Cruz (Vila Nova de Famalicão)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Portugal Portugal Cruz 
  Freguesia  
Brasão de armas de Cruz
Brasão de armas
Cruz está localizado em: Portugal Continental
Cruz
Localização de Cruz em Portugal
Coordenadas 41° 26' 36" N 8° 29' 44" O
País Portugal Portugal
Concelho VNF1.png Vila Nova de Famalicão
Administração
- Tipo Junta de freguesia
- Presidente António Alberto Simões da Costa (PS)
Área
- Total 3,82 km²
População (2011)
 - Total 1 738
    • Densidade 455 hab./km²
Orago São Tiago

São Tiago da Cruz é uma freguesia portuguesa do concelho de Vila Nova de Famalicão, com 3,82 km² de área e 1 738 habitantes (2011)[1]. A sua densidade populacional é de 455 hab/km².

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Cruz [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
631 577 644 642 684 671 720 790 905 1 083 1 278 1 635 1 589 1 636 1 738

História[editar | editar código-fonte]

A freguesia de Santiago da Cruz situa-se a cinco quilómetros a norte da sede do concelho de Vila Nova de Famalicão, no qual se integra, fazendo fronteira com as freguesias vizinhas de Jesufrei, Mouquim, Gavião, São Martinho do Vale e São Cosme do Vale, tendo como referência a saída da A3 (Porto – Braga). Na sua área de 382 hectares, compreende os lugares de Agra, Atafona, Boavista, Bouça, Casilio, Chãzinha, Cima da Veiga, Fonte Coberta, Gavinho, Godinho, Grilo, Igreja, Moldes, Outeiro, Pindela, Pinheiral, Pousada, Ribela, Seara, Soutelo, Veiga e Venda.

Habitualmente designada por Santiago da Cruz, esta Freguesia já recebeu, em tempos recuados, as denominações de Molnes e Forca, nomeadamente nas Inquirições de 1220 - “De Santo Jacobo de Forca” - e nas de 1258 - “In Molnes solebat intrare maiordomus”.

Em documentos oficiais de 1528, surgia ainda com a designação de São Tiago da Forqua. No final do século XVI, o topónimo Forca foi substituído por Cruz. Molnes, também mencionado desde 1220, corresponde ao actual lugar de Moldes.

Santiago da Cruz pertenceu ao julgado de Vermoim, no Termo de Barcelos. Era Abadia de apresentação da Casa de Bragança, ou seja, o Abade (que tinha 400$000 réis de rendimento) era apresentado pelo Duque.

Em Cruz, situava-se o Morgadio de Pindela, cijo titular foi posteriormente elevado a visconde de Pindela. O primeiro visconde de Pindela foi João Machado Pinheiro Correia de Melo. Na povoação ainda hoje se ergue o Solar de Pindela, brasonado, com a sua majestosa torre.

Terra de extraordinárias tradições, Santiago da Cruz reuniu um espólio de interesse cultural significativo, nomeadamente a nível religioso, com a edificação de vários templos e cruzeiros, que honram e justificam o topónimo da freguesia.

Património[editar | editar código-fonte]

A Igreja Matriz, muito antiga, foi restaurada em finais do século XVIII e merece destaque devido à existência de vários túmulos, no interior e no exterior do seu edifício, bem como pelo antiquíssimo púlpito, com base em pedra e parte superior gradeada a madeira, peça de uma rara beleza.

A Capela do Senhor dos Aflitos situa-se no lugar da Boavista. Erigida no século XIX, o seu interior reveste-se de magnífica talha dourada.

A Capela de Santo António, no lugar do Pousada, é um pequeno templo em granito, embora o exterior esteja revestido a cal. O átrio e o altar são de estilo renascentista. O tecto do átrio é suportado por seis colunas redondas e por duas de forma paralelepédica.

A Capela do Solar de Pindela é românica, mas muito pobre. Restaurada em 1661, guarda, no interior, o brasão de armas da família de Pindela. À entrada da Capela, existe um arco, também românico. O Solar foi construído junto à Capela, em 1456. Beneficiou de obras de restauro e aumento, durante o século XIX. A parte da origem da casa é manuelina e a parte acrescentada manteve o mesmo estilo manuelino pobre.

Também fazem parte do património edificado de Cruz, o Cruzeiro da Igreja, o Cruzeiro da Capela de Santo António, o Cruzeiro do Cemitério, a Cruz da Quinta da Fonte Coberta, as Alminhas do lugar da Boavista, os Nichos da Terra da Capela do Senhor dos Aflitos e a Ponte do Grilo.

Referências

  1. «População residente, segundo a dimensão dos lugares, população isolada, embarcada, corpo diplomático e sexo, por idade (ano a ano)». Informação no separador "Q601_Norte". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 9 de Março de 2014. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2013 
  2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.