills 1, injures 1». The Kyiv Independent. 19 de agosto de 2023 
  417. «Russian drone attack damages nearly 400 buildings in Khmelnytskyi Oblast overnight». The Kyiv Independent. 19 de agosto de 2023 
  418. «Russian Defence Ministry reports nighttime missile attack on Crimea». Ukrainska Pravda. 19 de agosto de 2023 
  419. «Russia says 'eliminated' some 150 Ukrainian soldiers trying to cross Dnipro River». al-Arabiya. 19 de agosto de 2023 
  420. «Drone Attacks Military Airfield in Northwestern Russia». The Moscow Times. 19 de agosto de 2023 
  421. «Attack on Russian airfield in Novgorod Oblast: Drone damages aircraft». Yahoo News (em inglês). 19 de agosto de 2023. Consultado em 19 de agosto de 2023 
  422. TYLER ROGOWAY (20 de agosto de 2023). «Tu-22 Backfire Destroyed In Drone Strike Deep Inside Russia». The War Zone (em inglês). Consultado em 22 de agosto de 2023 
  423. «Ukrainian pilots start training on F-16s, test flights on Swedish Gripen jets». The Kyiv Independent. 19 de agosto de 2023 
  424. Dan Peleschuk; Supantha Mukherjee (19 de agosto de 2023). «Ukraine's Zelenskiy asks Sweden for Gripen jets in first visit since Russian invasion». Reuters 
  425. «Biden administration extends protected status for Ukrainians in US». Aljazeera. 19 de agosto de 2023 
  426. «Putin in Rostov-on-Don For First Time Since Wagner Mutiny». Bloomberg. 19 de agosto de 2023 
  427. «Russian official claims drone attack on Kursk railway station». The Kyiv Independent. 20 de agosto de 2023 
  428. «Russia says Ukrainian drones attack three regions». Reuters. 20 de agosto de 2023 
  429. «Russian governor: 12 drones downed over Belgorod». The Kyiv Independent. 20 de agosto de 2023 
  430. «Russian forces attack Kherson, Kharkiv oblasts, killing 1». The Kyiv Independent. 20 de agosto de 2023 
  431. «Governor: 2 civilians killed in Russian attacks on Kherson Oblast». The Kyiv Independent. 20 de agosto de 2023 
  432. «Authorities: 3 killed, 24 injured in Russian attacks over past day». The Kyiv Independent. 20 de agosto de 2023 
  433. «Zelensky: Ukraine to receive 42 F-16 fighter jets». The Kyiv Independent. 20 de agosto de 2023 
  434. «Danish Prime Minister: Ukraine to receive first batch of F-16s before New Year». The Kyiv Independent. 20 de agosto de 2023 
  435. «Two injured in Ukrainian drone attack in Moscow region, nearly 50 flights disrupted». Reuters. 21 de agosto de 2023 
  436. «Russian attacks kill 3, injure 6 over past day». The Kyiv Independent. 22 de agosto de 2023 
  437. «Official: Ukraine liberates 3 square kilometers near Bakhmut over past week». The Kyiv Independent. 21 de agosto de 2023 
  438. «Ukrainian drone destroys Russian supersonic bomber». BBC. 22 de agosto de 2023 
  439. «Russian-Installed Court Hands Heavy Jail Terms to 5 Ukrainian Soldiers». The Moscow Times. 21 de agosto de 2023 
  440. «Ukraine war latest: Greece to train Ukrainian pilots on F-16s; Ukraine advances southeast of Robotyne». The Kyiv Independent. 22 de agosto de 2023 
  441. «Ukraine lines up destroyed Russian tanks in central Kyiv». Reuters. 22 de agosto de 2023 
  442. «Russian air defences down two drones near Moscow, mayor says». Aljazeera. 22 de agosto de 2023 
  443. «Russia says fighter jet destroys Ukraine 'reconnaissance boat' in Black Sea». Aljazeera. 22 de agosto de 2023 
  444. «1 killed, 1 injured in Russian strike against Kherson Oblast settlement». The Kyiv Independent. 22 de agosto de 2023 
  445. «Governor: Russian attacks against Donetsk Oblast kill 5, injure 3 over past day». The Kyiv Independent. 22 de agosto de 2023 
  446. «Military intelligence: Russia sinking ferries in attempt to protect Crimean Bridge». The Kyiv Independent. 22 de agosto de 2023 
  447. «Russia's General Surovikin dismissed as head of aerospace forces: Reports». Aljazeera. 23 de agosto de 2023 
  448. «Defence Ministry plans to create military police that will monitor discipline». News Yahoo!. 22 de agosto de 2023 
  449. Garvey, Emily (23 de agosto de 2023). «Drone hits Moscow building and two drones downed - officials». BBC 
  450. a b Light, Felix (23 de agosto de 2023). «Russia says drone attack on Moscow thwarted, 3 killed near Ukrainian border». Reuters 
  451. Court, Elsa (23 de agosto de 2023). «Russia launches 20 drones overnight, strikes Odesa grain storage». The Kyiv Independent 
  452. Tryzub-Cook, Sofiya (23 de agosto de 2023). «Russian strike on school in Sumy Oblast kills 4, injures 4». The Kyiv Independent 
  453. Fornusek, Martin (24 de agosto de 2023). «Russian attacks kill 5, injure 29 over past day». The Kyiv Independent 
  454. Fenert, Abbey (24 de agosto de 2023). «Ukraine wipes out Russian missile system in occupied Crimea». The Kyiv Independent 
  455. Axe, David (25 de agosto de 2023). «To Blow Up Russia's S-400 Battery In Crimea, Ukraine Tweaked Its Cruiser-Sinking Neptune Missile». Forbes (em inglês). Consultado em 26 de agosto de 2023 
  456. «Neptune anti-ship missile struck Russian S-400 radar in Crimea — report». News Yahoo! (em inglês). 25 de agosto de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  457. Court, Elsa (23 de agosto de 2023). «Kyiv council member killed fighting on front line». The Kyiv Independent 
  458. Court, Elsa (23 de agosto de 2023). «Media: Russian helicopter pilot surrenders to Ukraine». The Kyiv Independent 
  459. Court, Elsa (23 de agosto de 2023). «Finnish PM arrives in Kyiv, 18th military aid package to be announced». The Kyiv Independent 
  460. Fornusek, Martin (25 de agosto de 2023). «Finland announces military aid for Ukraine worth $101.5 million». The Kyiv Independent 
  461. «Wagner boss Prigozhin killed in plane crash in Russia». BBC (em inglês). 23 de agosto de 2023. Consultado em 23 de agosto de 2023. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2023 
  462. «Bodies and flight recorders recovered at Wagner boss Prigozhin's jet crash site». BBC (em inglês). 26 de agosto de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  463. «What Prigozhin's Death Reveals About Putin's Power in Russia». Time. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  464. «Ukraine says troops landed on Crimea in 'special operation'». Aljazeera (em inglês). 24 de agosto de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  465. Dan Peleschuk; Anna Pruchnicka (24 de agosto de 2023). «Thirteen wounded in Russian attacks on Ukraine's Independence Day». Reuters (em inglês). Consultado em 24 de agosto de 2023 
  466. «4 injured in Russian shelling of Donetsk Oblast settlement». The Kyiv Independent (em inglês). 24 de agosto de 2023. Consultado em 24 de agosto de 2023 
  467. «Russian attacks kill 1, injure 10 over past day». The Kyiv Independent (em inglês). 25 de agosto de 2023. Consultado em 25 de agosto de 2023 
  468. «Zelensky: Portugal to train Ukrainian pilots on F-16s». The Kyiv Independent (em inglês). 24 de agosto de 2023. Consultado em 24 de agosto de 2023 
  469. «Norwegian PM confirms F-16 pledge to Ukraine». The Kyiv Independent (em inglês). 24 de agosto de 2023. Consultado em 24 de agosto de 2023 
  470. «Norway dedicates $140 million for Ukrainian energy infrastructure». The Kyiv Independent (em inglês). 24 de agosto de 2023. Consultado em 25 de agosto de 2023 
  471. «Lithuania to provide Ukraine with $44 million defense aid package». The Kyiv Independent (em inglês). 24 de agosto de 2023. Consultado em 24 de agosto de 2023 
  472. «Germany delivers Patriot missiles to Ukraine in new weapons package». The Kyiv Independent (em inglês). 24 de agosto de 2023. Consultado em 24 de agosto de 2023 
  473. «US will train Ukrainian pilots to fly F-16s from next month». Aljazeera (em inglês). 24 de agosto de 2023. Consultado em 25 de agosto de 2023 
  474. «US sanctions officials, organizations complicit in Russia's deportation of Ukrainian children». The Kyiv Independent (em inglês). 24 de agosto de 2023. Consultado em 24 de agosto de 2023 
  475. «Ukraine adds 2 tobacco companies to list of war sponsors». The Kyiv Independent (em inglês). 24 de agosto de 2023. Consultado em 25 de agosto de 2023 
  476. «Russian Political Activist Katz Jailed 8 Years in Absentia for Spreading 'War Fakes'». The Moscow Times (em inglês). 24 de agosto de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  477. «Russia claims destroying 42 drones over Crimea». The Kyiv Independent (em inglês). 25 de agosto de 2023. Consultado em 25 de agosto de 2023 
  478. «Russia claims downing Ukrainian missile, explosions reported in Kaluga and Tula oblasts». The Kyiv Independent (em inglês). 25 de agosto de 2023. Consultado em 25 de agosto de 2023 
  479. «Media: Military intelligence confirms strike on Russia's 126th Coastal Defense Brigade». The Kyiv Independent (em inglês). 25 de agosto de 2023. Consultado em 25 de agosto de 2023 
  480. «Media: Ukraine strikes Russian positions in Crimea, dozens of casualties reported». The Kyiv Independent (em inglês). 25 de agosto de 2023. Consultado em 25 de agosto de 2023 
  481. «Russian attacks kill 5, injure at least 4 in Ukraine over past day». The Kyiv Independent (em inglês). 26 de agosto de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  482. «NGO: 11 deported Ukrainian children return home». The Kyiv Independent (em inglês). 25 de agosto de 2023. Consultado em 25 de agosto de 2023 
  483. «Putin orders Wagner fighters to sign oath of allegiance». Reuters (em inglês). 26 de agosto de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  484. «Russia destroys drone near Moscow in latest attack on Russian capital». Aljazeera (em inglês). 26 de agosto de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  485. «Moscow shuts down all airports». The Kyiv Independent (em inglês). 26 de agosto de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  486. «Russia downs drones close to Moscow and near Ukrainian border». Reuters (em inglês). 26 de agosto de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  487. «Russian governor claims drone attack in Bryansk». The Kyiv Independent (em inglês). 26 de agosto de 2023. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  488. «Ukraine war: Fighter ace and two other pilots killed in mid-air crash». BBC (em inglês). 26 de agosto de 2023. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  489. «Ukrainian pilot 'Juice' among three killed in jet collision, says Volodymyr Zelenskiy». The Guardian (em inglês). 26 de agosto de 2023. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  490. «Governors: Russian forces attack Kharkiv, Kherson oblasts, killing 2, injuring 1». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2023 
  491. «Air Force: 4 Russian cruise missiles downed overnight». The Kyiv Independent (em inglês). 27 de agosto de 2023. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  492. «ISW: Ukrainian forces within striking distance of next layer of Russian defenses in Zaporizhzhia Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). 27 de agosto de 2023. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  493. «Russia claims Ukrainian drone struck residential building in Kursk, no injuries». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2023 
  494. «Ukrainska Pravda: SBU sources confirm drone attack in Russia's Kursk region». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 27 de agosto de 2023 
  495. «UPDATE: Death toll of Russian strike against Poltava Oblast rises to 4». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 29 de agosto de 2023 
  496. «Russian overnight attack hits Poltava Oblast, killing 2». The Kyiv Independent (em inglês). 28 de agosto de 2023. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  497. «Russian attacks kill 6, injure 11 over past day». The Kyiv Independent (em inglês). 28 de agosto de 2023. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  498. «Defense Ministry: Ukraine liberates Robotyne, Zaporizhzhia Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 28 de agosto de 2023 
  499. «Russia claims to destroy 2 drones, cruise missile over Crimea». The Kyiv Independent (em inglês). 28 de agosto de 2023. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  500. «Russia claims 2 drones shot down over Bryansk Oblast, 1 over Moscow». The Kyiv Independent (em inglês). 28 de agosto de 2023. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  501. «Russian military claims downing 2 drones over Belgorod Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). 28 de agosto de 2023. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  502. «SBU detains Kherson resident suspected of working for Russian special services». The Kyiv Independent (em inglês). 28 de agosto de 2023. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  503. «'Dying by the dozens every day' - Ukraine losses climb». bbc.com. BBC News. 29 de agosto de 2023. Consultado em 29 de agosto de 2023. As autoridades norte-americanas, citadas pelo New York Times, estimaram recentemente o número em 70 mil mortos e cerca de 120 mil feridos. É um número impressionante, vindo de forças armadas estimadas em apenas meio milhão de efetivos. A ONU registou 9.177 mortes de civis até à data. 
  504. «Governor: Russian attack kills 1 in Kharkiv Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). 29 de agosto de 2023. Consultado em 29 de agosto de 2023 
  505. «Russia claims 2 drones shot down over Tula Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). 29 de agosto de 2023. Consultado em 29 de agosto de 2023 
  506. «Reintegration Ministry: Children to be evacuated from 5 settlements in Zaporizhzhia Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). 29 de agosto de 2023. Consultado em 29 de agosto de 2023 
  507. «Russian secret USD200Mn Predel-E coastal radar destroyed by Ukrainian strike near Crimea». Army Recognition (em inglês). 29 de agosto de 2023. Consultado em 31 de agosto de 2023 
  508. «Military airfield hit as Ukrainian drones strike deep inside Russia». NBC News (em inglês). Consultado em 30 de agosto de 2023 
  509. «Airport in western Russia attacked by drones, aircraft damaged: Reports». Aljazeera (em inglês). 30 de agosto de 2023. Consultado em 30 de agosto de 2023 
  510. «Russia claims drones, missile downed over Bryansk Oblast, Crimea». The Kyiv Independent (em inglês). 31 de agosto de 2023. Consultado em 31 de agosto de 2023 
  511. «Ukraine says 6 personnel killed in incident involving two helicopters». Aljazeera (em inglês). 30 de agosto de 2023. Consultado em 30 de agosto de 2023 
  512. «Russian attacks on Kyiv kill 2, injure 1». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 30 de agosto de 2023 
  513. «Air Force: Ukraine destroyed 43 out of 44 Russian missiles and drones overnight». The Kyiv Independent (em inglês). 30 de agosto de 2023. Consultado em 30 de agosto de 2023 
  514. «Prosecutors: 2 killed, 7 wounded in Russian attack on Donetsk Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). 30 de agosto de 2023. Consultado em 30 de agosto de 2023 
  515. «Russian attack kills woman in Sumy Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 31 de agosto de 2023 
  516. «Russia claims Ukrainian special forces boats destroyed in Black Sea». Aljazeera (em inglês). Consultado em 30 de agosto de 2023 
  517. «Germany delivers 10 Leopard 1 tanks to Ukraine in latest military aid package». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 30 de agosto de 2023 
  518. «Moscow court sentences Ukrainian citizen to 12 years in prison for preparing alleged 'sabotage'». The Kyiv Independent (em inglês). 30 de agosto de 2023. Consultado em 31 de agosto de 2023 
  519. HOWARD ALTMAN (30 de agosto de 2023). «Ukraine Situation Report: Russia Advancing North Korean Artillery Deal». The War Zone (em inglês). Consultado em 31 de agosto de 2023 
  520. «Ukraine investigates corruption in medical exemptions from military duty». Aljazeera (em inglês). 31 de agosto de 2023. Consultado em 31 de agosto de 2023 
  521. a b «Zelenskyy says Ukraine deployed new long-range weapon, hints at Russia raid». Aljazeera (em inglês). Consultado em 1 de setembro de 2023 
  522. «10 injured, 2 killed in Russian attacks over past day». The Kyiv Independent (em inglês). 1 de setembro de 2023. Consultado em 31 de agosto de 2023 
  523. «Drone Downed Near Moscow As Heavy Fighting Continues In Ukraine's South, East». Radio Free Europe (em inglês). 31 de agosto de 2023. Consultado em 31 de agosto de 2023 
  524. «Russian official claims 3 drones shot down over Bryansk». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 31 de agosto de 2023 
  525. «Local Polls Open in Russian-Occupied Areas of Ukraine». The Moscow Times (em inglês). 31 de agosto de 2023. Consultado em 31 de agosto de 2023 
  526. «Russian governor claims 2 aerial targets downed over Belgorod region». The Kyiv Independent (em inglês). 1 de setembro de 2023. Consultado em 1 de setembro de 2023 
  527. Robert Greenall (1 de setembro de 2023). «Ukraine war: Drone attack on Pskov airbase from inside Russia - Kyiv». Aljazeera (em inglês). Consultado em 1 de setembro de 2023 
  528. «Ukrainian drones hit Russia's Kursk region, Moscow repels attack: Governors». Aljazeera (em inglês). 1 de setembro de 2023. Consultado em 1 de setembro de 2023 
  529. «Russian attack kills 1 in Kherson». The Kyiv Independent (em inglês). 1 de setembro de 2023. Consultado em 1 de setembro de 2023 
  530. «Two more ships leave Ukrainian Black Sea port under temporary corridor». Reuters (em inglês). 1 de setembro de 2023. Consultado em 1 de setembro de 2023 
  531. «Ukraine war: UK arms giant BAE Systems sets up local base». BBC (em inglês). 1 de setembro de 2023. Consultado em 1 de setembro de 2023 
  532. «Russia redeploying air defenses from Kuril Islands to Ukraine — report». The Moscow Times (em inglês). 31 de agosto de 2023. Consultado em 2 de setembro de 2023 
  533. THOMAS NEWDICK (1 de setembro de 2023). «First Ukrainian M1 Abrams Tank Crews Complete Training». The War Zone (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2023 
  534. «Media: US prolongs Abrams tank training for Ukrainian soldiers». The Kyiv Independent (em inglês). 8 de setembro de 2023. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  535. «Russia claims 3 unmanned boats destroyed trying to attack Crimea bridge». The Kyiv Independent (em inglês). 2 de setembro de 2023. Consultado em 2 de setembro de 2023 
  536. «Russian governors claim Ukraine attacked Belgorod, Kursk regions». The Kyiv Independent (em inglês). 2 de setembro de 2023. Consultado em 2 de setembro de 2023 
  537. «Ukraine War: Counter-offensive troops punch through Russia line, generals claim». BBC (em inglês). 4 de setembro de 2023. Consultado em 4 de setembro de 2023 
  538. «Governor: Russian guided bomb strike kills 1, injures 2 in Kherson Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). 2 de setembro de 2023. Consultado em 2 de setembro de 2023 
  539. «Prosecutors: 2 killed, 2 wounded in Russian attack on Donetsk Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). 2 de setembro de 2023. Consultado em 3 de setembro de 2023 
  540. «Policeman killed by Russian attack on Sumy Oblast». The Kyiv Independent (em inglês). 2 de setembro de 2023. Consultado em 3 de setembro de 2023 
  541. Mike Stone (2 de setembro de 2023). «Exclusive: US to send depleted-uranium munitions to Ukraine». Reuters (em inglês). Consultado em 2 de setembro de 2023 
  542. Chris Gordon (2 de setembro de 2023). «As Ukraine Prepares to Get F-16s, US Provides AMRAAM Missiles». airandspaceforces (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2023 
  543. Lidia Kelly (3 de setembro de 2023). «Russian drone attack in Odesa region hits Danube port infrastructure - Ukraine». Reuters (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2023 
  544. Dinara Khalilova (3 de setembro de 2023). «Prosecutors: Russian attacks in Donetsk Oblast kill 1, injure 5». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2023 
  545. «Prosecutors: Russia strikes Kherson Oblast, kills 1 civilian, injures 5 people». The Kyiv Independent (em inglês). 3 de setembro de 2023. Consultado em 3 de setembro de 2023 
  546. David Axe (3 de setembro de 2023). «Ukraine's TB-2 Drones Are Back In Action. That's An Ominous Sign For Russia.». Forbes (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2023 
  547. «Ukraine Claims Landing Craft In Black Sea Destroyed, Six Russians Killed». rferl (em inglês). 3 de setembro de 2023. Consultado em 4 de setembro de 2023 
  548. «Ukrainian drone hits Russia's Solntsepyok heavy flamethrower in Luhansk region». Ukrinform (em inglês). 3 de setembro de 2023. Consultado em 12 de setembro de 2023 
  549. Paul Adams; Malu Cursino (4 de setembro de 2023). «Ukraine's defence minister Oleksii Reznikov dismissed». BBC (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2023 
  550. Ellyatt, Holly. «Ukraine war live updates: Putin and Erdogan discuss grain deal; Kyiv replaces defense minister». CNBC (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2023 
  551. «Ukraine's parliament confirms Umerov as new defense minister». EFE (em inglês). 6 de setembro de 2023 
  552. Dinara Khalilova (4 de setembro de 2023). «Zelensky: France to train Ukrainian pilots on fighter jets». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2023 
  553. Lidia Kelly (4 de setembro de 2023). «Russia says Ukraine launched drone attacks on Kursk region». Reuters (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2023 
  554. Rachel Amran (4 de setembro de 2023). «Russia claims Ukrainian drones shot down over Black Sea and Kursk region». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2023 
  555. «Russia Says Destroyed 4 Ukrainian Military Boats Carrying Troops in Black Sea». The Moscow Times (em inglês). 4 de setembro de 2023. Consultado em 4 de setembro de 2023 
  556. «Russian Drones Hit Danube River Port Infrastructure, Ukraine Military Says». New Yahoo! (em inglês). 4 de setembro de 2023. Consultado em 4 de setembro de 2023 
  557. «NATO Chief Says No Sign Debris in Romania Indicates Deliberate Attack by Moscow». The Moscow Times (em inglês). 7 de setembro de 2023. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  558. «Romania to set up shelters near area of Russian Danube strikes». The Kyiv Independent (em inglês). 8 de setembro de 2023. Consultado em 8 de setembro de 2023 
  559. «Russian attacks kill 1, injure 4 over past day». The Kyiv Independent (em inglês). 5 de setembro de 2023. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  560. Dinara Khalilova (4 de setembro de 2023). «Defense Ministry reports gains in Donetsk, Zaporizhzhia oblasts». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 4 de setembro de 2023 
  561. Elsa Court (5 de setembro de 2023). «Zelensky visits front lines in Donetsk, Zaporizhzhia oblasts». The Kyiv Independent (em inglês). Consultado em 5 de setembro de 2023 
  562. «Moscow-Installed Court Jails Ukrainian Soldier 22 Years for Killing Civilian». The Moscow Times (em inglês). 4 de setembro de 2023. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  563. INDER SINGH BISHT (4 de setembro de 2023). «Russia Pulls Armata Tanks From Ukraine» (em inglês). thedefensepost 
  564. Paul Sonne; Anatoly Kurmanaev; Julian E. Barnes (4 de setembro de 2023). «Top Russian General Detained After Wagner Mutiny Is Released» (em inglês). NY Times 
  565. «Belgium to supply Ukraine with Sea Sparrow missiles purchased from Germany». navyrecognition. 4 de setembro de 2023. Consultado em 6 de setembro de 2023 
  566. «Russia Downs 3 Drones on Approach to Moscow». The Moscow Times (em inglês). 5 de setembro de 2023. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  567. Rachel Amran (6 de setembro de 2023). «Russia claims drone shot down over Bryansk region». The Kyiv Independent. Consultado em 6 de setembro de 2023 
  568. Joe Barnes (5 de setembro de 2023). «Watch: First British Challenger 2 tank destroyed in Ukraine advance». The Telegraph. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  569. «Kremlin-Installed Official Targeted in Bomb Attack – Reports». The Moscow Times (em inglês). 5 de setembro de 2023. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  570. «Cuba uncovers network trafficking Cubans to fight for Russia in Ukraine». Aljazeera. 5 de setembro de 2023. Consultado em 5 de setembro de 2023 
  571. «Cuba arrests 17 for trafficking men to fight for Russia in Ukraine». Aljazeera. 8 de setembro de 2023. Consultado em 8 de setembro de 2023 
  572. Elsa Court (6 de setembro de 2023). «Germany delivers ammunition and vehicles to Ukraine in latest military aid package». The Kyiv Independent. Consultado em 6 de setembro de 2023 
  573. «Ukraine war: 17 killed during attack on market in 'peaceful city'». BBC. 6 de setembro de 2023. Consultado em 6 de setembro de 2023 
  574. «Civilians reported killed as Russia shells outdoor market in east Ukraine». Aljazeera. 6 de setembro de 2023. Consultado em 6 de setembro de 2023 
  575. «Ukraine war: Deadly new Russian attack reported on Izmail port area». BBC. 6 de setembro de 2023. Consultado em 6 de setembro de 2023 
  576. «Former Donetsk Oblast governor appointed as new head of Antimonopoly Committee». The Kyiv Independent. 6 de setembro de 2023. Consultado em 6 de setembro de 2023 
  577. «Blinken hails Ukraine counteroffensive as US announces $1bn in new aid». Aljazeera. 6 de setembro de 2023. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  578. «France delivers 150 Delair drones to Ukraine». The Kyiv Independent. 7 de setembro de 2023. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  579. Mia Jankowicz (7 de setembro de 2023). «Video shows massive HIMARS strike on an ammo dump used by Russia's powerful Ka-52 attack helicopters, Ukraine says». Business Insider. Consultado em 12 de setembro de 2023 
  580. «Powerful Explosion Rocks Southern Russian City Amid Latest Wave of Drone Attacks». The Moscow Times. 7 de setembro de 2023. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  581. «Russian Air Defense Downs Drone in Southern Volgograd Region». The Moscow Times. 7 de setembro de 2023. Consultado em 8 de setembro de 2023 
  582. «Russia claims drone attack on Bryansk, industrial facility on fire». The Kyiv Independent. 7 de setembro de 2023. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  583. «Russia's Ukraine Danube attacks threaten Kyiv's economic lifeline». BBC. 8 de setembro de 2023. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  584. «Russian attacks kill 2, injure 8 in past day, overnight». The Kyiv Independent. 8 de setembro de 2023. Consultado em 8 de setembro de 2023 
  585. «Border guards raise flags in two 'gray zone' settlements near Russian border». The Kyiv Independent. 7 de setembro de 2023. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  586. «UK planes guard Ukrainian grain ships in Black Sea». The Kyiv Independent. 9 de setembro de 2023. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  587. «US to provide Ukraine with another military aid package». The Kyiv Independent. 8 de setembro de 2023. Consultado em 8 de setembro de 2023 
  588. «Siberian Journalist Jailed Over 5 Years for 'Fake' War Reporting». The Moscow Times. 7 de setembro de 2023. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  589. «US, UK sanction members of Russian cybercrime ring». The Kyiv Independent. 8 de setembro de 2023. Consultado em 7 de setembro de 2023 
  590. «Update: 1 killed, 74 injured in Russian attack on Kryvyi Rih.». The Kyiv Independent. 9 de setembro de 2023. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  591. «Governor: Russian attacks in Kherson Oblast kill 3, injure 5». The Kyiv Independent. 8 de setembro de 2023. Consultado em 8 de setembro de 2023 
  592. «Military: Ukraine controls most of Klishchiivka in Donetsk Oblast». The Kyiv Independent. 8 de setembro de 2023. Consultado em 8 de setembro de 2023 
  593. «Military: Russia prepares strike force near Novoiehorivka in Lyman direction». The Kyiv Independent. 8 de setembro de 2023. Consultado em 8 de setembro de 2023 
  594. «Russia holds elections denounced by Kyiv in occupied Ukrainian regions». Aljazeera (em inglês). 8 de setembro de 2023. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  595. «Official: 'United Russia' HQ destroyed in Zaporizhzhia Oblast amid sham elections». The Kyiv Independent (em inglês). 8 de setembro de 2023. Consultado em 8 de setembro de 2023 
  596. «Ombudsman: 9 more Ukrainian children illegally held by Russia return home». The Kyiv Independent (em inglês). 9 de setembro de 2023. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  597. «Lithuania transfers over 1.5 million rounds of ammunition to Ukraine». The Kyiv Independent (em inglês). 8 de setembro de 2023. Consultado em 8 de setembro de 2023 
  598. «Governor: Russian troops attack Kherson Oblast, killing 1». The Kyiv Independent. 9 de setembro de 2023. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  599. «Ukraine war: Aid workers killed in Ukraine as Kyiv foils Russian drone attack». Euronews. 9 de setembro de 2023. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  600. «National Resistance Center: Partisans blow up soldiers who protected sham elections in occupied areas». The Kyiv Independent. 9 de setembro de 2023. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  601. «Russian official: 3 drones downed over Crimea». The Kyiv Independent. 9 de setembro de 2023. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  602. «G20 leaders agree joint declaration after deal on Ukraine statement». The Guardian. 10 de setembro de 2023. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  603. «Ukraine's counteroffensive to continue after onset of bad weather, spy chief says». Reuters. 10 de setembro de 2023. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  604. «One of Ukraine's Meanest Mechanized Brigades Just Joined the Southern Counteroffensive». Forbes 
  605. a b «Ukraine, Russia report downing dozens of drones over Kyiv, Crimea». Aljazeera. 10 de setembro de 2023. Consultado em 10 de setembro de 2023 
  606. «Russian strikes kill 1, injure 3 over past day». The Kyiv Independent. 11 de setembro de 2023. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  607. «Ukraine war: Kyiv foils big Russian drone attack, officials say». BBC. 10 de setembro de 2023. Consultado em 10 de setembro de 2023 
  608. Lee, Haye-ah (10 de setembro de 2023). «Yoon pledges US$2.3 bln in additional aid for Ukraine». Yonhap. Consultado em 10 de setembro de 2023 
  609. «Defense Ministry: Ukraine liberates part of Opytne in Donetsk Oblast». The Kyiv Independent. 11 de setembro de 2023. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  610. «Defense Ministry: Ukraine retakes more than 4 square kilometers on southern front over last week». The Kyiv Independent. 11 de setembro de 2023. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  611. Kelsey Vlamis (12 de setembro de 2023). «Dramatic video shows Ukrainian special forces battling a Russian Su-30 from small boats at sea. Kyiv's forces say they scored a hit, forcing the jet to flee». Business Insider. Consultado em 12 de setembro de 2023 
  612. «Ukraine strikes Russian military base of drone operators». The Kyiv Independent. 12 de setembro de 2023. Consultado em 12 de setembro de 2023 
  613. «Governor says 2 drones destroyed over Belgorod Oblast». The Kyiv Independent. 11 de setembro de 2023. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  614. «Russian governor claims drone attack in Kursk». The Kyiv Independent. 11 de setembro de 2023. Consultado em 12 de setembro de 2023 
  615. «Rheinmetall to refit, deliver 40 Marder armored vehicles to Ukraine». The Kyiv Independent. 11 de setembro de 2023. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  616. «Russia unveils upgraded and battle-ready T-80BVM Model 2023 tank». Defence Connect. 11 de setembro de 2023. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  617. John Bacon; Jorge L. Ortiz (11 de setembro de 2023). «$2M bounty for Russian MiG just 'legend.' But one chopper drew $500K from Ukraine: Updates». Defence Connect. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  618. «Europe, not America, is now Ukraine's largest backer». The Economist. 11 de setembro de 2023. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  619. Kris Parker (12 de setembro de 2023). «Media: Rosgvardia recruiting convicts pardoned after fighting for Wagner». The Kyiv Independent. Consultado em 12 de setembro de 2023 
  620. Martin Fornusek (12 de setembro de 2023). «Russian shelling of Donetsk Oblast kills 2, injures 3». The Kyiv Independent. Consultado em 12 de setembro de 2023 
  621. Dinara Khalilova (12 de setembro de 2023). «Russian attacks in Kherson, Luhansk oblasts kill 1, injure 3». The Kyiv Independent. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  622. Dinara Khalilova (12 de setembro de 2023). «Denmark to send Ukraine $830 million military aid package». The Kyiv Independent. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  623. Dinara Khalilova (12 de setembro de 2023). «NGO Save Ukraine rescues 13 more children from Russian occupation». The Kyiv Independent. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  624. Rachel Amran (13 de setembro de 2023). «UPDATE: Explosions reported at marine plant in occupied Sevastopol, 24 reported injured». The Kyiv Independent. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  625. «Fire at naval shipyard in Russia-annexed Crimea after Ukraine air attack». Aljazeera. 13 de setembro de 2023. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  626. Andrés R. Martínez; Marc Santora (13 de setembro de 2023). «Ukraine Strikes Russian Naval Ships in Black Sea». The New York Times. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  627. Will Taylor (13 de setembro de 2023). «Russia's $300 million Kilo-class submarine hit in attack on Black Sea Fleet naval base as fireballs light up shipyard». LBC. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  628. Paul Adams; Megan Fisher (13 de setembro de 2023). «Ukraine launches missile attack on Crimea». BBC. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  629. «Ukraine war: Overnight air attacks reported on Sevastopol and Izmail». BBC. 13 de setembro de 2023. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  630. «Ukraine Drone Dudes Set Russia's Best Tank Ablaze, T-90 Crew Runs Away». The Kyiv Post. 13 de setembro de 2023. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  631. «Russian Proxy Court Jails 2 Ukrainian Soldiers». The Moscow Times. 13 de setembro de 2023. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  632. Martin Fornusek (13 de setembro de 2023). «Germany delivers 20 Marder armored vehicles, other aid to Ukraine». The Kyiv Independent. Consultado em 13 de setembro de 2023 
  633. «EU Parliament Calls Lukashenko 'Accomplice' to Russian War Crimes». The Moscow Times. 14 de setembro de 2023. Consultado em 15 de setembro de 2023 
  634. Abbey Fenert (14 de setembro de 2023). «Russia claims 4 drones shot down over Bryansk Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  635. Abbey Fenert (14 de setembro de 2023). «Russia claims 11 aerial, 5 sea drones destroyed in occupied Crimea». The Kyiv Independent. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  636. «Invaders once again shut traffic across Crimea Bridge while blasts reported in Yevpatoria». ukrinform. 14 de setembro de 2023. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  637. Ece Goksedef; Vitalii Chervonenko (14 de setembro de 2023). «Russian air defence system destroyed in Crimea, Ukraine says». BBC. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  638. «Ukraine says Russian missile defence destroyed in Crimea, 2 warships hit». Aljazeera. 15 de setembro de 2023. Consultado em 15 de setembro de 2023 
  639. Dinara Khalilova (15 de setembro de 2023). «Media: Ukraine hits Russian missile-carrying ship with sea drone». The Kyiv Independent. Consultado em 15 de setembro de 2023 
  640. Kris Parker (15 de setembro de 2023). «Evacuations ordered for children near Kherson Oblast front lines». The Kyiv Independent. Consultado em 15 de setembro de 2023 
  641. Rachel Amran (15 de setembro de 2023). «ISW: Commander of elite Russian unit killed». The Kyiv Independent. Consultado em 15 de setembro de 2023 
  642. Elsa Court (14 de setembro de 2023). «ICC opens office in Kyiv to investigate Russian war crimes». The Kyiv Independent. Consultado em 14 de setembro de 2023 
  643. «Romania ups flight restrictions at Ukraine border as drone debris found». Aljazeera. 15 de setembro de 2023. Consultado em 15 de setembro de 2023 
  644. Dinara Khalilova (14 de setembro de 2023). «US announces new sanctions targeting Russia's military-linked elites, industrial base». The Kyiv Independent. Consultado em 15 de setembro de 2023 
  645. Dinara Khalilova (14 de setembro de 2023). «EU removes 3 Russian businessmen from sanctions list». The Kyiv Independent. Consultado em 15 de setembro de 2023 
  646. Martin Fornusek (15 de setembro de 2023). «General Staff confirms liberation of Andriivka in Donetsk Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 15 de setembro de 2023 
  647. Martin Fornusek (15 de setembro de 2023). «Military: Russia accidentally drops aerial bomb on occupied Nova Kakhovka». The Kyiv Independent. Consultado em 15 de setembro de 2023 
  648. Martin Fornusek (15 de setembro de 2023). «UPDATE: Pro-Russian lawmaker Shufrych officially charged with treason». The Kyiv Independent. Consultado em 15 de setembro de 2023 
  649. «Historic Ukrainian sites in Kyiv and Lviv added to UN danger list». BBC. 16 de setembro de 2023. Consultado em 16 de setembro de 2023 
  650. «Hungary, Poland, Slovakia to continue own bans on Ukraine grains». Aljazeera. 15 de setembro de 2023. Consultado em 16 de setembro de 2023 
  651. Matt Murphy (16 de setembro de 2023). «Wagner group formally banned as terror organisation in the UK». BBC. Consultado em 16 de setembro de 2023 
  652. «Russian attacks on Kharkiv Oblast kill 2, injure 7». The Kyiv Independent. 16 de setembro de 2023. Consultado em 16 de setembro de 2023 
  653. Abbey Fenert (16 de setembro de 2023). «Russia claims 2 drones shot down over Tver, Kaluga oblasts». The Kyiv Independent. Consultado em 16 de setembro de 2023 
  654. «Ukrainian Strike Kills 1 in Russian Village: Authorities». The Moscow Times. 16 de setembro de 2023. Consultado em 17 de setembro de 2023 
  655. Natalia Datskevych (17 de setembro de 2023). «Russian army shells Sumy Oblast, kills 1 civilian, injures 1». The Kyiv Independent. Consultado em 17 de setembro de 2023 
  656. Dinara Khalilova (18 de setembro de 2023). «Authorities: Russian attacks in Kherson, Donetsk oblasts kill 1, injure 4». The Kyiv Independent. Consultado em 18 de setembro de 2023 
  657. Bigg, Matthew Mpoke; Vinograd, Cassandra; Shankar, Vivek (17 de setembro de 2023). «Ukraine Says It Has Retaken Strategic Village Near Bakhmut». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 18 de setembro de 2023 
  658. Rachel Amran (18 de setembro de 2023). «Explosion reported in occupied Zaporizhzhia Oblast». The Kyiv Independent. Consultado em 18 de setembro de 2023 
  659. Natalia Datskevych (17 de setembro de 2023). «Explosions reported in Sevastopol, Russian sources report drone attack». The Kyiv Independent. Consultado em 18 de setembro de 2023 
  660. Olena Goncharova (17 de setembro de 2023). «Russia claims 4 drones shot down over Crimea, 1 over Moscow region». The Kyiv Independent. Consultado em 17 de setembro de 2023 
  661. Olena Goncharova (17 de setembro de 2023). «Governor: Drone damages oil depot in southwestern Russia». The Kyiv Independent. Consultado em 17 de setembro de 2023 
  662. Asami Terajima (17 de setembro de 2023). «Canada pledges nearly $25 million to bolster Ukraine's air defense». The Kyiv Independent. Consultado em 17 de setembro de 2023