Crouching Tiger, Hidden Dragon: Sword of Destiny

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Crouching Tiger, Hidden Dragon: Sword of Destiny
No Brasil O Tigre e o Dragão: A Lenda Verde
O Tigre e o Dragão: A Espada do Destino
 Estados Unidos
 China

2016 •  cor •  103 min 
Direção Yuen Woo-ping
Produção David Thwaites
Harvey Weinstein
Roteiro John Fusco
Baseado em O Tigre e o Dragão, de Du Lu Wang
Elenco Donnie Yen
Michelle Yeoh
Gênero ação
aventura
drama
Música Shigeru Umebayashi
Cinematografia Newton Thomas Sigel
Edição Jeff Betancourt
Companhia(s) produtora(s) China Film Group
Pegasus Taihe Entertainment
The Weinstein Company
Yucaipa Films
Distribuição Netflix
The Weinstein Company
Lançamento 26 de fevereiro de 2016
Idioma inglês
mandarim
Página no IMDb (em inglês)

Crouching Tiger, Hidden Dragon: Sword of Destiny (chinês: 卧虎藏龙:青冥宝剑/Wo Hu Cang Long II - Qing Ming Bao Jian; bra O Tigre e o Dragão: A Espada do Destino[1] ou O Tigre e o Dragão: A Lenda Verde[2]) é um filme chinó-norte-americano, realizado por Yuen Woo-ping e escrito por John Fusco.[3] Estreou-se mundialmente na Netflix a 26 de fevereiro de 2016.[4] O filme é uma sequência de O Tigre e o Dragão, filme de Ang Lee.[5]

Enredo[editar | editar código-fonte]

O filme conta a história vinte anos depois dos acontecimentos relatados no primeiro filme, trazendo os personagens Yu Shu Lien, Tie-Fang, Meng Sizhao e Snow Vase de volta à ação, para derrotar a ira de Hades Dai, que logo ele está com a tão poderosa, Espada do Destino Verde.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Donnie Yen como Meng Sizhao, o lobo silencioso
  • Michelle Yeoh como Yu Shu Lien
  • Harry Shum Jr. como Wei-Fang
  • Jason Scott Lee como Hades Dai
  • Roger Yuan como Iron Crow, o mestre de Wei-Fang
  • Woon Young Park como Thunder Fist
  • Eugenia Yuan como Blind Enchantress
  • JuJu Chan como Silver Dart Shi
  • Natasha Liu Bordizzo como Snow Vase
  • Chris Pang como Flying Blade
  • Veronica Ngo como Mantis
  • Andrew Stehlin como Black Tiger

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme recebeu comentários geralmente desfavoráveis da crítica especializada do cinema. No website AdoroCinema, foi dividida com boas críticas positivas sobre o filme. Mas o mesmo site criticou a passagem de tempo entre o último filme da série (lançado em 2000), e afirma; Diante de tamanho sucesso uma sequência não seria impensável, mas por que fazê-la exatamente agora? A resposta é muito simples: dinheiro. Diz a crítica de Francisco Russo.[6] No Rotten Tomatoes tem uma classificação baixíssima de 19%.[7]

Referências

  1. «O Tigre e o Dragão: A Espada do Destino». Brasil: CinePlayers. Consultado em 20 de março de 2019 
  2. Figueira, João Vitor (25 de fevereiro de 2016). «Cinemas dos EUA não vão exibir O Tigre e o Dragão: A Lenda Verde, produção da Netflix». AdoroCinema 
  3. «Crouching Tiger, Hidden Dragon: Sword Of Destiny : Elenco, atores, equipe técnica, produção». AdoroCinema. Consultado em 28 de fevereiro de 2016 
  4. Costa, Raquel (25 de fevereiro de 2016). «Cinema chinês estreia na Netflix Portugal». Diário de Notícias 
  5. Penilhas, Bruna (25 de fevereiro de 2016). «Crouching Tiger, Hidden Dragon: Sword of Destiny recebe novo trailer». IGN 
  6. Russo, Francisco. «Crouching Tiger, Hidden Dragon: Sword Of Destiny: Críticas». AdoroCinema. Consultado em 27 de fevereiro de 2016 
  7. «Crouching Tiger, Hidden Dragon: Sword of Destiny». Rotten Tomatoes (em inglês). Consultado em 4 de fevereiro de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme do cinema chinês é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.