Neolítico (China)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
History of China.png
História da China
História Antiga
Neolítico 8500 AEC – 2070 AEC
Dinastia Xia 2070 AEC – 1600 AEC
Dinastia Shang 1600 AEC – 1046 AEC
Dinastia Zhou 1046 AEC – 256 AEC
 Zhou Ocidental
 Zhou Oriental
   Primaveras e Outonos
   Estados Combatentes
História Imperial
Dinastia Qin 221 AEC – 206 AEC
Dinastia Han 206 AEC – 220 EC
  Han Ocidental
  Dinastia Xin
  Han Oriental
Três Reinos 220–280
  Wei, Shu and Wu
Dinastia Jin 265–420
  Jin Ocidental
  Jin Oriental Dezesseis Reinos
Dinastias do Norte e do Sul
420–589
Dinastia Sui 581–618
Dinastia Tang 618–907
  (Segunda dinastia Zhou 690–705)
Cinco Dinastias
e Dez Reinos

907–960
Dinastia Liao
907–1125
Dinastia Song
960–1279
  Song do Norte Xia Ocidental
  Song do Sul Jin
Dinastia Yuan 1271–1368
Dinastia Ming 1368–1644
Dinastia Qing 1644–1911
História Moderna
República da China 1912–1949
República Popular
da China

1949–presente
República da
China
(Taiwan)

1949–presente

A definição de neolítico na China está passando por mudanças.[1][2][3][4] A descoberta em 2012 de cerâmica, cerca de 20.000 anos a.C.,[5] indica que essa medida sozinha não pode mais ser usada para definir o período.[6] No entanto, o período neolítico aceita-se que começou na China por volta de 10.000 a.C.[7] durante o qual a sociedade patriarcal do clã foi formada[8] e concluído com a introdução da metalurgia, cerca de 8.000 anos depois[9], caracterizou-se pelo desenvolvimento de comunidades assentadas que se baseavam principalmente na agricultura e animais domésticos, em vez de caçar e colher.[10]

Na China, como em outras áreas do mundo, os assentamentos neolíticos cresceram ao longo dos principais sistemas fluviais. Aqueles que dominam a geografia da China são o Amarelo (centro e norte da China) e o Yangzi (sul e leste da China).[11] Ao longo do Yangtze, os arqueólogos descobriram milhares de itens de cerâmica, porcelana, ferramentas e machados de pedra polida, anéis de jade esculpidos, pulseiras e colares esculpidos que datam de pelo menos 6000 aC.[12]

Culturas neolíticas[editar | editar código-fonte]

Distribuição de sítios Neolíticos na China

Na China, as culturas neolíticas surgiram por volta do oitavo milênio a.C. e foram caracterizadas principalmente pela produção de ferramentas de pedra, cerâmica, têxtil, casas, enterros e objetos de jade. Tais achados arqueológicos indicam a presença de assentamentos em grupo onde o cultivo de plantas e a domesticação de animais eram praticados.[13]

A domesticação de árvores frutíferas data entre 4000 e 2500 aC, começando após a domesticação de milho e arroz no norte e sul da China, respectivamente, mas dentro do período que antecedeu as sociedades urbanas que caracterizaram o período Longshan na bacia do rio Cultura Liangzhu no Baixo Yangtze. Esses resultados colocam a domesticação das principais árvores frutíferas entre o final da domesticação das principais culturas anuais e a ascensão do urbanismo.[14][15]

Temas importantes da história chinesa neolítica incluem:  1) a transição da era paleolítica para a era neolítica;  2) Festas de carne de porco e milho, a ascensão e desenvolvimento da agricultura e pecuária na China pré-histórica; 3) mudança de casas, a ascensão e disseminação de assentamentos pré-históricos;  4) O alvorecer da civilização, o curso da civilização e a unificação de uma China pluralista.[11]

História da Pesquisa[editar | editar código-fonte]

Uma das revisões mais abrangentes da história do estudo das culturas neolíticas na China é Chen (1997),[16] que discute as contribuições e insuficiências dos arqueólogos europeus na descoberta e interpretação das culturas neolíticas na China, incluindo o estudioso sueco Johan Gunnar Andersson e sua equipe - sua descoberta da cultura Yangshao na província de Henan em 1921[17] marcou o início da pesquisa neolítica na China.[18] Chang (1986)[19] analisa a transição da historiografia para a arqueologia moderna na China e abrange de maneira abrangente os achados e interpretações arqueológicas até a década de 1980.[20] Rejeitando a ideia de que a agricultura foi introduzida do oeste da Ásia na China, Ho (1975)[21] argumenta que a China é um dos centros de origem agrícola no mundo, com o milho foxtail e o milho-da-vassoura sendo domesticados no vale do Rio Amarelo[22]; o argumento do autor foi comprovado por descobertas arqueológicas desde a década de 1970.[23]

Com base na riqueza e diversidade das culturas neolíticas, Su e Yin (1981)[24] argumentam que as culturas neolíticas na China poderiam ser classificadas em seis tipos regionais,[25] um argumento ainda apoiado por alguns arqueólogos chineses no início do século XXI, embora outros o considerem um classificação tipológica das culturas neolíticas.[26] Zhongguo Shehui Kexueyuan Kaogu Yanjiusuo (2010)[27] resume a história da pesquisa sobre as culturas neolíticas na China de 1926 ao início do século 21, incluindo a participação de arqueólogos estrangeiros em pesquisas após a década de 1980.[28] Também lista importantes descobertas antes e depois de 1949 e inclui grandes publicações[29] Zhongguo Shehui Kexueyuan Kaogu Yanjiusuo e Shanxisheng Xi'an Banpo Bowuguan (1963)[30][30] é um exemplo inicial de análise de assentamentos de culturas neolíticas na China.[31] Li Feng (2013)[32] explorou ainda mais o estudo das culturas neolíticas na China e os fundamentos da história e da civilização chinesas.

Clã patriarcal[editar | editar código-fonte]

A comuna da família patriarcal apareceu na Era Neolítica (de 18.000 a 4.000 anos atrás) e mostrou a transição do casamento polígamo para a monogamia, onde as linhas de descendência eram traçadas pelo lado do pai da família e a propriedade era herdada pela linhagem masculina. À medida que a propriedade privada da propriedade emergia, a brecha entre ricos e pobres era muito maior na sociedade dos clãs patriarcais, o que levou à desintegração da sociedade primitiva e ao surgimento de comunidades. As heranças culturais da sociedade matriarcal do clã estão espalhadas em diferentes partes da China, destacadas pela cultura Peiligang, Cishan, Yangshao e Longshan.[33]

Cultura Peiligangue 裴李岗文化[editar | editar código-fonte]

A cultura Peiligangue existiu de 7000 a 5000 aC ao longo do trecho médio do rio Amarelo na atual província de Henan, no centro da China, e é a mais antiga cultura neolítica. A cultura praticava agricultura e criava gado; as pessoas caçavam animais e pescavam carpas. Eles tinham áreas residenciais e funerárias separadas. A cultura Peiligang foi a primeira cultura a ter feito cerâmica.[34][35]

Cultura Cishan 磁 山 文化[editar | editar código-fonte]

A cultura Cishan era um nome dado a uma comunidade neolítica encontrada em Cishan, na província de Hebei, no norte da China. A cultura Cishan existiu de 5400 a 5100 aC. Como a cultura Peiligangue, a cultura Cishan praticava agricultura na forma de milheto. As pessoas usavam foices, pás e facas de pedra como principais ferramentas agrícolas e faziam cerâmica à mão.[36]

Cultura Yangshao 仰韶文化[editar | editar código-fonte]

A cultura Yangshao refere-se a uma comunidade neolítica encontrada ao longo do trecho médio do rio Amarelo, da província de Gansu à província de Hainan, que existia de 5000 a 3000 aC. A cultura Yangshao foi descoberta pela primeira vez em 1921 na aldeia Yangshuo, na província de Henan, pelo arqueólogo sueco Johan Gunnar Andersson. Mais de 1.000 restos da cultura Yangshao foram encontrados sucessivamente, entre os quais a maioria estava na província de Shaanxi, no norte da China. O povo Yangshao cultivava arroz e milho, além de criar porcos, gado e cavalos.[37][38][39][40]

Cultura Longshan 龍山文化 / 龙山文化[editar | editar código-fonte]

A cultura Longshan existiu de 5000 a 4000 aC e apresentava tecnologia avançada nas artes de fazer delicada cerâmica preta.[41]

Tradição artística chinesa[editar | editar código-fonte]

Jarro do período neolítico (ca. 6500-1500 a.C.)

Uma tradição artística distintamente chinesa pode ser rastreada até o meio do período neolítico, por volta de 4000 a.C. Dois grupos de artefatos fornecem a evidência sobrevivente mais antiga dessa tradição.

O primeiro grupo de artefatos é a cerâmica pintada encontrada em vários locais ao longo da bacia do rio Amarelo, estendendo-se da província de Gansu, no noroeste da China,[42] até a província de Henan, no centro da China. A cultura que emergiu na planície central era conhecida como Yangshao. Uma cultura relacionada que surgiu no noroeste é classificada em três categorias, Banshan, Majiayao e Machang, cada uma categorizada pelos tipos de cerâmica produzidos.

A cerâmica pintada de Yangshao foi formada empilhando bobinas de argila na forma desejada e depois alisando as superfícies com espátulas e raspadores. Os recipientes de cerâmica encontrados nos túmulos, em oposição aos escavados nos restos das habitações, são frequentemente pintados com pigmentos vermelhos e pretos.[43] Essa prática demonstra o uso precoce do pincel para composições lineares e a sugestão de movimento, estabelecendo uma origem antiga para esse interesse artístico fundamental na história chinesa.

O segundo grupo de artefatos neolíticos consiste em esculturas de cerâmica e jade da costa leste e as margens inferiores do rio Yangzi, no sul, representando o Hemudu (perto de Hangzhou), o Dawenkou e depois o Longshan (na província de Shandong) e Liangzhu (região de Hangzhou e Xangai).

De todos os aspectos das culturas neolíticas no leste da China, o uso do jade deu a contribuição mais duradoura à civilização chinesa. Instrumentos de pedra polida eram comuns a todos os assentamentos neolíticos. As pedras a serem transformadas em ferramentas e ornamentos foram escolhidas por seu arnês e força para suportar o impacto e pela aparência. Nefrite, ou jade verdadeiro, é uma pedra resistente e atraente.[44]

Lista de culturas neolíticas da China[editar | editar código-fonte]

Datas (aC) Nome em português Nome em chinês Nome e localização atual
18000–7000 Cultura da caverna Xianren
(Paleolítica)
仙人洞、吊桶环遗址 Condado de Wannian, Shang-ráo, Jiangxi
8500–7700 Cultura de Nanzhuangtou 南莊頭遺址 Região do rio Amarelo no sul de Hebei
7500–6100 Cultura de Pengtoushan 彭頭山文化 região central de Yangtze, no noroeste de Hunan
7000–5000 Cultura de Peiligangue 裴李崗文化 Vale da bacia do rio Yi-Luo em Henan
6500–5500 Cultura de Houli 後李文化 Shandong
6200–5400 Cultura de Xinglongwa 興隆洼文化 Fronteira da Mongólia Interior-Liaoning
6000–5000 Cultura de Kuahuqiao 跨湖桥文化 Zhejiang
6000–5500 Cultura de Cishan 磁山文化 Hebei meridional
5800–5400 Cultura de Dadiwan 大地灣文化 Gansu e Shaanxi ocidental
5500–4800 Cultura de Xinle 新樂文化 rio Liao inferior na península de Liaodong
5400–4500 Cultura de Zhaobaogou 趙宝溝文化 Vale do Rio Luan na Mongólia Interior e no norte de Hebei
5300–4100 Cultura de Beixin 北辛文化 Shandong
5000–4500 Cultura de Hemudu 河姆渡文化 Yuyao e Zhoushan, Zhejiang
5000–3000 Cultura de Daxi 大溪文化 Região das Três Gargantas[45][46]
5000–3000 Cultura de Majiabang 馬家浜文化 Área do lago Tai e norte da Baía de Hangzhou[47]
5000–3000 Cultura de Yangshaoo 仰韶文化 Henan, Shaanxi, and Shanxi
4700–2900 Cultura de Hongshan 紅山文化 Interior da Mongolia, Liaoning, e Hebei
4100–2600 Cultura de Dawenkou 大汶口文化 Shandong, Anhui, Henan, e Jiangsu[48][49][50]
3800–3300 Cultura de Songze 崧澤文化 Área do lago Tai[51][52][53][54][55][56]
3400–2250 Cultura de Liangzhu 良渚文化 Delta do rio Yangtze[57][58]
3100–2700 Cultura de Majiayao 馬家窯文化 região superior do rio Amarelo em Gansu e Qinghai[59][60][61][62][63]
3100–2700 Cultura de Qujialing 屈家嶺文化 região Yangtze média em Hubei e Hunan[64]
3000–2000 Cultura de Longshan 龍山文化 Rio Amarelo central e inferior
2800–2000 Cultura de Baodun 寶墩文化 Planície de Chengdu[65][66][67][68][69]
2500–2000 Cultura de Shijiahe 石家河文化 região Yangtze média em Hubei[70][71][72]
1900–1500 Cultura de Yueshi 岳石文化 região mais baixa do rio Amarelo em Shandong[73][74][75][76][77][78]

Referências

  1. Leipe, C.; Long, T.; Sergusheva, E. A.; Wagner, M.; Tarasov, P. E. (1 de setembro de 2019). «Discontinuous spread of millet agriculture in eastern Asia and prehistoric population dynamics». Science Advances (em inglês). 5 (9): eaax6225. ISSN 2375-2548. doi:10.1126/sciadv.aax6225 
  2. Underhill, Anne P. (1997). «Current Issues in Chinese Neolithic Archaeology». Journal of World Prehistory. 11 (2): 103–160. ISSN 0892-7537 
  3. «Archaeologists have a new way to unlock the secrets of ancient burned bones». Los Angeles Times (em inglês). 28 de junho de 2019. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  4. Wang, Jianjun; Sun, Liguang; Chen, Liqi; Xu, Libin; Wang, Yuhong; Wang, Xinming (10 de junho de 2016). «The abrupt climate change near 4,400 yr BP on the cultural transition in Yuchisi, China and its global linkage». Scientific Reports. 6. ISSN 2045-2322. PMC 4901284Acessível livremente. PMID 27283832. doi:10.1038/srep27723 
  5. Bhanoo, Sindya N. (28 de junho de 2012). «Remnants of an Ancient Kitchen Are Found in China». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  6. Xiaohong Wu, Chi Zhang, Paul Goldberg, David Cohen, Yan Pan, Trina Arpin, Ofer Bar-Yosef (2012). Early Pottery at 20,000 Years Ago in Xianrendong Cave, China. Science, 336, 1696–1700.
  7. «NEOLITHIC CHINA» 
  8. «Prehistoric Times of China, Paleolithic Age, Neolithic Age, The Bronze Age». China Highlights. Consultado em 12 de novembro de 2019 
  9. Department of Asian Art, "Neolithic Period in China", Heilbrunn Timeline of Art History, New York: The Metropolitan Museum of Art, 2000.
  10. «Neolithic Period in China». www.metmuseum.org. Consultado em 12 de novembro de 2019 
  11. a b Hays, Jeffrey. «NEOLITHIC CHINA | Facts and Details». factsanddetails.com (em inglês). Consultado em 12 de novembro de 2019 
  12. Museum, National Palace (9 de março de 2006). «The Neolithic Age:The Beginning of Civilization». National Palace Museum (em English). Consultado em 12 de novembro de 2019 
  13. Hays, Jeffrey. «NEOLITHIC CHINA | Facts and Details». factsanddetails.com (em inglês). Consultado em 12 de novembro de 2019 
  14. Fuller, Dorian Q.; Stevens, Chris J. (1 de maio de 2019). «Between domestication and civilization: the role of agriculture and arboriculture in the emergence of the first urban societies». Vegetation History and Archaeobotany (em inglês). 28 (3): 263–282. ISSN 1617-6278. PMC PMC6499764Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 31118541. doi:10.1007/s00334-019-00727-4 
  15. Cohen, David Joel (2011). «The Beginnings of Agriculture in China: A Multiregional View». Current Anthropology. 52 (S4): S273–S293. ISSN 0011-3204. doi:10.1086/659965 
  16. Chen Xingcan 陈星灿. Zhongguo shiqian kaoguxueshi yanjiu, 1895–1949 (中国史前考古学史研究, 1895–1949). Beijing: Shenghuo dushu xinshi sanlian shudian, 1997.
  17. «New Development in Archeology: J G Andersson and Yangshao Culture. Swedish Exhibition of Chinese Porcelain, Gugong, Forbidden City, Beijing 2005». gotheborg.com. Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  18. Lee, Yun Kuen (2006). «Review of China before China: Johan Gunnar Andersson, Ding Wenjiang, and the Discovery of China's Prehistory. Museum of Far Eastern Antiquities Monograph Series No. 15». Asian Perspectives. 45 (2): 287–290. ISSN 0066-8435 
  19. Saxon, Wolfgang (16 de janeiro de 2001). «K.C. Chang, 69, Anthropologist Who Documented Chinese Bronze Age Society, Dies». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  20. Chang, Kwang-chih. The Archaeology of Ancient China. 4th ed. New Haven, CT: Yale University Press, 1986.
  21. Ho, Ping-ti. The Cradle of the East: An Inquiry into the Indigenous Origins of Techniques and Ideas of Neolithic and Early Historic China, 5000–1000 B.C. Hong Kong: Chinese University of Hong Kong, 1975.
  22. Cowan, C. Wesley; Watson, Patty Jo; Benco, Nancy L. (18 de maio de 2006). The Origins of Agriculture: An International Perspective (em inglês). [S.l.]: University of Alabama Press. ISBN 978-0-8173-5349-0 
  23. Nesbitt, Mark; Summers, G. D. (1988). «Some Recent Discoveries of Millet (Panicum miliaceum L. and Setaria italica (L.) P. Beauv.) at Excavations in Turkey and Iran». Anatolian Studies. 38: 85–97. ISSN 0066-1546. doi:10.2307/3642844 
  24. Su Bingqi 苏秉琦 and Yin Weizhang 殷玮璋. “Guanyu kaoguxue wenhua de quxi leixing wenti (关于考古学文化的区系类型问题).” Wenwu 5 (1981): 10–17.
  25. Piliu, Zheng (1985). «Livestock breeds of China» (PDF). Academia Chinesa de Ciências Agrícolas - ISBN 92-5-102185-6 
  26. ZHIMIN, AN; Chang, K. C. (1979). «THE NEOLITHIC ARCHAEOLOGY OF CHINA A BRIEF SURVEY OF THE LAST THIRTY YEARS». Early China. 5: 35–45. ISSN 0362-5028 
  27. Zhongguo Shehui Kexueyuan Kaogu Yanjiusuo 中国社会科学院考古研究所, ed. Zhongguo kaoguxue: Xinshiqi shidai juan (中国考古学 : 新石器时代卷). Beijing: Zhongguo shehui kexueyuan chubanshe, 2010.
  28. Allan, Sarah (maio de 2007). «Erlitou and the Formation of Chinese Civilization: Toward a New Paradigm». The Journal of Asian Studies (em inglês). 66 (2): 461–496. ISSN 1752-0401. doi:10.1017/S002191180700054X 
  29. Shelach-Lavi, Gideon (26 de janeiro de 2015). The Archaeology of Early China (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-19689-5 
  30. a b Zhongguo Shehui Kexueyuan Kaogu Yanjiusuo 中国社会科学院考古研究所 and Shanxisheng Xi’an Banpo Bowuguan 陕西省西安半坡博物馆. Xi’an Banpo: Yuanshi shizu gongshe juluo yizhi (西安半坡:原始氏族公社聚落遗址). Beijing: Wenwu chubanshe, 1963.
  31. «Neolithic Cultures in China - Chinese Studies - Oxford Bibliographies - obo». www.oxfordbibliographies.com (em inglês). Consultado em 20 de fevereiro de 2020 
  32. Feng, Li (14 de novembro de 2013). Early China: A Social and Cultural History (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-1-107-65234-7 
  33. «Prehistoric Times of China, Paleolithic Age, Neolithic Age, The Bronze Age». China Highlights. Consultado em 12 de novembro de 2019 
  34. Allan, Sarah (ed), The Formation of Chinese Civilization: An Archaeological Perspective, ISBN 0-300-09382-9
  35. Liu, Li; Chen, Xingcan (2012). The Archaeology of China: From the Late Paleolithic to the Early Bronze Age. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-64310-8 
  36. Lu, H.; Zhang, J.; Liu, K. -B.; Wu, N.; Li, Y.; Zhou, K.; Ye, M.; Zhang, T.; Zhang, H.; Yang, X.; Shen, L.; Xu, D.; Li, Q. (2009). «Earliest domestication of common millet (Panicum miliaceum) in East Asia extended to 10,000 years ago». Proceedings of the National Academy of Sciences. 106 (18): 7367–7372. PMC 2678631Acessível livremente. PMID 19383791. doi:10.1073/pnas.0900158106 
  37. Zhang, Menghan; Yan, Shi; Pan, Wuyun; Jin, Li (24 April 2019). «Phylogenetic evidence for Sino-Tibetan origin in northern China in the Late Neolithic». Nature. 569 (7754): 112–115. doi:10.1038/s41586-019-1153-z  Verifique data em: |data= (ajuda)
  38. Bradley, David (27-28 October 2018). «Subgrouping of the Sino-Tibetan languages». 10th International Conference on Evolutionary Linguistics, Nanjing University  Verifique data em: |data= (ajuda)
  39. LaPolla, Randy (2019). «The origin and spread of the Sino-Tibetan language family». Nature (em inglês). 569 (7754): 45–47. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/d41586-019-01214-6 
  40. Sagart, Laurent; Jacques, Guillaume; Lai, Yunfan; Ryder, Robin; Thouzeau, Valentin; Greenhill, Simon J.; List, Johann-Mattis (2019). «Dated language phylogenies shed light on the ancestry of Sino-Tibetan». Proceedings of the National Academy of Science of the United States of America. 116 (21): 10317-10322. doi:10.1073/pnas.1817972116 
  41. Cohen, David J.; Murowchick, Robert E. (2014), «Early complex societies in Northern China», in: Renfrew, Colin; Bahn, Paul, The Cambridge World Prehistory, ISBN 978-1-107-02378-9, 2, Cambridge, UK: Cambridge University Press, pp. 782–806.  Fairbank, John King; Goldman, Merle (2006), China: A New History, Second Enlarged Edition, ISBN 978-0-674-03665-9, Harvard University Press. 
  42. «Bowl - Neolithic period, Majiayao culture (ca. 3300–2050 B.C.)». www.metmuseum.org. Consultado em 12 de novembro de 2019 
  43. «Jar (Guan)». www.metmuseum.org. Consultado em 12 de novembro de 2019 
  44. «Neolithic Period in China». www.metmuseum.org. Department of Asian Art, The Metropolitan Museum of Art. Consultado em 12 de novembro de 2019 
  45. Allan, Sarah (ed), The Formation of Chinese Civilization: An Archaeological Perspective, ISBN 0-300-09382-9
  46. Chang, Kwang-chih The Archaeology of Ancient China, ISBN 0-300-03784-8
  47. Chang, Kwang-chih. The Archaeology of Ancient China, ISBN 0-300-03784-8
  48. Allan, Sarah (ed), The Formation of Chinese Civilization: An Archaeological Perspective, ISBN 0-300-09382-9
  49. Liu, Li. The Chinese Neolithic: Trajectories to Early States, ISBN 0-521-81184-8
  50. Underhill, Anne P. Craft Production and Social Change in Northern China, ISBN 0-306-46771-2
  51. Goodenough, Ward Hunt (1996). Prehistoric Settlement of the Pacific, Volume 86, Part 5. [S.l.]: American Philosophical Society 
  52. Li, Boqian (2012). «Implications of Large Burial Sites of Songze Culture». Social Sciences in China. 33 (2): 133–141. doi:10.1080/02529203.2012.677283 
  53. Qin, Ling (2013), «The Liangzhu culture», in: Underhill, Anne P., A Companion to Chinese Archaeology, ISBN 978-1-118-32572-8, John Wiley & Sons, pp. 574–596. 
  54. Qiu, Zhenwei; Jiang, Hongen; Ding, Jinlong; Hu, Yaowu; Shang, Xue (2014), «Pollen and Phytolith Evidence for Rice Cultivation and Vegetation Change during the Mid-Late Holocene at the Jiangli Site, Suzhou, East China», PLOS ONE, 9 (1): e86816, PMC 3900649Acessível livremente, doi:10.1371/journal.pone.0086816 
  55. Wang, Haiming (2001), «Majiabang», in: Peregrine, Peter N.; Ember, Martin, Encyclopedia of Prehistory, Volume 3: East Asia and Oceania, ISBN 978-0-306-46257-3, Springer, pp. 206–221. 
  56. Shanghai Qingpu Museum (ed.). «The Songze Culture Site». Shanghai Qingpu Museum. Consultado em 21 November 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  57. Allan, Sarah (ed), The Formation of Chinese Civilization: An Archaeological Perspective, ISBN 0-300-09382-9
  58. Zhou Ying, "The Dawn of the Oriental Civilization: Liangzhu site and Liangzhu culture", ISBN 978-7-5085-1058-3, China Intercontinental Press, Beijing, 2007 (em chinês e inglês)
  59. Bai, Yunxiang (2003), «A Discussion on Early Metals and the Origins of Bronze Casting in China» (PDF), Chinese Archaeology, 3 (1): 157–165, doi:10.1515/CHAR.2003.3.1.157. 
  60. Hung, Ling-yu (2011), Pottery Production, Mortuary Practice, and Social Complexity in the Majiayao Culture, NW China (ca. 5300-4000 BP) (PhD) (589), Washington University in St. Louis: All Theses and Dissertations (ETDs) 
  61. Liu, Li (2005), The Chinese Neolithic: Trajectories to Early States, ISBN 978-0-521-81184-2, Cambridge University Press. 
  62. * Liu, Li; Chen, Xingcan (2012), The Archaeology of China: From the Late Paleolithic to the Early Bronze Age, ISBN 978-0-521-64310-8, Cambridge University Press. 
  63. Valenstein, Suzanne G. (1989), A Handbook of Chinese Ceramics, ISBN 978-0-87099-514-9 revised ed. , New York: Metropolitan Museum of Art. 
  64. «Large Cemetery of Qujialing Culture Discovered at Chenghe Site, Hubei Province». kaogu.cssn.cn. Chinese Academy of Social Sciences. Consultado em 22 April 2019  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  65. Allan, Sarah (ed), The Formation of Chinese Civilization: An Archaeological Perspective, ISBN 0-300-09382-9
  66. Flad, Rowan (2013). «Chapter 7: The Sichuan Basin Neolithic». In: Underhill, Anne P. A Companion to Chinese Archaeology. [S.l.]: John Wiley & Sons. pp. 125–146. ISBN 978-1-4443-3529-3 
  67. Flad, Rowan; Chen, Pochan (2013). Ancient Central China: Centers and Peripheries Along the Yangtze River. New York: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-72766-2 
  68. d'Alpoim Guedes, Jade; et al. (2013). «Site of Baodun yields earliest evidence for the spread of rice and foxtail millet agriculture to south-west China». Antiquity. 87 (337): 758–771. doi:10.1017/S0003598X00049449 
  69. Zhongguo Shehuikexueyuan Kaogu Yanjiusuo Sichuan Gongzuodui (1991). 中国考古学中碳十四年代报告集1965-1991 [Report of C-14 dates from Chinese archaeology 1965-1991]. Beijing: Wenwu Chubanshe 
  70. Liu, Li; Chen, Xingcan (2012), The Archaeology of China: From the Late Paleolithic to the Early Bronze Age, ISBN 978-0-521-64310-8, Cambridge University Press. 
  71. Zhang, Chi (2013), «The Qujialing–Shijiahe culture in the middle Yangzi River valley», in: Underhill, Anne P., A Companion to Chinese Archaeology, ISBN 978-1-118-32578-0, John Wiley & Sons, pp. 510–534. 
  72. Zhang, Chi; Hung, Hsiao-chun (2008), «The Neolithic of Southern China-Origin, Development, and Dispersal», Asian Perspectives, 47 (2): 299–329, doi:10.1353/asi.0.0004, hdl:10125/17291. 
  73. Cohen, David Joel (2001). The Yueshi Culture, the Dong Yi, and the Archaeology of Ethnicity in Early Bronze Age China. [S.l.]: Harvard University 
  74. Di Cosmo, Nicola (1999). «The northern frontier in pre-imperial China». In: Loewe, Michael; Shaughnessy, Edward L. The Cambridge History of Ancient China. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 885–966. ISBN 978-0-521-47030-8 
  75. Fang, Hui (方辉) (2004). Yuèshí wénhuà 岳石文化 [Yueshi Culture]. [S.l.]: Shandong wenyi chubanshe. ISBN 978-7-5329-2357-1 
  76. Li, Min (2008). Conquest, Concord, and Consumption: Becoming Shang in Eastern China. [S.l.]: ProQuest. ISBN 978-0-549-81790-1 
  77. Liu, Li; Chen, Xingcan (30 April 2012). The Archaeology of China: From the Late Paleolithic to the Early Bronze Age. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-64310-8  Verifique data em: |data= (ajuda)
  78. Shelach-Lavi, Gideon (2015). The Archaeology of Early China. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-19689-5