Cuphead

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Cuphead
Produtora(s) StudioMDHR Entertainment
Editora(s) StudioMDHR Entertainment
Distribuidora(s) Microsoft Studios
Diretor(es) Chad Moldenhauer
Jared Moldenhauer
Produtor(es) Marija Moldenhauer
Ryan Moldenhauer
Projetista(s) Jared Moldenhauer
Escritor(es) Evan Skolnick
Programador(es) Eric Billingsley
Kezia Adamo
Tony Coculuzzi
Thomas Pryde
Artista(s) Chad Moldenhauer
Compositor(es) Kristofer Maddigan
Motor Unity
Plataforma(s)
Lançamento Microsoft Windows, Xbox One
  • WW 29 de setembro de 2017

Nintendo Switch
  • WW 18 de abril de 2019

Playstation 4
  • WW 28 de julho de 2020[1]
Género(s) Run and gun
Plataforma
Modos de jogo Um jogador
Multijogador

Cuphead é um jogo eletrônico de run and gun e plataforma criado pelos irmãos canadenses Chad e Jared Moldenhauer através da Studio MDHR. O jogo foi inspirado no estilo de animação Rubber hose usado em desenhos animados da Era de Ouro da animação americana, como o trabalho dos estúdios Fleischer Studios e Walt Disney Animation Studios, procurando manter a obra em qualidades subversivas e surrealistas. O jogo foi lançado em 29 de setembro de 2017 para Xbox One e Microsoft Windows.[2][3]

Cuphead apresenta dois jogadores que controlam o personagem-título e seu irmão Mugman, em uma aventura através da fictícia Inkwell Isle para derrotar uma série de chefes para pagar uma dívida adquirida com o diabo.[4]O jogo foi elogiado por seu estilo de arte, jogabilidade, trilha sonora e dificuldade. Foi um sucesso de crítica e comercial, ganhando vários prêmios e vendendo mais de seis milhões de cópias em três anos.[5] Uma série animada baseada no jogo está em produção pela Netflix.

História[editar | editar código-fonte]

No lugar fictício de "Ilha Tinteiro", Xicrinho (Nome brasileiro de Cuphead) e seu irmão Caneco (Nome de Mugman na adaptação brasileira do jogo) são dois garotos amantes da diversão que vivem sob o olhar atento do Velha Chaleira. Contra os avisos do ancião, os irmãos entram no Cassino do Diabo e começam a jogar dados. Quando eles vão em uma série de vitórias, o próprio diabo se oferece para aumentar as apostas. Se Xicrinho e Caneco puderem ganhar mais uma rodada, eles receberão todo o dinheiro no cassino; se não, o diabo levará suas almas. Xicrinho perde no jogo de dados e ele e Caneco imploram por misericórdia. O Diabo faz um acordo com eles: coletar os "contratos de alma" que significam sua posse das almas de seus devedores fugitivos até a meia-noite do dia seguinte, assim ele deixará que Xicrinho e Caneco fiquem com suas almas. Eles visitam o Velha Chaleira, que lhes dá uma poção que lhes permite disparar rajadas de seus dedos para ajudar em sua busca, mas também os adverte que os devedores podem mudar para coisas diferentes na tentativa de detê-los.

Os irmãos viajam pelas Ilhas Tinteiro, lutando contra os moradores que perderam suas almas para o Diabo, a fim de obter seus contratos. Ao entrar na segunda ilha, o Velha Chaleira informa sobre "fazer a coisa certa" quando eles se deparam com o Diabo novamente. Uma vez que eles tenham os contratos, eles retornam para o cassino, mas seu gerente, Rei Dado, bloqueia seu caminho. Ele perdeu uma aposta com o Diabo, presumivelmente sobre se Xicrinho e Caneco seriam capazes de completar sua tarefa, e os forçaria a lutar contra seus próprios capangas antes de confrontá-los diretamente. Depois que os irmãos derrotam o Rei Dado, o Diabo exige que eles entreguem os contratos em troca de "se juntar a sua equipe". O que acontece a seguir depende da escolha do jogador. Se o jogador decidir fazê-lo, o Diabo transforma Xicrinho e Caneco em seus lacaios demoníacos e o jogo termina. Se o jogador declinar, o Diabo fica furioso com a recusa dos irmãos em honrar o acordo e os enfrenta ele mesmo. Xicrinho e Caneco triunfam sobre ele, e queimam os contratos de alma, liberando e devolvendo a alma de todos os devedores, que por sua vez honram os irmãos pela bravura e nobreza de seus atos.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Além dos gráficos extremamente detalhistas e fiéis aos velhos cartoons, o jogo chama a atenção pela particularidade,[6] lembrando os jogos de plataforma dos anos 90 em 8 e 16 bit. É possível perceber referências a alguns desses jogos, como Contra, Mega Man X, Gunstar Heroes, Street Fighter III e Thunderforce (quando das fases aéreas).[7] As fases são repletas de inimigos, que atacam das mais diversas formas: saltando em direção ao jogador, caminhando ou atirando projéteis. O jogo também possui fases aéreas, com o personagem pilotando um avião, onde o objetivo é destruir os inimigos atirando projéteis e bombas. Outra referência a jogos vintage está no sistema de navegação entre fases através de um mapa ao estilo Super Mario World e Donkey Kong Country. A grande dificuldade do jogo também é um fator marcante.

Música[editar | editar código-fonte]

Outro fator decisivo na aclamação deste jogo é sua trilha sonora. Composta por Kristofer Maddigan, conta com uma equipe de 42 músicos e aborda essencialmente o jazz. São 56 faixas ao todo, passeando entre temas de jazz tradicional, swing, ragtime, em sua maioria instrumental. Até mesmo o samba-enredo é lembrado, na faixa Floral Fury. A trilha sonora também está disponível separadamente, para download em alta qualidade, além de possuir uma versão em vinil quádruplo de luxo.[8]

Na semana de 14 de setembro de 2019, o álbum Selected Tunes da Cuphead liderou as paradas da Jazz Albums Billboard[9]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Foi bastante elogiado pela sua criatividade, sua trilha sonora e sua dificuldade. No site Metacritic teve uma avaliação de 87% para a plataforma do Switch, 86% na plataforma de Xbox One e 88% para PC.[10][11][12]

O PC Gamer aclamou o jogo dizendo que "Cuphead é um shooter 2D moderno exigente, mas extremamente gratificante, que parece e soa fantástico"[13]A GameSpace chamou o jogo de obra-prima e que "O charme e o cuidado que eles colocam nesse jogo traz de volta uma nostalgia que não sinto há muitos anos"[14] A GameStar elogiou o visual, mas diz que requer muita paciência[15]. A GameSpot diz que "Cuphead continua sendo um jogo raro e único que realmente se destaca"[16]

A IGN Brasil deu 9/10 ao jogo e diz "O Studio MDHR entrega uma composição impecável de visual e jogabilidade"[17]A Voxel também elogiou o game dando 93/100 e disse que "Cuphead faz você se sentir incrível do começo ao fim, a cada desafio superado. A endorfina vai se destilar deliciosamente bem por suas veias"[18]

Vendas[editar | editar código-fonte]

Nas duas primeiras semanas de lançamento, o Cuphead vendeu mais de um milhão de cópias em todo o mundo[19]. As vendas subiram para mais de quatro milhões em julho de 2019. No dia 30 de novembro de 2019, Cuphead atinge a marca de 5 milhões de unidades vendidas.[20] Após o lançamento para o PlayStation 4 em julho de 2020, ele já havia atingido 6 milhões de vendas.[5]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Cuphead foi eleito em vários sites um dos melhores jogos de 2017[21]. A Techtudo explica o motivo de ser tão aclamado dizendo que: "Cuphead cativou a atenção do público por causa do seu visual, que homenageia desenhos animados da década de 30, e tem um gameplay run ‘n gun, muito similar com o clássico Contra. Após diversos adiamentos, o game finalmente foi lançado em 2017 e toda a espera valeu a pena, já que Cuphead é um excelente jogo de tiro em plataforma, com lindos gráficos e controles para nenhum jogador botar defeito"[22].

Na lista de 100 melhores jogos de 2017 pelo Metacritic Cuphead ficou em nono lugar[23]. A IGN colocou Cuphead como o terceiro melhor jogo de 2017 e completaram dizendo que: "Além de toda simpatia no visual, o game é recheado por chefões que oferecem algumas das melhores batalhas que já tive"[24] e o público do site o colocou também como o terceiro melhor de 2017[25].

Prêmios[editar | editar código-fonte]

No The Game Awards 2017 Cuphead foi um dos grandes campeões da noite, veja a lista de prêmios:[26]

  • Melhor Direção de Arte
  • Melhor jogo Independente
  • Melhor jogo de estreia

Legado[editar | editar código-fonte]

Cuphead foi uma influência no jogo em desenvolvimento Enchanted Portals da Xixo Games Studio. Quando o Enchanted Portals foi anunciado, foi fortemente criticado pelos fãs do Cuphead por compartilhar o estilo de jogo e arte com o Cuphead. Em resposta, os desenvolvedores de Enchanted Portals afirmaram que desejavam fazer um jogo semelhante ao Cuphead, mantendo o respeito pelo original.[27] O criador do jogo de sobrevivência de terror episódico Bendy and the Ink Machine, que também usa animação Rubber hose, discutiu sobre o desejo de fazer um crossover com Cuphead.[28] Um traje Cuphead Mii Fighter foi adicionado ao jogo de luta crossover de 2018 Super Smash Bros. Ultimate via conteúdo para download em janeiro de 2020. Ele também veio junto com um dos temas de nível de chefe do jogo, "Floral Fury".[29] Além disso, quatro Spirits com o tema Cuphead foram adicionados ao Super Smash Bros. Ultimate em fevereiro de 2020.[30] Mais tarde, em 2020, a rede de fast food Arby's adicionou brinquedos de edição limitada e artesanatos de papel baseados em alguns personagens do jogo ao menu infantil em locais selecionados.[31]

Série animada[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2019, a Netflix anunciou The Cuphead Show!, uma série animada baseada no jogo. Ele contará com aventuras de Cuphead e Mugman em Inkwell Isle, explorando áreas e personagens além daqueles no videogame. Embora a série seja voltada para crianças, o StudioMDHR também antecipou que elas incluirão humor e brincadeiras para a apreciação do público adulto. A série será animada; não será feito tão meticulosamente quanto o videogame usando os métodos tradicionais de caneta e papel, pois isso levaria muito tempo para ser concluído, mas contará com movimentos e personagens desenhados à mão. Chad e Jared Moldenhauer, do StudioMDHR, serão produtores executivos, juntamente com CJ Kettler, da King Features Syndicate. Dave Wasson e Cosmo Segurson serão co-executivos de produção, enquanto Clay Morrow e Adam Paloian estarão supervisionando os diretores.[32][33]

Um primeiro teaser foi lançado em junho de 2021, revelando que Wayne Brady daria a voz de King Dice.[34]

Referências

  1. «PlayStation Store - Cuphead» (em inglês). PlayStation Store. Consultado em 29 de julho de 2020 
  2. «Cuphead Team». Studio MDHR. Consultado em 5 de julho de 2017. Cópia arquivada em 5 de julho de 2015 
  3. Osborn, Alex (5 de julho de 2017). «CUPHEAD É EXCLUSIVO DA MICROSOFT E NÃO SERÁ LANÇADO PARA O PS4». IGN. Consultado em 23 de julho de 2017 
  4. Com visual de desenho animado, "Cuphead" brilha com desafio e criatividade
  5. a b Minotti, Mike (28 de julho de 2020). «Cuphead launches on PS4». Venturebeat. Consultado em 15 de abril de 2021 
  6. Ele derrotou todos os chefes de "Cuphead" sem tomar dano
  7. «FAQ: Cuphead - | Studio MDHR». | Studio MDHR (em inglês) 
  8. «Lançado hoje "Cuphead", o game mais jazzístico que você já viu». www.bluezinada.com.br. Consultado em 29 de setembro de 2017 
  9. «Jazz Albums Chart» 
  10. «Cuphead». Metacritic (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2019 
  11. «Cuphead». Metacritic (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2019 
  12. «Cuphead». Metacritic (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2019 
  13. Schilling, Chris (2 de outubro de 2017). «Cuphead review». PC Gamer (em inglês). Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  14. «Mages of Mystralia – PC Review». GameSpace.com (em inglês). 1 de junho de 2017. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  15. «Cuphead Test (PC) - Auf Scherben zum Erfolg». www.gamestar.de (em alemão). 5 de outubro de 2017. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  16. «Cuphead Review - Rise To The Challenge». GameSpot (em inglês). Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  17. «Review: Cuphead». IGN Brasil. 3 de outubro de 2017. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  18. «Análise de Cuphead». Voxel. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  19. «'Cuphead' Animated Comedy Series in the Works at Netflix | Hollywood Reporter». 9 de julho de 2019 
  20. «Cuphead atinge o marco de 5 milhões de unidades vendidas». Voxel. 30 de setembro de 2019. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  21. «Forza 7, Cuphead e mais: veja os melhores jogos de Xbox One de 2017». TechTudo. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  22. «PUBG, Cuphead e mais: confira os melhores jogos para PC de 2017». TechTudo. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  23. «Best PC Video Games for 2017». Metacritic (em inglês). Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  24. «E o melhor game de 2017 para o IGN Brasil é...». IGN Brasil. 22 de dezembro de 2017. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  25. «Melhores Games de 2017: A escolha do público». IGN Brasil. 22 de dezembro de 2017. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  26. Henrique, Jorge (8 de dezembro de 2017). «Zelda e Cuphead triunfam na Game Awards 2017, premiação dos melhores» 
  27. Marshall, Cass (9 de outubro de 2019). «Indie game Enchanted Portals draws backlash over Cuphead similarities». Polygon (em inglês). Consultado em 12 de junho de 2021 
  28. Bendy Co-Creator Talks Cuphead Crossover +MORE, Interview w/ BATIM's Mike Mood | The Leaderboard, consultado em 12 de junho de 2021 
  29. «Cuphead and Assassin's Creed are invading Smash Ultimate in Mii form». Destructoid (em inglês). 16 de janeiro de 2020. Consultado em 12 de junho de 2021 
  30. Life, Nintendo (12 de fevereiro de 2020). «Cuphead Gets A Special Spirit Event In Smash Bros. Ultimate Later This Week». Nintendo Life (em inglês). Consultado em 12 de junho de 2021 
  31. September 2020, Jordan Gerblick 15. «Cuphead toys are coming to Arby's kids meals». gamesradar (em inglês). Consultado em 12 de junho de 2021 
  32. «Netflix to Adapt 'Cuphead' Into Animated Comedy Series». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2020 
  33. Cuphead Netflix TV Show Details - IGN (em inglês), consultado em 13 de fevereiro de 2020 
  34. Peters, Jay (11 de junho de 2021). «Watch the first teaser for Netflix's gorgeous Cuphead show». The Verge (em inglês). Consultado em 12 de junho de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]