Cronologia de setembro de 2001 após os ataques de 11 de setembro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.

Cronologia dos ataques de 11 de Setembro nos dias seguintes aos ataques, no mês de setembro de 2001.

Todos os horários, exceto quando especificado, seguem o Eastern Daylight Time (EDT), o que são quatro horas (em vez de cinco) antes da UTC, por causa do horário de verão.

Setembro de 2001[editar | editar código-fonte]

Quarta-feira, 12 de setembro[editar | editar código-fonte]

  • 2h30min, CBS relata que um carro-bomba foi estacionado na Ponte George Washington. A polícia de Nova Jersey alegou que havia explosivos suficientes para destruir toda a ponte. Aparentemente, o FBI negou o relatório. De acordo com um relatório posterior, três homens foram detidos, mas não havia explosivos envolvidos. Eles foram presos porque tinham sido vistos comemorando os ataques.
  • Antes das 3h15min, The Boston Herald informa que, pelo menos, cinco árabes foram identificados como suspeitos. Dois deles eram irmãos, e um, piloto treinado. Seus passaportes foram rastreados para os Emirados Árabes Unidos. Um carro, alugado em Portland, Maine, foi apreendido na garagem do Aeroporto Internacional de Boston, contendo manuais de voo em árabe. De acordo com a CNN, o FBI não pôde confirmar nem negar isso. Os suspeitos haviam lutado com um homem pouco antes da descolagem e este, mais tarde, recordou o incidente e chamou a polícia.
  • Antes das 3h50min, The Jerusalem Post informa que o terrorista Osama bin Laden deu um discurso negando qualquer ligação com os ataques, que ele chamou de admirável.
  • Depois das 7h, o oficial John McLoughlin, que estava em um corredor subterrâneo entre as duas torres quando a Torre Sul desabou, é retirado vivo dos escombros do World Trade Center.
  • 10h53min, o Presidente George W. Bush realiza uma reunião de gabinete, dizendo que os atentados "foram mais que atos de terror. Eles foram atos de guerra".
  • 12h30min (aproximadamente), Genelle Guzman-McMillan é retirado vivo dos escombros da Torre Norte do World Trade Center, sendo a última pessoa viva retiradas da zona de colapso[1].
  • 13h10min, agentes do FBI invadem Westin Hotel, em Boston, para investigar um quarto alugado por um passageiro de um avião. Eles encontram e detêm três pessoas no quarto e chamam o esquadrão antibomba para investigar um pacote suspeito.
  • 17h, General John Ashcroft anuncia que alguns dos sequestradores eram pilotos formados nos Estados Unidos.

Quinta-feira, 13 de setembro[editar | editar código-fonte]

  • Algumas linhas aéreas comerciais voltam a funcionar.
  • O gravador de dados do voo 93 da United Airlines é recuperado.
  • Entre 4h15min e 5h, dez pessoas foram detidas aeroportos de Nova Iorque, por suspeitas de estarem envolvidas com terrorismo. Mais tarde, descobriu-se que nenhuma dessas pessoas estava planejando um sequestro.
  • É anunciado que Ahmed Shah Massoud, um líder militar da Aliança do Norte, faleceu em 9 de setembro por ferimentos recebidos durante um ataque suicida talibã.
  • Por ordem de Elizabeth II, The Star-Spangled Banner (hino nacional dos EUA) é tocado durante a troca da guarda no Palácio de Buckingham. Este ato inédito foi testemunhado por uma multidão que cantou junto.
  • Por ordem de Vladimir Putin, Rússia presta homenagem de um minuto de silêncio ao meio-dia (horário de Moscou) com bandeiras colocadas a meio-mastro em toda a Rússia, em memória das vítimas dos ataques.

Sexta-feira, 14 de setembro[editar | editar código-fonte]

Dia Nacional da Oração e Lembrança

  • Manhã, The United States Department of Defense (DoD) libera uma nova estimativa com os nomes dos desaparecidos. 125 pessoas estão desaparecidas: 74 do Exército, 42 da Marinha, 9 agentes de defesa.
    • Reinício das entregas de transportadoras nacionais como a UPS e a Federal Express.
    • Nove dos dez detidos em aeroportos de Nova Iorque já foram liberados. Um ainda está sob investigação devido ao seu estado de imigração. Autoridades acreditam que um deles tem um falso certificado de piloto, mas ele era piloto. Ele estava transportando documentos, incluindo um visto, que era propriedade do seu irmão, em Boston. Não houve tentativas de sequestro no dia 13.
    • O Pentágono quer recuperar as caixas-pretas do voo 77 da American Airlines, que colidiu contra o edifício.
    • Os 19 nomes dos sequestradores envovidos nos ataques são divulgados pelo FBI[2].
    • Detenções são realizadas na Holanda, Bélgica, em apartamentos revistados nas Filipinas e em um navio de cruzeiro na Flórida. A conexão com os ataques de 11 de setembro não é imediatamente evidente.

Sábado, 15 de setembro[editar | editar código-fonte]

  • Antes das 8h, as autoridades de Nova Iorque encerram a solicitação de doações de suprimentos de emergência.
  • Antes das 14h30min, o Irã anuncia que fechou a sua fronteira com o Afeganistão.
    • A contagem de mortos em Nova Iorque aumentou para 4.972. Mais de 150 corpos foram encontrados, sendo que 92 foram identificados.
    • A contagem oficial de mortos no Pentágono aumentou para 189, incluindo as 64 no avião.
  • 15h (aproximadamente), é realizado o funeral do Rev. Mychal F. Judge, morto nos ataques.
    • Funeral para o chefe dos bombeiros Peter J. Ganci, Jr. em Nova Jersey. Posteriormente, o prefeito Rudy Giuliani rompe sua política de não fazer comentários públicos, dizendo que "Todos estão de olhos em Nova Iorque".
  • Antes das 15h, Colin Powell diz que Paquistão e Irã fecharam as suas fronteiras com o Afeganistão.

Referências

  1. John Cloud, "A Miracle's Cost," Time (01/09/2002)
  2. FBI Announces List of 19 Hijackers, FBI, national Press Release (14/09/2001)
Ícone de esboço Este artigo sobre os ataques de 11 de setembro de 2001 é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.