Cruza-bico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCruza-bico
Dois cruza-bicos machos
Dois cruza-bicos machos
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Família: Fringillidae
Género: Loxia
Espécie: L. curvirostra
Nome binomial
Loxia curvirostra
(Linnaeus, 1758)

O cruza-bico-comum[1] (Loxia curvirostra) é uma ave da família Fringillidae.

Nomes comuns[editar | editar código-fonte]

Dá ainda pelos seguintes nomes comuns: bico-cruzado[2], trinca-nozes[3] e trinca-pinhas[4].

Descrição[editar | editar código-fonte]

É maior do que o verdilhão, assumindo-se, dessarte, como um dos maiores elementos da família dos fringilídeos.[5] Esta espécie é pautada pelo dimorfismo sexual, pelo que, quando adultos, os machos se revestem de uma plumagem inteiramente vermelha-carmim, ao passo que as fêmeas, a par dos espécimes juvenis, mantém uma plumagem esverdeada e cinzenta.[6]

A sua característica mais marcante é o bico, cujas mandíbulas se cruzam na extremidade, permitindo-lhe abrir pinhas, para extrair os pinhões nelas contidos.[5] As populações destas aves são nómadas condicionadas pelo tipo de alimentação. Fazem uma alimentação quase exclusivamente à base das pinhas das coníferas, especialmente as dos pinheiros.[7]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Durante a época de acasalamento, toca às fêmeas o papel de construção dos ninhos.[8] Costumam construí-los nos cocurutos dos pinheiros e dos abetos, servindo-se dos materiais disponíveis nas cercanias, (como os ramos da própria árvore, musgo, líquenes e felgas).[6] Amiúde, o macho acompanha a fêmea na tarefa de recolha e transporte destes materiais, durante a nidificação.[7]

A postura cifra-se em três ou quatro ovos por época, embora excepcionalmente possa haver mais do que uma postura por ano, sendo que a respectiva incubação tarda entre 14 e 16 dias.[6] Durante este compasso de espera, a fêmea conta com o macho para a alimentar e proteger.[8] Sendo que no rescaldo da eclosão, as crias são alimentados apenas pelo pai.[7]

Mais tarde, sensivelmente ao fim de 14 dias, as crias principiam a saída do ninho, sendo certo que ainda são alimentados pelos progenitores durante mais alguns dias.[8]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Distribui-se por quase toda a Europa, sendo especialmente comum no norte do continente; ocorre igualmente na Ásia e América do Norte.[5]

Cruza-bico fêmea.
Loxia curvirostra MHNT

Portugal[editar | editar código-fonte]

A expressão do cruza-bico é imprevisível e inconstante em Portugal, tanto podendo surgir em grandes números em certos anos, como praticamente ausentar-se do país noutros.[5] Tais instabilidades populacionais resultam dos fluxos populacionais vindos do Norte da Europa, que propiciam movimentos migratórios para o Sul do continente. [5]

Os dois últimos grandes influxos que se deram em Portugal ocorreram em 1990 e 1993, sendo que em anos mais recente se têm observados pequenos incrementos.[6]

Na pendência dos anos de invasões, os primeiros cruza-bicos aparecem geralmente em Agosto, podendo haver ulteriormente novas observações durante o Outono.[6] Por vezes a espécie permanece até à Primavera seguinte, chegando mesmo a nidificar no país em certos anos.[6]

Ecologia[editar | editar código-fonte]

Os pinhais são o seu habitat por excelência, privilegiando o pinheiro-de-casquinha.[9] Algumas populações nidificam em pinhais em certas áreas dos três continentes e na América do Norte, ao passo que há outras populações que se reproduzem nos bosques de abetos. [7]

Referências

  1. Infopédia. «cruza-bico | Definição ou significado de cruza-bico no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 29 de julho de 2021 
  2. Infopédia. «bico-cruzado | Definição ou significado de bico-cruzado no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 29 de julho de 2021 
  3. Infopédia. «trinca-nozes | Definição ou significado de trinca-nozes no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 29 de julho de 2021 
  4. Infopédia. «trinca-pinhas | Definição ou significado de trinca-pinhas no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 29 de julho de 2021 
  5. a b c d e «Página de Espécie • Naturdata - Biodiversidade em Portugal». Naturdata - Biodiversidade em Portugal. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  6. a b c d e f «Cruza-bico (Loxia curvirostra)». www.avesdeportugal.info. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  7. a b c d Infopédia. «cruza-bico - Infopédia». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  8. a b c Infopédia. «cruza-bico - Infopédia». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  9. Infopédia. «cruza-bico - Infopédia». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 15 de agosto de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Cruza-bico