Cultura de Santa Catarina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A cultura de Santa Catarina é o conjunto de manifestações artístico-culturais desenvolvidas por catarinenses.

Espaços culturais e museus[editar | editar código-fonte]

Fachada do Palácio Cruz e Sousa, antiga sede do governo de Santa Catarina, em Florianópolis.

São sediadas em Santa Catarina várias instituições culturais, podendo ser citadas o Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, a Academia Catarinense de Letras e o Círculo de Arte Moderna. As principais bibliotecas são a Biblioteca Pública do Estado, a Biblioteca Pública Municipal do Estreito, as das diversas escolas da Universidade Federal (Florianópolis), a Biblioteca Pública Municipal Dr. Fritz Müller (Blumenau), a Biblioteca Pública Municipal (Joinville) e a Biblioteca da Fundação Camargo Branco (Lages).[1][2]

Os principais museus de Santa Catarina são o Museu Histórico (local de instalação na Casa de Santa Catarina, com armas, uniformes e objetos que pertenciam à Companhia Barriga Verde), a residência de Vítor Meireles, o Museu Etnográfico, Etnológico e Botânico, o Museu de Arte Moderna, o Museu do Índio, o Museu do Instituto Geográfico e Histórico, o Museu do Homem do Sambaqui (Florianópolis), o Museu de História Natural Dr. Fritz Müller (Blumenau), o Museu Arquidiocesano D. Joaquim (Brusque), o Museu Nacional do Mar, com embarcações do Brasil e do exterior (São Francisco do Sul), o Museu Municipal (de imigrantes, colonizadores e achados arqueológicos), o Museu Estação da Memória na histórica estação de trem (Joinville) e o Museu Histórico Pedagógico (Lages).[1][2]

Monumento "O Desbravador" em Chapecó.

Entre os principais catarinenses ilustres nascidos dentro e fora do estado, podemos destacar: Antonieta de Barros, florianopolitana, professora e política; Atílio Fontana, gaúcho, empresário e político; Bruno e Hermann Hering, alemães, industriais; Carl Hoepcke, alemão, industrial; Carlos Renaux, alemão, político, comerciante e industrial; Diomício Freitas, orleanense, empresário e político; família Schürmann, florianopolitana, viajantes de veleiro; Filipe Schmidt, lageano, politico; Gustavo Kuerten, florianopolitano, ex-tenista; Hercílio Luz, florianopolitano, engenheiro e político; João David Ferreira Lima, advogado e professor; José Arthur Boiteux, tijuquense, jornalista, historiador e advogado; Juarez Machado, joinvillense, artista plástico; Lindolf Bell, timboense, poeta; Nereu Ramos, lageano, advogado e político; Paulo Evaristo Arns, forquilinhense, religioso; Raulino Reitz, religioso, botânico e historiador; Santa Paulina, italiana, religiosa, Vera Fischer, blumenauense, atriz; Willy Zumblick, tubaronense, pintor.[3]

Monumentos, festas religiosas e folclore[editar | editar código-fonte]

Ao povoarem a Florianópolis de hoje, os açorianos haviam erguido um sistema de fortalezas as quais possuem grande importância histórica. Na ilha de Anhatomirim encontra-se um desses fortes, a fortaleza de Santa Cruz, a qual, erigida em 1744, foi restaurada pela Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN). Das ruínas do forte de São José da Ponta Grossa (1740), na praia do Forte, possui-se uma das mais lindas visões da região.[1][2]

Demais conhecidos monumentos são o Mercado Público e o prédio da Alfândega, construídos do final do século XIX, e a ponte Hercílio Luz (1926), uma das mais grandes pontes pênseis do planeta (Florianópolis) e o palácio dos Príncipes, construído em 1870 (Joinville). O patrimônio histórico cadastra por tombamento as ruínas e construções da ilha de São Francisco do Sul e da cidade de Laguna.[1][2]

Dentre as festas religiosas tradicionais de Santa Catarina merecem destaque: a procissão do Senhor Jesus dos Passos, a festa de São Sebastião, a festa do Divino Espírito Santo (festa móvel, com três dias de duração) e a procissão de Santa Catarina (padroeira do estado).[1][2]

Blumenau, onde ocorre a maior oktoberfest fora da Alemanha.

Das festas folclóricas, realizam-se as principais no mês de outubro em uma grande diversidade de cidades: em Criciúma, a Festa das Etnias; em Florianópolis, a Fenaostra; em Blumenau, a Oktoberfest, festa tradicional da Alemanha, que distribui chope, canções típicas e grupos de folclore; em Joinville, a Fenachopp; em Rio do Sul, a Kegelfest, no qual o atrativo, bem como a cerveja, é o bolão, jogo parecido com o boliche e com a bocha; em Treze Tílias, a Tirolerfest, celebração do dia em que os imigrantes vieram da Áustria; em Jaraguá do Sul, a Schützenfest, combinação de torneio de tiro com festival alimentar e cervejeiro; em Brusque, a Fenarreco, a Festa Nacional do Marreco; em Pomerode, a Festa Pomerana; em Itapema, o Festival do Camarão; e, em Itajaí, a Marejada, festival com culinária de Portugal.[1][2]

Demais festas folclóricas famosas no estado são o terno de reis, em janeiro; o boi-de-mamão, em janeiro e fevereiro, uma aparência de pantomima onde é predominante a imagem de um boi de papelão ou madeira, acompanhada de pessoas, fantasia, dançarinos e cantores; e a farra do boi, na semana santa. Da culinária de Santa Catariina, os pratos mais famosos são a bijajica (bolinho de polvilho, ovos e açúcar, fritado em banha) e o Ente mit Rotkohl (marreco com repolho roxo), iguaria da região de Brusque. No mês de abril ocorre a Expofeira Nacional da Cebola na município de Ituporanga. Período em que as festas são realizadas, o evento, toda a edição, firmou-se como habitual para excursões, promoção de agronegócios e divulgação de novas tecnologias no setor agropecuário. Entre maio e julho ocorre em Lages a Festa Nacional do Pinhão, com pratos típicos feitos de pinhão, considerando-se o mais grande festival tradicionalista brasileiro e em Urussanga no Sul do estado a Festa do Vinho e a festa Ritorno Alle Origini merecem destaque como festas da imigração italiana no estado.[1][2]

Esportes[editar | editar código-fonte]

O Estádio Orlando Scarpelli em novembro de 2010.

O futebol é o esporte mais popular no estado de Santa Catarina, seguido por vôlei, tênis, basquete, ciclismo e artes marciais. O futebol foi introduzido no início do século XX, tendo como principais equipes o Avaí, o Figueirense, a Chapecoense, o Joinville e o Criciúma, além de outros times menores.[4] O Campeonato Catarinense, realizado anualmente desde 1924, é o principal evento de futebol no estado, organizado pela Federação Catarinense de Futebol, contando com a participação de dez equipes na primeira divisão.[5] Os estádios Arena Condá, em Chapecó, e Heriberto Hülse, em Criciúma são o maiores estádios de futebol de Santa Catarina.[6]

Santa Catarina é sede de eventos esportivos nas mais diversas modalidades, seja de importância local, nacional e até mesmo internacional, entre os quais os Jogos Abertos de Santa Catarina, os Joguinhos, a Olimpíada Estudantil (Olesc), os Jogos Escolares (JESC), Campeonato Escolar de Futsal (MOLEQUE), os Jogos Abertos Paradesportivos (PARAJASC), os Escolares Paradesportivos (PARAJESC), os Abertos da Terceira Idade (JASTI) e Dança Catarina, todos realizados pela secretaria estadual do esporte.[7]

Dentre as principais personalidades do esporte catarinense estão: no tênis, Gustavo Kuerten, o maior tenista do Brasil e um dos maiores do mundo, filho do jogador amador Aldo Kuerten, que incentivou a educação pelo esporte, contribuindo nos torneios como juiz de cadeira;[8][9][10] no futebol, Wellington Saci e Filipe Luís;[11][12] no voleibol, Ana Moser,[13] Bárbara Bruch,[14] Carlos Schwanke,[15] Tiago Barth,[16] Thiago Henrique Sens,[17] e Rosamaria Montibeller;[18] no basquete, Guilherme Teichmann,[19] André Luiz Bresolin Goés,[20] Jimmy Dreher de Oliveira[21] e Tiago Splitter;[22] no ciclismo, Hans Fischer, prematuramente morto em 1988;[23] e nas artes marciais, Thiago Tavares (jiu-jitsu),[24] Júnior dos Santos,[25] Leonardo Mafra,[26] Márcio Alexandre,[27] Rafael Silva (MMA)[28] e Wande Lopes (muay thai).[29]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Em Santa Catarina, há dois feriados estaduais: o dia 11 de agosto, data magna do estado, e o dia 25 de novembro, festa litúrgica de Santa Catarina de Alexandria.[30] Estes feriados foram oficializados através das leis n.º 10.306/1996 e 12.906/2004, ambas revogadas pela lei estadual nº 16.719/2015.[31]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g Oliveira, Juarez Fernandez de (2000). «Santa Catarina: Cultura». Cola da Web. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  2. a b c d e f g «Santa Catarina». Turismo Agora. 2008. Consultado em 12 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2017 
  3. RBS SC (2009). «Os 20 catarinenses que marcaram o Século 20». RBS Santa Catarina 30 Anos. Consultado em 3 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2013 
  4. FCF (2018). «CLUBES FILIADOS». Federação Catarinense de Futebol. Consultado em 11 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 24 de junho de 2013 
  5. Sidney Barbosa da Silva, Sidney Vieira Feitosa (29 de setembro de 2006). «CAMPEÕES DO CAMPEONATO CATARINENSE DA 1ª DIVISÃO». Campeões do Futebol. Consultado em 11 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2012 
  6. Polidoro Júnior (21 de janeiro de 2016). «Conforme levantamento revelador feito pela CBF, SC possui 22 estádios». Consultado em 11 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2016 
  7. Governo de Santa Catarina (2018). «EVENTOS». Fundação Catarinense de Esporte. Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  8. Universo Online (2018). «Gustavo Kuerten». UOL Educação. Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  9. Frazão, Diva (25 de julho de 2017). «Gustavo Kuerten». E-Biografia. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  10. Net Saber (2018). «Gustavo Kuerten». Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  11. NSC TV (19 de julho de 2017). «"Rei do acesso", Wellington Saci é apresentado no Hercílio Luz e cita projeto». Globo Esporte SC. Consultado em 11 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2018 
  12. Rede Globo (5 de junho de 2013). «Brasilidades: Filipe Luís, a herança da Guerra e gosto pelo cemitério». Globo Esporte. Consultado em 11 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2018 
  13. Universo Online (2018). «ANA MOSER». Terceiro Tempo. Consultado em 11 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2018 
  14. Pretti, Tita. «Atleta jaraguaense é convocada para Seleção Brasileira de Vôlei». Por Acaso. Consultado em 11 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2018 
  15. Sports-reference.com (9 de março de 2005). «Profile Carlos Eduardo Schwanke» (em inglês). Consultado em 16 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2018 
  16. Smanioto, Luciano (2013). «Catarinense Tiago Barth é um dos centrais da nova geração do vôlei brasileiro». Diário Catarinense. Consultado em 11 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2018 
  17. Tática Assessoria de Comunicação (6 de abril de 2011). «Vôlei: Novo atleta da 7mais7 Sports, Thiago Sens é convocado para a seleção brasileira militar». Consultado em 11 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2018 
  18. Joffre, Matheus (1 de outubro de 2017). «Projeto de vôlei de Nova Trento formou ponteira da seleção e lapida novas meninas». Notícias do Dia. Consultado em 11 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 11 de janeiro de 2018 
  19. LNB (2018). «Teichmann». Liga Nacional de Basquete. Consultado em 3 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2018 
  20. LNB (2018). «André». Liga Nacional de Basquete. Consultado em 3 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2018 
  21. LNB (2018). «Jimmy». Liga Nacional de Basquete. Consultado em 3 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2018 
  22. Liga Endesa (2018). «Tiago Splitter». ACB.com. Consultado em 3 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2018 
  23. Google Books - Placar Magazine - Morreu Fischer (23 de dezembro de 1988) Acessado em 24 de janeiro de 2017
  24. Sherdog.com (2018). «THIAGO TAVARES». Consultado em 3 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 2 de julho de 2013 
  25. Sherdog.com (2018). «JUNIOR DOS SANTOS "CIGANO"». Consultado em 3 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 16 de junho de 2013 
  26. Sherdog.com (2018). «LEONARDO MAFRA TEXEIRA "MACARRAO"». Consultado em 3 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2015 
  27. Sherdog.com (2018). «MARCIO ALEXANDRE JR. "LYOTO"». Consultado em 3 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 28 de maio de 2014 
  28. Sherdog.com (2018). «RAFAEL SILVA "MORCEGO"». Consultado em 3 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2013 
  29. Sherdog.com (2018). «WANDE LOPES SANTANA». Consultado em 3 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2013 
  30. Vieira, Paulo Afonso Evangelista (26 de dezembro de 1996). «LEI ORDINÁRIA Nº 10306». Leis Estaduais. Consultado em 11 de janeiro de 2018 
  31. Silveira, Luiz Henrique da (22 de janeiro de 2004). «LEI Nº 12.906». Leis Estaduais. Consultado em 11 de janeiro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]