Cubati

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Cubati
"Cidade do Supercross"
Cubati Aéreo 2010.jpg

Bandeira de Cubati
Brasão de Cubati
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 6 de Julho[1]
Fundação 28 de outubro de 1915 (101 anos)[2]
Emancipação 30 de abril de 1959 (58 anos)[3]
Gentílico cubatiense
Prefeito(a) Eduardo Ronielle Guimarães Martins Dantas[4] (PSB[5][6])
(2017–2020)
Localização
Localização de Cubati
Localização de Cubati na Paraíba
Cubati está localizado em: Brasil
Cubati
Localização de Cubati no Brasil
06° 52' 04" S 36° 21' 03" O06° 52' 04" S 36° 21' 03" O
Unidade federativa  Paraíba
Mesorregião Borborema IBGE/2008 [7]
Microrregião Seridó Oriental Paraibano IBGE/2008 [7]
Municípios limítrofes Norte: Pedra Lavrada; Oeste: Seridó (Paraíba); Sudeste: Olivedos; Nordeste: Sossêgo, e Barra de Santa Rosa.
Distância até a capital 200 km
Características geográficas
Área 136,965 km² [8]
População 7 234 hab. IBGE/2016[9]
Densidade 52,82 hab./km²
Altitude 475 m
Clima tropical chuvoso com verão seco[10] As'
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,591 baixo PNUD/2000 [11]
PIB R$ 45,559 mil IBGE/2015[12]
PIB per capita R$ 6 297 89 IBGE/2015[13]
Página oficial

Cubati, município no estado da Paraíba (Brasil), localizado na região do Seridó Oriental Paraibano. Possui população estimada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no ano de 2016, de 7.234 habitantes e Área territorial de 137,2 km².

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

Os primeiros registros históricos da localidade que hoje configura o município de Cubati remontam ao século XVIII, a essa época as terras eram praticamente despovoadas, sendo esparsamente ocupadas por tribos indígenas da grande nação Tapuias do Nordeste. A ocupação não indígena se atribui a procura de terras propícias à criação de gado e solos férteis, no apogeu do Ciclo do Couro, com sua posse estando vinculada ao sistema de sesmarias. Assim, décadas depois, estas ocupações se consolidaram através do translado de comitivas de tropeiros, gado e religiosos, notadamente aqueles que se deslocavam ao Seridó potiguar.[14]

Em 1915 a localidade foi elevada a categoria de distrito, porém, com nova denominação, Canoas. Tal ato fora autorizado pela Lei Estadual nº. 424, de 28 de outubro de 1915, do qual se pode deduzir que nesta data se consolidou a fundação da cidade, através da instituição do distrito de Canoas, ratificada por ato anterior a 02 de março de 1938, subordinado ao município de Picuí. Apenas em 1943 o distrito retomou sua denominação original, Cubati, conforme estabelecido através do Decreto Lei Estadual nº. 520, de 31 de dezembro de 1943.[15]

Evolução Histórica[editar | editar código-fonte]

Nas primeiras décadas do século XX, a ocupação da localidade esteve relacionada à habitação das propriedades de posse do escravo alforriado Manoel Maria de Barros – que havia sido presenteado com as terras pelo senhor Joaquim Gurinhém, conjuntamente à sua carta de alforria – e do senhor Targino Pereira da Costa, que precisamente eram fronteiriças, com seus limites erigidos onde hoje se ergue a cidade de Cubati.[16]

A fixação populacional definitiva ocorreu a partir de 1911, com a construção da Capela por Manoel Maria de Barros, que veio a falecer anos depois, cabendo sua esposa, em devoção a forte religiosidade de seu marido, a doação de um pedaço de terras em louvor a São Severino Bispo, as quais foram incorporadas ao patrimônio da paróquia. A partir daí começaram a surgir novas casas, ocupadas por famílias oriundas de outras localidades.[17]

Em 1938, foi construída a Igreja que hoje serve como matriz, distante da capela, erguida em 1911, e que originou a cidade. A elevação à município veio com a emancipação política em 1959, através da Lei Estadual nº. 2076, de 30 de abril de 1959, desmembrado do município de Picuí. A instalação da municipalidade se deu em 03 de julho de 1959, assim permanecendo até os dias atuais.[18][19]

O município está incluído na área geográfica de abrangência do semiárido brasileiro, definida pelo Ministério da Integração Nacional em 2008, com delimitação categorizada através dos índices: pluviométrico, de aridez e o risco de seca.

Formação Econômica[editar | editar código-fonte]

A Formação Econômica de Cubati decorre do aumento do fluxo populacional na localidade após 1910, conjuntamente a perspectiva de estabelecimento de um mercado de trocas, que serviu de impulso a incipiente economia local. Pode-se afirmar que esta tem origens vinculadas ao aproveitamento da localização geográfica privilegiada, a partir da qual se ergueu um pequeno mercado que viria a se configurar na primeira feira da localidade, empreendida por tropeiros e alguns moradores, nas proximidades da casa de fazenda de Manoel Maria de Barros. A consolidação da feira livre municipal ocorreu nas décadas seguintes, sobretudo após a chegada do Padre Simão Fileto, que promoveu ações que revitalizaram e desenvolveram o comércio local a partir da mencionada feira. [20]

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município está incluído na área geográfica de abrangência do semiárido brasileiro, definida pelo Ministério da Integração Nacional em 2005[21]. Esta delimitação tem como critérios o índice pluviométrico, o índice de aridez e o risco de seca. Situado na região centro-norte do Estado da Paraíba, mesorregião da Borborema e microrregião Seridó Oriental Paraibano, limitando-se com os municípios de Pedra Lavrada, Sossego, São Vicente do Seridó, Olivedos e Barra de Santa Rosa. O município apresenta um relevo de morros, contendo serras situadas mais a noroeste. A altitude onde o relevo é mais suave não ultrapassa a cota 620 m, já que a área que está inserida no Planalto da Borborema, pode conter escarpas e cotas entre 700 e 800 m.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

A hidrografia da microrregião do Seridó é composta por rios intermitentes que na época chuvosa tornam-se rios caudalosos, podendo causar voçorocas. O município encontra-se sobre a bacia do Rio Piranhas, sub-bacia do rio Seridó. Possui rios temporários de pequena vazão e com baixo potencial de água subterrânea. Os riachos que cortam o município são: Riachos Cubati, do Feijão, Campos Novos e mais alguns tributários.[22]

Clima[editar | editar código-fonte]

A classificação do clima para a região, segundo Köppen, é Bsh (semiárido quente), com ventos alísios de sudeste, com verão seco e temperatura média anual de 25ºC, com período longo de estiagem de 8 a 10 meses. A média pluviométrica da região está entre 500 a 700 mm para o município de Cubati, com períodos irregulares de chuva.[23]

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Apresenta formação vegetacional do tipo caatinga hiperxerófila, caducifólia e subcaducifólia, de troncos retorcidos, ocorrência característica de regiões semiáridas. Possui espécies de caráter arbustivo e é muito comum a presença de cactáceas e bromeliáceas.[24]


Referências

  1. Cubati IBGE. Consultado em 08 de dezembro de 2016.
  2. Cubati IBGE. Consultado em 08 de dezembro de 2016.
  3. Cubati IBGE. Consultado em 08 de dezembro de 2016.
  4. FAMUP - Federação das Associações de Municípios da Paraíba. «Listagem de Municípios - Prefeitos». Consultado em 8 de janeiro de 2013 
  5. TSE- DivWeb. Consultado em 09 de dezembro de 2016.
  6. Curimataú Notícias. Consultado em 09 de dezembro de 2016.
  7. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  8. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  9. http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2016/estimativa_tcu.shtm. Consultado em 07 de dezembro de 2016
  10. Ministério das Minas e Energia, 2005. Diagnóstico do Município de Cubati, Projeto Águas Subetrrâneas
  11. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  12. https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pib-munic/tabelas. Produto Interno Bruto dos Municípios 1999-2013. Consultado em 07 de dezembro de 2016.
  13. https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pib-munic/tabelas. Produto Interno Bruto dos Municípios 1999-2013. Consultado em 07 de dezembro de 2016.
  14. AGRA, Fabiana de Fátima Medeiros. Picuí do Seridó: dos primórdios até 1930. João Pessoa: A União, 2010. Consultado em 08 de dezembro de 2016.
  15. Cubati IBGE. Consultado em 08 de dezembro de 2016.
  16. Blog Click na Notícia. Consultado em 08 de dezembro de 2016.
  17. RIETVELD, Padre João Jorge. História da Paróquia de Nossa Senhora da Luz de Pedra Lavrada: A Devoção de José Bezerra da Costa. Campina Grande: Maxgraf, 2010. Consultado em 08 de dezembro de 2016.
  18. COSTA, A. C. da. O Bairro do Estado na cidade de Cubati/PB: metamorfoses temporais de sua paisagem. 2016. 71f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2016. http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/9902. Consultado em 08 de dezembro de 2016.
  19. Cubati. Consultado em 08 de dezembro de 2016
  20. RIETVELD, Padre João Jorge. História da Paróquia de Nossa Senhora da Luz de Pedra Lavrada: A Devoção de José Bezerra da Costa. Campina Grande: Maxgraf, 2010. Consultado em 08 de dezembro de 2016.
  21. Ministério da Integração Nacional, 2005. Nova delimitação do semiárido brasileiro.
  22. São Paulo, UNESP, Geociências, v. 33, n. 3, p.516-534, 2014.
  23. São Paulo, UNESP, Geociências, v. 33, n. 3, p.516-534, 2014.
  24. São Paulo, UNESP, Geociências, v. 33, n. 3, p.516-534, 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]